top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Lutar contra o Imperialismo para acabar com a Crise Climática"



O imperialismo está cavando uma vala comum para o planeta e para a maior parte da humanidade, uma vez que está pronto para “negócios como de costume” nas negociações em curso da 26ª Conferência das Partes (COP) da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) ou COP26 em Glasgow.


Isso contradiz o recente relatório da UNFCCC junto com milhares de cientistas que mostraram que estamos em uma emergência climática. Simplificando, o mundo está em uma situação perigosa por causa do aumento ininterrupto da concentração de carbono na atmosfera e da temperatura climática global descontrolada. O aquecimento global está a caminho de um aumento de temperatura de mais de 2 graus celsius. Se essa situação não for revertida em menos de duas décadas, o mundo enfrentará uma devastação iminente que pode tornar inabitável uma parte significativa da Terra.


Com tal cenário, centenas de milhões de vidas e meios de subsistência de pessoas serão destruídas. Veremos mais nações e comunidades enfrentando enchentes e inundações; os incidentes pandêmicos ocorrerão com mais frequência; e secas, ondas de calor e incêndios florestais serão uma ocorrência normal em muitas partes do mundo. Junto com isso, a obliteração da biodiversidade ou da vida, a degradação dos ecossistemas e o esgotamento dos recursos naturais. O deslocamento e a migração de pessoas irão piorar.


No entanto, países imperialistas como os Estados Unidos, China, Canadá, Japão, Reino Unido e os da União Europeia fecham os olhos à urgência da crise climática que vivemos. Eles silenciam sobre suas contribuições maciças e desproporcionais às emissões globais de carbono, que incluem aquelas de seus complexos industriais militares movidos a combustíveis fósseis e guerras por procuração. Eles se recusam a sofrer cortes de emissões imediatos e profundos para proteger a humanidade de uma catástrofe climática iminente.


Eles estão se afastando de sua responsabilidade histórica, moral e justa de fornecer reparações por perdas e danos, bem como apoio financeiro e tecnológico incondicional aos países mais pobres que arcam com o peso de suas emissões excedentes. Pior, assim como antes, estão usando a COP26 para criar novas políticas neoliberais por meio de soluções climáticas enganosas e falsas, como emissões líquidas zero, comércio de carbono e sequestro de carbono para lidar com a mudança climática e o aquecimento global. É normal lucrar ainda mais com a exploração da natureza e das pessoas.


Vimos isso na elaboração e implementação do Protocolo de Kyoto de 1996 e do Acordo de Paris de 2015, cujo objetivo principal é reduzir a emissão global de carbono e desacelerar o aumento da temperatura global abaixo de 2 graus celsius. No entanto, quase três décadas se passaram desde o estabelecimento da UNFCCC e desses acordos, mas a realidade mostra o contrário. A realidade demonstra que os países imperialistas e suas corporações monopolistas dobraram suas emissões de carbono.


Já estão chegando relatórios de lobbies massivos e do comprometimento de trilhões de dólares pelas principais instituições financeiras do mundo para as emissões do Zero Líquido. Eles estão entusiasmados com a perspectiva de expandir seus portfólios – que já faturaram até US$ 17 bilhões com o financiamento de trilhões de dólares para combustíveis fósseis desde 2015 – por meio de energias renováveis ​​e compensações de carbono, independentemente de como os direitos, a saúde e o sustento de muitos camponeses, comunidades indígenas e locais são gravemente afetadas por projetos como plantações florestais, mega-hidrelétricas, mineração de minerais de terras raras e energia nuclear. Os governos estão igualmente entusiasmados com a perspectiva de financiamento climático para os países em desenvolvimento na forma de empréstimos e assistência oficial ao desenvolvimento, que lhes dará o poder de ditar aspectos vitais de suas economias em termos favoráveis ​​a eles.


Décadas de negociações climáticas com um progresso dolorosamente lento e antípoda nos mostraram que o destino do mundo não está nas conversas vazias e na retórica de líderes mundiais e corporações, mas na vontade coletiva e intencional de povos que não esperarão pela catástrofe. Juntos, devemos trabalhar para acabar com este sistema podre, desigual, injusto e opressor que é o imperialismo, que está na origem dos problemas climáticos do planeta.


Aplaudimos os movimentos dos povos, especialmente do Sul Global e das áreas e povos mais afetados, que enfrentaram enormes dificuldades para lutar por seu lugar à mesa nas negociações climáticas. Apoiamos os esforços para expor o imperialismo em sua essência e fortalecer a solidariedade entre os povos e movimentos mais afetados pelas crises de superprodução, pandemia e mudança climática. Ao mesmo tempo, nos regozijamos com os movimentos de libertação que lutam contra a pilhagem das corporações transnacionais e seus aliados no governo, enfraquecem o imperialismo e apressam o fim da causa sistêmica dos desastres climáticos globais.


O agravamento das crises climáticas e econômicas, tanto causadas quanto exacerbadas pela sede incessante de lucros do imperialismo, indica que o único caminho a seguir é uma mudança radical e drástica em nossos sistemas econômicos e sociais. Soluções abrangentes para a crise climática, como cortes massivos nas emissões, desenvolvimento acelerado de tecnologias ambientalmente sustentáveis ​​e adequadas, a utilização criteriosa e cuidados com os recursos naturais e um sistema social que garantirá a proteção contra choques climáticos e a distribuição equitativa da riqueza para todos só acontecerá sob o socialismo.


Juntos, vamos lutar contra o imperialismo e derrotar a dominação imperialista em todos os países oprimidos e explorados para estabelecer um sistema socialmente justo, equitativo e ambientalmente saudável que coloque as necessidades das pessoas e o uso judicioso dos recursos no centro da produção.


Pare a exploração das pessoas e do planeta!

Acabem com a pilhagem imperialista agora!

Os poluidores imperialistas devem pagar!

Acabar com o imperialismo para acabar com a crise climática!


Declaração da Liga Internacional de Luta dos Povos (ILPS) na COP26


6 de novembro de 2021


Len Cooper

Presidente ILPS

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg