1/10

"Conversa com Mao"



Anna Louise Strong foi uma jornalista socialista estadunidense que se notabilizou pelo seu trabalho militante, acompanhando processos revolucionários na União Soviética, na China e na Coreia, produzindo um grande material sobre os acontecimentos da luta dos povos no século XX. No final na vida, viveu na China onde esteve próxima de Chu En Lai e Mao Tsé-tung. O relato abaixo é um registro de uma conversa com o Presidente Mao, em 1946.


------

CONVERSA COM MAO


Strong: Você acha que há esperança para uma solução política e pacífica para os problemas da China no futuro próximo?

Mao: Isso depende da atitude do governo dos Estados Unidos. Se o povo estadunidense ficar nas mãos dos reacionários ianques que estão ajudando Chiang Kai-shek a lutar na guerra civil, não haverá esperança de paz.


Strong: Supondo que os Estados Unidos não ajudem Chiang Kai-shek, além da já dada, por quanto tempo Chiang Kai-shek pode continuar lutando?

Mao: Mais de um ano.


Strong: Será que Chiang Kai-shek pode durar tanto, economicamente?

Mao: Ele pode.


Strong: E se os Estados Unidos deixarem claro que não darão mais ajuda a Chiang Kai-shek de agora em diante?

Mao: Ainda não há sinal de que o governo dos Estados Unidos e Chiang Kai-shek tenham qualquer desejo de interromper a guerra em um curto espaço de tempo.


Strong: Quanto tempo o Partido Comunista pode durar?

Mao: No que diz respeito ao nosso próprio desejo, não queremos lutar nem por um único dia. Mas se as circunstâncias nos forçarem a lutar, podemos lutar até o fim.


Strong: Se o povo estadunidense perguntar por que o Partido Comunista está lutando, o que devo responder?

Mao: Porque Chiang Kai-shek quer massacrar o povo chinês, e se o povo quiser sobreviver, terá que se defender. Isso o povo estadunidense pode entender.


Strong: O que você acha da possibilidade de os Estados Unidos iniciarem uma guerra contra a União Soviética?

Mao: Existem dois aspectos na propaganda sobre uma guerra antissoviética. Por um lado, o imperialismo dos EUA está de fato preparando uma guerra contra a União Soviética; a propaganda atual sobre uma guerra antissoviética, assim como outras propagandas antissoviéticas, é uma preparação política para tal guerra. Por outro lado, esta propaganda é uma cortina de fumaça colocada pelos reacionários dos EUA para encobrir muitas contradições reais que confrontam imediatamente o imperialismo norte-americano. Estas são as contradições entre os reacionários dos EUA e o povo americano e as contradições do imperialismo dos EUA com outros países capitalistas e com os países coloniais e semicoloniais. No momento, o significado real do slogan dos EUA de travar uma guerra antissoviética é a opressão do povo americano e a expansão das forças de agressão ianques no resto do mundo capitalista. Como você sabe, tanto Hitler quanto seus parceiros, os senhores da guerra japoneses, usaram por muito tempo palavras de ordem antissoviéticas como pretexto para escravizar o seu próprio povo e agredir outros países. Agora os reacionários dos EUA estão agindo exatamente da mesma maneira.


Para começar uma guerra, os reacionários dos EUA devem primeiro atacar o povo americano. Eles já estão atacando o seu povo – oprimindo os trabalhadores e os círculos democráticos nos Estados Unidos política e economicamente e se preparando para impor o fascismo lá. O povo dos Estados Unidos deve se levantar e resistir aos ataques dos reacionários. Eu acredito que sim.


Os Estados Unidos e a União Soviética estão separados por uma vasta zona que inclui muitos países capitalistas, coloniais e semicoloniais na Europa, Ásia e África. Antes que os reacionários dos Estados Unidos tenham subjugado esses países, um ataque à União Soviética está fora de questão. No Pacífico, os Estados Unidos agora controlam áreas maiores do que todas as antigas esferas de influência britânicas juntas; controla o Japão, a parte da China sob o domínio do Kuomintang, metade da Coreia e o Pacífico sul. Há muito tempo controla a América do Sul e América Central. Visa também controlar todo o Império Britânico e a Europa Ocidental. Usando vários pretextos, os Estados Unidos estão fazendo arranjos militares em grande escala e estabelecendo bases militares em muitos países. Os reacionários ianques dizem que as bases militares que criaram e que estão preparando para se erguer em todo o mundo visam a União Soviética. É verdade que essas bases militares são dirigidas contra a União Soviética. No momento, porém, não é a União Soviética, mas os países nos quais essas bases militares estão localizadas, que são os primeiros a sofrer a agressão dos Estados Unidos. Acredito que não demorará muito para que esses países percebam quem realmente os está oprimindo, a União Soviética ou os Estados Unidos. Chegará o dia em que os reacionários dos Estados Unidos terão a oposição de pessoas de todo o mundo. Não é a União Soviética, mas os países onde essas bases militares estão localizadas que são os primeiros a sofrer a agressão dos Estados Unidos.


Claro, não quero dizer que os reacionários dos EUA não tenham intenção de atacar a União Soviética. A União Soviética é uma defensora da paz mundial e um fator poderoso que impede a dominação do mundo pelos reacionários dos Estados Unidos. Devido à existência da União Soviética, é absolutamente impossível para os reacionários nos Estados Unidos e no mundo realizarem suas ambições. É por isso que os reacionários dos EUA odeiam furiosamente a União Soviética e realmente sonham em destruir este Estado socialista. Mas o fato de que os reacionários ianques estão agora alardeando tão alto sobre uma guerra EUA-URSS e criando uma atmosfera suja, tão logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, nos obriga a dar uma olhada em seus objetivos reais. Acontece que, sob a aparência de palavras de ordem antissoviéticas, estão atacando freneticamente os trabalhadores e os círculos democráticos nos Estados Unidos e transformando todos os países que são alvos da expansão externa dos Estados Unidos. Acho que o povo americano e os povos de todos os países ameaçados pela agressão dos EUA devem se unir e lutar contra os ataques dos reacionários e de seus cães nesses países. Somente com a vitória nesta luta uma terceira guerra mundial pode ser evitada; caso contrário, é inevitável.


Strong: Isso está muito claro. Mas suponha que os Estados Unidos usem a bomba atômica? E se os Estados Unidos bombardeiem a União Soviética de suas bases na Islândia, Okinawa e China?

Mao: A bomba atômica é um tigre de papel que os reacionários americanos usam para assustar as pessoas. Parece terrível, mas na verdade não é. Claro, a bomba atômica é uma arma de massacre, mas o resultado de uma guerra é decidido pelo povo, não por um ou dois novos tipos de arma.


Todos os reacionários são tigres de papel. Na aparência, os reacionários são assustadores, mas na realidade não são tão poderosos. Do ponto de vista de longo prazo, não são os reacionários, mas as pessoas que são realmente poderosas. Na Rússia, antes da Revolução de fevereiro de 1917, qual lado era realmente forte? Na aparência, o tzar era forte, mas foi varrido por uma única rajada de vento na Revolução de fevereiro. Em última análise, a força na Rússia estava ao lado dos Sovietes de trabalhadores, camponeses e soldados. O tzar era apenas um tigre de papel. Hitler já não foi considerado muito forte? Mas a história provou que ele era um tigre de papel. Mussolini também, e o imperialismo japonês. Pelo contrário, a força da União Soviética e do povo em todos os países que amavam a democracia e a liberdade revelou-se muito maior do que se previa.


Chiang Kai-shek e seus apoiadores, os reacionários dos EUA, também são tigres de papel. Falando do imperialismo norte-americano, as pessoas parecem considerá-lo terrivelmente forte. Reacionários chineses estão usando a “força” dos Estados Unidos para assustar o povo chinês. Mas ficará provado que os reacionários americanos, como todos os reacionários da história, não têm muita força. Nos Estados Unidos existem outros que são realmente fortes – o povo americano.


Veja o caso da China. Temos apenas painço mais rifles para confiar, mas a história finalmente provará que nosso painço e rifles são mais poderosos do que os aviões e tanques de Chiang Kai-shek. Embora o povo chinês ainda enfrente muitas dificuldades e vá sofrer por muito tempo as adversidades dos ataques conjuntos do imperialismo dos EUA e dos reacionários chineses, chegará o dia em que esses reacionários serão derrotados e nós sairemos vitoriosos. A razão é simplesmente esta: os reacionários representam a reação, nós representamos o progresso.



Obras Selecionadas de Mao-Tse Tung Vol. IV, Peking: Foreign Languages ​​Press, 1969;

61 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
JORNAL-BANNER.png
WHATSAPP-CANAL.png
TELEGRAM-CANAL.png