1/10

MST emite nota sobre caso de presos políticos em GO


Após veiculação de matéria na página da web do jornal Estadão, que repercutiu em mídias sociais trazendo uma abordagem ideológica das prisões políticas de militantes do MST em GO, o Movimento emitiu uma nota para "elucidar a confusão de informações que circulam". Na matéria, a lei antiterrorismo é confundida com uma legislação mais antiga, de 2013. Confira o comunicado: Nota pública O MST vem a público elucidar a confusão de informações que circulam desde a publicação da matéria “Justiça mantém sem-terra presos com base na lei antiterrorismo”, veiculada na manhã desta quarta-feira (03) na editoria de política do sítio do Estadão na Web. Reconhecemos a importância da matéria e o compromisso do jornalista com a exposição de um conflito que estava invisibilizado na grande mídia, mas compreendemos que o entendimento dos fatos é decisivo para ter a dimensão da gravidade do ocorrido. O MST confirma que há dois militantes presos políticos no estado de Goiás, o que representa uma afronta ao direito de organização política, previsto na Constituição Federal. Contudo, é preciso explicar que estes presos políticos NÃO foram enquadrados na Lei Antiterrorismo (lei nº 13.260/2016), mas na lei nº 12.850/2013, legislação que tipifica organização criminosa. Entendemos que essa lei, de organização criminosa, possui i