top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Para entender Mariátegui"



Há pouco mais de 3 anos, tivemos a oportunidade de falar aqui mesmo. Na ocasião conversamos sobre o problema da educação e falamos sobre algumas reflexões que havíamos adquirido ao longo do tempo naquela época. A última vez que falei daqui foi algo muito bom para mim. Hoje tenho a oportunidade de falar novamente, mas a circunstância é um pouco diferente. Vamos falar de José Carlos Mariátegui, da validade do seu pensamento, e esta tarefa que me foi confiada não é nada fácil, pelo menos para mim. Acreditamos que Mariátegui deve ser abordado com respeito em primeiro lugar. Em segundo lugar, é preciso abordar a partir de uma posição de classe clara e precisa, pois de outra forma não é possível de forma alguma compreender a riqueza de seu pensamento ainda vigente. Mariátegui morreu fisicamente há muitos anos, é claro, mas seu pensamento ainda está profundamente vivo como nos anos 30, ainda é vigoroso, ainda é válido e continua a ser uma perspectiva no Peru enquanto outros pensamentos de pessoas ainda vivas já estão realmente mortos.


Em cerca de uma hora é um pouco difícil cobrir todo o pensamento de Mariátegui, por isso queremos nos referir a alguns problemas muito específicos e destacar o que devemos fazer diante deste grande peruano. Queremos tomar primeiro a figura de Mariátegui como intelectual proletário. Não vamos entrar em datas ou ninharias maiores que não interessam agora, vamos entrar nos problemas centrais colocados pela validade do pensamento de José Carlos Mariátegui.


PARA ENTENDER MARIATEGUI


Muito se escreveu sobre Mariátegui, depois de querer enterrá-lo em silêncio, claro, Mariátegui também é muito elogiado por querer mistificá-lo, Mariátegui é sistematicamente deturpado, Mariátegui é tratado com o pedantismo tolo de "superar". Em primeiro lugar, disse-se de Mariátegui que não era um marxista convicto e confesso, que era um pensador cujo pensamento não se baseava no marxismo-leninismo.


Mariátegui, ele mesmo disse, era um marxista convicto e confesso, sem medo e com precisão e clareza. O que isto quer dizer? Isso significa que Mariátegui tinha uma posição de classe proletária, estava do lado dos explorados de maneira simples, concreta e completa. Mariátegui sentiu na carne o que sentiram as massas exploradas de nosso país e o que sentiu traduziu em sua curta vida, infelizmente para nós, em ações concretas e na palavra escrita. Bem, além disso, Mariátegui tinha uma concepção de mundo, tinha uma ideologia, sua ideologia diz em muitos lugares que foi o marxismo-leninismo, Mariátegui concebeu, Mariátegui carrega, Mariátegui partia do mundo contemporâneo. Não é possível compreender as coisas, não é possível compreender a sociedade, o mundo, se não partirmos da concepção ideológica do proletariado. Mariátegui era um marxista-leninista. Se formos às suas obras, aos seus escritos, Mariátegui nos conta que no século atual falava nos anos 20 que o leninismo é a nova forma, a forma mais elevada que o marxismo havia adquirido naquela época. Mariátegui encontrou então a sua afiliação com Marx e Lenin e por isso se autodenominou um marxista-leninista convicto e confesso. Pois bem, em terceiro lugar, Mariátegui tinha um método de trabalho, um método de análise, o método insubstituível de compreender tudo. Mariátegui partiu do materialismo dialético, suas obras são uma prova confiável disso. A primeira questão, dissemos, que deve ficar clara, é a posição proletária de Mariátegui, a ideologia marxista-leninista que o alimentou e o método do materialismo dialético que o guiou. Nessas três bases é possível entender a figura de José Carlos Mariátegui. Quem não quer entender isso, não pode entender Mariátegui e não pode entendê-lo, não por falta de luz ou inteligência, não pode entendê-lo porque não está no mesmo lado, nem com a mesma luz no cérebro, nem tem o mesmo método. Isso deve ficar muito claro. Devemos partir dos fatos, começar da posição de classe de Mariátegui, devemos partir de sua ideologia marxista-leninista e também devemos partir, e por consequência, evidente, de seu método: o materialismo dialético. Quem não focaliza Mariátegui nestes três pontos de vista, não o pode compreender, não pode compreender o seu pensamento e irá deturpá-lo em alguns casos de muito boa fé ou na maioria das intelectuais a soldo, de muito má fé.


Mariátegui foi um grande marxista-leninista latino-americano e disso devemos nos orgulhar. Não há marxista-leninista na América Latina que possa ser comparado a ele de alguma forma; realmente José Carlos Mariátegui é o topo do pensamento marxista latino-americano e segue no auge conforme o passar do tempo.


José Carlos Mariátegui é mais apreciado fora das nossas fronteiras, aqui no nosso país é menos amado, é menos respeitado e é ainda menos conhecido, o que é uma pena. Mariátegui então é um grande marxista-leninista de nosso país para nos homenagear e aos explorados de nossa cidade, não para os outros; para os outros, é um punhal cravado no coração que não pode ser retirado nem eles poderão tirá-lo.


Mariátegui não é um simples repetidor, ele não é um simples conhecedor de quatro ou cinco fórmulas, mas tem algo mais, algo mais profundo, algo mais marxista, ele pega o marxismo-leninismo e o introduz e o funde em nossa realidade, o coloca na nossa pátria encarna-o no nosso solo e, ao encarná-lo, introduzi-lo, penetrá-lo na nossa pátria com o marxismo, ilumina-nos com um pensamento que ainda hoje vigora. A interpretação que Mariátegui fez de nossa pátria nos famosos Sete Ensaios de Interpretação da Realidade Peruana permanece um documento inabalável.


Em Mariátegui vemos a garra que tinha, a garra marxista brilhante de poder fundir a realidade universal do marxismo-leninismo com a validade concreta do nosso profeta revolucionário. Isso pouquíssima gente o tem e esse Mariátegui o tem em excesso e em grandeza, e isso deve ser reconhecido, quem não reconhece isso não pode entender o desenvolvimento das ideias marxistas em nosso país, e quem não entende o desenvolvimento das ideias marxistas em nosso país não entende o que está acontecendo no Peru, muito menos, é claro, pode se chamar de revolucionário. Infelizmente, há revolucionários por aí que conhecem o pensamento de Mariátegui e têm ainda mais medo dele, medo justo, porque é uma boa pedra de toque para saber quem são e quem não são. Por isso têm razão quando temem Mariátegui. Pois bem, os Sete Ensaios de Mariátegui ainda são algo fundamental no pensamento peruano, Mariátegui nos fez sete interpretações magistrais do ponto de vista do marxismo e do único ponto correto e exato, claro, de nossa realidade peruana. Contra este livro se lançaram estudiosos talentosos e doutos da posição contrária a Mariátegui, da posição reacionária de padre Víctor Andrés Belaúnde, mas não puderam.


UM LIVRO IMORTAL


O livro de Mariátegui ainda está vivo, e o do senhor Víctor Andrés Belaúnde poucos o leram e deve ser lido por curiosidade histórica. Pois bem, devemos partir disso, o que nos conta Mariátegui naquele livro, neste pequeno volume que é uma visão popular em nosso país. Mariátegui faz uma análise de nossa economia, ponto capital, fundamental. É impossível entender uma sociedade se você não entende sua estrutura econômica, se você não entende as relações sociais de exploração, que é a economia social, a economia política. O resto são invenções. O que isso nos diz sobre o Peru? Isso o tipifica muito concretamente; O Peru é um país semifeudal e semicolonial e isso o prova e demonstra em seu esquema do processo econômico de nosso país. Mariátegui nos dá um esboço das classes no Peru e sua evolução histórica, nos conta em outras palavras o que o pensamento marxista no Peru continua a desenvolver hoje sob o pensamento de Mao.


Pois bem, Mariátegui não só nos faz um esboço das relações de exploração de nosso país, não só nos faz um esboço das classes, também nos faz aquele esboço da evolução das ideias no Peru, ele fala, por exemplo, do problema literário, algo que devemos estudar muito para entender como a literatura evoluiu no Peru, como teve um caráter nitidamente de classe. Mariátegui faz uma fusão do marxismo-leninismo com a realidade concreta do nosso país e como consequência surge o melhor, o mais profundo, e esta análise concreta da realidade peruana, esta análise é a que deve servir de fundação para continuar o caminho em teoria que ele iniciou com maestria. Ninguém que quis refutar os alicerces de Mariátegui conseguiu, fizeram apenas diagramas elementares, mas não conseguiram desfazer o edifício que ele construiu tão cedo e com tão pouca idade.


Muito se disse que os Sete Ensaios são simplesmente a obra de um jornalista, com um tom depreciativo; até um homem, cujo nome suja a boca só por ser nomeado, o sujeito Ravines, disse o que se pode pensar de Mariátegui, quanto falaríamos de Mariátegui se Mariátegui tivesse sido um homem superficial e jornalista. Aquele sujeito não entendeu nada sobre Mariátegui, naturalmente o que vai entender se ele é um daqueles sujeitos que, vestindo a camisa, a tirou e foi para o time oposto.


Não têm a concepção proletária nem o método de Mariátegui, a camisa não lhes servirá, porque as coisas com o tempo e o sol vão perdendo a cor e amarelando.


O problema, portanto, não é o externo, mas essas três coisas, essas pequenas palavras, três coisas básicas sobre Mariátegui, sua posição de classe, sua ideologia e seu método. Quem se coloca ao lado do proletariado, do campesinato e das classes exploradas em nosso país é capaz de compreender Mariátegui, quem não assume essa atitude, nessa posição de classe, que está um pé com os explorados e outro com os exploradores, que prudentemente está do lado dos explorados, mas de coração com os exploradores não entendem, daí tanto girino que babam, mas essa baba nem chega ao chão que Mariátegui pisou há mais de 30 anos atrás.


UM COMBATENTE DO PROLETARIADO

Gostaríamos de passar a outro ponto que não pode ser separado do anterior, eles estão unidos como as faces desta página ou deste papel estão unidas, dois lados inseparáveis. Refiro-me ao problema de Mariátegui como combatente proletário, grande figura, pensador extraordinário e também organizador extraordinário, e o primeiro combatente marxista militante de nosso país. Devemos também deixar isso muito claro.


José Carlos Mariátegui veio da Europa ao nosso país, trouxe novas ideias e trouxe uma tarefa, uma missão: trabalhar pela formação do socialismo no Peru, esta era a sua missão e a cumpriu, trabalhou para isso, viveu para isso, se esforçou para isso e morreu por isso e sempre se manteve imbatível, com a coluna reta sem flexibilidades cômodas. Quando se estuda um pouco, encontra-se em Mariátegui um plano de trabalho, uma espécie de desenvolvimento organizacional do proletariado em nosso país. Em primeiro lugar, ele faz um trabalho de preparação do trabalho sindical, nos mostra como criador do sindicalismo de classe, já havia lutas sindicais no país antes, mas Mariátegui lança as bases do sindicalismo proletário, Mariátegui é o criador do Confederação Geral de Trabalhadores do Peru. A CGTP é obra de Mariátegui, foi principalmente o seu ideólogo, foi o seu mentor, foi quem a constituiu organicamente e quem lhe deu as bases e as cartas.


Pois bem, um dos primeiros organismos de que o proletariado necessita é a estruturação de uma central sindical. Mariátegui entendeu perfeitamente, mas não só entendeu, porque Mariátegui não era uma pessoa que entendia e se satisfazia, ele começou a pensar sobre sua lucidez e compreensão, mas sentiu a necessidade de cumprir a tarefa que a compreensão lhe exigia. Faz todo o trabalho preparatório para a constituição da CGTP. Uma instituição, seja o que for, tem duas partes constituintes, dois elementos que constituem qualquer órgão ou instituição. Em primeiro lugar, uma parte ideológica, ou seja, a mobilização do pensamento, a formação de um programa, a constituição de alguns pontos de concordância, a avaliação de um estatuto, etc., e uma segunda parte, a constituição de aparatos orgânicos no sentido estrito. Este Mariátegui o compreendeu de forma profunda e brilhante e, seguindo o seu esquema marxista, Mariátegui foi quem criou a CGTP do nosso país.


A CGTP

Há uma coisa muito interessante: Mariátegui ao redigir os estatutos fez um estatuto sindical, classista, proletário que ainda está à espera de sua realização. Isso é irônico, mas mais do que irônico é um sinal da desorientação que certos elementos lhe impuseram em meio ao movimento sindical em nosso país. Se você olhar os estatutos da CGTP, em primeiro lugar encontrará uma espécie de prólogo, uma orientação como denominou Mariátegui, que mostra como o proletariado vê o mundo hoje, como há uma luta que não pode ser mascarada, uma luta que não se pode deixar de reconhecer, uma luta entre a burguesia e o proletariado e, por sua vez, sugere que há uma ideologia de classe que deve ser seguida para formar um corpo sindical, é afirmado de forma clara e com uma linguagem muito precisa. Então o que Mariátegui faz?


Mariátegui levanta as bases gerais da constituição orgânica daquele órgão sindical, mas não propõe nem mesmo os excessos que sufocam e matam, mas com pontos básicos gerais para permitir o desenvolvimento e a iniciativa do povo. Não podemos dizer às pessoas que quando você desce um degrau, coloque o pé direito primeiro. É preciso dar-lhes iniciativa, pensar com a própria cabeça para que entendam, para que aprendam e não sejam eternos menores. Estava pensando no povo, que não precisava de uma espécie de guia o tempo todo porque não é cego. Isso foi entendido por Mariátegui, por isso ele fez algumas bases organizacionais gerais. Mariátegui também ao tratar do problema se refere a algo formidável que não se encontra em nenhum estatuto.


A única diferença favorável em relação aos estatutos sindicais é que os atuais são mais bem impressos.


Mariátegui imediatamente levanta as formas de luta e nos fala sobre a greve. Por que Mariátegui coloca as coisas assim? Porque nos organismos você também tem que falar sobre as maneiras pelas quais eles devem lutar, porque dependendo do que se quer alcançar, há uma maneira de lutar.


É importante dizer, porque se olharmos os jornais de nosso país, o La Prensa, por exemplo, afirma que a greve é ​​um método ruim, inadequado, é apenas um método de agitadores extremistas. A imprensa quer domar o proletariado no sentido de que ele não busque a greve, mas ao parlamento, para se comprometer, quer que o roubado comece a discutir sobre as coisas que o ladrão lhes tirou. Em toda luta é fundamental, é importante ver os meios de luta, as formas de lutar, e o fundamental e básico é a mobilização das massas, e a mobilização das massas é santa por um motivo simples, porque por meio dessa mobilização prática as pessoas estão abrindo os olhos e compreendendo e se livrando do atavismo e gerando aqueles que devem liderar. Por isso o movimento de massas é muito bom, por isso também este ponto fundamental dos estatutos da CGTP é notável. Mas não só toca nisso, Mariátegui também trata do problema da propaganda e da agitação, o povo precisa da própria boca para dizer a sua palavra, não precisa que os outros falem por ele, o povo não saberá diga uma linguagem floreada, não saberá uma linguagem refinada, pode ter erros, isso não importa. O importante é que diga o que sente, o que vê, o que precisa e consequentemente luta pelo que quer até o fim, mesmo que tenha derrotas, porque todas as derrotas sofridas pelo povo são transitórias, todas, absolutamente todas. Mariátegui trata disso também e quando vê os estatutos fala-nos da propaganda e da agitação. Se olharmos todo esse longo período desde a morte de Mariátegui, veremos como todo esse problema não foi compreendido, como não se formou o pensamento no Peru, como se tem lutado para criar uma imprensa proletária que não existe. Em nossa pátria, entendemos como enquanto a reação pode gritar conosco, todos os dias, não encontramos uma imprensa diária que nos diga a palavra do trabalhador, não a encontramos porque o problema não foi realmente entendido como Mariátegui levantou-o. Portanto, se fizermos esta pequena recontagem do que suscita nos estatutos da Confederação Geral dos Trabalhadores do Peru, então se verá a extraordinária capacidade de Mariátegui e os meios de solução. Mariátegui entendeu perfeitamente este problema, o problema de que o povo é invencível se se organizar. Lenin, extraordinário em todos os sentidos, disse: “o povo é invencível, mas o povo é invencível quando está organizado fortemente, unido pelos mesmos princípios”.


A ORGANIZAÇÃO DO CAMPESINATO

Porque aí Mariátegui levanta como o povo deve primeiro especificar sua posição ideológica e política; em segundo lugar, como deve forjar sua estrutura orgânica.

Mas Mariátegui não trata apenas da organização dos trabalhadores, a gigantesca obra de Mariátegui não termina aí, ele vê outra coisa: entende nosso país em suas entranhas e descobre que em nosso país há camponeses, mas Mariátegui não só os vê, mas também entende seu papel, entende seu destino histórico, o que os oprime. Mariátegui diz que no Peru há camponeses esmagados pela feudalidade que os oprime. Essa feudalidade que tem duas expressões: latifúndio e servidão, essa vontade maldita de explorar, de viver do trabalho dos outros. Mariátegui entende isso e diz que a causa fundamental, o mal, a origem, a fonte histórica é o feudalismo que nosso país ainda sustenta. Diz que nosso país é semifeudal e que é uma montanha que está pesando e dobrando o campesinato peruano, o problema do camponês peruano é o problema da terra e o problema da terra é o problema de conquistá-lo. Como a terra é conquistada? Mariátegui diz que o campesinato deve se organizar e é o primeiro a começar a trabalhar sob uma concepção correta, a lutar do ponto de vista proletário, incansavelmente pela organização dos camponeses. Mariátegui tem uma obra muito pouco lida, porque alguns a consideram não científica, mas política. Existem pessoas que têm cegueira monumental. Mariátegui começa a ver o campesinato e levanta formas orgânicas e faz uma análise na obra Esboço sobre a Questão Indígena, que Mariátegui fez para se apresentar em um encontro internacional.


Pois bem, Mariátegui analisa a situação do campesinato em nosso país, o que nos interessa é que aí eleve as formas de organização do campesinato. Mariátegui diz que devemos formar sindicatos camponeses, devemos formar ligas camponesas, propor a mobilização organizacional do campesinato. Mariátegui entende que sem organização as pessoas são muito frágeis e não podem lutar. Não para por aí, no entanto. Ele sugere que é necessário construir uma aliança operário-camponesa, isto é, um dos princípios fundamentais de qualquer processo revolucionário.


Isso indica Mariátegui e até mais além. Ele levanta duas coisas extraordinárias, quando se trata do poder, Lenin diz: “o problema da revolução é o problema do poder”. Isso é fundamental, tudo visa conquistar o poder, ou retê-lo, ou mantê-lo. Alguns acreditam que Mariátegui foi um humanista ou um liberal burguês deformado e humanista. Mariátegui vai mais longe e diz que algo mais deve ser feito no problema de organização do campesinato: devemos buscar o armamento do campesinato, devemos organizar a força armada do campesinato. Não me digam que estou promovendo isso, estou falando de Mariátegui, Mariátegui levanta o armamento do campesinato como uma de suas formas organizacionais necessárias; Ele não apenas propõe isso, sugere que os sovietes devem ser formados; isso é muito correto e aplicável de A a Z, total e absolutamente, independentemente de nossos minúsculos medos que possamos ter. É assim que Mariátegui coloca as coisas.


O PARTIDO


Mariátegui resolve o problema político de nosso país, sabe perfeitamente que o proletariado tem formas orgânicas; sindicatos, aliança de trabalhadores, armas dos trabalhadores. Pois bem, Mariátegui sabia que essas três coisas que estamos dizendo não são nada se não existe o cérebro que as guiou. Mariátegui então propôs a formação do partido proletário e criou o partido do proletariado em nosso país. Quem estuda o problema das ideias no Peru tem que reconhecer isso. Por ali Carlos Tapia está dizendo que Mariátegui não criou o Partido Comunista do Peru, que Mariátegui criou o Partido Socialista, porque Mariátegui foi um homem de conceito amplo, de espírito amplo, Mariátegui não era sectário, não era estreito, era muito cavalheiresco em suas ideias. Isso parece uma defesa de Mariátegui, mas é o pior ataque que pode ser feito a Mariátegui. Mariátegui aceitaria tudo menos isso, porque é como dizer a ele “você foi um homem mau, no final você quebrou aos 35 anos”. Há defensores a quem é melhor dizer que não me defendam, porque você está me afundando e é assim que é preciso dizer a tais “defensores de Mariátegui”, que falam que Mariátegui não era sectário, era amplo e democrático, tão amplo que parecia confundir exploradores com explorados. Mariátegui criou o Partido Comunista, que não era chamado assim no início: se chamava Partido Socialista. Daí vem o já citado Sr. Ravines dizendo “podemos provar com documentos e tudo”, com a voz trêmula, que criou o Partido Socialista e não o Partido Comunista; “Eu criei o Partido Comunista”, diz aquele desgraçado.


Mas isso é falso, Mariátegui criou o Partido Socialista, é verdade, mas filiado à III Internacional e submetido aos princípios levantados por Lenin em 1919. Como é que Mariátegui cria um Partido Socialista que não é comunista, mas que é afiliado ao Internacional? Foram ignorantes os que que leram esse partido que não é, mas é? Mariátegui entrega sua carta constitutiva, sua certidão de nascimento. Mariátegui esteve presente. Mariátegui também faz o programa desse partido.


Você tem que se referir aos documentos encontrados nas obras de Martínez La Torre, tem o programa feito por ele mesmo, o programa do Partido Comunista.

Como é este? Ele não o cria, mas faz o documento; isso significa que os da Internacional não perceberam; não acredita, mas o filia à Internacional; ele não acreditava, mas ele faz a carta constitutiva. O que há é uma conspiração para arrancar de nós aquela imensa figura de Mariátegui.


Mariátegui deu a vida e se manteve firme e cumprindo o que entendia ser seu dever; participar da formação do socialismo peruano, e não só participou, ele o engendrou e desde então o socialismo em nosso país tem aquela filiação luminosa. Estamos em um processo de redescoberta da figura de Mariátegui.


SOMOS OS HERDADEIROS LEGÍTIMOS DE MARIATEGUI


Queremos falar sobre a validade de Mariátegui. Em primeiro lugar, devemos falar sobre os inimigos de Mariátegui. Você já sabe que ele morreu muito jovem, aos 35 anos; seu trabalho ainda precisava ser feito e lançou as bases para seu trabalho prático. Seu trabalho teve muitas vicissitudes: crimes declarados, traições não confessadas, oportunistas que querem se abrigar sob sua sombra. Também teve – é claro – pessoas que sempre defenderam e pessoas que hoje querem voltar à sua figura, à sua origem. Com a morte de Mariátegui, alguns elementos, alguns sujeitos, alguns pequenos personagens cujos nomes nem quero pronunciar, erguem-se como porta-estandartes de Mariátegui para negar sistematicamente seu pensamento e trair com a ação o que afirmavam receber como legados. Esses supostos herdeiros de Mariátegui, como trabalham e qual é a sua prática? Por seus fatos você os conhecerá, como agem hoje e como irão agir amanhã e no próximo ano de 1969 ainda mais. De boca em boca, grandes elogios a Mariátegui, enchem colunas de jornais para homenagear, convocam romarias massivas e populares, para elevar a figura de Mariátegui. Por trás do nome de Mariátegui querem esconder suas rendições que estão em nosso país há muitos anos, mais de 30 anos, são antigas e comprovadas na traição. Mariátegui pode ser criado, reconhecido, sem seguir o seu pensamento? De forma alguma, como pode haver seguidores de Mariátegui que, ao contrário dos Amauta que afirmam que o país é semifeudal e semicolonial, têm ossos muito soltos e muito desavergonhados de que o Peru é um país dependente? Como é que são seguidores de Mariátegui? Esses personagens dizem, e está escrito em seus jornais, em seus documentos que estão por aí, dizem que o pensamento de Mariátegui ainda é válido, ainda é real, especificamente que a análise econômica de Mariátegui continua a ser uma realidade em nosso país, mas que sociedade peruana é semifeudal e dependente. Vamos nos entender, o que Mariátegui fala? Mariátegui diz que o Peru é um país semifeudal e semicolonial e sua categoria de semicolonial vai piorar e se tornar mais fascinante à medida que o imperialismo penetra mais. Façamo-nos uma pergunta simples: o imperialismo penetrou mais ou menos desde a época de Mariátegui? A resposta é: ele foi mais além. Se o imperialismo penetrou mais, o que Mariátegui disse é verdade ou não? Ele nos disse que quanto mais penetra, mais semicolônia seremos e que correríamos o risco de nos tornarmos uma colônia total, ou seja, de perder a soberania de forma definitiva. Mariátegui propôs, por exemplo, uma frente operária e camponesa. E o que essas pessoas que se dizem seguidores pregam? Eles pregam para fazer uma frente com a burguesia. E onde estão os camponeses e operários? Eles não estão ali, exceto por alguns que os tocam pelas orelhas, para representar falsamente os autênticos trabalhadores e camponeses do Peru. Mariátegui diz que devemos armar os camponeses, os trabalhadores, devemos fazer sovietes. E o que esses supostos seguidores dizem? Devemos ir às eleições, através das eleições vamos chegar ao poder. Que seguidores são esses? Refiro-me aos documentos de Mariátegui. Esses senhores podem ser chamados de seguidores de Mariátegui? Não. Eles são os fumantes de Mariátegui, os incendiários de Mariátegui. Colocam muito incenso para sujar o santo, para sujá-lo e para que não vejam como era e como é ainda. Muita peregrinação, muita conversa, muito elevação da sua figura para prostituir seu pensamento. Muito se fala em Mariátegui para negar sua versão revolucionária. Eles são seguidores de Mariátegui? Não. Eles são traficantes, inimigos de Mariátegui, querem reduzir a festa de Mariátegui simplesmente para celebrar sua morte. Muito sintomático. Eles celebram a morte porque celebram a morte, entendeu? Quando deveríamos antes nos alegrar por ele ter nascido; não devemos comemorar o dia em que ele morreu, mas o dia em que ele nasceu, como as grandes figuras do mundo ninguém comemora o dia em que Lenin morreu, todos comemoram o dia em que Lenin viveu. Por seus fatos, nós os conheceremos mais. Não devemos aceitar isso, devemos lutar contra todos aqueles que se opõem a Mariátegui, que o negam. Mas não só Mariátegui tem esse tipo de inimigo.


OS SUPERADORES DE MARIATEGUI


Ele também tem seus inimigos dissimulados. Há quem diga: em que ano escreveu Mariátegui? Em 1928. Ah! dizem, em 1928, quarenta anos atrás; em 40 anos, a ciência histórica progrediu no mundo. Os métodos de pesquisa progrediram, os estudos sobre a história peruana avançaram tanto na arqueologia, na história da república, na história do Império Inca, sei lá, avançaram tanto que “supera Mariátegui”. A afiliação desses superadores é a mesma afiliação dos superadores de Marx. Essas “superadores de bolso” não superaram sua própria estreiteza, são mentirosos, são falsificadores, são traficantes. Bem, o que essas pessoas estão fazendo? Eles têm a mania de acumular dados, aquela riqueza intelectual da burguesia. O dado é um conceito burguês, acreditar que quanto mais dados tenho, mais interpretativo sou, mais compreensivo da situação nacional que tenho, é um absurdo, é uma mentira. Esse não é o problema, o problema todo não está no acúmulo de dados, não somos simplesmente máquinas de registro; o problema está na interpretação, e Mariátegui chamou de Sete Ensaios de Interpretação, não colocou Sete testes de acumulação de dados. E o problema da interpretação é o problema da posição de classe, da ideologia proletária e do método materialista dialético. O que acontece é que seus vencedores ainda não compreenderam o problema do conhecimento na burguesia e no proletariado. O que acontece é que esses superadores querem fazer uma interpretação marxista do Peru com a concepção burguesa na cabeça; é isso que acontece com eles. O que sai como resultado? Uma coisa mal feita que nem eles entendem e tem aquelas coisas ambíguas: “O Peru é semicapitalista, o Peru é semicolônia, o Peru é neocolônia, o Peru é ao mesmo tempo semifeudal, mas ao mesmo tempo é capitalista”. Mas o que diabos é o Peru? O problema é que essas pessoas carecem de unidade de pensamento, não porque sejam menos inteligentes, podem ser de grande capacidade, de agilidade mental, mas carecem de base, é como um prédio que tem telhado, mas carece de alicerce, eles carecem de posição de classe e por isso não podem ir mais longe. Fazem divagações, grandes esquemas interpretativos, esquemas lúcidos e brilhantes de uma etapa do país ou da atual sociedade peruana, mas não vão ao cerne do problema e, por isso, acabam dizendo que no Peru há curiosas situações de classe ou alianças curiosas. No Peru não há nada de curioso, porque a sociedade não é curiosa, a sociedade responde às leis; mas quem não segue o marxismo não pode descobri-los. A estes amigos, a estes senhores que querem superar Mariátegui, é necessário fazê-los compreender o problema, fazê-los ver que estão cometendo um grave erro porque continuam com a visão burguesa em suas cabeças e assim querem compreender Mariátegui. Eles nunca vão conseguir.


Um dos problemas mais debatidos é sobre o caráter capitalista do Peru, porque Mariátegui afirma que o Peru é semifeudal e isso é correto. Dizem que Mariátegui se enganou porque disse que somos semifeudais e somos capitalistas; é que no fundo do pensamento dessas pessoas não existe um mecanismo dialético, eles acreditam que a revolução não é viável se não houver um grande desenvolvimento das forças de produção, esse conceito já foi superado; Lenin o resolveu, mas outros continuam revivendo.


Bem, tem gente que fala que já superou o Mariátegui, mas onde está a melhora dele? Onde está o documento inteligente em que nos é mostrado que o país é assim ou aquele, ou que a revolução tem este ou aquele caráter? Esse é outro problema porque Mariátegui diz que a primeira etapa da revolução peruana é nacional democrática, popular democrática, mas os superadores de Mariátegui dizem que não, a revolução é socialista. Finalmente, há outro conjunto de deturpadores, eles pegam parcialmente Mariátegui e começam a fazer especulações bizarras; lá fora Mariátegui fala alguma coisa sobre religião, tem opinião sobre religião sobre mito, aí uns esfregam as mãos, as mãos macias de nunca ter feito nada e dizem: Mariátegui era um místico de coração e não era marxista, era um humanista que sentiu e sofreu com o Peru.


Mariátegui afirmou especificamente que o marxismo-leninismo é universal. Os superadores se apegam a uma frase na qual ele diz que a revolução no Peru não será uma reprodução nem uma cópia. Mariátegui levantou o marxismo como verdade universal e essa verdade universal o trouxe para a nossa realidade; não é como alguns dizem que Mariátegui quis colocar a realidade no estreito esquema marxista, como disse Víctor Andrés Belaúnde. Não. Mariátegui não fez isso. Mariátegui não era bobo, Mariátegui era um homem marxista e entendia as coisas e era um cientista, embora fosse anti-universitário, mas anti-universitário da universidade estagnada, ultrapassada e feudal que existia em nosso país, não da universidade popular que ele iluminou com seu pensamento.


Os reacionários querem nos mostrar um Mariátegui burguês, um pequeno burguês, alguns disseram que Mariátegui era um populista (risos), populista no sentido que Mariátegui desenvolve o pensamento camponês no Peru. Mariátegui que não desenvolve a concepção proletária, mas a concepção do ponto de vista camponês e isso é uma mentira do começo ao fim, é uma traição absoluta. Mariátegui é marxista, não tem o ponto de vista do campesinato, porque se tivesse, seria um pequeno burguês revolucionário e nada mais.


ESTUDAR E DIVULGAR


Que conclusões nós revolucionários devemos tirar do pensamento de Mariátegui? Primeiro, estude e divulgue José Carlos Mariátegui. Por que estudar Mariátegui? Porque em nosso país as pessoas falam muito sobre isso e leem muito pouco. Vamos fazer um retrospecto e ver se lemos os 10 volumes de Mariátegui. Conhecemos as abordagens políticas propriamente ditas? Conhecemos seu ponto de vista anti-imperialista? Quantas vezes meditamos sobre os problemas de Mariátegui? Muito pouco.


Mariátegui é um homem luminoso em nosso país, não há outro dessa estatura. Que figura você quer colocar na frente do Sr. Riva Agüero, aquele aprendiz fascista que nunca se tornou um de forma consistente? Don Víctor Andrés Belaúnde também não pensou nada. Belaúnde é um homem superficial, que se passa por pensador. Suas obras sobre santo Agostinho não passam de mero serviço da boca para fora, de que o homem é pura casca. Devemos difundir o pensamento de Mariátegui. O que fizemos no quadragésimo aniversário de Mariátegui? Nós o estudamos completamente? Fizemos discussões básicas, seminários sobre os Sete Ensaios? Procuramos aplicar o que disse Mariátegui e seguir sua linha para entender com essa luz o que está acontecendo conosco hoje? Levantamos esta luz para ver onde estamos? Nós não conseguimos. Eu especificamente levanto uma coisa. Parece-me que devemos propor algumas atividades para o quadragésimo aniversário dos Sete Ensaios. Como fazemos? Discutindo por enquanto. Em segundo lugar, parece-me que também temos outra tarefa: o problema de defender Mariátegui, que é atacado aberta e clandestinamente.


Mariátegui é uma fonte de luz que não podemos permitir que tenha um véu, não podemos permitir que nos façam ver com vidros de outra cor, que nos façam ver como preto o que é vermelho, que distorçam as ideias fundamentais de Mariátegui. Não podemos permitir isso, temos que defender Mariátegui, porque se não fizermos isso Mariátegui vai continuar arruinado, vamos seguir a mesma política dos reacionários, porque a reação agarrou Mariátegui e o prendeu, tentou silenciar suas ideias.


Temos que libertar Mariátegui, porque se não o libertarmos também não nos libertaremos; mas, claro, não é um problema pessoal, trata-se de libertar nosso povo. Em terceiro lugar, parece-me que devemos continuar os estudos de Mariátegui, não pretendo superar Mariátegui, não quero ser catalogada no armário das sobras, mas acredito que devemos desenvolver Mariátegui, tomar sua ideologia, seu método, suas fontes como base e desenvolver tais problemas. Por exemplo: como poderíamos ver a economia peruana de 1968 à luz do ensaio de 1928? Seria magnífico o mesmo na literatura, no problema da terra e outros problemas. Parece-me que se trata de uma obrigação e que devemos cumprir nós, intelectuais, trabalhadores também, camponeses também, porque há muitos parágrafos que se referem a eles em uma linguagem simples, clara e muito precisa. Por fim, e com isso quero concluir, Mariátegui é um grande exemplo, que se junta a outras figuras de nossa história, como Túpac Amaru.


O EXEMPLO DE MARIATEGUI


Mariátegui é uma figura histórica em nosso país. Embora recente, ele já tem uma dimensão histórica perfeita que se destaca, ele é o ideólogo do nosso país, não há outro. Os ideólogos reacionários continuam anões diante de Mariátegui.


Tem de ser feito. Que bom seria se tivéssemos quantos outros! Mas estou perfeitamente convencido de que Mariátegui não nasce todo dia, ele ficou. O sobrenome pode ou não ser carregado por seus parentes. O problema é o do exemplo. Devemos elevá-lo como figura de exemplo, como guia da revolução em nossa pátria, e nossa pátria está mudando profundamente e mudará ainda mais. Já foi dito, a história não pode parar, pode ser desviada um pouco, nada mais. Mariátegui é, portanto, um exemplo para nós. Exemplo de quê? Mariátegui é, portanto, um exemplo de revolucionário proletário, nem mais nem menos. Nós não o aumentamos. Mariátegui não quer que o exalemos, nem que o diminuamos; se dissermos o exemplo de revolucionário, simplesmente tiraremos a qualificação de proletário, se tirarmos o nome proletário, Mariátegui não seria mais nada, seria comum.


UM TEÓRICO PEQUENO

E o que isto significa? Vou a Mariátegui para saber do que se trata, vou à sua obra, à sua vida, e encontro em Mariátegui um desenvolvimento teórico, um Estudo marxista-leninista dos nossos problemas, um grande teórico do Peru e da América Latina.

Devemos seguir esse caminho; não estou propondo que sejamos iguais a ele, mas apenas sigamos seu caminho. Por exemplo, posso fazer um prólogo, por exemplo posso fazer algo seguindo sua luz naquele plano e assim serei um pouco teórico, mas estou nesse caminho e se juntarmos todas as pequenas verdades que podemos alcançar depois do caminho de Mariátegui, será um rio realmente grande. Quem tem mais responsabilidade por isso? Intelectuais, mas não apenas intelectuais comuns. Nossa pátria, a mudança em nosso país, o desenvolvimento não exige apenas intelectuais, mas também intelectuais revolucionários. O que isto significa? Mao Tsé-tung é luminoso e preciso e muito concreto quando diz que é preciso fundir-se com as massas exploradas de operários e camponeses. Isso diz muito especificamente. Se você quer ser um intelectual revolucionário, você tem que se fundir com as massas, trabalhar como elas, sentir como elas e pensar como elas. Mas isso é um processo porque tenho que sair do meu status elevado, da minha gravata, tenho que sair disso em uma hora muito boa e santa, se com isso quero ser um intelectual revolucionário. Este é um reflexo que corresponde a todos nós. Isso nos leva ao segundo. Em Mariátegui você tem que ver o homem de ação. Quando Mariátegui assumia uma tarefa, ele a cumpria, executava e quando tocava no problema específico, sua saúde, sua família, colocava a família e os problemas atrás de suas tarefas.


Mariátegui foi muito consistente, sacrificou tudo pelo seu trabalho porque entendeu isso, porque foi um combatente, quem não é um combatente não é um marxista-leninista.


Temos que seguir seu caminho, realmente ao pé da letra, podemos seguir seu caminho com dificuldade, mas podemos segui-lo.


Acho que algumas ideias ficaram claras, tente tirar o lixo e as muitas palavras, tente ficar com o esquema, portanto, ficam algumas ideias, principalmente o desejo de entronizar o pensamento de Mariátegui, para defender e seguir o seu exemplo. O destino de nosso povo está em jogo. Ou entronizamos o pensamento de Mariátegui ou o povo não avançará.


Conferência do Dr. Abimael Guzmán ditada em 1968 na Universidade San Critobal de Huamanga de Ayacucho.

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg