"Indignação pela enfermeira palestina morta a tiros por soldados israelenses"


Milhares de palestinos se despediram neste sábado de Razan Najjar, a médica-voluntária que foi morta por soldados israelenses nos protestos ocorridos na Faixa de Gaza e cuja morte causou condenação internacional. “Com nossas almas e nosso sangue, vamos vin gar nossa mártir Razan”, gritou a multidão enquanto o cortejo fúnebre passava com o corpo de Najjar envolto em uma bandeira palestina. A procissão passou perto da casa de Najjar, na cidade de Juzá, perto da fronteira com Israel e muito castigada pelos atentados hebraicos na ofensiva de 2014. “Eu quero que o mundo ouça minha voz ... Que culpa minha filha teve?”, Perguntou Sabrin, mãe de Razan, durante o funeral. Najjar, 21 anos, a mais velha de seis filhos, recebeu um tiro no pescoço quando estava tratando de pessoas feridas a cerca de cem metros da fronteira entre Gaza e Israel, segundo o centro palestino de direitos humanos Al Mezan. O exército israelense dispara contra qualquer um que se aproxima da fronteira inferior a 300 metros, mas os protestos dos últimos dois meses, os soldados dispararam contra pessoas que estavam mais longe, de acordo com testemunhos de jornalistas estrangeiros, bem como manifestantes e ONGs. O ministro da Saúde palestino, Jawad Awwad, descreveu a morte de Najjar como um “crime de guerra” e explicou que o exército israelense atirou nela apesar do uniforme médico, informação que Al Mezan corroborou. Izzat Shatat, 23 anos, voluntário de saúde, explicou que ele e Najjar iriam anunciar seu compromisso no final do Ramadã, o mês sagrado do jejum muçulmano. “Ela sempre ajudou a todos. Ela nunca se recusou a ajudar. Foi a primeira que correu para quem foi baleado”, disse Shatat.

A Frente Democrática pela Libertação da Palestina divulgou a seguinte mensagem: “Companheira Razan Alnajjar, foi assassinada hoje pelos covardes sionistas ... Ela é enfermeira e esteve nas marchas do Retorno oferecendo um humanista como uma enfermeira que é, mas como militante da FDLP também. Razan, prometemos continuar lutando... seu sangue nos iluminará o caminho e nos dará força nos momentos mais difíceis. Razan vive! A luta continua!

No protesto deste final de semana houve dois mortos e pelo menos 40 feridos. Desde que os protestos em Gaza começaram em 30 de março pelo direito de retorno dos refugiados, 118 palestinos foram mortos pelo exército israelense, segundo dados do Ministério da Saúde de Gaza. Na manifestação em 14 de maio, também dedicada a protestar contra a transferência da embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém, o exército israelense matou 62 pessoas e causou centenas de feridos. Um vídeo da agência AP e imagens gravadas pelos participantes do protesto mostram Najjar e membros de equipes médicas caminhando em direção à cerca da fronteira para atender um homem ferido. Najjar usa uma jaqueta branca com o logotipo da Sociedade de Socorro Médico Palestina. O exército israelense anunciou que abrirá uma investigação sobre a morte de Najjar. A grande maioria das investigações militares é encerrada sem acusação.

Do Resumen Medio Oriente

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube