Cuba: "O rosto de um país no Congresso do Partido"


Garantir a maior representatividade de toda a militância comunista do país e conseguir que os participantes se pareçam cada vez mais ao lugar do qual provêm, constituíram requisitos indiscutíveis durante a eleição dos delegados ao 7º Congresso do Partido Comunista de Cuba, que terá lugar de 6 a 18 de abril próximo. Segundo se conheceu no Departamento de Organização e Política de Quadros do Comitê Central do Partido, serão 1.000 os participantes no máximo encontro partidário, número de assistentes similar ao atingido durante o congresso anterior e no qual estão representados todos os territórios na mesma proporção. De acordo com a informação obtida, desde junho de 2015 iniciou-se em todas as células de base do Partido do país a nominação dos candidatos a delegados e foi justamente no seio destas estruturas onde nasceram as propostas, o qual acentua o caráter democrático do processo. Depois, os Comitês Municipais da organização assumiram a responsabilidade de escolher uma Comissão de Candidatura para avaliar os escolhidos e submetê-los, inclusive, à análise dos trabalhadores com os quais partilham em seu horário de trabalho. Entre 1º e 5 de fevereiro deste ano concluiu a eleição dos delegados, os quais estarão liderados por Fidel e Raúl, eleitos como delegados em Santiago de Cuba, no distrito José Martí e no município Segundo Frente, nessa ordem. Relativamente à composição dos delegados, transcendeu o predomínio do setor agropecuário, em correspondência com as características de nosso país, embora estejam representadas todas as esferas, incluída a gestão não estatal, com ênfase naqueles militantes que mais possam contribuir aos debates do Congresso, a partir de sua sabedoria e experiências. Dos participantes, 43,2% deles são mulheres, entretanto mais de 84% são graduados universitários. Ainda, a idade média é de 48 anos, se bem 55 participantes possuem menos de 35. Vale destacar também que toda esta etapa de seleção dos delegados foi precedida pelas assembleias de balanço do trabalho e eleições das estruturas de direção do Partido em municípios, distritos e províncias, processo que se estendeu de setembro a dezembro de 2015. Com a participação de mais de 1,5 milhão de pessoas, incluídas algumas não militantes, as reuniões avaliaram, de modo geral, o cumprimento das Diretrizes da Política Econômica e Social e os objetivos aprovados na Primeira Conferência Nacional do Partido, o trabalho com as novas gerações e o enfrentamento a manifestações de subversão e outras tendências negativas como a corrupção, as ilegalidades e as indisciplinas sociais.


por Yudy Castro Morales, no Granma

8 visualizações

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube