top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Líbano no mosaico quebrado do Oriente Médio"



A situação crítica no Oriente Médio só se agrava e aparentemente tudo continua a jogar a favor do enclave sionista que, com os constantes confrontos entre os países árabes, continua aproveitando o tempo para realizar seu plano diretor - o extermínio do povo palestino -, e seguir em direção à realização do “Grande Israel”, para o qual teria que seguir avançando em direção a todas as terras existentes entre o Nilo e o Eufrates, territórios que hoje estão sob o controle soberano da Síria, Líbano, Iraque, Arábia Saudita, Egito e Jordânia, que não é uma utopia maior do que o sonho da criação de um “lar judeu” em 1917.


Prova desta divisão constante no mundo árabe é a crise diplomática em curso que eclodiu devido às declarações de George Kordahi - agora ministro da Informação libanês, empresário e jornalista cristão -, nas quais descreveu a guerra, que desde 2015 a Arábia Saudita e Os Emirados Árabes Unidos (Emirados Árabes Unidos) desencadearam no Iêmen, como “absurda” e opinaram que “isso deveria parar como todas as guerras árabes”.


Riad, o principal precursor da divisão não só no mundo árabe, mas também no mundo islâmico, sempre a serviço de Washington e obviamente de Tel-Aviv, ordenou na sexta-feira, 29 de outubro, que o embaixador libanês, Fawzi Kabbara, deixasse o reino antes das 48 horas, em retaliação às afirmações exageradas de Kordahi que haviam sido divulgadas há três meses, além de ordenar o fechamento de suas fronteiras para as importações do Líbano, com a justificativa do tráfico de anfetaminas dos portos que estariam sob o controle do lendário Hezbollah, além de proibir seus súditos de viajarem para aquele país. O Bahrein imediatamente tomou medidas semelhantes e subsequentemente foi descoberto que o Kuwait e os Emirados Árabes Unidos também decidiram expulsar seus respectivos embaixadores do Líbano e retirar os seus de Beirute.


Como esperado, o poderoso Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), governado de fato pela Arábia Saudita, alinhou-se com o que foi ordenado pelo reino, “lamentando” a falta de críticas às ações dos Ansarullah (Houthis) frente a que chegou para alcançar o controle da maior parte do território. Enquanto a Liga Árabe expressou preocupação sobre a deterioração das relações entre o Líbano e a Arábia Saudita.


O embate diplomático exporá o Governo de Beirute a um aprofundamento de sua crise econômica que, até agora, em Riad e junto com o resto das nações do Golfo, encontrou esperança de apoio financeiro, como tantas vezes aconteceu no sempre complexo relacionamento.


Kordahi, que não se retratou em suas declarações, as havia postado no canal al-Jazeera do Catar em agosto, quando ainda não havia sido nomeado para o cargo e justificando as ações dos houthis., a resistência iemenita: “porque se limitam a proteger-se das agressões externas em que as suas casas, as suas aldeias, os seus casamentos e os seus funerais são constantemente bombardeados”. O fato de a referida entrevista ter sido transmitida novamente há poucos dias não pode ser tomada como casual e sem dúvida tem a intenção de agravar a crise política e econômica que o Líbano está passando e não apenas retirar o ministro, mas também remover o primeiro-ministro Nayib Makati, recentemente nomeado em 10 de setembro pelo presidente Michel Aoun, que está tentando administrar a mega crise econômica que o Banco Mundial considera uma das piores da história moderna. A moeda, em apenas dois anos, perdeu 90% do seu valor, o PIB atingirá a perda de 30% apenas entre 2020 e 2021, com inflação de três dígitos, o que se traduz em que para este ano se espera um aumento da pobreza de 45% e da extrema pobreza de 22%. Portanto, 1.700.000 pessoas, dos quase seis milhões de habitantes que tem o país, estão abaixo da pobreza linha e quase 850 mil em pobreza alimentar. Ao que se soma a pandemia e a explosão no porto de Beirute em agosto do ano passado, que deixou 215 mortos e devastou quarteirões inteiros da capital. Isso gerou infinitas especulações, além de reavivar em todos os libaneses a memória de seus longos anos de guerra civil (1975-1990) que deixou mais de 150 mil mortos e feridas que de forma alguma sararam. Soube-se recentemente que o Presidente Aoun teria aceitado a oferta russa de imagens de satélite sobre os eventos do porto a fim de esclarecê-los. O que politicamente poderia causar uma onda de choque muito mais intensa do que a própria explosão, atingindo muitos países da região e não só.


Convém lembrar que já em 2017, em meio a um espetacular ataque interno lançado pelo príncipe herdeiro saudita Mohamed bin Sultan contra seus possíveis rivais na sucessão, em uma aparente cruzada anticorrupção, o então primeiro ministro libanês Saad Hariri foi preso, em visita oficial ao reino, com a desculpa de ter cidadania saudita, pela qual o Presidente francês Emmanuel Macron teve de intervir, o que permitiu o seu regresso a Beirute. E em maio passado, o então ministro das Relações Exteriores do Líbano, Charbel Wehbe, teve de renunciar depois de vincular o crescimento do Daesh às monarquias do Golfo.


A verdade das mentiras


As novas disposições do reino Wahhabi visam explodir o governo libanês e, assim, reduzir o poder do Hezbollah. Origem do verdadeiro “aborrecimento” mais do que pelas declarações do Ministro Kordahi, que nada mais foram do que um mascaramento da verdadeira raiz do problema que o reino, juntamente com todos os seus parceiros, tem no Líbano, que é o papel preponderante no espectro político e social da organização político-militar do Hezbollah, presente não só no Governo, mas também e muito em todas as camadas da sociedade libanesa e particularmente nos setores mais pobres.


Esta organização não só tem sido historicamente a “besta negra” para o exército sionista, que já o derrotou duas vezes, mas também ajudou a exterminar milhares de terroristas na Síria, virando o destino daquela guerra quase perdida junto com o Exército Árabe da Síria, leal ao presidente Bashar al-Assad, Rússia e Irã.


Algo semelhante aconteceu na invasão terrorista do Iêmen, onde a colaboração do Hezbollah se tornou essencial para que quase sete anos depois de uma guerra abissalmente assimétrica, o movimento Houthi não só conseguiu resistir, mas também partiu para a ofensiva, atingindo as entranhas do regime, como os ataques ao coração da indústria do petróleo saudita em 2019, que se repetiram em março deste ano, somando o número de alvos bem-sucedidos nas proximidades de Riad e produzindo ataques a outras cidades como Dammam, Asir e Khazan.


Isso forçou Riad, não secretamente, mas muito discretamente, a entrar em negociações com Teerã sobre a miríade de questões críticas entre essas duas potências regionais nas quais o líder do Hezbollah, Sheikh Nasralah, continua a ser um dos grandes obstáculos.


Portanto, a guerra que em março de 2015 o príncipe herdeiro Mohamed considerava pouco mais que uma excursão de caça, seu maior promotor, tornou-se um pântano onde não só a coroa pode ser perdida, mas também as aceleradas tensões internas do reino. Explodir, o que ainda não aconteceu por apenas três motivos, a contenção norte-americana, a silenciosa repressão interna, da qual o assassinato de Jamal Khashoggi em 2018 nada mais foi do que um fato que não pode ser silenciado, e a catarata de dinares que ele está despejando na cidade para mantê-lo distraído. Portanto, é fundamental para Riad, Tel-Aviv e Washington isolar o movimento xiita libanês do atual governo do presidente Aoun.


A Arábia Saudita e seus parceiros regionais, junto com os Estados Unidos, continuam sangrando profusamente com as feridas que infligiram a si mesmas na guerra contra o Iêmen, que completará sete anos em março próximo.


Em Marib, no norte do Iêmen, a única província ainda nas mãos do “governo” pró-saudita, que eles ainda têm, uma batalha que está paralisada há meses está sendo travada onde, sem dúvida, se cairá nas mãos dos Houthies, a guerra tomará seu destino final e talvez o reino saudita também.


Por Guadi Calvo, do Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg