top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Paquistão: os males perpétuos do colonialismo"



O Paquistão está às voltas com as consequências da monstruosa crise climática que também se abate sobre o resto do mundo na velocidade da luz, primeiro lidando com ondas de calor sem precedentes que fecharam brutalmente a primavera, causando mau desempenho das colheitas e aumento do derretimento de suas geleiras. Tudo isto aliado à época das monções, que ainda não acabou, fez com que este ano as chuvas fossem não só mais longas, como também muito mais virulentas.


A situação prejudicou praticamente toda a geografia paquistanesa, já que mais de um terço do país sofreu diretamente com essa combinação que deixou quase 1.500 mortos e afetou mais de 33 milhões de pessoas. A particular virulência das águas destruiu praticamente 90% das colheitas na província de Sindh, a maior produtora de alimentos, enquanto três quartos da província do Baluchistão, a maior do país, estão total ou parcialmente afetados.


Para especialistas, a situação é causada pelo aumento das temperaturas médias do mar da Arábia, que tem contribuído para o derretimento de muitas áreas do que é conhecido como o “terceiro pólo”, referindo-se à área montanhosa que se estende de Mianmar ao Afeganistão, onde se encontram os picos mais altos do mundo e inúmeras geleiras que formam uma calota de gelo que serve de reserva de água para alimentar cerca de 10 rios, dos quais abastecem cerca de 1,5 milhões de pessoas.


Apenas no Paquistão estão cinco dos oito picos que ultrapassam os 8 mil metros.


Esses males que o Paquistão sofre são resultado da crise climática global gerada pelas grandes potências industriais que há mais de um século e meio iniciam um processo de emissão de gases, gerando o famoso efeito estufa, para o qual o Paquistão contribui apenas com 1%.


A antiga metrópole do Paquistão, Londres, tão responsável quanto os Estados Unidos pela atual crise climática que parece arrastar o mundo inteiro para uma catástrofe já inevitável, não terão tempo de expurgar sua culpa e responsabilidades pela crise, além do clima também político e econômico em muitas de suas ex-colônias. Esse molde colonialista estabelecido pelo Raj britânico, entre 1858 e 1947, que então ocupou desde o que hoje é o Paquistão até a Birmânia e cuja desintegração após 1947 gerou inúmeras guerras e milhões de mortes, não foi quebrado e parece estar em muito boa saúde.


Após o fim da Segunda Guerra Mundial, Washington se apropriou desse molde ao impor sua vontade a países tão centrais e geoestratégicos tão fundamentais quanto o Paquistão, que se tornou absolutamente palpável ao longo de toda a guerra antissoviética no Afeganistão (1979-1992), extensa fronteira afegã-paquistanesa, com mais de 2.600 quilômetros, como transporte de suprimentos para a insurgência dos guerreiros sagrados que destruíram o país até seus alicerces, dando origem a uma sangrenta guerra civil e à ascensão do Talibã. Com a ocupação norte-americana que durou de 2001 a 2021, que deixou um Afeganistão devastado nas mãos dos talibãs que governavam o país antes da trágica e fracassada invasão norte-americana.


Após a humilhante retirada norte-americana do Afeganistão em agosto de 2021, a disputa pelo Heartland (coração da terra) parecia ficar de fora, que, segundo a teoria de 1904 do geógrafo inglês Halford Mackinder, quem conseguisse conquistar a extensa e áreas ricas que compõem o Afeganistão e o Paquistão, e se estendem praticamente em um arco da Ucrânia à Sibéria, dominaria o mundo.


Assim, levou pouco menos de um ano para o Departamento de Estado atuar na política paquistanesa para derrubar o primeiro-ministro Imran Khan, que parecia não cumprir os desígnios dos Estados Unidos, que precisavam desesperadamente de um agente na região onde pela primeira vez em 70 anos ele ficou sem um representante não oficial.


Todos contra Khan


O primeiro-ministro Imran Khan, em 10 de abril, tornou-se o primeiro a ser derrubado por um aparente processo constitucional conhecido como “moção de censura” articulada pelos antigos parceiros de Washington, a Liga Muçulmana do Paquistão (PML-N) do ex-primeiro-ministro. O ministro Nawaz Sharif, o Partido Popular do Paquistão (PPP) de Bilawal Bhutto Zardari e o Jamiat Ulema-e-Islam de Fazlur Rehman, para quem a vitória eleitoral de Khan em 2018 foi um compromisso do poder militar, sempre um ator fundamental na política do país ao qual o partido de Khan, Paquistão Tehreek-e-Insaf (PTI), não conseguiu conter devido às suas divisões internas e a um surto inflacionário que não conseguiu conter, impulsionado pela contra-ofensiva russa na Ucrânia. Além de qualquer suspeita de “compromissos”, não é preciso ser um especialista em política paquistanesa para entender que é impossível acreditar que a derrubada de um primeiro-ministro pudesse ter sido realizada sem a aprovação do Exército, da qul não estava isento o Judiciário.


Em relação ao Exército, que é um Estado do Paquistão desde 1947, mais do que um setor, a forte polêmica que Khan manteve em outubro do ano passado quando se recusou a aprovar o candidato militar à chefia do poderoso aparelho de inteligência Inter-Services Intelligence (ISI) e colocando o general Faiz Hameed no lugar, resultou em Khan ter que ceder e aprovar o candidato ao alto comando, o tenente-general Nadeem Anjum. Além deste último acordo, a relação entre o primeiro-ministro e o Exército parecia mortalmente ferida. Finalmente, ele concordou em aceitar um novo governo de coalizão liderado por Shehbaz Sharif do PML-N.


Se ainda restar alguma dúvida após o exposto, a declaração de um alto funcionário do Departamento de Estado, pouco mais de um mês antes da moção de censura, selou o destino de Khan, torna tudo muito mais claro: “as relações com o Paquistão dependem do sucesso da moção de censura”.


À política externa anti-ocidental linha-dura de Khan se soma o encontro com o presidente russo Vladimir Putin, em Moscou, onde exatamente o início da operação russa contra a OTAN o encontrou, em território ucraniano, uma visita que havia sido desencorajada por Washington, e sua recusa em condenar a operação diante da pressão ocidental, apesar de a União Europeia (UE) ser o maior parceiro comercial do Paquistão, além da oposição histórica de Khan à intervenção dos EUA no Afeganistão e os laços cada vez mais oleosos com a China , país do qual o Paquistão se tornou um parceiro fundamental para o projeto “Nova Rota da Seda”, foram os elementos-chave para que o Departamento de Estado o colocasse na mira, além de que o governo Biden negou essa intenção. Embora o usufruto dos EUA após a mudança de poder em Islamabad já esteja sendo visto, basta mencionar que o drone que executou o emir da al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, no coração de Cabul, em 31 de julho, decolou de uma base em território paquistanês, o que teria sido impossível sob o governo de Khan, que tentava apaziguar as coisas com os mulás afegãos e de alguma forma transformar seu país no porta-voz do novo Estado Islâmico do Afeganistão diante do mundo, uma ação que não será a última nem mesmo no Paquistão, já que este país, mais uma vez um aliado chave dos Estados Unidos na região após o golpe contra Khan, foi colocado em alerta. Os partidários do primeiro-ministro deposto começaram a aumentar seus protestos e podem tomar medidas, o que sem dúvida obscurecerá muito mais as eleições do próximo ano, onde mais uma vez a máquina atroz do colonialismo dará mais um passo para perpetuar seus males.


Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

banner-HISTÓRIA-DAS-REVOLUÇÕES.png
Clube-do-Livro-2023.png
JORNAL-BANNER.png
WHATSAPP-CANAL.png
TELEGRAM-CANAL.png
bottom of page