top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Japão tenta ressuscitar sua história criminosa"



Há 111 anos, o imperialismo japonês falsificou e proclamou o "Tratado de Anexação da Coreia ao Japão".


O Japão, que já havia ocupado a Coreia militarmente por meio do "Pacto de Cinco Pontos de Ulsa" concluído de forma ilegal em 1905; em 22 de agosto de 1910 introduziu milhares de suas tropas no centro de Kyongsong e mobilizou até navios para ameaçar e chantagear os ministros coreanos, assim foi produzido o tratado de 8 artigos mencionado anteriormente.


No tratado, definiu transferir total e eternamente o poder de dominação da Coreia ao imperador japonês e anexar a Coreia ao Japão, como resultado que eliminou completamente o Estado feudal de Joson que ainda existia formalmente.


Temendo a vigorosa luta antijaponesa do povo coreano, não pôde publicá-lo até o dia 29 do mesmo mês, quando o proclamaram por meio da “ordem imperial” de seu “imperador”.


Uma vez que o tratado foi falsificado, intensificou ainda mais seu cruel domínio colonial sobre a Coreia.


A tragédia do martírio nacional que foi imposta ao povo coreano pelo império japonês durante mais de 40 anos de seu domínio colonial brutal e fascista continua sendo uma ferida que não sarará, mesmo que passe muito tempo.


O imperialismo japonês recrutou à força cerca de 8,4 milhões de homens jovens e de meia-idade para o trabalho escravo e os usou como bucha de canhão, matando mais de um milhão de coreanos inocentes. Ele recrutou e sequestrou à força 200 mil mulheres coreanas, incluindo meninas no final da adolescência, como escravas sexuais para o exército japonês, humilhando cruelmente sua juventude e castidade. Ele destruiu e saqueou os preciosos artigos histórico-culturais e recursos naturais da Coreia, esmagando atrozmente a cultura e as tradições únicas da nação coreana. Ele até fez esforços frenéticos para suprimir a língua, o alfabeto, o nome e sobrenome coreanos.


Todas as suas más ações fazem o povo coreano rugir com rancor generalizado e sangue de vingança.


Apesar de ter passado mais de um século desde que o tratado foi forjado, o Japão, longe de se desculpar por seus atos passados, se comporta de forma mais insolente, perseguindo a oportunidade de um novo ataque.


Sua fúria militar ultrapassa o limite.


Na tentativa de vingar sua derrota na guerra, está ambiciosamente aumentando sua capacidade militar e fazendo um frenesi para modificar a atual Constituição para poder levar a cabo agressões no exterior.


Em abril passado, o presidente japonês e alguns membros de seu gabinete prestaram homenagem ao santuário Yasukuni por ocasião do grande funeral da primavera. Até Abe, um ex-primeiro-ministro japonês, foi lá pessoalmente para também render sua homenagem.


Em sua essência, cultuar este santuário, onde as tábuas da morte dos criminosos de categoria especial que infligiram dor e infortúnio indescritíveis aos povos da Coreia e de outros países asiáticos são mantidas, é nada mais do que sua tentativa de reproduzir a época do século passado quando percorreram toda a extensão da Ásia brandindo baionetas.


Com efeito, este país insular, estimulando sua tentativa de se tornar uma potência militar, transforma seu “Corpo de Autodefesa” em forças armadas de ataque e se esforça ainda mais para o desenvolvimento e implantação de novas armas e equipamentos.


Segundo um jornal japonês, seu país investe grande soma de recursos no desenvolvimento do projétil guiado, cujo alcance de tiro chega a cerca de dois mil quilômetros e aumenta em 1.500 quilômetros o alcance do projétil terra-mar que suas tropas possuem atualmente. Se tiver sucesso, até mesmo o território da China ficará ao seu alcance.


O problema é que, em tal circunstância, se ouve abertamente a opinião do círculo político do país nipônico de que “o pensamento da defesa exclusiva não combina com o momento. Você tem que ter a habilidade de atacar as bases inimigas”.


Os movimentos militares frenéticos e os sucessivos erros dos políticos japoneses mais uma vez sugerem a gravidade da situação.


A liquidação sincera de seus crimes passados ​​não é uma simples questão prática, mas um importante problema político e jurídico para preservar os princípios e o sistema do direito internacional e para consolidar a paz e a segurança no mundo.


O Japão não deve repetir sua história sangrenta de crimes, mas reconhecê-la e pedir desculpas.


Por Kim Kwang Song, no Naenara

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg