top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"A libertação das mulheres: uma exigência do futuro"



Não é comum um homem abordar tantas mulheres ao mesmo tempo. Nem é que um homem sugere a tantas mulheres de uma só vez as batalhas a serem tratadas.


A primeira timidez do homem surge quando ele percebe que está olhando para uma mulher. Vocês compreenderão, companheiros militantes, que, apesar da alegria e do prazer que sinto ao me dirigir a vocês, ainda sou um homem que vê em cada um de vocês a mãe, irmã ou esposa. Eu também gostaria que nossas irmãs aqui presentes, que vieram de Kadiogo e não entendam a língua estrangeira [Francês] na qual eu vou fazer meu discurso, sejam tão abrangentes como de costume, elas que, como nossas mães, concordaram em nos levar por nove meses sem reclamar (Intervenção na língua nacional do Mooré para garantir às mulheres que haverá uma tradução para elas.)


Companheiras, na noite de 4 de agosto, iluminou o trabalho mais saudável para o povo burkinabe. Ele deu ao nosso povo um nome e nosso país um horizonte.


Irradiados pela seiva da liberdade, os homens burkinabe, humilhados e banidos ontem, foram marcados com o sinal do que é mais apreciado na vida: dignidade e honra. Desde então, a felicidade está ao nosso alcance e todos os dias marchamos em direção a ela, exaltados pelas lutas, pioneiros dos grandes passos que já tomamos. Mas a felicidade egoísta nada mais é que uma ilusão, e temos uma grande ausência: a mulher. Foi excluída desta feliz procissão.


Se alguns homens já chegaram ao limite do grande jardim da revolução, as mulheres ainda estão confinadas em suas trevas, de onde comentam animada ou discretamente sobre as vicissitudes que agitaram Burkina Faso e, para elas, por enquanto, são apenas um clamor.


A luta de classes e a questão da mulher

O materialismo dialético é aquele que lançou a luz mais forte sobre os problemas da condição feminina, o que nos permite colocar o problema da exploração das mulheres dentro de um sistema generalizado de exploração. É também o que define a sociedade humana não apenas como um fato natural imutável, mas como algo não natural.


Além disso, a consciência da mulher sobre si mesma não é definida exclusivamente por sua sexualidade. Reflete uma situação que depende da estrutura econômica da sociedade, o resultado da evolução técnica e as relações entre classes que a humanidade alcançou.


A importância do materialismo dialético reside em ter ultrapassado os limites essenciais da biologia, em ter evitado a tese simplista de submissão à espécie, para colocar todos os fatos no contexto econômico e social. Na medida em que voltamos à história humana, o domínio do homem sobre a natureza nunca foi realizado diretamente, com seu corpo nu. A mão, com seu polegar preênsil, já se estende em direção ao instrumento que multiplica seu poder. Portanto, não são as condições físicas, os músculos, o nascimento, por exemplo, que consagram a desigualdade social entre homens e mulheres. Nem a evolução técnica confirmou isso como tal. Em alguns casos, e em alguns lugares, a mulher conseguiu cancelar a diferença física que a separa do homem.


A transição de uma forma de sociedade para outra é o que institucionaliza essa desigualdade. Uma desigualdade criada pela mente e nossa inteligência para tornar possível a dominação e exploração especificada, representada e experimentada pelas funções e atribuições às quais temos relegado às mulheres.


A maternidade, a obrigação social de se ajustar aos cânones do que os homens querem como elegância, impede as mulheres que querem se dotar de uma musculatura considerada masculina.


Segundo os paleontólogos, há milênios, desde o paleolítico até a Idade do Bronze, as relações entre os sexos eram caracterizadas pela complementaridade positiva. Essas relações permaneceram por oito milênios sob o signo da colaboração e da interferência, e não da exclusão do patriarcado absoluto, mais ou menos difundido nos tempos históricos.


Engels levou em conta a evolução das técnicas, mas também a escravização histórica das mulheres, que nasceu com a propriedade privada, com a transição de um modo de produção para outro, de uma organização social para outra.


Com o intenso trabalho necessário para romper as florestas, cultivar a terra e aproveitar ao máximo a natureza, ocorre uma especialização de tarefas. O egoísmo, a preguiça, o conforto, o esforço mínimo para obter um benefício máximo surgem das profundezas do homem e se apoiam em princípios. A ternura protetora da mulher em relação à sua família e ao seu clã é uma armadilha que a sujeita ao domínio do macho. Inocência e generosidade são vítimas de dissimulação e cálculos egoístas. O amor é ridicularizado, a dignidade é contaminada. Todos os sentimentos verdadeiros se tornam mercadorias. A partir de então, a sensação de hospitalidade e partilha de que tem as mulheres sucumbe aos truques da astúcia.


Embora ela esteja ciente dos truques por trás da distribuição desigual de tarefas, ela, a mulher, segue o homem para cuidar de tudo que ele ama. Ele, o homem, aproveita essa rendição. Mais tarde, o germe da exploração culpada estabelece regras atrozes que vão além das concessões conscientes das mulheres, historicamente traídas.


Com propriedade privada, a humanidade estabelece a escravidão. O homem que é o mestre de seus escravos e da terra também se torna o dono da mulher. Esta é a grande derrota histórica do sexo feminino. É explicado pelas profundas mudanças criadas pela divisão do trabalho, devido a novos modos de produção e uma revolução nos meios de produção.


Então a lei paterna substitui a lei materna; a transferência de propriedade é feita de pais para filhos, e não da mulher para o seu clã.


É a aparência da família patriarcal, baseada na propriedade pessoal e única do pai, convertido em chefe da família. Nesta família a mulher é oprimida. O homem, senhor e senhor, desencadeia seus caprichos sexuais, acasala com os escravos ou hetairas. As mulheres são seus saques e conquistas no mercado. Ele aproveita sua força de trabalho e desfruta da diversidade de prazer que temos pela frente.


A mulher, enquanto isso, quando os mestres possibilitam a reciprocidade, vem com a infidelidade. É assim que o casamento leva naturalmente ao adultério. É a única defesa das mulheres contra a escravidão doméstica. A opressão social é a expressão da opressão econômica.


Nesse ciclo de violência, a desigualdade só terminará com o advento de uma nova sociedade, isto é, quando homens e mulheres gozam dos mesmos direitos sociais, produto de profundas mudanças nos meios de produção e nas relações sociais. O destino das mulheres só vai melhorar com a liquidação do sistema que as explora.


Em todos os momentos, onde o patriarcado triunfou, havia um estreito paralelo entre a exploração de classes e a subjugação das mulheres. Com alguns momentos de melhoria, quando algumas mulheres, sacerdotisas ou guerreiras, conseguiram sacudir o jugo opressivo. Mas a tendência principal, tanto na prática cotidiana quanto no plano intelectual, sobreviveu e se consolidou. Privada da propriedade privada, expulsa de si mesma, relegada à categoria de enfermeira e empregada, rejeitada por filósofos como Aristóteles, Pitágoras e outros, e pelas religiões mais difundidas, desvalorizadas pelos mitos, a mulher compartilhava o destino do escravo, que na sociedade escravista não era nada mais que uma besta de carga com um rosto humano.


Não surpreende, portanto, que, em sua fase expansiva, o capitalismo, para o qual os seres humanos são meras figuras, tenha sido o sistema econômico que explorou as mulheres com mais cinismo e refinamento. Como aqueles fabricantes da época que só empregavam mulheres em seus teares mecânicos. Eles preferiam mulheres casadas e entre elas aquelas que tinham em casa várias bocas para alimentar, porque eram muito mais cuidadosas e dóceis do que as mulheres solteiras. Trabalharam até a exaustão para dar a seus povos os meios indispensáveis de subsistência.


É assim que as próprias qualidades da mulher se tornam adulteradas em detrimento dela, e todos os elementos morais e delicados de sua natureza são usados para escravizá-la. Sua ternura, o amor por sua família, seu trabalho meticuloso são usados contra ela, enquanto seus defeitos não são perdoados.


Através dos tempos e tipos de sociedades, as mulheres sempre tiveram um destino triste: a desigualdade, sempre ratificada, contra os homens. As manifestações dessa desigualdade podem ter sido muito diversas, mas sempre existiram.


Na sociedade escravista, o escravo era considerado um animal, um meio de produzir bens e serviços. A mulher, qualquer que fosse sua posição, era oprimida dentro de sua própria classe e fora dela, mesmo aquelas pertencentes às classes exploradoras.


Na sociedade feudal, baseada na suposta fraqueza física ou psíquica das mulheres, os homens as submetiam a uma dependência absoluta dos homens. A mulher foi mantida, com poucas exceções, longe dos locais de culto, pois ela é considerada impura ou o principal agente da indiscrição.


Na sociedade capitalista, as mulheres, que já sofreram perseguição na ordem moral e social, também são submetidas economicamente. Mantido pelo homem quando não está trabalhando, continua a ser quando ele é morto para trabalhar. A miséria das mulheres nunca será suficientemente estressada, nunca haverá ênfase suficiente em sua semelhança com a miséria dos proletários.


Sobre a especificidade do fato feminino

Porque a exploração se assemelha mulheres com os homens.


Mas essa semelhança na exploração social de homens e mulheres, que liga o destino de ambos na história, não deveria nos fazer perder de vista o fato específico da condição feminina. O status das mulheres excede as entidades econômicas e confere um caráter único à opressão que sofre. Essa singularidade nos impede de estabelecer equivalências que nos levariam a simplificações fáceis e infantis. Na exploração, a mulher e o trabalhador são reduzidos ao silêncio. Mas no sistema capitalista, a esposa do trabalhador deve permanecer em silêncio diante do marido que trabalha. Em outras palavras, para a exploração de classe que ambos têm em comum acrescenta-se, para as mulheres, uma relação única com o homem, uma relação de confronto e agressão que está blindada nas diferenças físicas a serem impostas.


Devemos admitir que a assimetria entre os sexos é o que caracteriza a sociedade humana, e que essa assimetria define uma relação que nos impede de ver as mulheres, mesmo no campo da produção econômica, como um trabalhador simples. Um relacionamento preferencial e perigoso, graças ao qual a questão das mulheres é sempre colocada como um problema.


O homem, portanto, está protegido na complexidade desse relacionamento para semear a confusão entre as mulheres e aproveitar todos os truques da exploração de classe para manter seu domínio sobre as mulheres. Da mesma forma, em outras ocasiões, alguns homens dominavam os outros porque conseguiam impor a ideia de que, em virtude da raça, do berço, do "direito divino", alguns homens eram superiores aos outros. É o domínio feudal. Da mesma forma, em outras ocasiões, outros homens conseguiram subjugar povos inteiros porque a origem e explicação de sua cor de pele lhes dava uma justificativa supostamente "científica" para dominar aqueles que tinham a infelicidade de serem de outra cor. É o domínio colonial. É o apartheid.


Não podemos ignorar esta situação das mulheres, porque é a que leva o melhor delas a falar sobre a guerra dos sexos, quando é uma guerra de clãs e classes na qual devemos lutar juntos e nos complementar.


Mas deve-se admitir que é a atitude dos homens que propicia a alteração de significados e, assim, promove todos os excessos semânticos do feminismo, alguns dos quais não foram inúteis na luta de homens e mulheres contra a opressão. Uma luta que podemos vencer, que venceremos se recuperarmos a complementaridade, se soubermos que somos necessários e complementares, se sabemos, enfim, que estamos fadados à complementaridade.


Por enquanto, devemos reconhecer que o comportamento masculino, tão carregado de vaidade, irresponsabilidade, arrogância e violência de todos os tipos em relação às mulheres, é incompatível com uma ação coordenada contra sua opressão. E as atitudes que denotam a estupidez, porque nada mais são que relevos de homens oprimidos que, com o tratamento brutal de sua esposa, tentam recuperar por si mesmos a humanidade que o sistema de exploração lhes nega.


A estupidez masculina é chamada sexismo ou machismo, formas de indigência intelectual e moral, até mesmo a impotência física mais ou menos declarada, muitas vezes, as mulheres politicamente conscientes consideram necessário lutar em duas frentes.


Para lutar e vencer, as mulheres devem se identificar com as classes sociais oprimidas: trabalhadores, camponeses ...


Um homem, embora oprimido, sempre encontra alguém para oprimir: sua esposa. Essa é a terrível realidade. Quando falamos sobre o infame sistema do apartheid, nossos pensamentos e emoções são direcionados para os negros explorados e oprimidos. Mas esquecemos, infelizmente, a mulher negra que apoia seu homem, aquele homem que, munido de sua caderneta (código de acesso), permite a culpa antes de retornar com o companheiro que o espera com dignidade, com seu sofrimento e sua pobreza.


Pensemos também na mulher branca da África do Sul, uma aristocrata, certamente rodeada de bens materiais, mas infelizmente uma máquina de prazer daqueles homens brancos e lúgubres que, para esquecer seus delitos contra os negros, se entregam a um desordenamento perverso de relações sexuais bestiais.


Não faltam exemplos de homens progressistas que vivem felizes em adultério, mas que poderiam matar sua esposa por uma simples suspeita de infidelidade. Entre nós há uma abundância desse tipo de homem, que vai buscar um suposto conforto nos braços de prostitutas e cortesãs de todos os tipos! Sem mencionar os maridos irresponsáveis, cujos salários servem para manter os entes queridos e aumentar suas dívidas no bar. E os homenzinhos, também progressistas, que se reúnem em um ambiente obsceno para falar sobre mulheres que abusaram. Eles acreditam que se medem com seus colegas ou que os humilham quando andam atrás de mulheres casadas.


Na realidade, são apenas infelizes os jovens de que não valeria a pena falar se não fosse porque seu comportamento delinquente põe em questão as virtudes e a moral das mulheres de grande valor que seriam extremamente úteis à nossa revolução.


Depois, há todos aqueles militantes mais ou menos revolucionários, muito menos revolucionários do que mais, que não permitem que suas mulheres militem ou só o permitam durante o dia, mas batem em suas mulheres porque foram a reuniões ou demonstrações noturnas. Ai dos desconfiados e ciumentos! Que pobreza de espírito, que compromisso limitado, tão condicionado! Porque vamos ver: uma mulher desprezada e determinada só pode enganar o marido à noite? E que tipo de compromisso é esse, que visa que a militância seja suspensa ao anoitecer e não recupere seu valor e suas exigências até que o sol nasça?


E o que pensar, finalmente, daquelas palavras sobre as mulheres ouvidas nos lábios dos militantes mais revolucionários? Palavras como "materialistas, explorados, teatrais, mentirosos, fofoqueiros, intrigantes, ciumentos, etc., etc ...". Coisas que podem ser verdadeiras, mas aplicadas às mulheres e também aos homens! O que se pode esperar de nossa sociedade, se supera metodicamente as mulheres, as separa de tudo o que é considerado sério, decisivo, de tudo o que está acima das relações subalternas e mesquinhas?


Quando alguém está condenado, como as mulheres, a esperar por seu amo e marido para dar a ele o que comer, e receber autorização dele para falar e viver, só o que resta, para se entreter e criar uma ilusão de utilidade ou importância, são as intrigas, as fofocas, as discussões, as brigas, os olhares laterais e invejosos seguidos de maldições sobre a coqueteria dos outros e sua vida privada. Homens que estão nas mesmas condições adotam as mesmas atitudes.


Também dizemos que as mulheres são negligentes. Para não mencionar as cabeças de tarambola. Mas tenhamos em mente que a mulher, oprimida ou mesmo atormentada por um marido leve, um marido infiel e irresponsável, uma criança e seus problemas, esmagada pela administração de toda a família, sob essas condições, terá um olhar equivocado, refletindo a ausência e a distração da mente. Para ela, o esquecimento é um antídoto para a fadiga, uma atenuação dos rigores da existência, uma proteção vital.


Mas também há homens negligentes e muito; alguns para álcool e narcóticos, outros para várias formas de perversidade a que se entregam durante toda a vida. Mas ninguém diz que esses homens são negligentes. Quanta vaidade, quantas vulgaridades!


Vulgaridades com as quais têm o prazer de justificar as imperfeições do mundo masculino. Porque o mundo masculino, numa sociedade de exploração, precisa de mulheres prostitutas. Essas mulheres, que são desonradas e sacrificadas depois de usá-las no altar da prosperidade para um sistema de mentiras e roubos, são bodes expiatórios.


A prostituição é a quintessência de uma sociedade em que a exploração é a norma. Simboliza o desprezo do homem pelas mulheres. Para uma mulher que não é outra senão a figura dolorosa da mãe, irmã ou esposa de outros homens e, portanto, de cada um de nós. É, em suma, o desprezo inconsciente por nós mesmos. Só existem prostitutas onde existem "prostitutos" e cafetões.


Quem é que vai com prostitutas?


Acima de tudo, os maridos que obrigam a esposa a ser casta e descarregam sua lascívia e instintos de estupro na prostituta. Desta forma, eles podem tratar suas esposas com respeito aparente e desencadear sua verdadeira natureza quando estão com a garota chamada uma vida feliz. Assim, no nível moral, a prostituição é simétrica ao casamento. Ritos, costumes, religiões e morais se adaptam a ele. Os pais da Igreja já disseram: “Para manter a saúde dos palácios, são necessários esgotos”.


Então há clientes impenitentes e intemperantes que temem assumir a responsabilidade por um lar com todos os seus problemas e fogem dos encargos morais e materiais da paternidade. Em seguida, eles exploram o endereço discreto de uma casa de tolerância como o recife precioso de um relacionamento sem consequências.


Há também a coorte daqueles que censuram as mulheres, pelo menos publicamente e em lugares decentes. Ou por um despeito que eles não têm coragem de confessar e isso os fez perder a confiança em todas as mulheres e considerá-las um instrumento diabólico, seja por causa da hipocrisia, por ter repetidamente proclamado um desprezo pelo sexo feminino que procuram assumir perante uma sociedade da qual adotaram respeito pela falsa virtude. Todos eles frequentam os lupanares secretamente até que, às vezes, sua dobra é descoberta.


Então há aquela fraqueza do homem que consiste na busca de situações poliândricas. Longe de nós, fazermos juízos de valor sobre a poliandria, uma forma de relacionamento entre homens e mulheres que algumas civilizações preferiram. Mas nos casos que denunciamos, estamos pensando em gigolôs e mocassins generosamente mantidos por mulheres ricas.


Nesse mesmo sistema, a prostituição, no aspecto econômico, pode equiparar a prostituta com a mulher casada "materialista". Entre aquela que vende seu corpo prostituindo-o e a que se vende dentro do casamento, a única diferença é o preço e a duração do contrato.


Ao tolerar a existência da prostituição, nós rebaixamos todas as nossas mulheres para o mesmo nível: prostitutas ou mulheres casadas. A única diferença é que a mulher legítima, apesar de oprimida, goza como esposa da honra conferida pelo casamento. Quanto à prostituta, ela só tem a avaliação monetária de seu corpo, uma avaliação que flutua com os valores das sacolas falocráticas.


Não é um artigo que é valorizado ou desvalorizado de acordo com o grau de murchamento de seus encantos? Não é governado pela lei da oferta e demanda? A prostituição é um compêndio trágico e doloroso de todas as formas de escravidão feminina. Portanto, em cada prostituta devemos ver um olhar acusador dirigido a toda a sociedade. Todo cafetão, todo cliente de prostituta escava a ferida purulenta e aberta que afeta o mundo dos homens e o leva à perdição. Se lutarmos contra a prostituição, se estendermos a mão à prostituta, salvaremos nossas mães, irmãs e mulheres dessa lepra social. Nós nos salvamos. Nós salvamos o mundo.


Se na opinião da sociedade uma criança nascida é um "dom de Deus", o nascimento de uma menina é recebido, se não como uma fatalidade, na melhor das hipóteses, como um presente que servirá para produzir alimentos e reproduzir o sexo humano


O homenzinho é ensinado a amar e a obter, a dizer e a ser servido, a desejar e receber, a decidir e a comandar. Para a futura mulher, a sociedade, como um homem solteiro e nunca melhor, impõe, infunde normas inapeláveis. Alguns espíritos psíquicos chamados virtudes criam nela um espírito de alienação pessoal, desenvolvem nessa menina a ânsia de proteção e a predisposição para alianças guardiãs e tratamento matrimonial. Que fraude mental monstruosa!


Assim, uma criança sem infância, a partir dos três anos de idade, ela terá que responder à sua razão de ser: servir, ser útil. Enquanto seu irmão de quatro, cinco ou seis anos brinca até o cansaço ou o tédio, ela se junta, sem contemplação, ao processo de produção. Ele já tem um emprego: ajudante doméstico. Uma ocupação, claro, sem remuneração, pois não se diz que a mulher, em sua casa, "não faz nada"? Não está escrito "trabalhadoras domésticas" em seus documentos de identidade para indicar que elas não têm emprego? Que "não trabalham"?


Com a ajuda dos ritos e das obrigações de submissão, nossas irmãs estão crescendo, cada vez mais dependentes, cada vez mais dominadas, cada vez mais exploradas e com menos tempo livre.


Enquanto o jovem encontra em seu caminho as oportunidades de desenvolver e forjar sua personalidade, a camisa-de-força social aperta ainda mais a menina em todas as fases de sua vida. Por ter nascido, uma menina pagará um tributo pesado durante toda a sua vida, até que o peso do trabalho e os efeitos do abandono físico e mental a levem ao dia do Grande Descanso. Fator de produção ao lado de sua mãe, mais patrona que mamãe, nunca a veremos sentada sem fazer nada, nunca livre, esquecida com seus brinquedos, como ele, seu irmão.


Onde quer que olhemos, do Planalto Central para o Nordeste, onde predominam sociedades com poder muito centralizado, para o Ocidente, onde as comunidades da aldeia vivem com um poder sem centralização, ou para o sudoeste, território das chamadas comunidades segmentárias, a tradicional organização social tem pelo menos uma coisa em comum: a subordinação das mulheres.


Nesta área, os nossos 8.000 povos, as nossas 600.000 concessões e as nossas casas de milhões e pouco têm comportamentos idênticos ou semelhantes. Em todos os lugares, a condição de coesão social definida pelos homens é a submissão das mulheres e a subordinação do segundo.


Nossa sociedade, ainda primitivamente agrária, patriarcal e polígama, explora as mulheres por sua força de trabalho e consumo, e por sua função de reprodução biológica.


Como a mulher experimenta essa curiosa identidade dupla: a de ser o nó vital que liga todos os membros da família, que garante, com sua presença e suas revelações, a unidade fundamental, e o de ser marginalizada, relegada? É uma condição híbrida onde elas existem, na qual o ostracismo imposto é apenas comparável ao estoicismo das mulheres. Para viver em harmonia com a sociedade dos homens, para se submeter à imposição dos homens, a mulher encerra em uma ataraxia negativa e degradante, entregando-se completamente.


Mulher fonte de vida, mas também mulher objeto. Mãe, mas empregada servil. Enfermeira mulher mas mulher desculpa. Trabalhadora no campo e em casa, mas figura sem rosto e voz. Dobradiça de mulher, confluência de mulher, mas mulher acorrentada, a sombra da mulher à sombra do homem.


Pilar do bem-estar da família, é uma parteira, lavadeira, faxineira, cozinheira, mercearia, parteira, cultivadora, curandeira, jardineira, moedora, vendedora, operária. É uma força de trabalho com uma ferramenta em desuso, que acumula centenas de milhares de horas com retornos desesperadores.


Nas quatro frentes de luta contra a doença, a fome, a miséria e a degeneração, nossas irmãs suportam a pressão de mudanças que não podem influenciar todos os dias. Quando cada um dos nossos 800.000 emigrantes masculinos vai embora, uma mulher é sobrecarregada com mais trabalho. Os dois milhões de burkinabés que vivem fora do território nacional contribuíram, assim, para agravar o desequilíbrio da proporção entre os sexos, de modo que hoje as mulheres perfazem 51,7% da população total. Da população residente potencialmente ativa, são 52,1%.


Dominada e transferida de uma tutela protetora exploradora para uma tutela dominante e ainda mais exploradora, primeira na tarefa e última no descanso, ao lado do fogo, mas a última em apagar sua sede, autorizada a comer somente quando algo for deixado; e, atrás do homem, sustento da família que carrega essa família e a sociedade nos ombros, nas mãos e com a barriga, a mulher recebe em pagamento uma ideologia natalista opressora, tabus e proibições alimentares, mais trabalho, desnutrição, gravidezes perigosas, despersonalização e muitos outros males, de modo que a mortalidade materna é uma das mais intoleráveis, mais inconfessáveis e mais vergonhosas da nossa sociedade.


Sobre esse substrato alienante, a irrupção de seres vorazes de longe agravou ainda mais a solidão das mulheres e tornou sua condição ainda mais precária.


A euforia da independência esqueceu mulheres na cama de esperanças quebradas. Segregada em deliberações, ausente de decisões, vulnerável e, portanto, vítima previsível, continuou apoiando a família e a sociedade. O capital e a burocracia concordaram em manter a mulher subjugada. O imperialismo fez o resto.


As mulheres, matriculadas duas vezes menos que os homens, analfabetas em 99%, com baixa formação profissional, discriminadas no emprego, relegadas a funções subordinadas, as primeiras a serem assediadas e demitidas, sobrecarregadas pelo peso de cem tradições e mil desculpas , continuou a enfrentar os desafios que surgiram. Elas tinham que permanecer ativas, a qualquer custo, para as crianças, para a família e para a sociedade. Através de mil noites sem auroras.


O capitalismo precisava de algodão, karité e sementes de gergelim para suas indústrias, e foi a mulher, foram nossas mães que, além do que já estavam fazendo, tiveram que assumir a coleção. Nas cidades, onde a civilização emancipatória das mulheres deveria estar, ela foi forçada a decorar as salas da burguesia, a vender seu corpo para viver ou a servir como engodo comercial em produções publicitárias.


Não há dúvida de que as mulheres da pequena burguesia das cidades vivem melhor do que as mulheres de nossos campos na ordem material. Mas elas são mais livres, mais respeitadas, são mais emancipadas, têm mais responsabilidades? Mais do que uma pergunta, uma afirmação é imposta. Há ainda muitos problemas, seja no emprego ou no acesso à educação, na consideração das mulheres nos textos legislativos ou na vida cotidiana. A mulher burkinabe ainda é a que está por trás do homem e não ao mesmo tempo que ele.


Os regimes políticos neocoloniais que ocorreram em Burkina Faso abordaram a questão da emancipação das mulheres com a abordagem burguesa, que nada mais é do que uma ilusão de liberdade e dignidade. A política de moda sobre a “condição feminina”, ou melhor, o feminismo primário que reivindica para as mulheres o direito de serem masculinas, só teve repercussões sobre as poucas mulheres da pequena burguesia urbana. A criação do ministério da Condição Feminina, liderada por uma mulher, foi proclamada como uma vitória.


Mas houve uma consciência real dessa condição feminina? Você sabia que a condição feminina é a condição de 52% da população de Burkinabe? Sabia-se que essa condição era determinada por estruturas sociais, políticas e econômicas, e pelas ideias retrógradas dominantes, e que, consequentemente, a transformação dessa condição não era obra de um único ministério, mesmo que tivesse uma mulher no comando?


Assim, as mulheres de Burkina, após vários anos de existência deste ministério, descobriram que sua condição não havia mudado. E não poderia ser diferente, porque a abordagem da emancipação das mulheres que levou à criação desse álibi ministerial não queria ver ou destacar as verdadeiras causas da dominação e exploração das mulheres. Não surpreende, portanto, que, apesar da existência desse ministério, a prostituição aumente, o acesso das mulheres à educação e ao emprego não melhore, os direitos civis e políticos das mulheres permaneçam no limbo e as condições de vida das mulheres, tanto na cidade como no campo não haviam melhorado.


Mulher do vaso, mulher política do álibi no governo, clientelista fêmea da sereia nas eleições, robô fêmea na cozinha, mulher frustrada pela resignação e as inibições impostas apesar de sua abertura mental! Seja qual for o seu lugar no espectro da dor, seja qual for o seu modo de sofrimento urbano ou rural, ela continua sofrendo.


Mas bastou uma noite para colocar as mulheres no centro do progresso familiar e da solidariedade nacional.


O alvorecer seguinte de 4 de agosto de 1983, portador da liberdade, abriu o caminho para todos juntos, iguais, solidários e complementares, para marchar lado a lado, em um só povo.


A revolução de agosto encontrou a mulher burkinabe em uma situação de submissão e exploração por uma sociedade neocolonial fortemente influenciada pela ideologia das forças retrógradas. Teve que romper com a política reacionária, defendeu e aplicou até então também no campo da emancipação das mulheres, e definiu claramente uma política nova, justa e revolucionária


Nossa revolução e a emancipação da mulher

Em 2 de outubro de 1983, o Conselho Nacional da Revolução declarou claramente no discurso de orientação política que era o principal eixo da luta pela libertação das mulheres. Ele se comprometeu a trabalhar pela mobilização, organização e união de todas as forças vivas da nação e das mulheres em particular. O discurso de orientação política afirma, sobre as mulheres: “Será incorporado em todos os combates que enfrentamos contra os obstáculos da sociedade neocolonial e a construção de uma nova sociedade. Está incorporado em todos os níveis de planejamento, decisão e execução para a organização da vida de toda a nação”.


Esta grande empresa pretende construir uma sociedade livre e próspera, onde as mulheres são iguais aos homens em todas as áreas. Não pode haver uma maneira mais clara de conceber e enunciar a questão das mulheres e a luta emancipatória que nos espera.


"A verdadeira emancipação das mulheres é o que responsabiliza as mulheres, incorpora-a nas atividades produtivas, nas lutas do povo. A verdadeira emancipação das mulheres é o que estimula a consideração e o respeito do homem."


Isso indica claramente, colegas militantes, que a luta pela libertação das mulheres é, antes de tudo, sua luta pelo fortalecimento da revolução democrática e popular. Uma revolução que lhe dá a palavra e o poder de dizer e agir para a edificação de uma sociedade de justiça e igualdade, onde mulheres e homens têm os mesmos direitos e deveres.


A revolução democrática e popular criou as condições para este combate libertador. Cabe a você agir com responsabilidade para, por um lado, romper as cadeias e os obstáculos que escravizam as mulheres em sociedades atrasadas como a nossa e, por outro, assumir a parte da responsabilidade que corresponde a você na política de construção da nova sociedade, para o benefício da África e de toda a humanidade.


Nas primeiras horas da revolução democrática e popular já dissemos: “A emancipação, como a liberdade, não é concedida, é conquistada. Cabe às próprias mulheres elevar suas demandas e mobilizar-se para torná-las realidade”. Nossa revolução não só marcou um objetivo na luta pela emancipação das mulheres, mas apontou o caminho a seguir, os meios necessários e os principais atores nessa luta. Em breve, trabalharemos juntos por quatro anos, homens e mulheres, para colher as vitórias e avançar em direção ao objetivo final.


Devemos estar conscientes das duras batalhas travadas, dos êxitos alcançados, dos fracassos sofridos e das dificuldades encontradas na preparação e condução dos futuros combates. O que a revolução democrática e popular fez pela emancipação das mulheres?


Quais são as conquistas e obstáculos?

Um dos maiores sucessos da nossa revolução na luta pela emancipação das mulheres tem sido, sem dúvida, a criação da União de Mulheres de Burkina (UFB pela sigla em francês). A criação desta organização é um grande sucesso porque deu às mulheres do nosso país uma estrutura e meios seguros para iniciar a batalha vitoriosamente. A criação da UFB é uma grande vitória, porque une todas as mulheres militantes com objetivos concretos e justos para o combate libertador liderado pelo Conselho Nacional da Revolução. A UFB é a organização de mulheres militantes e responsáveis, dispostas a trabalhar para transformar a realidade, a lutar para vencer, a cair e a se levantar sempre para avançar sem recuar.


Uma nova consciência surgiu entre as mulheres de Burkina, e todos devemos nos orgulhar disso. Militantes companheiras, a União das Mulheres de Burkina é sua organização de combate. Você terá que afiar bem para que seus cortes sejam mais nítidos e lhe dê mais e mais vitórias. As iniciativas que o governo tem há mais de três anos para alcançar a emancipação das mulheres são, sem dúvida, insuficientes, mas nos permitiram cobrir uma etapa da estrada, e nosso país pode se apresentar hoje na vanguarda da luta libertadora das mulheres. Nossas mulheres participam cada vez mais da tomada de decisões, no exercício efetivo do poder popular.


As mulheres de Burkina estão onde o país é construído, estão em obras: o Sourou (vale irrigado), reflorestamento, vacinação, operações de "Cidades Limpas", a batalha do trem, etc. Gradualmente, as mulheres de Burkina ocupam espaços e se impõem, afastando as ideias falocráticas e retrógradas dos homens. E continuarão assim até que a mulher de Burkina esteja presente em todo o tecido social e profissional. Nossa revolução, durante esses três anos e meio, trabalhou pela eliminação progressiva de práticas que desvalorizem as mulheres, como a prostituição e outros erros, como a errância e delinquência de mulheres jovens, casamento forçado, ablação e condições de vida especialmente difíceis das mulheres.


A revolução busca resolver o problema da água em todos os lugares, instala moinhos nas aldeias, melhora as casas, cria creches, vacina diariamente, promove alimentos saudáveis, abundantes e variados, contribuindo assim para melhorar as condições de vida da mulher burkinabé.


Isso deve comprometer-se mais com a aplicação das consignas anti-imperialistas, para produzir e consumir burkinabé, impondo-se como um agente econômico líder, produtor e consumidor de produtos locais.


Sem dúvida, a revolução de agosto avançou muito no caminho da emancipação das mulheres, mas o que foi feito até agora é insuficiente. Nós temos muito a fazer.


Para levar a cabo, devemos estar cientes das dificuldades que encontramos. Os obstáculos e dificuldades são muitos. Acima de tudo o analfabetismo e o baixo nível de consciência política, agravados pela poderosa influência das forças retrógradas em nossas sociedades atrasadas.


Devemos trabalhar com perseverança para superar esses dois principais obstáculos. Porque enquanto as mulheres não estiverem claramente conscientes da imparcialidade de nossa luta política e dos meios necessários, corremos o risco de tropeçar e até mesmo recuar.


É por isso que a União das Mulheres do Burkina tem que cumprir plenamente a sua função. As mulheres da UFB têm que trabalhar para superar suas insuficiências, para quebrar as práticas e comportamentos que sempre foram considerados típicos das mulheres e infelizmente continuam a ocorrer diariamente nos comportamentos e no raciocínio de muitas mulheres. É toda essa mesquinhez como inveja e exibicionismo, crítica incessante e livre, negativa e infundada, difamação mútua, subjetivismo no topo da pele, rivalidades, etc. Uma mulher revolucionária deve superar esses comportamentos, especialmente acentuados na pequena burguesia. Porque são prejudiciais ao trabalho em grupo, já que a luta pela libertação das mulheres é um trabalho organizado que precisa da contribuição das mulheres como um todo.


Juntos, devemos trabalhar para incorporar as mulheres ao trabalho.


Para um trabalho emancipatório e libertador que garanta às mulheres a sua independência econômica, um maior peso social e um conhecimento mais justo e completo do mundo.


Nossa noção do poder econômico das mulheres deve se afastar da cobiça vulgar e da cobiça materialista que transformam algumas mulheres em bolsas de valores especulativas, em cofres de viagem.


São mulheres que perdem sua dignidade, controle e princípios assim que ouvem o jingle das joias ou o rangido das contas. Algumas dessas mulheres, infelizmente, fazem com que os homens caiam nos excessos do endividamento ou mesmo da corrupção. Essas mulheres são perigosas areia movediça e areias fétidas, que extinguem a chama revolucionária de seus maridos ou companheiros militantes. Houve casos tristes de ardor revolucionário que se extinguiram e o compromisso do marido se afastou da causa do povo por ter uma mulher egoísta e arisca, ciumenta e invejosa.


A educação e a emancipação econômica mal compreendidas e focalizadas podem ser motivo de miséria para as mulheres e, portanto, para a sociedade. Solicitadas como amantes, elas são abandonadas quando surgem dificuldades. A opinião comum sobre elas é implacável: a intelectual está "fora do lugar", e a muito rica é suspeita. Todas estão condenadas a um celibato que não seria sério se não fosse a própria expressão de um ostracismo generalizado de toda uma sociedade contra algumas pessoas, vítimas inocentes porque elas não sabem completamente qual é o seu crime e seu defeito, frustradas porque dia a dia sua afetividade transforma-se em hipocondria. Para muitas mulheres, o conhecimento só lhes deu decepções, e a fortuna produziu muitos infortúnios.


A solução desses aparentes paradoxos é que as desafortunadas instruídas ou ricas coloquem sua grande instrução, sua grande riqueza a serviço de seu povo. Desta forma, elas vão ganhar apreciação e até mesmo a adulação de todas as pessoas a quem elas vão dar um pouco de alegria. Sob essas condições, elas não podem mais se sentirem sozinhas. A plenitude sentimental é alcançada quando se atinge que o amor de si e de si mesmo se torna o amor do outro e o amor dos outros.


Nossas mulheres não devem retroceder ante às lutas multiformes que lhes permitiram assumir-se plenamente e com valentia e, assim, experimentar a felicidade de serem elas mesmas, e não a domesticação delas por eles.


Ainda hoje, para muitas das nossas mulheres, a proteção de um homem é a melhor garantia contra o que eles dizem opressor. Eles se casam sem amor e sem alegria de viver com um desprezo, um insulto longe da vida e das lutas do povo. É comum que as mulheres exijam grande independência e, ao mesmo tempo, demandem proteção, e pior ainda, estar sob o protetorado colonial de um homem. Acreditam que não podem viver de outra forma.


Não! Temos que dizer a nossas irmãs que o casamento, se não contribui com nada para a sociedade e não as faz felizes, não é indispensável e deve ser evitado. Pelo contrário, vamos mostrar-lhes todos os dias o exemplo de pioneiras ousadas e destemidas que em seu celibato, com ou sem filhos, estão em excelente humor e riqueza e disponibilidade para os outros. Elas até despertam a inveja das mulheres casadas e infelizes, pelas simpatias que são conquistadas, pela felicidade que se depara sua liberdade, sua dignidade e sua disponibilidade.


As mulheres demonstraram muita capacidade para manter a família, criar filhos, em uma palavra, ser responsáveis sem estarem sujeitas à tutela de um homem. A sociedade evoluiu o suficiente para acabar com a marginalização injusta das mulheres sem marido. Revolucionários, devemos fazer do casamento uma opção enriquecedora, e não aquela loteria que sabe o que é gasto no começo, mas não o que será ganho. Os sentimentos são nobres demais para brincar com eles.


Outra dificuldade, sem dúvida, é a atitude feudal, reacionária e passiva de muitos homens, que têm um comportamento retrógrado. Eles não querem questionar o domínio absoluto sobre as mulheres no lar ou na sociedade em geral. Na luta pela construção da nova sociedade, que é uma luta revolucionária, esses homens, com suas práticas, ficam do lado da reação e contrarrevolução. Porque a revolução não pode ter sucesso sem a verdadeira emancipação das mulheres.


É por isso que, companheiras militantes, temos que estar bem conscientes de todas essas dificuldades para enfrentar futuros combates.


A mulher, como o homem, tem qualidades, mas também defeitos, o que mostra que a mulher é igual ao homem. Se nós deliberadamente realçarmos as qualidades das mulheres, não é porque temos uma visão idealizada disso. Queremos simplesmente destacar suas qualidades e habilidades, que os homens e a sociedade sempre ocultaram para justificar a exploração e a submissão das mulheres.


Como podemos nos organizar para acelerar a marcha rumo à emancipação?


Nossos meios são ridículos, mas nossa ambição é ótima. Nossa vontade e nossa firme convicção de avançar não são suficientes para alcançar o objetivo. Precisamos juntar forças, todas as nossas forças, coordená-las para que a luta seja bem-sucedida. Tem havido muita conversa sobre emancipação em nosso país há mais de duas décadas, há muito debate sobre isso. Hoje, trata-se de abordar a questão da emancipação globalmente, evitando as irresponsabilidades que impediram que todas as forças na luta reunissem e minimizassem essa questão crucial, e também evitando as fugas avançadas que deixariam atrás aqueles e sobretudo aquelas que devem estar na linha de frente.


Por isso, companheiras, precisamos de vocês para uma verdadeira libertação de todos nós. Eu sei que vocês sempre encontrarão a força e o tempo necessários para nos ajudar a salvar nossa sociedade.


Companheiras, não haverá verdadeira revolução social até que a mulher seja libertada. Que meus olhos nunca tenham que ver uma sociedade onde metade das pessoas permaneça em silêncio. Eu ouço o rugido deste silêncio de mulheres, sinto o barulho da sua tempestade, sinto a fúria da sua rebelião. Tenho esperança na frutífera irrupção da revolução, à qual elas trarão força e rigorosa justiça para fora de suas entranhas de oprimidas.


Companheiras à frente para a conquista do futuro. O futuro é revolucionário. O futuro pertence àqueles que lutam.


Pátria ou morte, venceremos!


por Thomas Sankara, em março de 1987


do marxists.org