top of page
partido-dos-panteras-negras.png
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"A Cruel e esmagadora política colonial do imperialismo japonês"



No passado, o imperialismo japonês ocupava militarmente a Coreia e aplicou a cruel política de supervisão geral.


Depois de fabricar o “Tratado de cinco pontos da Ulsa” em novembro de 1905, ele instalou em 1 de fevereiro de 1906 em Kyongsong (atual Seul), o Departamento de Supervisão Geral da Coreia, um órgão de dominação colonial.


O supervisor geral apreendeu todas as autoridades em diplomacia, assuntos internos e outras esferas da Coreia.


O governo feudal de Joson foi levado ao poder dos assuntos internos que foram formalmente deixados e os coreanos foram forçados a sofrer infortúnios e sofrimentos indescritíveis.


Naquela época, o Império Japonês fabricava qualquer “tratado” e “lei” draconianos.


Ele destruiu o imperador Kojong, governador supremo da Coréia e inventou o “Tratado de Sete Pontos Jongmi” em julho de 1907 com a ajuda de traidores pró-japoneses, na tentativa de se apropriar do poder da Coréia em seus assuntos internos.


E elaborou a “lei de jornais”, a “lei de segurança” e outras disposições infames para justificar sua dominação colonial.


Com o objetivo de intensificar sua supervisão geral, introduziu um grande número de militares, gendarmes e policiais no território coreano, tornando -o uma grande prisão, enquanto enfraqueceu sistematicamente a autoridade do imperador coreano. Ele emitiu a “ordem” de proibição de entrada no Palácio Imperial e encomendou a “guarda” do palácio e o imperador à polícia japonesa.


E não permitiu que as autoridades coreanas encontrassem o imperador sem aprovação.


Ele também neutralizou a função do governo coreano. Ele colocou os vice-ministros japoneses nos órgãos legislativos, judiciais e administrativos e os fez controlar diretamente.


O “Tratado de Anexação da Coreia ao Japão”, organizado em 1910, foi um documento que reafirmou o fato de a Coreia se tornar uma colônia japonesa.


Durante o período de domínio geral da supervisão, os imperialistas japoneses causaram inúmeros infortúnios e sofrimentos para os coreanos.


Para exterminar os patriotas que impediram sua dominação colonial, realizaram “operações punitivas” cruéis contra tropas voluntárias, tanto em cidades importantes quanto nas remotas regiões montanhosas. Eles incendiaram as aldeias nas quais as tropas voluntárias permaneceram e mataram as pessoas que os entraram em contato. Eles prenderam e assassinaram os patriotas a qualquer momento.


Além disso, o Império Japonês fez esforços desesperados para converter o território coreano em sua fonte de matérias-primas e mercado de mercadorias. Assim, o pretexto da “promoção do bem-estar”, fabricou a “Lei de Extração Mineral” em 1906 e a “Convenção da Pesca da Coréia-Japão” em 1908 para retirá-lo de ouro, prata, cobre, carvão e outros minerais e recursos marítimos. Ele fundou o “Banco da Coreia” para controlar o setor financeiro e interromper o desenvolvimento da economia nacional.


Para interromper e esmagar o espírito patriótico e a nacionalidade dos coreanos, impôs a educação colonial e fechou as escolas particulares privadas e patrióticas.


Ele impediu o desenvolvimento da cultura nacional da Coreia e destruiu e saqueou seus preciosos bens culturais.


Deve -se notar que o primeiro supervisor geral Ito Hirobumi levou seu país a bens culturais preciosos saqueados na Coreia para entregá -los ao rei japonês.


Quase 80 anos se passaram desde quando o imperialismo japonês foi derrotado, mas em vez de reconhecer seus crimes cometidos no passado, tenta justificá-los e deturpar a história.


O povo coreano nunca esquece o domínio colonial cruel do Japão e queima na vontade de resolver as contas por isso sem falhar.


Do Naenara

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg