top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Fallujah no Iraque e a denúncia dos crimes atrozes contra a humanidade"


Existe uma cidade chamada Fallujah, 50 km a oeste de Bagdá, capital do Iraque.

 

Há cerca de 20 anos, Fallujah, que era chamada de “cidade da resistência” porque o fogo da luta para expulsar os invasores ardia ferozmente, foi transformada em uma área poluída e em ruínas devido aos crimes cruéis contra a humanidade cometidos pelos assassinos imperialistas estadunidenses.

 

Como se sabe, os Estados Unidos, que estavam de olho no Iraque, que não era apenas um produtor de petróleo bruto de classe mundial, mas também uma localização militar estratégica no Oriente Médio, invadiram este país em março de 2003 sob o pretexto absurdo de “possuir armas de destruição em massa” e “apoio ao terrorismo”.

 

Onde quer que chegassem, as forças agressoras imperialistas estadunidenses matavam residentes pacíficos e cometiam destruição e pilhagem, o que fez explodir a raiva e a resistência dos iraquianos em toda parte.

 

Em particular, como a resistência cívica e das forças resistência anti-ianque em Fallujah era mais forte do que em qualquer outra região, e os EUA estavam na defensiva, os imperialistas estadunidenses bloquearam a cidade e fizeram uso de bombas de urânio empobrecido e de fósforo branco, proibidas internacionalmente, cometendo crimes contra a humanidade através de sua operação de larga escala.

 

Foi reportado que as ruas da cidade, que na época haviam sido atacadas por armas proibidas, ficaram cobertas de cadáveres.

 

De acordo com estimativas do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, a quantidade de bombas de urânio empobrecido utilizadas pelo exército dos EUA na Guerra do Iraque foi de 170 a 1700 toneladas.

 

O urânio empobrecido é um resíduo nuclear gerado durante o processo de enriquecimento de urânio e contamina o ar, o solo, a água e as plantas. A comunidade internacional opõe-se fortemente à sua utilização como arma, uma vez que causa graves problemas de saúde, como cancro e defeitos congênitos nas pessoas.

 

O comandante das Forças de Defesa Radiológica, Química e Biológica das Forças Armadas Russas disse que Fallujah, no Iraque, foi chamada de “segunda Chernobyl” desde que foi atacada pelo Ocidente com bombas de urânio empobrecido e condenou que o nível de contaminação radioativa na área foi registado como sendo significativamente superior ao período após as explosões das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, no Japão.

 

Os danos causados ​​pela contaminação radioativa continuam causando infortúnios e sofrimentos incomensuráveis ​​aos residentes locais até hoje.

 

De acordo com dados da investigação, a incidência de várias doenças malignas e a taxa de mortalidade infantil entre os residentes de Fallujah são muito superiores às das vítimas da bomba atômica de Hiroshima e Nagasaki.

 

Se a taxa de incidência de leucemia aumentou 17 vezes nas áreas afetadas pela bomba atômica no Japão, aumentou 38 vezes nesta cidade.

 

Em uma pesquisa realizada em 2011, foi confirmado que o número de pacientes com câncer de mama entre as mulheres aumentou 10 vezes em relação a 2003, e que cerca de 147 em cada 1.000 recém-nascidos apresentam deformidades.

 

Foi reportado que em 2018 ocorreram em média mais de 10 casos de câncer entre crianças todos os meses.

 

Um residente local ficou com o coração partido por ter perdido a sua casa no atentado, mas também expressou a sua raiva por ter de vivenciar a tragédia de ambas as filhas terem nascido com deformidades.

 

Os especialistas estão preocupados com o fato de os efeitos secundários da contaminação radioativa na cidade continuarem durante centenas de anos e das doenças malignas continuarem se espalhando.

 

No século XXI, Fallujah relata ao mundo o uso atroz de armas químicas cometido pelos imperialistas estadunidenses.

 

As almas dos civis iraquianos que foram mortos injustamente na guerra de agressão estadunidense e dos sobreviventes de Fallujah, que têm de suportar uma vida inteira de dor e angústia, condenam severamente os intoleráveis crimes contra a humanidade cometidos pelos Estados Unidos.

 

Do Rodong Sinmun

 

Tradução do A Voz do Povo de 1945

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg