top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

Nkrumah: "Eu falo de Liberdade"



Durante séculos, os europeus dominaram o continente africano. O homem branco se arrogou o direito de governar e ser obedecido pelo não-branco; sua missão, segundo ele, era “civilizar” a África. Sob esse manto, os europeus roubaram do continente vastas riquezas e infligiram sofrimentos inimagináveis ​​ao povo africano.


Tudo isso faz uma história triste, mas agora devemos estar preparados para enterrar o passado com suas memórias desagradáveis ​​e olhar para o futuro. Tudo o que pedimos às antigas potências coloniais é sua boa vontade e cooperação para remediar erros e injustiças do passado e conceder independência às colônias na África?


É claro que devemos encontrar uma solução africana para os nossos problemas, e que isso só pode ser encontrado na unidade africana. Divididos somos fracos; unida, a África pode tornar-se uma das maiores forças para o bem do mundo.


Embora a maioria dos africanos seja pobre, nosso continente é potencialmente extremamente rico. Nossos recursos minerais, que estão sendo explorados com capital estrangeiro apenas para enriquecer os investidores estrangeiros, vão de ouro e diamantes a urânio e petróleo. Nossas florestas contêm algumas das melhores madeiras para serem cultivadas em qualquer lugar. Nossas culturas de rendimento incluem cacau, café, borracha, tabaco e algodão. Quanto à energia, que é um fator importante em qualquer desenvolvimento econômico, a África contém mais de 40% do potencial hídrico do mundo, em comparação com cerca de 10% na Europa e 13% na América do Norte. No entanto, até agora, menos de 1% foi desenvolvido. Esta é uma das razões pelas quais temos na África o paradoxo da pobreza em meio à abundância e escassez em meio à abundância.


Nunca antes um povo teve ao seu alcance uma oportunidade tão grande de desenvolver um continente dotado de tanta riqueza. Individualmente, os estados independentes da África, alguns deles potencialmente ricos, outros pobres, pouco podem fazer por seu povo. Juntos, por ajuda mútua, eles podem conseguir muito. Mas o desenvolvimento econômico do continente deve ser planejado e perseguido como um todo. Uma confederação frouxa projetada apenas para cooperação econômica não forneceria a necessária unidade de propósito. Somente uma união política forte pode trazer o desenvolvimento pleno e efetivo de nossos recursos naturais em benefício de nosso povo.


A situação política na África hoje é animadora e ao mesmo tempo perturbadora. É animador ver tantas novas bandeiras hasteadas no lugar das antigas; é preocupante ver tantos países de tamanhos variados e em diferentes níveis de desenvolvimento, fracos e, em alguns casos, quase indefesos. Se esse terrível estado de fragmentação continuar, pode ser desastroso para todos nós.


Existem atualmente cerca de 28 estados na África, excluindo a União da África do Sul, e aqueles países ainda não livres. Nada menos que nove desses estados têm uma população de menos de três milhões. Podemos acreditar seriamente que as potências coloniais pretendiam que esses países fossem estados independentes e viáveis? O exemplo da América do Sul, que tem tanta riqueza, senão mais do que a América do Norte, e ainda assim permanece fraca e dependente de interesses externos, é um que todo africano faria bem em estudar.


Os críticos da unidade africana referem-se frequentemente às grandes diferenças de cultura, língua e ideias em várias partes de África. Isso é verdade, mas o fato essencial é que somos todos africanos e temos um interesse comum na independência da África. As dificuldades apresentadas por questões de língua, cultura e diferentes sistemas políticos não são insuperáveis. Se a necessidade de união política é acordada por todos, nasce a vontade de criá-la; e onde há vontade há um caminho.


Os atuais dirigentes de África já demonstraram uma notável vontade de consultar e aconselhar-se entre si. Os africanos, de fato, começaram a pensar continentalmente. Eles percebem que têm muito em comum, tanto em sua história passada, em seus problemas presentes e em suas esperanças futuras. Sugerir que ainda não é tempo de considerar uma união política da África é fugir dos fatos e ignorar as realidades da África hoje.


A maior contribuição que a África pode dar à paz do mundo é evitar todos os perigos inerentes à desunião, criando uma união política que, também pelo seu sucesso, seja um exemplo para um mundo dividido. Uma União de Estados africanos projetará mais eficazmente a personalidade africana. Implicará o respeito de um mundo que se preocupa apenas com tamanho e influência. A pouca atenção dada à oposição africana aos testes atômicos franceses no Saara, e o espetáculo ignominioso da ONU no Congo discutindo sobre sutilezas constitucionais enquanto a República cambaleava para a anarquia, são evidências do insensível desrespeito à independência africana pelos grandes poderes.


Temos que provar que a grandeza não deve ser medida em estoques de bombas atômicas. Acredito firmemente e sinceramente que, com a sabedoria e a dignidade arraigadas, o respeito inato pelas vidas humanas, a intensa humanidade que é nossa herança, a raça africana, unida sob um governo federal, emergirá não apenas como mais um bloco mundial para ostentar sua riqueza e força, mas como uma Grande Potência cuja grandeza é indestrutível porque não é construída sobre o medo, a inveja e a suspeita, nem conquistada à custa de outros, mas fundada na esperança, confiança, amizade e dirigida ao bem de toda a humanidade .


O surgimento de uma força estabilizadora tão poderosa neste mundo desgastado por conflitos deve ser considerado não como o sonho sombrio de um visionário, mas como uma proposta prática, que os povos da África podem e devem traduzir em realidade. Há uma maré nos assuntos de cada povo quando chega o momento da ação política. Tal foi o momento na história dos Estados Unidos da América quando os Pais Fundadores viram além das pequenas disputas dos estados separados e criaram uma União. Esta é a nossa chance. Devemos agir agora. Amanhã pode ser tarde demais e a oportunidade terá passado, e com ela a esperança de sobrevivência da África livre.


Excerto de um discurso de Kwame Nkrumah em 1961


Do I Speak of Freedom: A Statement of African Ideology (Londres: William Heinemann Ltd., 1961), pp. xi-xiv.


Traduzido do marxists.org

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg