top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"La Higuera, o lugar sagrado boliviano em memória de Che Guevara"



La Higuera é um pequeno povoado no sopé da Cordilheira dos Andes, outrora perdido entre as montanhas e convertido desde 1967 no local sagrado de peregrinação para aqueles que, de todo o mundo, vêm prestar homenagem ao comandante Ernesto Che Guevara, o Guerrilha Heroico.


Percorrer os 60 quilômetros de terraplenagem que hoje a unem a Vallegrande é uma subida de três horas de curvas sem fim, cercada de abismos, em que placas orientam o viajante pela Ruta del Che. Isso leva a uma grande estátua, na entrada da vila a 2.160 metros acima do nível do mar.


Muito perto de lá está a Quebrada del Yuro, ou del Churo, como os camponeses locais a chamam. Nesse local, em 8 de outubro de 1967, resistiu atrás de uma rocha que ainda guarda inúmeros buracos de bala até ser ferido e seu fuzil ser desativado pelo impacto direto de um projétil.


Cercado e ferido, Che é capturado junto com dois guerrilheiros que lutavam na ravina: o boliviano Simeón (Willy) Cuba e o peruano Juan Pablo Chang, que foram levados para uma escolinha antiga com duas salas de aula em La Higuera. O capitão da unidade boliviana que o capturou, Gary Prado, garantiu-lhe que seria julgado em corte marcial no Departamento de Santa Cruz, mas o alto comando boliviano, chefiado pelo presidente, general René Barrientos, decidiu matar por instruções da Agência Central de Inteligência (CIA).


Nesse mesmo combate caíram os combatentes internacionalistas cubanos Orlando Pantoja Tamayo (Olo), René Martínez Tamayo e Alberto Fernández Montes de Oca, enquanto um pequeno grupo que lutava em posições mais distantes conseguiu se retirar, cumprindo a última ordem de Che, a quem consideraram que também havia conseguido até que ouviram a notícia no rádio.


É bem conhecido como os dois guerrilheiros foram assassinados na pequena sala de aula ao lado, na qual Che foi mantido sentado em uma pequena cadeira escolar por causa de seus ferimentos de bala na perna, sua reação enérgica quando tentaram interrogá-lo e como ele desafiou o soldado que eu tinha ordens para matá-lo.


Um coronel boliviano e um cubano que era agente da CIA chegaram de helicóptero ao local onde Che e seus companheiros estavam detidos e deram a ordem de fuzilá-los o mais rápido possível. Um sargento boliviano executou a ordem em 9 de outubro de 1967, um dia depois de sua captura, e disparou uma rajada de metralhadora “do peito para baixo” em Che, como era sua ordem.


Um dia após sua morte, o corpo do guerrilheiro foi levado para Vallegrande e exposto em um necrotério improvisado no hospital daquela cidade na frente de trinta jornalistas, incluindo três correspondentes estrangeiros. Suas mãos foram cortadas para servir de identificação perante a CIA e seu corpo foi enterrado em uma vala comum na antiga pista de Vallegrande, com outros guerrilheiros mortos no combate da Quebrada del Yuro ou assassinados na escola de La Higuera.


Embora a imprensa internacional tenha oferecido US$ 125 mil pelo diário de Che na Bolívia, os revolucionários bolivianos fizeram com que chegasse a Cuba naquele mesmo ano, frustrando o plano da CIA de fazer propaganda anticomunista com cópias adulteradas ou falsas das palavras de Che.


Em 1º julho de 1968, uma edição especial do jornal é publicada em Cuba, distribuída gratuitamente, e seu texto causa um escândalo internacional por revelar como a Bolívia e os Estados Unidos tratam os prisioneiros de guerra.


Por 30 anos seus restos mortais permaneceram enterrados em Vallegrande, até 28 de junho de 1997 quando, após cinco anos de intensa busca, um grupo de especialistas cubanos liderados pelo Dr. Jorge González Pérez identificou seus restos mortais junto com outros seis guerrilheiros na antiga pista de pouso.


A Revolução Cubana nunca abandona seus combatentes, e em 12 de julho de 1997 os restos mortais foram transferidos para Havana e depois, em solene homenagem a todo o povo de Cuba, depositados em 17 de outubro daquele ano no Complexo Monumental Ernesto Che. Guevara, mausoléu localizado na cidade de Santa Clara.


Nesse dia o Comandante-em-Chefe Fidel Castro expressou: “Com profunda emoção vivemos um daqueles momentos que não costumam se repetir. Não estamos aqui para nos despedir de Che e seus heroicos companheiros. Viemos para lhe dar as boas-vindas. Vejo Che e seus homens como um reforço, como um destacamento de combatentes invencíveis, que desta vez inclui não apenas cubanos, mas também latino-americanos que vêm lutar ao nosso lado e escrever novas páginas de história e glória. Vejo também o Che como um gigante moral que cresce a cada dia, cuja imagem, cuja força, cuja influência se multiplicou por toda a terra”.


Do Granma

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg