"O único autor intelectual do assalto ao Moncada é José Martí"



É 21 de setembro de 1953. Todos foram levados algemados ao tribunal. O ruído metálico que assustou o público havia sido produzido pelas correntes cromadas que prendiam mais de cem pulsos. Fidel fez uma pausa para tentar falar com o Tribunal e os guardas, em atitude de luta, empunharam as armas. Havia 200 deles dentro do Salão Plenário - uma sala retangular de 15 metros de comprimento por sete de largura - e muitos mais fora. No total, seriam 600 militares ocupando o bloco onde está localizado o Palácio da Justiça em Santiago de Cuba.

Fidel chamou a atenção ao bater as algemas que seguravam suas mãos presas. Em seguida, ele estendeu os braços e, apontando com eles para o enorme grupo de jovens que havia entrado no local minutos antes dele, pediu para falar:

– Queira fazer o favor... - começou a dizer quando, com as coronhas dos fuzis, seus guardas tocaram imperativamente o solo, justamente no local onde o acusado deveria permanecer parado, até que o Tribunal indicasse qual seria sua posição. Naquele momento, ouvi novamente a voz limpa e firme de Fidel, sacudindo a todos.

– Senhor Presidente, juízes, gostaria de chamar a atenção para este fato inusitado! Que garantias pode haver neste julgamento? Nem mesmo os piores criminosos são mantidos em uma sala que finge ser a Justiça nessas condições. Não se pode julgar ninguém assim, algemado, diga-se, embora...

Toques repetidos o interromperam.

Ele voltou o rosto para o banco ocupado pelos magistrados. Por alguns minutos houve silêncio total, os guardas apontando desafiadoramente suas armas para os mais de cem acusados.

O presidente do tribunal, Adolfo Piñeiro Osorio, levantou-se lentamente e, da mesma forma, deu sua sentença:

“Esta audiência está suspensa até que os réus sejam algemados”, disse ele, e fez uma pausa para continuar. “A todos os réus”, sublinhou, desenhando um círculo com o dedo indicador.

Ele se esforçou um pouco mais e perguntou ao Secretário da Câmara, Macaró Llarine, em voz quase imperceptível:

“Quem é o chefe das escoltas?”

“Acampamentos”, respondeu o secretário secamente, e o fez em voz alta, como se para ser ouvido.

- O oficial Camps é o encarregado de ordenar a retirada das algemas dos réus - disse o presidente.

Depois de respirar fundo, ele especificou:

– Esclarecemos que amanhã o arguido não poderá ser levado ao Tribunal nas condições de hoje.

Ele começou a remover a toga ao sair do Salão. Exceto por um, os outros membros do Tribunal de Urgência o seguiram apesar de tudo. Diaz Olivera, o magistrado mais velho, que fumava pacientemente um cigarro, permaneceu sentado em seu posto.

O chefe da escolta cuidou pessoalmente de soltar os pulsos de Fidel Castro, desfazendo suas algemas. Com seu olhar fixo em seu guardião, o acusado estendeu suas mãos cativas para ele. Os punhos de sua camisa estavam encharcados de suor. Ele usava seu único terno, azul marinho, e era aquele dia um dos mais quentes do verão de 1953 em Santiago de Cuba. O sol afogou o Palácio da Justiça. Nenhuma brisa oscilante soprava através das persianas abertas ao longo da parede lateral direita.

O suor escorria pela testa e pescoço de Fidel, mas não parecia incomodá-lo em nada. Ele usava uma gravata vermelha com manchas pretas, sapatos pretos bem limpos e meias da mesma cor. Um velho e gasto cinto marrom ajustava sua cintura, onde a calça tinha muitas dobras, revelando que ele havia perdido peso considerável durante os primeiros dois meses de detenção pré-julgamento.

Os guardas ainda não tinham terminado de abrir as outras fechaduras. À distância que Fidel estava de seus companheiros – cerca de cinco metros da primeira fila deles – ele não conseguia ver todos eles. Ele constantemente levantava o pescoço para reconhecer outra pessoa. Foi a primeira vez que ele viu uma grande parte de seus seguidores juntos no memorável 26 de julho. Quase todos os presentes mostraram firmeza e convicção nos ideais que os levaram a atacar a segunda fortaleza militar do país, mas Fidel não sabia qual seria a reação de muitos deles após aqueles dois meses de confinamento solitário e cativeiro severo no Prisão de Boniato, que seguiu o plano fracassado de apanhar Moncada de surpresa.

A qualidade de revolucionários teria que demonstrá-lo naquele julgamento. Para o líder do assalto, mais do que ninguém, esse seria um teste decisivo. Foi positivamente monolítico.

Fidel meditava ereto, de pé, à direita do Tribunal, em plano mais baixo que a altura da tribuna, entre este e uma seção das plataformas dos advogados de defesa, de cada lado da grande Câmara. Os outros estavam sentados, só ele tinha que permanecer naquela posição agora.

Os guardas não conseguiam esconder seu nervosismo e constrangimento. Entre eles estavam os algozes de 26 de julho; sádicos, criminosos... Mais de um ficou perturbado quando ele se supôs reconhecido por algumas das vítimas de torturas infames. Às 10:45 iniciou o processo.

“Todos os advogados têm seus selos?” - o Presidente perguntou fleumático. Era um procedimento normal anterior. Ele tocou suavemente a campainha e disse: A visão da Causa 37 permanece aberta.

Com um gesto indicou ao Secretário que deveria começar a ler a lista de chamada e a Lei Constitucional de Emergência, elaborada nos dias dos fatos, bem como o relatório do Coronel Alberto del Río Chaviano – o Chacal – que era chefe do Distrito Militar do Oriente em 26 de julho de 1953. Iniciada a leitura, o Presidente da Câmara instruiu o Dr. Fidel Castro a ocupar a extrema esquerda da terceira bancada réu, e a permanecer sentado até que fosse chamado a depor.

O arguido, Fidel Castro Ruz, pediu para ser ouvido novamente:

- Desejo expressar a este Tribunal que desejo fazer uso do meu direito, como advogado, de assumir a minha própria defesa.

“Na sua vez”, respondeu laconicamente o presidente.

Diante dessa resposta, Fidel teve que ouvir, da bancada dos réus, o referido ato e o falacioso relatório de Chaviano.

Após a leitura da Instrução de Cargos, os acusados ​​foram chamados a depor. O depoimento começou com o Dr. Roberto García Ibáñez, do Partido Autêntico, personalidade destacada da época em Santiago de Cuba. Ele negou participação nos eventos. Disse a verdade e pediu que, na qualidade de advogado, pudesse assumir a sua própria defesa, o que foi aprovado pela Câmara.

Em seguida, foi chamado o Dr. Ramiro Arango Alsina, um jovem advogado do Partido Autêntico.

– Nego que tenha sido um vínculo ou contato entre o ex-presidente Carlos Prío Socarrás e o Dr. Fidel Castro. Eu estava em Montreal, coincidindo com a assinatura de um manifesto de oposição, mas não tenho nenhum tipo de relação com os réus – e ele acrescentou: – Já vi o Dr. Fidel Castro na Universidade, mas ele não é meu amigo.

Arango Alsina, que foi acusado de ser o autor intelectual do Moncada e de dar “um milhão de pesos a Fidel Castro”, também pediu ao Tribunal que assumisse a sua própria defesa, na qualidade de advogado, e a sua pretensão, segundo as normas, foi aceitaram.

Ao final do longo exame judicial acusatório, Fidel voltou a reclamar seu pedido, já concedido aos demais, e, obviamente, não poderia ser negado.

“E a toga?” - Eu pergunto.

– Um jovem advogado da Corte, mais ou menos da sua altura, o doutor Eduardo Sabourín, de Santiago, deu-lhe o seu e Fidel reivindicou seu cargo no palanque dos advogados. Eles não podiam negar. E daquele setor do Plenário, ele começou a responder e questionar.

Mais uma vez, Arango Alsina pediu a palavra para perguntar ao advogado Fidel Castro se ele (Arango Alsina) era, como disseram, e de que foi acusado, o autor intelectual do Moncada.

“Ninguém deve se preocupar em ser acusado de ser o autor intelectual da Revolução, porque o único autor intelectual do assalto ao Moncada é José Martí, o Apóstolo de nossa independência”, enfatizou Fidel enfaticamente.

A resposta surpreendeu a todos, e alguns de seus colegas expressaram sua alegre emoção com aplausos que o Tribunal criticou, alertando para que não se repetissem.

No terceiro dia de julgamento, o principal arguido já se tinha tornado o maior acusador do regime, mesmo com severa censura da imprensa nacional, e apesar de com atestado médico terem tentado excluí-lo das sessões “por causa do seu estado de saúde”. Fidel enviou uma carta, por meio do Dr. Melba Hernández, dizendo que não estava doente.

Seria então, em 16 de outubro, quando o julgamento por ele continuaria; a data memorável em que pronunciaria a contundente autodefesa que depois reconstruiria na prisão: A história me absolverá.

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube