top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Rohingyas: Não importa quando você lê, está acontecendo agora"



A minoria étnica birmanesa conhecida como Rohingya é, juntamente com o povo palestino, o exemplo que melhor define o conceito de “limpeza étnica” hoje, e é por isso que não importa quando você lê estas linhas, está acontecendo… agora.

 

Tal como aconteceu historicamente em Mianmar (1978, 1991, 1992 e 2016), a partir de agosto de 2017, a perseguição à minoria rohingya aumentou exponencialmente, que na altura ascendia a pouco mais de um milhão e meio e hoje é estimada em cerca de 500 mil pessoas. que continuam a viver no estado de Rakhine, dos quais 150 mil em um campo de concentração e os restantes dispersos e com os seus direitos, como historicamente, absolutamente pisoteados.

 

Embora não existam estatísticas certas, a perseguição aos mesmos continua e não cessou apesar da guerra civil que o país asiático atravessa. Em 2017, estimou-se que a polícia, o exército e as forças de vigilância mataram pelo menos 8 mil rohingya e violaram cerca de 18 mil mulheres rohingya.

 

Desde então e ao longo destes seis anos, para além das denúncias internacionais, dos assaltos às suas aldeias, dos sequestros, das torturas, das execuções extrajudiciais, dos saques e das expulsões em massa, juntamente com a proibição de casar, estudar e processar documentos, entre outras os direitos básicos, e fundamentalmente o direito de praticar a sua fé, o Islã, têm sido o meio de extermínio dos sucessivos governos que se instalaram em Nay Pyi Taw.

 

Estas “políticas” sempre foram acompanhadas fervorosamente pelos setores fundamentalistas do clero budista na sua versão Theravada (ensino dos mais velhos) que representam a maioria religiosa do país, 90% dos 54 milhões de birmaneses.

 

Os últimos relatórios indicam que cerca de 400 rohingya estão à deriva no Mar de Andaman há pelo menos duas semanas em dois barcos cujas condições de navegação teriam piorado.

 

Somado às dificuldades da perseguição por parte do governo birmanês está o desafio de sobreviver nos campos de refugiados desamparados e superlotados de Bangladesh, no distrito de Cox, que se tornou o mais populoso do mundo, com quase um milhão de pessoas distribuídas em tendas e abrigos precários construídos com bambu e lona em 26 quilômetros quadrados.

 

Cox's Bazaar, no sul do país, é uma das regiões mais desoladas de Bangladesh, sem serviços essenciais, sem vias de acesso, devastada por epidemias de cólera a sarna, incêndios constantes, além de sofrer com as monções, que garantem todos longos meses de chuvas e furacões constantes. Além disso, desde 2018, começaram a formar-se gangues criminosas, dedicadas principalmente ao rapto de mulheres para incorporá-las nas redes de tráfico de drogas e de pessoras.

 

Nos últimos anos, quando 1,2 milhões de Rohingyas chegaram de Mianmar, as ações dos residentes nativos dos campos, em muitos casos associados a grupos de gangues, aplicam os mesmos métodos do exército birmanês, forçando-os mais uma vez a escapar pelo único caminho possível: o mar, que pode repetir a tragédia de dezembro do ano passado, quando quase 200 rohingyas, agora sem comida nem água, desapareceram junto com o barco em que navegavam.

 

Esta tendência, que tem vindo a aumentar desde 2021, é também incentivada pelos cortes orçamentais nos fundos fornecidos pelas Nações Unidas, pelo Governo de Dhaka e por uma infinidade de ONG internacionais e locais, razão pela qual escolas e oficinas de formação foram fechadas e a qualidade dos alimentos e dos serviços médicos foi rebaixada.

 

A última localização dos navios perdidos tinha sido no passado domingo, dia 3, a cerca de 320 quilômetros a oeste da Tailândia, apesar de as autoridades afirmarem não ter informações sobre o assunto. Acredita-se que estes dois navios poderão ter partido com outro que chegou no sábado, dia 2, à ilha de Sabang, na província de Aceh, ao largo da península de Sumatra (Indonésia), com cerca de 140 rohingyas que se juntaram a outros 866 que chegaram à Indonésia, que com os seus 230 milhões de cidadãos é o país do mundo com a maior população muçulmana. O país insular costuma acolher os rohingya, enquanto outros como a Tailândia, com uma esmagadora maioria budista da escola Theravada, impedem-nos de se aproximarem da sua costa, obrigando-os a continuar em um rumo muitas vezes incerto, após semanas a navegar em navios na orla, em colapso e desprovido de tudo para resistir ao que pode acontecer.

 

Dadas as condições em que são obrigados a viver no exílio no Bangladesh, tanto no campo de Cox's Bazar como nos campos montados na ilha aluvial de Bhasan Char, na baía de Bengala, a 40 quilômetros do continente, onde têm transferiu quase 30 mil refugiados de Cox’s, para onde se espera que outros 70 mil sejam realocados, o fluxo de rohingyas que vão para o mar não vai parar. As autoridades estimam que pelo menos 10 mil rohingya chegarão à Malásia todos os anos. Em 2022 foram 3.500, cinco vezes mais do que em 2021. Dos quais se estima que 10% deles morreram ou desapareceram durante a viagem.

 

Estas viagens dos rohingya, que não são uma forma de escapar à realidade de que têm de viver nos campos de refugiados, estão a aumentar. Este ano, quase 4 mil deixaram Bangladesh e Mianmar, em comparação com 2 mil no ano passado, dos quais se sabe que 225 morreram ou estão desaparecidos, enquanto se presume que um número incerto nunca foi detectado, talvez chegando a uma ilha ou afogando-se em alto mar, enquanto outros continuarão tentando chegar a um porto amigo.

 

Os campos do crime

 

Para o Governo da primeira-ministra do Bangladesh, Sheikh Hasina, a crise migratória dos rohingya , para além das claras conotações políticas e humanitárias que implicam a magnitude do problema, tornou-se, pouco a pouco, também em um problema de segurança, bem como em uma ameaça para a sua própria situação política.

 

Além de crimes como o sequestro de mulheres para tráfico, há os casamentos de meninas acordados com dotes importantes com homens mais velhos, dotes que raramente chegam às mãos da família e ficam nas mãos daqueles que servem como “bawds”. Um tráfico muito menor, mas também muito mais lucrativo, é o contrabando de metanfetamina, conhecida como yaba, que de Mianmar pelo rio Naf, fronteira entre os dois países, chega ao campo de Cox's Bazar para depois ser transferida para outros pontos de Bangladesh e de lá para mercados além do oeste da Índia.

 

Esta já famosa droga chega dos laboratórios do Estado de Shan, no centro oriental de Mianmar, onde face ao transbordamento de frentes insurgentes no conflito étnico-regional enfrentado pela junta militar que governa o país desde 1 de fevereiro de 2021, depois de ter derrubado o governo paralelo da vencedora do Prêmio Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, tão responsável pela situação rohingya como qualquer outra pessoa, as forças de segurança são incapazes de reprimir os cartéis da droga, que também partilham ganhos com as diferentes guerrilhas e também com Tamaward.

 

Segundo estudos encomendados pelo Governo de Dhaka, entre 2021 e 2022, oficialmente, ocorreram 64 assassinatos nos campos, chegando ao final de 2023 com mais de 70, embora o número real seja calculado bem acima desses números, uma vez que se tratam de combates entre gangues que aspiram controlar diferentes sectores do campo é cada vez mais frequente.

 

De acordo com os mesmos relatórios, existem cerca de dez grupos criminosos, incluindo o Exército de Salvação Arakan Rohingya (ARSA) e a Organização de Solidariedade Rohingya (RSO), que atacaram Tamaward na Birmânia e têm fogo de grande calibre, razão pela qual a polícia do Bangladesh as autoridades abstêm-se de entrar no campo, embora o considerem território birmanês. Algumas destas máfias são lideradas por majhsi, líderes rohingya dentro dos campos de refugiados designados pelo Governo de Dhaka. Nos primeiros nove meses deste ano, foram registados 700 sequestros, em comparação com quase duzentos em 2022 e cem em 2021.

 

As autoridades responsáveis ​​pela segurança do campo são parte do problema; inicialmente duas unidades do Batalhão da Polícia Armada, cerca de 1.176 agentes sem equipamento e recursos, foram designadas para monitorizar mais de um milhão de refugiados. Esta força praticou todo o tipo de abusos contra a população, incluindo prisões arbitrárias, torturas, extorsões, roubos e violações, o que obrigou as autoridades a retirar esta força e a providenciar a vigilância por parte de pessoal civil que, pelos fatos, não estava a produzir resultados.

 

O Governo da Primeira-Ministra Sheikh Hasina, prestes a arriscar a sua reeleição, é forçado a resolver rapidamente a questão dos rohingya, enquanto as discussões para o seu regresso entre Dhaka e Nay Pyi Taw nunca produziram resultados, uma vez que tanto o Governo de Suu Kyi antes, tal como os militares hoje, não deram garantias relativamente aos direitos e à segurança dos potenciais repatriados.

 

Setores da sociedade do Bangladesh dão sinais de esgotamento face ao problema dos refugiados, o que desencadeou uma onda de xenofobia e protestos contra o Governo, encorajados por partidos da oposição como o Partido Nacionalista do Bangladesh (BNP), que incentiva este espectro. Entretanto, setores importantes da população continuam dispostos a tolerar a sua presença até que as questões subjacentes sejam resolvidas, razão pela qual o partido do governo, a Liga Awami do Bangladesh, está a tentar mostrar ao seu eleitorado o progresso no repatriamento de refugiados que sabem que nunca irão conseguir ser aceitos no seu país de origem, onde a situação para eles, os rohingya, continua tão perigosa como em 2017, com tanta ou mais discriminação, uma vez que são agora acusados ​​de desacreditar o país no estrangeiro.

 

Assim, para os rohingya, a esperança é cada vez mais uma palavra sem sentido e a tragédia uma constante, porque não importa quando você a lê, está acontecendo agora.

 

Por Guadi Calvo, no Línea Internacional

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg