top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Poder onde quer que esteja o povo"



Poder onde quer que esteja o povo. Poder onde quer que esteja o povo. Deixem me dar um exemplo de ensinar o povo. Basicamente, eles aprendem por meio da participação e da observação. Vocês sabem que muitos de nós andamos por aí e brincamos e acreditamos que as massas têm doutorado, mas isso não é verdade. E mesmo se tivessem, não faria qualquer diferença. Porque com algumas coisas, você tem que aprender vendo-a ou participando. E vocês sabem que há pessoas andando pela comunidade hoje que têm todos os graus que devem ser nesta reunião, mas não estão aqui. Certo? Porque você pode ter tantos graus como um termômetro. Se você não tem nenhuma prática, eles sabem que você não pode atravessar a rua e mascar chiclete ao mesmo tempo.


Deixe me falar como Huey P. Newton, o líder e fundador, o homem principal do Partido dos Panteras Negras enfrentou a situação. A comunidade tinha um problema na Califórnia. Havia uma interseção, de quatro vias; e muitas pessoas estavam sendo mortas, atropeladas por carros, e então o povo foi lá e enviaram suas queixas ao governo. Vocês já passaram por isso. Eu sei que vocês na comunidade já passaram. Eles voltaram e os porcos disseram “Não! Vocês não podem ter nada”. Ah, eles não costumam dizer que vocês não podem. Eles ficaram um pouco mais ansiosos do que hoje. É isso que aqueles graus no termômetro irão te mostrar. Eles te dizem “ok, iremos trabalhar nisso. Por que vocês não voltam na próxima reunião e gastam seu tempo?” E o enrolariam em uma digressão de futilidades, e você ficaria em um ciclo de insanidade, ficaria indo e voltando, indo e voltando, tantas vezes que já enlouqueceria.


Então te dizem “ok, negros, o que vocês querem?” E você se precipitaria e diria “bem, demorou tanto, não sabemos o que queremos”, e vocês sairiam da reunião, e eles diriam “bem, vocês negros tiveram a sua chance, não tiveram?”.


Deixe me contar o que Huey P. Newton fez. Huey Newton chamou Bobby Seale, Presidente do Partido dos Panteras Negras em âmbito nacional. Bobby Seale pegou sua 9mm, uma pistola. Huey Newton pegou seu rifle e pegou umas placas de “pare” e um martelo. Foi até a intersecção, deu seu rifle para Bobby, que estava com sua 9mm. Ele disse “segure este rifle. Qualquer um que mexer com a gente, você estoura seu cérebro”. E assim ele pregou as placas de “pare”. Agora estavam se defrontando com outra situação. Isso não é bom, vejam, porque são duas pessoas lidando com um problema. Huey Newton e Bobby Seale, não importa o quão bom fossem, não podem lidar com o problema. Mas deixe me explicar a vocês quem são os verdadeiros heróis.


Outra vez, havia uma situação semelhante, outra intersecção de quatro vias. Huey chamou Bobby, pegou sua 9mm, pegou seu rifle e seu martelo e conseguiu mais placas de “pare”. Prendeu as placas, deu o rifle para Bobby e disse a Bobby: “se qualquer um mexer com a gente enquanto estamos prendendo essas placas, proteja o povo e estoure seu cérebro”. O que o povo fez? Eles observaram novamente. Participaram naquilo. Da outra vez, tinham outra intersecção de quatro vias, e haviam problemas? Houveram acidentes e morte. Desta vez, o povo da comunidade pegou seus rifles, seus martelos e suas placas de “pare”.


Agora deixe me mostrar como iremos tentar fazer no Partido dos Panteras Negras aqui. Acabamos de voltar do Sul. Fomos até lá. Fomos até lá e entramos em uma discussão com os porcos ou os porcos entraram em uma discussão com a gente, e ele disse “bem, Presidente Fred, você deveria ser tão mau, porque não vai em frente e atira alguns destes policiais? Você está sempre falando em pegar suas armas e você tem essa, porque não segue em frente e atira em alguns deles?”


E eu disse “Você acabou de quebrar uma lei. Na verdade, mes­mo que você tenha um uniforme não faz qualquer diferença. Porque eu não ligo que você tenha nove uniformes e 100 medalhas. Quando você sai do campo da legalidade e vai para o campo da ilegalidade, então penso que você deveria ser preso”. E eu disse a ele: “você fez o que eles chamam de lei de aprisionamento, você tentou me fazer algo que é errado, você me encorajou, você tentou me incitar a atirar em um porco. E isso não é legal, irmão, você conhece a lei, não?”


Eu disse àquele porco, “você tem uma arma, porco?” Eu disse: “você tem que pôr suas mãos contra a parede. Iremos fazer o que chamam de prisão por cidadãos”. Este idiota não sabia o que era isso e eu falei: “agora fique calmo o quanto puder e não faça movimentos bruscos, porque não queremos ter que te golpear”. E eu falei o que sempre falam para gente, “bem, eu estou aqui para te proteger. Não se preocupe com nada, eu estou aqui em seu benefício”. Então falei para outro irmão chamar os porcos. Você tem que fazer isso em uma prisão por cidadão. Ele chamou a polícia. Chegando lá com seus rifles e armas, eles vêm falando em como vão prender o Presidente Fred. E eu disse “não, seus idiotas. Este é o homem que vocês têm que prender. Foi ele que infringiu a lei”. E o que eles fizeram? Arregalaram os olhos, e não conseguiram aguentar. Sabem o que fizeram? Eles estavam tão irritados, tão nervosos, que falaram para eu ir embora.


E o que aconteceu? Todas aquelas pessoas na 63ª rua. O que fizeram? Elas estavam por perto rindo e falando comigo enquanto estava fazendo a prisão. Elas olhavam para mim enquanto eu estava discutindo e me ouvindo enquanto isso. Então a próxima vez que o porco estiver na 63ª Rua, por conta do que o nosso Ministro de Defesa chama de observação e participação, aquele porco pode ser preso por qualquer um!


Então o que fizemos? Estávamos educando o povo. Co­mo os educamos? Basicamente, da forma que o povo a­prende, por observação e participação. E é isso que estávamos tentando fazer. É isso que temos que fazer aqui nesta comunidade. E muitas pessoas não compreendem, mas existem três coisas fundamentais que você tem que fazer sempre que tentar ter uma revolução vitoriosa.


Muitas pessoas entendem a palavra revolução de maneira confusa e pensam que revolução é uma palavra ruim. Revolução não é nada mais do que como se tivesse uma ferida em seu corpo e você coloca algo para curar a infecção. E eu digo a vocês, que estamos vivendo em uma sociedade infectada agora mesmo. Eu digo a vocês que vivemos em uma sociedade doente; E qualquer um que defenda se integrar a esta sociedade doente antes dela ser limpa é um homem que está cometendo um crime contra o povo. Se você vai para um hospital e vê uma placa que diz “contaminado”, e então você tenta levar as pessoas para aquela sala, ou estas pessoas são bem burras, você me entende, porque se não fossem, te diriam que você é um líder injusto e desonesto que não pensa nos interesses dos seus seguidores. E o que estamos dizendo é simplesmente que temos que tornar os líderes responsáveis pelo que fazem. Eles estão andando por aí falando de um Pai Tomás, então iremos abrir um centro cultural e ensiná-lo o que é negritude. Este negro está mais consciente do que você e eu, e Malcolm e Martin Luther King, e todos juntos. É isso. São eles os mais conscientes, que irão abrir o centro. Irão te dizer onde os ossos vieram da África, lugares que vocês não conseguem nem pronunciar os nomes. É isso, eles irão falar a vocês sobre Chaka, o líder dos combatentes Bantu pela liberdade, e Jomo Kenyatta, e tudo isso. Vão falar tudo isso para vocês, sabem disso tudo. Mas o ponto é que eles fazem o que estão fazendo porque é benéfico e lucrativo a eles.


Vejam, pessoas se envolvem em várias coisas que são lucrativas para elas, e temos que torná-las menos lucrativas. Temos que deixar menos benéfico. Estou dizendo que qualquer programa que é trazido para a nossa comunidade deva ser analisado pelo povo daquela comunidade. Deve ser analisado para ver se atende as necessidades relevantes daquela comunidade. Não precisamos de negros vindo à nossa comunidade sem nenhuma empresa, abrindo negócios para negros. Existem muitos negros em nossa comunidade que não conseguem tirar nada dos negócios que vão abrir.


Temos que encarar alguns fatos. Que as massas são pobres, que as massas pertencem ao que vocês chamam de classes mais baixas, e quando eu falo das massas, estou falando das massas brancas, estou falando das massas negras, e as massas marrons e amarelas também. Temos que encarar o fato que algumas pessoas dizem que se combate fogo com fogo, mas dizemos que se combate fogo melhor com água. Dizemos que não se combate racismo com racismo. Iremos combater o racismo com solidariedade. Dizemos que não se combate capitalismo com capitalismo negro; se combate o capitalismo com o socialismo.


Não vamos lutar contra reacionários que andam para cima e pa­ra baixo pelas ruas sendo reacionários; vamos nos organizar e nos dedicar para o poder político revolucionário e ensinar a nós mesmos as necessidades específicas de resistência à estrutura do poder, nos armar, e combater os reacionários com a Revolução Proletária Mundial. É como deve ser. O povo tem que ter o poder: o poder pertence ao povo.


Temos que entender alto e claro que tem um homem em nossa comunidade chamado capitalista. Algumas vezes ele é negro e algumas vezes ele é branco. Mas este homem tem que ser expulso de nossa comunidade, porque qualquer um que vem para a comunidade lucrar com o povo, exploran­do-o, pode ser definido como capitalista. E não ligamos para quantos programas ele tenha, quão longa a sua dashiki seja; o poder político não nasce das mangas de um dashiki; o poder político nasce da ponta do fuzil. Da ponta do fuzil!


Muitos de nós andando por aí falando de política nem sabem o que é política. Você já viu algo e o puxou e levou o mais longe que podia e quase estica tanto que se torna outra coisa? Você leva tão longe que ele é duas coisas? Na verdade, algumas coisas se você esticar tão longe, vai ser outra coisa. Você já cozinhou algo tanto tempo que se transforma em outra coisa? Não está certo?


É sobre isso que estamos falando com política.


Que a política não é nada, mas se você esticar tanto tempo que não pode ir mais longe, então você sabe o que você tem em suas mãos? Você tem uma contradição antagônica. E quando você leva essa contradição para o nível mais alto e a desenvolve na medida em que você pode desenvolvê-la, você tem o que você chama de guerra. A política é a guerra sem derramamento de sangue, e a guerra é política com derramamento de sangue. Se você não entende isso, você pode ser um democrata ou republicano, pode ser independente, você po­de ser qual­quer coisa que você quiser, você não é nada.


Não queremos nenhum destes negros ou qualquer um, radicais nem ninguém falando de “Eu sou independente”. Isso significa que você se vende aos republicanos; independente significa que você está disposto a ser aliciado e irá se vender para quem mais pagar. Entendem?


Queremos pessoas que queiram participar do Partido do Povo, porque o povo irá forjá-lo, gostem ou não. O povo provou que pode forjá-lo. O fizeram na China, e o farão aqui. Podem chamar do que quiserem, podem falar disso. Eles podem chamar de comunismo, e pensar que isso irá assustar alguém, mas não vai assustar ninguém.


Tivemos a mesma coisa acontecendo na 37ª Avenida. Eles vieram para essa avenida onde tem o nosso programa de Café da Manhã para crianças, e começaram a abordar estas mulheres que eram mais velhas, em volta de 58 anos – sabem, eu digo mais velhas porque eu sou jovem. Eu tenho 20 anos, certo! Mas veja, eles irão abordá-las e fazer lavagem cerebral. E vocês não viram nada até ver uma dessas lindas irmãs com seus cabelos começando a ficar brancos, e elas não tem muitos dentes, e estavam destruindo o policial! Estavam os destruindo! Os porcos chegavam nelas e falavam: “você gosta de comunismo?”


Chegavam nelas e falavam “Você tem medo do comunismo?” E as irmãs falavam “Não tenho medo, nunca ouvi falar nele”.


“Você gosta de socialismo?”


“Não tenho medo. Nunca ouvi falar dele”.


Os porcos estavam se abalando, porque gostavam de ver estas pessoas morrendo de medo dessas palavras.


“Você gosta de capitalismo?”


“Sim, é onde eu vivo. Eu gosto”.


“E do programa Café da Manhã para as Crianças?

“Sim, eu gosto”


E os porcos dizem “Oh-oh”. Os porcos dizem “bom, o Programa Café da Manhã para Crianças é um programa socialista. É um programa comunista”.


E a mulher disse, “bem, vou te dizer, garoto, eu conheço você desde que você tinha o tamanho de um joelho de um gafanhoto, nigger. E eu não sei se gosto de comunismo e não sei se gosto de socialismo. Mas sei que o programa Café da Manhã para as Crianças alimenta meus filhos, nigger. E se você por suas mãos no programa Café da Manhã para as Crianças, eu vou sair daqui e te arrebentar como um...”


É isso que elas estavam falando. Isso que estavam falando, e isso é uma coisa linda. E é isso que o programa Café da Manhã para as Crianças é. Muitas pessoas pensam que é caridade, mas o que ele faz? Leva o povo de uma etapa para uma outra etapa. Qualquer programa que seja revolucionário é um programa que faz avançar. A revolução é transformação. Queridos, se você simplesmente continuar transformando, antes de perceber, e na prática mesmo sem saber o que é socialismo, você não precisa saber o que é, elas estão o defendendo, estão participando e estão apoiando o socialismo.


E muitas pessoas irão lhes dizer, bem, o povo não tem qualquer teoria, precisam de alguma teoria. Eles precisam de alguma teoria mesmo se não tem qualquer prática. E o Partido dos Panteras Negras os diz que se um homem lhe diz que é o tipo de homem que faz que você compre chocolate e coma a embalagem e jogando fora o chocolate, ele faria com que você andasse para o Leste quando você deveria andar para o Oeste. É verdade. Se você ouvir o que o porco fala para vocês, vocês estariam lá fora no sol com um guarda-chuva. E quando estivesse chovendo, sairiam de casa e deixariam o guarda-chuva em casa. Isso é certo. Vocês têm que juntar as peças. Estou dizendo que é isso que eles fazem que vocês façam.


Agora, o que nós fazemos? Dizemos que o programa Café da Manhã para as Crianças é um programa socialista. Ensina o povo basicamente que pela prática, nós pensamos e as deixamos praticar aquela teoria e investigar esta teoria. O que é mais importante? Você aprende algo assim como qualquer um.


Deixe-me mostrar a vocês.


Vocês dizem que este irmão aqui vai para a escola por 8 anos para ser um mecânico. E aquele professor que costumava ser um mecânico diz a ele, “bom, nigger, você tem que passar pelo que chamamos de treinamento no trabalho”, e ele diz “com toda essa teoria que eu tenho, eu tenho que ir para o treinamento no trabalho? Para que?”


Ele disse “no treinamento no trabalho, ele trabalha comigo. Eu fiquei aqui por 20 anos. Quando eu comecei a trabalhar, eles nem tinham mecânicos. Eu não tenho nenhuma teoria. Eu apenas tenho um monte de prática”.


O que aconteceu? Um carro chegou fazendo um barulho esquisito. Este irmão vai pegar seu livro. Ele está na página um, ele não chegou na página 200. Eu estou sentado ouvindo o carro, e ele diz “o que você pensa que é?” E eu digo “eu penso que é o carburador”. Ele diz “Não, eu não vejo nenhum lugar aqui que diz que um carburador faz um barulho como esse”, e “como você sabe que é o carburador?”


Eu disse, “bem, nigger, cerca de 20 anos atrás, 19 para ser exato, eu estava ouvindo o mesmo tipo de barulho; E o que eu fiz foi desmontar o regulador de voltagem e não era isso. Então eu desmontei o alternador e não era isso. Eu desmontei o gerador e não era isso. Depois que desmontei tudo, finalmente peguei o carburador e quando cheguei nele, eu descobri que era aquilo. E eu disse a mim mesmo, a próxima vez que você ouvir este som é melhor desmontar primeiro o carburador”.


Como ele aprendeu? Aprendeu pela prática.


Eu não me importo com quanta teoria você tem, se não tem nenhuma prática aplicada a ele, então aquela teoria se torna irrelevante. Certo? Qualquer teoria que você tem, a pratique. E quando você a pratica, você comete alguns erros. Quando você comete um erro, você corrige essa teoria e então será a teoria corrigida que será capaz de ser aplicada e usada em qualquer situação. É isso que temos que ser capazes.


Toda vez que eu falo em uma igreja, eu sempre tento dizer algo, sabe, sobre Martin Luther King. Eu respeito muito Martin Luther King. Eu penso que ele foi um dos maiores oradores que o país já produziu. E eu ouço a qualquer um que fala bem, porque gosto de ouvir isso. Martin Luther King disse que pode parecer escuro as vezes, e pode parecer escuro aqui no lado Norte. Talvez você pensasse que a sala fosse estar lotada de pessoas aqui e talvez tivesse pensado que tivesse que pedir para algumas pessoas saírem e pudesse não ter pessoas suficientes aqui. Talvez algumas das pessoas que vocês pensam que deveriam estar aqui e não estão, e você pensa que, bem, se elas não estão aqui então não será tão bom como pensamos que poderia ser. E talvez vocês pensaram que precisava de mais pessoas do que tem aqui. Talvez vocês pensam que os porcos serão capazes de te pressionar e colocar pressão suficiente para esmagar seu movimento antes mesmo de começar. Mas Luther King disse que ouviu em algum lugar que quando está escuro o suficiente você pode ver as estrelas. E não estamos preocupados com escuro. Ele disse que o braço do universo moral é longo, mas se inclina para o céu.

Temos Huey P. Newton na cadeia, e Eldridge Cleaver na clandestinidade. E Alprentice Bunchy Carter foi assassina­do; Bobby Hutton e John Huggins foram assassinados. E muitas pessoas pensam que o Partido dos Panteras Negras em certa medida está desistindo. Mas vamos dizer isso: Nos comprometemos com o povo em um nível que dificilmente alguém já se comprometeu.


Decidimos que ainda que alguns de nós tenham vindo do que alguns de vocês chamariam de famílias pequeno-burguesas, ainda que alguns de nós poderiam em alguma medida o que chamam de topo da montanha, poderíamos ser integrados à sociedade trabalhando com pessoas que jamais teríamos a chance de trabalhar. Talvez poderíamos estar no topo da montanha e talvez não teríamos que ficar se escondendo quando vamos falar em locais como esse. Talvez não tivéssemos que nos preocupar com tribunais, ir a cadeia e ficar doentes. Dizemos que mes­mo que todos estes luxos existem no topo da montanha, entendemos que vocês e seus problemas estão bem aqui no vale.


Nós no Partido dos Panteras Negras, por conta da nos­sa dedicação e entendimento, fomos até o vale sabendo que o povo está no vale, sabendo que a nossa condição é a mesma condição da do povo no vale, sabendo que os nossos inimigos estão na montanha e que os nossos amigos estão no vale, e mesmo que seja legal estar no topo da montanha, estamos voltando para o vale. Porque nós entendemos que existe trabalho a ser feito no vale, e quando levamos a cabo este trabalho no vale, então temos que ir para o topo da montanha. Estamos indo para o topo da montanha porque tem um filho da puta no topo de montanha que está brincando de Rei, e vem sacaneando a gente. E temos que subir no topo da montanha não para viver seu estilo de vida e viver como vive. Temos que subir no topo da montanha para fazer esse filho da puta entender, que estamos vindo do vale!


Discurso de Fred Hampton, dirigente do Partido dos Panteras Negras, na Igreja de Olivet em fevereiro de 1969


  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg