• NOVACULTURA.info

"As fábricas aos trabalhadores!"



O Comitê Provisório do Povo da Coreia do Norte nacionalizou importantes indústrias do país em agosto, há 75 anos atrás, um evento histórico que tornou o povo coreano o dono de fábricas e meios de produção.


Na época, a Coreia acabava de ser libertada da ocupação militar do imperialismo japonês (1905-1945), que assumira a maior parte das indústrias que constituíam a principal artéria da economia e auferia enormes lucros com os abundantes recursos naturais de sua colônia.


As instalações industriais tiveram que ser nacionalizadas para erradicar as consequências do domínio colonial do imperialismo japonês, libertar os trabalhadores da exploração e opressão e desenvolver independentemente as indústrias nacionais.


Portanto, o presidente Kim Il Sung, em seu relatório apresentado no Congresso Fundador do Comitê Organizador Central do Partido Comunista da Coreia do Norte (outubro de 1945), enfatizou a necessidade de nacionalizar indústrias importantes, incluindo fábricas, minas e transportes ferroviários que pertenciam ao imperialismo japonês e seus lacaios, para passá-los à posse do povo.


Mais tarde, apresentou a palavra de ordem “As fábricas aos trabalhadores!” Ele tinha muitos comitês de manufatura organizados para ocupar e administrar as instalações industriais e órgãos econômicos que pertenciam ao império japonês e seus lacaios e para estabelecer um sistema ordenado de controle e gestão pelos órgãos do poder popular.


Com base nisso, proclamou a “Lei de nacionalização de indústrias, transportes, comunicações, bancos, etc.” em 10 de agosto de 35 da era Juche (1946). Segundo a qual, todas as empresas, minas, usinas de energia, transporte ferroviário, comunicações, bancos, lojas, centros culturais, etc., que pertenciam ao Estado japonês, pessoas físicas e jurídicas japonesas e traidores coreanos seriam confiscados sem compensação e repassados ​​para propriedade do povo coreano, isto é, nacionalizado.


Como objeto de confisco, limitaram a propriedade do imperialismo japonês e dos traidores nacionais, ao mesmo tempo que protegiam legalmente a dos capitalistas nacionais e promoviam ativamente as atividades de gestão de empresários e comerciantes privados.


Como resultado, 1.034 fábricas e empresas que respondiam por mais de 90% do total industrial tornaram-se propriedades estatais e municipais.


Os trabalhadores, que se tornaram proprietários das fábricas, levantaram-se com o mesmo propósito e a mesma vontade, alimentando o desejo e a aspiração ardentes de criar uma nova vida e consolidaram firmemente os alicerces da construção da nova Coreia democrática.


Do Naenara