top of page
textura-papel-antigo.jpg

PROMOÇÃO: HISTÓRIA DAS REVOLUÇÕES
Até o final do mês de novembro a coleção
do selo Edições Nova Cultura está com

30% de desconto. Basta usar o cupom
 REVOLUCOES  para obter o preço especial
nos títulos (em pré-venda) em nossa loja

  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Granada: quintal de ninguém"



“A natureza nos colocou no Caribe e agora os norte-americanos dizem que somos estratégicos. Se isso é novidade para eles, não é para nós. Sempre soubemos que éramos estratégicos. As escolas coloniais ensinavam sobre nossa Pátria Mãe, a África, que as pessoas vivem em árvores e comem apenas peixe cru e mandioca. Mas sabemos que nenhum povo pode passar por 300 anos de escravidão e ainda ser tão forte quanto nós, a menos que possa contar com uma civilização forte. E civilização não significa mais bares em cada esquina e pequenas coisas para comprar. Civilização significa viver em amor, paz e unidade com nossos irmãos e irmãs”.


Assim falou o cônsul-geral Joseph Kanute Burke em uma celebração da vitória da revolução popular em Granada na área da baía de São Francisco. Liderado por Maurice Bishop e o Movimento New Jewel, o povo de Granada desafiou os Estados Unidos e seus fantoches e gângsteres neocoloniais, que dominaram Granada desde que foi supostamente libertada do domínio colonial britânico. A revolução granadina, liderada pelo povo africano, foi a primeira revolução socialista de língua inglesa no mundo. Eles iniciaram a tremenda tarefa de aumentar a produção (como a indústria pesqueira) que beneficie o povo em vez dos exploradores estrangeiros, de fornecer assistência médica e educação decentes a todo o povo de Granada.


A celebração aqui foi patrocinada pela Sociedade de Amizade EUA-Granada, que tem trabalhado em muitos locais nos Estados Unidos para conscientizar sobre as mudanças que estão ocorrendo e para facilitar o contato dos africanos e de outros povos daqui com a revolução granadina. Tudo começou com o filme "Grenada, Nobody's Backyard", que foi produzido pelo Covert Action Information Bulletin. O filme mostrou o processo popular da revolução granadina e as muitas maneiras como o povo granadino está transformando suas vidas. Também revela os extensos esforços do governo dos EUA, por meio da CIA e seu controle sobre a mídia e organizações de fachada como o “Instituto Americano para o Desenvolvimento do Trabalho Livre”, para "desestabilizar" a revolução. Esta última organização, que opera extensivamente em toda a América Latina e recentemente perdeu dois agentes para assassinos em El Salvador, foi criada para aterrorizar e esmagar os movimentos sindicais progressistas e convocar greves e sabotagens contra os governos populares.


A desestabilização é revelada e explicada claramente por meio de entrevistas com funcionários granadinos e as evidências de atentados e atos terroristas que estão sendo perpetrados contra a revolução granadina. Um grupo de conspiradores, treinado pela CIA para atacar uma usina local ao mesmo tempo em que três barcos de invasão aterrissavam na ilha, foi interceptado e suas armas e comunicações exibidas. O filme também inclui entrevistas com Isabel Letelier do Chile, CheddiJagan da Guiana, Trevor Monroe da Jamaica e o ex-agente da CIA Philip Agee, para mostrar a estratégia de desestabilização que combina terrorismo com bloqueio econômico ou ruptura. A revolução granadina reconhece que a única defesa, a única resposta eficaz, é informar ao povo em todos os momentos o que está acontecendo, mobilizar as massas populares para defender seus ganhos, e construir o Exército Popular Revolucionário e a Milícia Popular.


Lionel Cuffee, da Bay Area US-Grenada Friendship Society, apresentou a celebração de 30 de março em US Berkeley com o anúncio de mensagens de solidariedade de John George (Supervisor do condado de Alameda), da Associação de Amizade EUA-Vietnã, Comitê de Solidariedade do Povo Africano, Comitê de Solidariedade da Baía Leste com a Nicarágua, Boletim Informativo e de Notícias da Guatemala e vários sindicatos locais.


Em seu discurso principal, o cônsul-geral Burke explicou que Granada não é mais simplesmente considerada uma “Ilha das Especiarias”, mas, em vez disso, está dando um exemplo esplêndido para as pessoas do mundo. E ele disse: “Onde quer que as pessoas estejam lutando por sua própria determinação, é certo que o inimigo está tentando reverter a maré do progresso, tentando espalhar falsa propaganda. E então aquela euforia, que existiu após a vitória de nossa revolução em março de 1979, ainda está lá, mas também nosso povo teve que adotar uma postura diferente. Você viu as fotos (no filme) das duas irmãs que foram explodidas por uma bomba no comício realizado em 13 de junho no Queens Park. Quero dizer a vocês que a nova postura de nosso povo é de decisão, disciplina e determinação”.


Falando sobre a reconstrução econômica, o irmão Burke falou sobre a construção do Aeroporto Internacional, que é o projeto de construção mais ambicioso do Caribe. Para grande desgosto dos imperialistas dos EUA, este projeto está sendo executado com ampla ajuda de Cuba, e as habilidades de construção e empregos estão sendo obtidos por granadinos. Ele também explicou: "A agricultura é a espinha dorsal da nossa economia, pois somos abençoados com um solo fértil. Por causa do legado da escravidão, muitos têm a atitude de querer estar longe da terra. Muitos, como eu, têm visto que a ida à escola é uma chance de conseguir um emprego no serviço público e ascender. Mas devemos nos conscientizar de que a terra é a base da economia e onde está nosso futuro. Estamos trazendo de volta à produção quaisquer parcelas de terra com mais de 50 acres. Se não forem cultivadas, oferecemos ao proprietário que o governo arrenda ou compre a terra e crie cooperativas populares. Estabelecemos cooperativas em terra, artes, panificação e pesca. O trabalho cooperativo é um valor que herdamos de nossa ancestralidade africana. "


Ele também descreveu os avanços que estão sendo feitos no campo da saúde e a ajuda que chega de organizações de solidariedade na área da baía de São Francisco, Toronto, Montreal e Londres, bem como de países africanos. O Movimento New Jewel também construiu a luta pela igualdade para as mulheres e deu início ao Ano da Educação com a palavra de ordem: “Se você sabe, ensine. Se não, aprenda”.


O tremendo internacionalismo da celebração também foi expresso por Carlos Vela, da Frente Democrática Revolucionária (FDR) de El Salvador, que expressou a solidariedade do povo da América Central e do Caribe em sua luta comum. Ele explicou que as pessoas não devem ficar impacientes, não esperar uma vitória simples e rápida em El Salvador. Ele disse: “Quando falamos da luta na América Central, todos nós gostaríamos de saber de uma vitória em um ou dois anos. Mas não estamos lutando apenas contra uma junta, não estamos lutando apenas contra a oligarquia. Estamos lutando contra o imperialismo dos EUA. A equipe militar de Haig do Vietnã está comandando o exército em El Salvador, portanto, é apenas uma ferramenta dos EUA. O Fundo Monetário Internacional investiu $ 600 milhões em El Salvador, portanto eles dirigem a economia. Será uma luta prolongada e o Estados Unidos estão preparando uma intervenção mais direta. É uma longa luta pela frente, mas a vitória também está à frente e será a nossa vitória e também para aqueles que estiveram ao nosso lado”.


A celebração da vitória da revolução granadina mostrou a determinação do povo de Granada e de toda a região em definir seu próprio curso, para atacar o imperialismo dos Estados Unidos e combater suas estratégias contrarrevolucionárias com solidariedade e força renovadas.


VIVA A REVOLUÇÃO GRANADINA!

VIVA A UNIDADE DE TODOS OS POVOS AFRICANOS!

O POVO DE EL SALVADOR SERÁ VITORIOSO!

AVANÇAR SEMPRE! RECUAR NUNCA!


Publicado no The Burning Spear. Vol. 8 No. 3 de maio de 1981;


banner-Palestina.png
Clube-do-Livro-2023.png
JORNAL-BANNER.png
WHATSAPP-CANAL.png
TELEGRAM-CANAL.png
bottom of page