"Etiópia, a ressonância de uma voz silenciada"

10/07/2020

 

Milhares de jovens marcham pelas ruas de Adis Abeba, capital da Etiópia, vestindo camisetas pretas que dizem “Eu também sou Hachalu”, em memória do músico Hachalu Hundessa, 35 anos, que, depois de ser ferido por vários tiros em seu carro, na noite de 29 de junho, na área de Gelan, um subúrbio da capital, morreu horas depois no Hospital Geral de Tirunesh e os fatos ainda não foram esclarecidos.

                           

As notícias fizeram com que milhares de seus seguidores se reunissem em frente ao hospital e iniciassem uma série de protestos, que se espalharam em diferentes bairros da cidade, como Addisu Gebeya, Lam Beret, CMC, Kara e Ayat Real State e, particularmente, no bairro de La Cumbre, onde os moradores disseram que estavam armados a noite toda, para defender suas propriedades.

 

Os confrontos que foram gerados entre os manifestantes em Ambo, cidade natal do ídolo assassinado, cem quilômetros a oeste da capital, ao longo dos dias causaram 170 mortos. Além disso, quase 300 carros e grupos foram assaltados e queimados em Addis Abeba. Dado o alcance dos primeiros protestos, a polícia relatou a prisão de vários suspeitos no assassinato, sem especificar mais nada.

 

O cantor, em uma entrevista na televisão na semana anterior, havia denunciado ter recebido ameaças de morte, já que Hundessa, além de ser uma artista popular reconhecido, atuava como ativista político: durante os anos mais difíceis da repressão, quando muitos artistas e líderes políticos escaparam do país, ele optou por continuar denunciando o governo, de modo que sua voz incorporava a demanda da grande maioria de todo o país por liberdade, justiça e bem-estar.

 

No entanto, sua militância se concentrava na defesa do grupo étnico ao qual pertenciam os Oromos, os mais numerosos dos nove que compõem a Etiópia, com cerca de 25 milhões de membros, do total de 105 milhões de habitantes do país de Chifre da África. Esse grupo étnico tem sido historicamente o mais negligenciado pelos sucessivos governos centrais, desde a criação da Etiópia moderna durante o governo do imperador Menelik II (1889-1909), que unificou o país. No mês passado, o cantor, aproveitando a repercussão dos protestos estadunidenses do Black Lives Matter que está derrubando estátuas de figuras controversas da história em praticamente todos os países do mundo, exigiu que o do antigo imperador, localizado no bairro de Piasa, fosse demolido, da capital do país.

 

Hachalu Hundessa, apesar de suas composições se concentrarem em sua etnia, foi seguido por milhares de jovens pertencentes a outros, a ponto de suas canções denunciarem a marginalização econômica e política de Oromos, durante as manifestações antigovernamentais de 2018, que derrubaram o governo de Hailemariam Desalegn, se tornaram a música que incentivou esses protestos.

 

Após a renúncia de Desalegn, envolvido em acusações de corrupção e acusações de autoritarismo e acuado por protestos intensos, seria substituído por Abiy Ahmed, que se tornaria o primeiro Oromo a chegar a tal posição, e também recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2019, por ter alcançado o fim da guerra entre seu país e a Eritreia, que desde 1981 deixou entre 60 e 300 mil mortos, segundo estimativas de diferentes observadores.

 

O crime de Hundessa, claramente político, reduziu o frágil equilíbrio que o atual primeiro-ministro mantinha, com uma agenda eleitoral complicada, já que em 29 de agosto os presidenciais seriam disputados, embora em 10 de junho a Câmara Alta do Parlamento decidiu adiá-los por nove meses a um ano, devido ao surto da pandemia, de modo que o mandato de Abiy foi prolongado até então. Tempo demais para um primeiro-ministro que estava sofrendo uma drenagem significativa em seu governo, pois não atendeu às expectativas dos Oromos, que esperavam ser atendidos com a chegada de um deles. A que se deve acrescentar a relação cada vez mais tensa com o Egito, devido ao enchimento da Grande Barragem do Renascimento (DRGE), que produzirá uma grave diminuição no curso do Nilo que poderia precipitar um conflito bélico com seus vizinhos do norte.

 

Depois de ouvir as notícias da morte do cantor, seus fãs surpreenderam as ruas de Adis Abeba, mas também as de Ambo, sua cidade natal, cem quilômetros a oeste da capital, e até muitos dos quase 100 mil etíopes ou descendentes, que vivem no Reino Unido, protestaram no último dia três diante das portas de Downing Street, residência do primeiro-ministro britânico Boris Johnson, em Londres, para exigir esclarecimentos sobre o assassinato.

 

A disputa sobre o símbolo

Sem dúvida, as circunstâncias da morte de Hachalu Hundessa o levam à estatura de lenda e símbolo para seu grupo étnico e também para muitos jovens de outros grupos étnicos que, sem futuro, debatem entre permanecer ou procurar vida fora do país. Portanto, o destino de seus restos mortais já trouxe polêmica.

 

Poucas horas depois de sua morte, o governo, obedecendo à “vontade” de sua família, decidiu transferir o corpo para Ambo, em Oromia, o maior estado da Etiópia que circunda a capital e com tamanho semelhante à Alemanha.

 

Quando a procissão fúnebre fez apenas 15 quilômetros, dos 100 previstos na viagem, parou em Burayu, onde durante os protestos de 2018 cerca de setenta Oromos, milhares de pessoas, chegadas de caminhões, ônibus e até a pé foram mortas. Da capital e de outras partes do país, esperaram pela caravana que carregava o corpo do novo mártir. Muitos estavam em estado de choque, tomados pela dor e pela indignação, que pretendiam levar seu ídolo de volta a Adis Abeba para serem enterrados lá. Entre eles, estava o ex-magnata da mídia, Jawar Mohammed, que tem apetite político claro, que foi finalmente preso junto com um importante político do Oromo, Bekele Gerba e outras 35 pessoas, causando uma conflito no qual morreu um policial.

 

Como todas as rotas foram bloqueadas, as autoridades decidiram transferir o corpo para Ambo, de helicóptero, onde seria enterrado na quinta-feira. Após a disputa em Burayu, os protestos aumentaram, com a repressão policial subsequente, que disparou o número de mortes, que, segundo os dados mais recentes, são próximas de 170, às quais se somam centenas de feridos e milhares de detidos.

 

Durante a semana em que os protestos praticamente duraram, uma multidão tentou demolir a estátua do imperador Menelik II, para cumprir um dos últimos desejos de Hachalu, mas foi dispersada pela polícia, que, além disso, teve que montar um forte cordão de segurança para ao seu redor que ainda está de pé.

 

Muitos estão interessados ​​em desacreditar o governo do primeiro-ministro Abiy Ahmed, que, se responsável pela morte de Hachalu, praticamente teria assinado seu suicídio político, então talvez tivesse que focar seus inimigos políticos locais, até chegar ao egípcio, o general Abdel Fattah al-Sisi.

 

Além de qualquer presunção, a morte de Hachalu significa um golpe profundo no povo etíope e talvez o anúncio de tempos em que o silêncio será estrondoso.

 

Por Guadi Calvo, do Línea Internacional

 

Please reload

Leia também...

Avançam as lutas do proletariado e do povo do Uruguai contra a crise a repressão

05/08/2020

Lenin: "A Chantagem Política"

05/08/2020

Choro: As Bandas Militares e Anacleto de Medeiros

04/08/2020

Engels: "Bruno Bauer e o Início do Cristianismo"

04/08/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube