Notícias

"O problema da cultura socialista"

As questões sobre a cultura proletária e a cultura socialista são reiteradamente apresentadas e solucionadas de um jeito enviesado e torto, as vezes confundidas com conceitos completamente heterogêneos. Assim acreditavam, por exemplo, as pessoas sagazes que diziam que, no fundo, a cultura socialista está ligada a cultura proletária. Cada noção da possibilidade de realizar uma cultura socialista, pelo menos em parte, dentro do capitalismo, e oportunismo vulgar, bernsteinismo do campo cultural. Uma cultura socialista só começa a se realizar com uma economia socialista integral. Mas então não se poderia, de maneira nenhuma, aceitar o caráter proletário, pois o socialismo significa a supressão d

"Carta de denúncia do povo indígena Tupinambá de Olivença"

Nós, nação indígena Tupinambá de Olivença, localizada nos municípios de Ilhéus, Una, Buerarema e São José da Vitória, no sul do Estado da Bahia, vimos através desta carta, DENUNCIAR a posição do governo brasileiro em não demarcar nosso Território Sagrado, desrespeitando a Constituição Federal, nos artigos 231 e 232 e decreto 1775/96, que garantem a regularização dos territórios indígenas. Em 2001, obtivemos o nosso reconhecimento étnico pela FUNAI e assim foi instituído o grupo técnico para o levantamento territorial, onde nos encontramos desde muito antes de 1500; em 19 de abril de 2009, foi publicado no Diário Oficial da União, o relatório circunstanciado de identificação e delimitação da

"Uma breve história da Republica Democrática Popular do Laos"

O Pathet Lao, antecedente do Partido Revolucionário Popular do Laos e o arquiteto de uma vitoriosa luta pelo socialismo que durou décadas, celebrou seu 67º aniversario mês passado. Em Agosto de 1950, a seção laosiana do Partido Comunista da Indochina, liderado por Souphanouvong, formou uma organização separada para lutar em nome da independência laosiana e pelo socialismo no país. O fruto dessa luta é a República Democrática Popular do Laos, um estado socialista de 6,7 milhões de habitantes que persistiu por julgamentos e tribulações por 42 anos. Como os vizinhos vietnamitas estreitamente aliados, os laosianos também sobreviveram ao colonialismo francês, ao imperialismo estadunidense, ao iso

"Fanon e a questão nacional: raízes e tensionamentos"

Introdução A obra Fanoniana é uma obra perpassada pelo problema político e por questões de reconhecimento. O reconhecimento do negro pelo branco e do branco perante o negro [1], o auto reconhecimento do negro vis a vis a estrutura do colonialismo [2], o reconhecimento da Nação e da questão nacional [3], enfim, em última instância o reconhecimento da urgência da tomada de consciência e da criação de um novo homem. Dentre estes temas optamos por compreender a categoria da Questão Nacional em Fanon como lugar onde os diversos reconhecimentos se unem a uma prática revolucionária cujas bases remontam à obra Marxiana e a alguns autores do Marxismo Leninismo que buscaram em fontes comuns o arsenal

Mao: "Contra o Estilo Clichê do Partido"

O camarada Cai Fum acaba de enunciar o objetivo da reunião de hoje. Eu gostaria agora de falar de como o subjetivismo e o sectarismo se servem do estilo de clichê do Partido como instrumento de propaganda ou modo de expressão. Se, ao combatermos o subjetivismo e o sectarismo, não liquidamos também o estilo de clichê do Partido, estes encontrarão ainda refúgio e poderão portanto esconder-se. Mas se liquidamos igualmente o estilo de clichê do Partido, isso contará como xeque-mate final ao subjetivismo e sectarismo, o que deixará à plena luz a face real desses dois monstros, os quais, como os “ratos que atravessam uma rua sob os gritos de ‘mata! mata!’ ”, serão facilmente eliminados. As coisa

Stalin: "Soberania dos cadetes ou soberania do povo?"

Quem deve tomar nas mãos o poder durante a revolução? Que classes devem estar no leme da vida política e social? — O povo, o proletariado e o campesinato! — respondiam e respondem ainda hoje os bolcheviques. Julgam eles que a vitória da revolução é a ditadura (soberania) do proletariado e do campesinato, que tem por fim a conquista da jornada de trabalho de oito horas, o confisco de todas as terras dos latifundiários e a instauração da ordem democrática. Os mencheviques repelem a soberania do povo e até agora não deram uma resposta direta à pergunta: quem então deve tomar nas mãos o poder? Hoje, entretanto, após haverem feito abertamente um desvio em direção aos cadetes, os mencheviques decl

"Resolução sobre a Internacional Comunista e o Movimento da Juventude Comunista"

1) O movimento da juventude socialista nasceu sob a pressão da exploração capitalista da juventude trabalhadora e do sistema ilimitado do militarismo burguês. Ele nasceu como reação às tentativas de envenenamento da juventude trabalhadora pelas ideias burguesas nacionalistas e contra a negligência e o esquecimento pelo qual se tornaram culpados o partido social-democrata e os sindicatos na maioria dos países diante das exigências econômicas, políticas e espirituais da juventude. Em quase todos os países, as organizações da juventude socialista foram criadas sem a participação dos partidos social-democratas e dos sindicatos, que se tornaram cada vez mais oportunistas e reformistas, e em algun

Lenin: "A Classe Operária e o Neomalthusianismo"

No congresso médico, realizado no Instituto Pirogov, despertou grande interesse e suscitou inúmeras discussões, a questão do aborto provocado. O relator, Lickus, citou dados referentes à grande difusão dos abortos provocados, nos dias de hoje, nos países que se dizem civilizados. Em New York verificaram-se em um ano 80 mil abortos provocados; na França, 36 mil por mês. Em Petersburgo a percentagem dos abortos provocados aumentou em mais do dobro no espaço de cinco anos. Segunda o parecer do congresso médico, o aborto, não deveria ter jamais, para a mãe, consequências penais e o médico só deveria ser punido por lei quando agisse "por interesse". A maior parte dos médicos que negaram a p

Ho Chi Minh: "Lenin e o Oriente"

A Primeira Internacional estabeleceu deu base ao o movimento Comunista Internacional, mas, por conta da sua curta existência, conseguiu formular apenas as linhas básicas de ação do movimento. Portanto, a questão das colônias não foi completamente estudada pela Primeira Internacional. Quanto à Segunda Internacional, com representantes como MacDonald, Vandervelde, Henderson, Blum etc., deu apenas alguma atenção a esta questão. Seus líderes não simpatizavam com a luta por autolibertação travada pelos povos coloniais. Além disso, após assumir o gabinete, MacDonald não era menos ativo do que Baldwin e Chamberlain em oprimir os povos da Índia, Sudão e outras colônias que corajosamente se opunh

Engels: "Cosmologia, Física, Química"

Continuando o exame da obra, chegamos às teorias sobre as origens do mundo atual. Informa-nos que o estado universal de difusão da matéria era já a concepção inicial dos filósofos jônicos, mas que, sobretudo depois de Kant, a hipótese de uma nebulosa primitiva volta a desempenhar um papel, tendo a gravitação e a irradiação do calor servido de meios para a formação progressiva, a partir da nebulosa primitiva. de cada um dos diversos corpos celestes sólidos. No nosso tempo, a moderna teoria mecânica do calor permite formular, com muito mais precisão, as inferências relativas aos estados primitivos do universo. Entretanto,"o estado de difusão gasosa não pode servir de ponto de partida a deduçõe

"Não se render às sanções dos imperialistas"

Os EUA e outras forças ocidentais sancionam e pressionam os países desobedientes, ameaçando-os com o levantamento de sanções se aceitarem suas demandas. Como os imperialistas alternam a "cenoura" com a "faca" para ajoelhar esses países, fazer uma concessão significa recuar dez mil passos e acabar em ruína. É isso que o jornal Rodong Sinmun aponta em um artigo publicado na segunda-feira e continua: A realidade de hoje mostra que a humanidade nunca pode viver em paz se não frustrar o despotismo e a arbitrariedade dos imperialistas. A sanção dos imperialistas persegue o objetivo de gerar caos na economia dos países que não gostam deles, perturbar suas populações, demolir seus poderes e finalmen

Marx: "Os resultados eventuais da Dominação Britânica na Índia"

Nesta carta, eu me proponho a concluir minhas observações sobre a Índia. Como a supremacia inglesa chegou a se estabelecer na Índia? O poder supremo do Grande Mogol foi derrotado por seus vice-reis. O poder dos vice-reis foi derrotado pelos Mahrattes. O poder dos Maharattes foi derrotado pelos afegãos e, enquanto todos lutavam contra todos, o britânico fez-se irromper e os subjugou todos. Um país não dividido somente entre maometanos e hindus, mas entre tribo e tribo, entre casta e casta; uma sociedade baseada em uma sorte de equilíbrio resultante de uma repulsão geral e de um exclusivismo orgânico de seus membros: tal país e tal sociedade não seria uma presa jurada à conquista? Se não conhe

Werneck Sodré: "Mercantilismo e capitalismo"

A confusão com que historiadores e ensaístas têm encarado os problemas próprios da fase em que a navegação oceânica proporcionou as grandes descobertas, e estas a colonização, obriga a uma atenção maior para o quadro do tempo, naquilo que originou a referida confusão, no fundo uma confusão entre mercantilismo e capitalismo, problema de Economia Política a que a História não pode ficar indiferente. A elucidação desse problema permitirá um entendimento mais claro de alguns aspectos fundamentais do desenvolvimento histórico na época da expansão ultramarina: o da transferência sucessiva de predomínio econômico das repúblicas italianas para os países da península ibérica, destes para a Holanda, d

Mariátegui: "Ética e Socialismo"

Não são recentes as censuras ao marxismo por sua suposta posição antiética, por suas bases materialistas, pelo sarcasmo com o qual Marx e Engels tratam em suas páginas as polemicas da moral burguesa. A crítica neo-revisionista não diz, a este respeito, nenhuma coisa que já não tenham dito antes os utópicos e fariseus de outra era. Mas a reivindicação de Marx, do ponto de vista ético, já foi feita por Benedetto Croce, este é um dos representantes mais autorizados da filosofia idealista, cuja opinião parecerá para todos ser mais decisiva que qualquer deploração jesuíta da inteligência pequeno-burguesa. Em um de seus primeiros ensaios sobre o materialismo histórico, refutando a tese da posição

Giap: "A guerra contra os EUA pela Salvação Nacional"

Ao longo de sua história o Vietnã resistiu a inúmeras agressões estrangeiras: foram mil anos sob o domínio do Norte, mil anos lutando por sua independência contra invasores de dinastias feudais, incluindo as três ocasiões em que tivemos de lutar contra os Yuan Mongóis, o mais poderoso exército do mundo no século 13; cem anos sob o jugo do velho colonialismo da França. Todas essas foram longas, árduas e violentas provações. Entretanto, os 21 anos de guerra contra os Estados Unidos — de resistência contra o neocolonialismo — provaram ser o maior e mais difícil desafio da nação vietnamita. O povo vietnamita teve de se confrontar com o mais poderoso, impiedoso, bélico e rico dos imperialismos.

Mao: "Análise das Classes na Sociedade Chinesa"

Quem são os nossos inimigos? Quem são os nossos amigos? Esse problema é de importância primordial para a revolução. A razão básica por que as anteriores lutas revolucionárias na China obtiveram tão fracos resultados está no facto de não se ter sabido fazer a união com os verdadeiros amigos para atacar os verdadeiros inimigos. O partido revolucionário é o guia das massas, não podendo portanto a revolução alcançar a vitória se este as conduz por uma via errada. Para não dirigirmos as massas pela falsa via, para estarmos seguros de alcançar definitivamente a vitória na revolução, devemos prestar atenção à unidade com os nossos verdadeiros amigos para atacar os nossos verdadeiros inimigos. Para

Stalin: "A luta eleitoral em Petersburgo e os Mencheviques"

Em nenhum lugar a luta eleitoral foi tão áspera como em Petersburgo. Em nenhum lugar verificaram-se tais choques entre os partidos como em Petersburgo. Os social-democratas, os populistas, os cadetes, as centúrias negras, os bolcheviques e os mencheviques no seio da social-democracia; os trudovikí, os social-revolucionários e os social-populistas [1] entre os populistas; os cadetes de esquerda e de direita no seio do partido dos cadetes: todos travaram uma luta furiosa... Em nenhum lugar porém a fisionomia dos partidos se revelou tão nitidamente como em Petersburgo. E assim devia ser. A luta eleitoral é uma obra viva, e os partidos só podem ser conhecidos quando operam. É claro que, quanto

"A consequência óbvia de uma ideia péssima e a vitória como tarefa"

Foi dito por diversas vezes, desde 2015, pelos críticos do reformismo, que a decisão do BE e do PCP de apoiar a criação de um Governo do PS ia ter consequências desastrosas. Esse apoio faria desaparecer a percepção dessas organizações como alternativas de regime, ia colá-las à gestão do sistema, ia dar-lhes a imagem de uma simples comissão de melhoramentos do capitalismo e não de portadoras de um projecto de ruptura revolucionária com ele. Nessa medida, ia significar o abandono das fileiras de um número considerável de militantes, de activistas, de simpatizantes e de votantes. Foi dito que à força de querer encarrilar tudo para a arena institucional se ia enfraquecer a capacidade de embate d

Lenin: "Socialismo e Religião"

A sociedade contemporânea baseia-se toda na exploração das enormes massas operárias por uma minoria insignificante da população, pertencente às classes dos proprietários de terras e dos capitalistas. Essa sociedade é escravista, pois os operários “livres”, que trabalham a vida toda para o capital, “têm direito” apenas aos meios de subsistência indispensáveis para sustentá-los como escravos produtores do lucro e para assegurar e perpetuar a escravidão capitalista. A opressão econômica dos operários gera inevitavelmente todas as formas de opressão política, de humilhação social, de embrutecimento e obscurecimento da vida espiritual e moral das massas. Os operários podem alcançar uma liberdad

Engels: "Programa dos refugiados blanquistas da Comuna"

Depois de cada revolução ou contrarrevolução fracassada desenvolve-se entre os refugiados vindos para o estrangeiro uma atividade febril. Os diversos matizes partidários formam-se em grupo, acusam-se reciprocamente de terem metido o carro na valeta, culpam-se uns aos outros de traição e de todos os outros possíveis pecados mortais. Mantêm-se em intensa ligação com a pátria, organizam, conspiram, imprimem panfletos e jornais, juram que em vinte e quatro horas recomeçarão, que a vitória é certa, e, em vista disto, partilham já os lugares no governo. Segue-se, naturalmente, decepção após decepção e, como não se atribui estas [decepções] a condições históricas inevitáveis, que não se quer entend

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube