"Por que as afro-americanas aderiram ao Partido Comunista dos EUA?"


Durante a década de 1930, os esforços do New Deal para impulsionar a recuperação econômica fora um segredo sujo (não tão secreto). Para obter o apoio e os votos dos brancos do Sul no Congresso, o Presidente Franklin Roosevelt teve de diluir os esforços de ajuda aos afro-americanos. Mesmo com programas que se pretendiam cegos a questões raciais, os administradores brancos do Sul deram o seu melhor para negar assistência federal aos afro-americanos. Discriminação e segregação continuavam a ser peça chave do jogo, mesmo durante colapso econômico. Em resposta às condições sombrias da Grande Depressão—que exacerbaram as condições já terríveis para muitos afro-americanos—alguns ativistas negros tomaram caminhos radicais. Alguns juntaram-se ao Partido Comunista dos Estados Unidos da América (PCEUA), incluindo notáveis mulheres afro-americanas. O historiador Lashawn Harris explora tal motivação: "Muitas mulheres negras da classe trabalhadora procuravam nos PC e noutros grupos militantes assistência para enfrentar os problemas diários do desemprego, da distribuição injusta de ajuda e da persistente discriminação baseada na raça". Até relativamente pouco tempo, os historiadores têm muitas vezes ocultado aquilo que Harris chama "o papel dinâmico das mulheres afro-americanas no seio do PC". Citando a literatura crescente, Harris analisa a experiência de "muitas mulheres afro-americanas que vieram de diversas origens socioeconômicas e regiões geográficas e que possuíam diferentes níveis de experiência política e educação", que se tornaram ativistas do PC na década de 1930. Isto exigiu coragem. Por um lado, isso significava desafiar as expectativas sociais das mulheres negras da época. "Ao transcender as noções de respeitabilidade da classe média", escreve Harris, "as mulheres afro-americanas líderes dentro do PC ofereceram visões alternativas da reforma feminina, e demonstraram a sua vontade de abraçar estratégias radicais para aliviar o sofrimento que trabalhadores—homens e mulheres, negros e brancos—experimentavam durante a década da depressão". A razão pela qual o partido apelou a algumas mulheres afro-americanas foi porque fez questão de fazer campanha contra o "racismo, os pagamentos de socorro inadequados e o desemprego", tal como para unir os trabalhadores negros e brancos. As organizações comunistas, como a Liga de Luta pelos Direitos dos Negros e os Conselhos de Desempregados, estavam concentradas no ativismo: faziam atividades nas ruas; podia-se recorrer a elas caso chegasse um aviso de despejo. A Defesa Internacional do Trabalho, outro grupo do PC, ajudou na defesa jurídica do caso de uma década "garotos de Scottsboro"—nove adolescentes afro-americanos condenados [injustamente] à morte por [falsa acusação de] estupro – o que "solidificou o apoio afro-americano ao PC". No exterior, a União Soviética parecia ter visões esclarecidas em relação às minorias, e a Internacional Comunista "qualificou" a luta dos afro-americanos como de "dignidade e importância sem precedentes". Harris observa que as mulheres afro-americanas, tanto nas zonas rurais do Sul como nas zonas urbanas do Norte, se sentiram fortalecidas pela filiação partidária. As mulheres comunistas negras mudaram o roteiro da maneira como as mulheres ativistas afro-americanas deveriam agir. A "respeitabilidade" era fundamental para as ativistas tradicionais, que procuravam combater os estereótipos raciais. Isto não incluía fazer discursos na rua, liderar boicotes, ou juntar-se a piquetes, coisas que as mulheres comunistas — por vezes contra a vontade dos homens comunistas, negros e brancos — estavam na linha da frente. Como observa Harris, tudo isto preocupava os líderes afro-americanos menos radicais e os seus aliados brancos. O comunismo significava a União Soviética - e, de fato, a URSS manteve um controle apertado sobre o partido americano através da Internacional Comunista. Em 1931, o chefe da Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (NAACP) chamou as mulheres do Partido Comunista de "vítimas ignorantes e rudes que estavam sendo levadas ao massacre por radicais perigosamente ousados". O envolvimento do PC na luta pela liberdade negra seria, evidentemente, utilizado contra ele. Décadas mais tarde, no auge da Guerra Fria, continuava a ser um procedimento operacional padrão, tanto para os segregacionistas como para o FBI, declarar que o movimento pelos direitos civis era dirigido a partir de Moscou. 22 de março de 2020 Escrito por Matthew Wills Do daily.jstor.org Traduzido pela Equipe de Traduções do Nova Cultura

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube