top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"O contraste entre os trabalhadores da saúde no socialismo e a desumanidade dos capitalistas"



Muitos dias se passaram desde que o sistema profilático de emergência máxima foi ativado devido à chegada do Covid-19 em nosso país, produzindo um período que poderia ser chamado de a pior crise desde a fundação do RPDC.


Nos dias de hoje, belas histórias que só podem ser ouvidas em nosso país, onde todas as pessoas formam uma grande família com o estimado camarada Kim Jong Un como pai, estão sendo espalhadas sem parar e estão movendo o mundo inteiro.


Entre os possuidores de belos traços e virtudes que estão registrando os vestígios de ardente lealdade patriótica e consciência pura na grande batalha profilática de hoje em deferência ao ardente amor e afeto e ao nobre propósito de consagração ao povo do estimado Secretário-Geral, que enviou medicamentos de socorro preparados por sua família para famílias em dificuldade, refletindo a decisão de compartilhar para sempre o destino com o povo e os sinceros votos de que a tranquilidade e o riso sejam prontamente devolvidos a todas as famílias do país, também são nossos agentes de saúde pública.


Entre eles estão os trabalhadores dos centros médicos de vários níveis que se esqueceram do sono e da alimentação e dedicaram todo o tipo de devoção ao tratamento dos cidadãos, deixando em casa os seus familiares doentes; as pessoas que se mobilizaram voluntariamente para o tratamento de pacientes apesar de terem se aposentado depois de terem trabalhado por dezenas de anos no setor público de saúde; os alunos dos centros de formação do setor médico que dedicaram o seu conhecimento e suor ao diagnóstico e exame médico dos cidadãos; e há também um médico responsável pelas famílias em uma clínica rural que morreu no cumprimento do dever enquanto trabalhava com responsabilidade para diagnosticar, realizar exames médicos e fornecer medicamentos aos habitantes de sua região responsável, caminhando dezenas de quilômetros todos os dias apesar de estar doente.


Os atos louváveis ​​dos nossos agentes de saúde pública, que manifestam virtudes e belos traços comunistas, tendo em conta a missão e o dever de que são responsáveis ​​pela saúde e vida das pessoas estimadas e queridas pelo nosso Partido, contrastam muito com o comportamento desumano dos doutores da sociedade capitalista onde o afeto e o amor do ser humano foram esmagados e esvaziados pela onipotência do ouro.


Esses caras maltratam pacientes infectados com COVID-19 por não terem dinheiro, e até trataram uma mulher negra que foi hospitalizada após ser infectada com o vírus como viciada em drogas e a insultou pelo único motivo de ser negra. Esses “médicos” que não têm qualidade como médico são precisamente os médicos da sociedade capitalista como os EUA onde muitas vezes se gabam da “igualdade para todos” e do “bem-estar de todos”.


É por isso que atualmente a expressão “refugiado hospitalizado” foi criada entre as pessoas dos países capitalistas, que se refere a pessoas que vagam entre hospitais porque não podem receber tratamento adequado porque não têm dinheiro, e tal expressão está se espalhando como um vírus maligno.


Tal realidade mostra que sem um sistema e política de saúde pública popular e trabalhadores de saúde pública que tenham um verdadeiro amor pelo ser humano, mesmo que tenham equipamentos médicos de última geração, um hospital privado na sociedade capitalista nada mais é do que um covil de criminosos que rouba até o pouco dinheiro ganho à custa do sangue e do suor das massas populares trabalhadoras.


Os nossos agentes de saúde pública, conscientes da sua sagrada missão concedida pela Pátria e pelo povo, priorizam os assuntos do Estado sobre os afazeres domésticos e dedicam tudo ao trabalho profilático de emergência. Esses trabalhadores são verdadeiramente encarnações da nobre concepção de vida que foram educados e treinados no sistema socialista, que tem como disposição natural o amor ardente do povo.


Graças a esses verdadeiros defensores da vida humana, a superioridade e vitalidade do sistema de saúde pública socialista de nosso país se manifestarão mais plenamente.


De acordo com o boletim do Comando Estadual de Profilaxia de Emergência, não foram notificados casos de febricitantes e 32 pacientes se recuperaram entre os dias 29 e 30 de julho. No dia 29, apenas 3 casos foram detectados em todo o país.


O total de casos notificados em todo o país do final de abril a 31 de julho totaliza 4.772.813 e, destes, 4.772.595 foram recuperados, representando 99,995%, e 144 estão em tratamento, o equivalente a 0,003%.


Nenhuma morte foi registrada desde 6 de julho, quando o número de mortos desde o início da pandemia na RPDC totalizou 74 mortes, com uma taxa de mortalidade de 0,002%.


Da Korean Central News Agency (KCNA)

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-jun24.png
capa29 miniatura.jpg