"O motivo ideológico básico do freudismo"

07/05/2020

 
Qual é, então, o motivo ideológico básico do freudismo?

O destino de um ser humano, todo o conteúdo de sua vida e atividade criativa – de sua arte, se ele é um artista, de suas teorias científicas, se ele é um cientista, de sua política, programa e medidas, se ele é político, e assim por diante – são total e exclusivamente determinadas pelas vicissitudes de seu instinto sexual. Todo o resto representa meramente as conotações da poderosa e fundamental melodia do sexo.

Se a consciência de uma pessoa lhe disser o contrário sobre os motivos e as forças motrizes de sua vida e criatividade, essa consciência estará mentindo. Uma atitude cética em relação à consciência é o acompanhamento sempre presente para o desenvolvimento do tema básico de Freud.

Assim, o que realmente conta no ser humano não é o que determina seu lugar e seu papel na história – a classe, nação, período histórico ao qual ele pertence; apenas o sexo e a idade são essenciais, sendo todo o resto apenas uma superestrutura. A consciência de uma pessoa não é moldada por sua existência histórica, mas por seu ser biológico, cuja principal faceta é a sexualidade.

Esse é o motivo ideológico básico do freudismo.

Em sua forma geral, esse motivo não é novidade e original. O que é novo e original é a elaboração de suas partes componentes – os conceitos de sexo e idade. A esse respeito, Freud conseguiu genuinamente revelar uma enorme riqueza e variedade de novos fatores e sutilezas que nunca haviam sido submetidos a investigação científica, devido à monstruosa hipocrisia da ciência oficial em todas as questões relacionadas à vida sexual humana. Freud expandiu e enriqueceu tanto o conceito de sexualidade que as noções que normalmente associamos a esse conceito compreendem apenas um setor minúsculo de seu vasto território. Isso deve ser lembrado ao fazer julgamentos sobre a psicanálise: não se deve perder de vista esse novo e extremamente expandido significado do termo “sexual”; em Freud, quando, por exemplo, acusando a psicanálise, como é comumente feito, de ” pansexualismo “.

Além disso, a psicanálise revelou muito que é surpreendente também na questão da conexão entre idade e sexo. A história do impulso sexual de um ser humano começa no momento de seu nascimento e passa a passar por uma longa série de estágios de desenvolvimento marcados individualmente que de modo algum correspondem ao esquema ingênuo de “inocente infância, puberdade e inocente velhice”. Um enigma sobre as idades do homem que a Esfinge pediu a Édipo encontrou em Freud uma solução única e surpreendente. Quão sólida é uma solução, uma questão que abordaremos mais adiante. Aqui, precisamos apenas observar que ambas as partes componentes do motivo ideológico básico do freudismo – sexo e idade – são investidas em conteúdo completamente novo e rico. É por isso que motivo, antigo por si só, tem um novo toque.

É um motivo antigo. É constantemente repetido durante todos aqueles períodos no desenvolvimento da humanidade, quando grupos e classes sociais que haviam sido os criadores da história estão em processo de substituição. É o leitmotiv da crise e do declínio.

Sempre que essa classe social se encontra em um estado de desintegração e é obrigada a se retirar da arena da história, sua ideologia começa insistentemente a abordar um tema, que repete em todas as variações possíveis: o homem é acima de tudo um animal. E do ponto de vista desta “revelação”, ele se esforça para colocar uma nova construção em todos os valores que compõem a história e o mundo. Enquanto isso, a segunda parte da famosa fórmula de Aristóteles – “o homem é um animal social” – é totalmente ignorada.

A ideologia de períodos como esses muda seu centro de gravidade para o organismo biológico isolado; os três eventos básicos na vida de todos os animais – nascimento, cópula e morte – começam a competir com eventos históricos em termos de significado ideológico e, por assim dizer, se tornam um substituto da história.

Aquilo que no homem é não-social e não-histórico é abstraído e avançado para a posição de medida e critério finais para tudo o que é social e histórico. É quase como se as pessoas de tais períodos desejassem deixar a atmosfera da história, que se tornou muito fria e sem conforto, e se refugiar no calor orgânico do lado animal da vida.

Foi o que aconteceu durante o período de dissolução das cidades gregas, durante o declínio do Império Romano, durante o período de desintegração da ordem feudal-aristocrática antes da Revolução Francesa.

O motivo do poder supremo e da sabedoria da natureza (acima de tudo, da natureza do homem – seus impulsos biológicos) e da impotência da história com seu muito barulho por nada – esse motivo ressoa igualmente, apesar das diferenças de nuance e variedade de registro emocional, em fenômenos como epicurismo, estoicismo, literatura da decadência romana (por exemplo, Satyricon de Petronius), raciocínio cético dos aristocratas franceses nos séculos XVII e início do XVIII. O medo da história, uma mudança de orientação em relação aos valores da vida pessoal e privada, a primazia do biológico e do sexual no homem – são características comuns a todos esses fenômenos ideológicos.

Agora, mais uma vez, a partir do final do século XIX, motivos do mesmo tipo foram expressos na ideologia européia. Para a filosofia burguesa do século XX, o organismo biológico abstrato tornou-se novamente o herói central.

A filosofia da “Razão Pura” (Kant), do “Criativo I” (Fichte), da “Idéia e do Espírito Absoluto” (Hegel), ou seja, aquela que constituía o inegavelmente energético e, a seu modo, respeitável. Na filosofia da era heróica da burguesia (final da décima oitava e primeira metade do século dezenove), essa filosofia ainda comandava uma medida completa de entusiasmo pela história e pela organização (no estilo burguês). Na segunda metade do século XIX, essa filosofia tornou-se cada vez mais reduzida e gradualmente parou nos esquemas estáticos e sem vida da “filosofia escolar” dos epígonos (neo-kantianos, neo-fictícios, neo-hegelianos) finalmente a serem substituídos em nosso tempo, pela “Filosofia da Vida” passiva e flácida, com sua coloração biológica e psicológica e sua implementação de todas as formas possíveis de significado e combinação do verbo “viver”.

Os termos biológicos para os vários processos orgânicos literalmente inundaram a moderna visão de mundo: são feitos esforços para encontrar metáforas biológicas para tudo, de modo a transmitir uma animação agradável a qualquer que seja o frio da Razão Pura Kantiana.

Todos os pensadores dos tempos modernos, como Bergson, Simmel, Gomperz, os pragmáticos [James, o pai deles]] Scheler, Driesch, Spengler, apesar dos muitos pontos e maneiras pelas quais discordam entre si, estão fundamentalmente unidos sob o título de três motivos:

1 – A vida no sentido biológico está no centro do sistema filosófico. A unidade orgânica isolada é declarada como o mais alto valor e critério da filosofia.

2 – Desconfiança da consciência. É feita uma tentativa de minimizar o papel da consciência na criatividade cultural. Daí a crítica da doutrina kantiana como filosofia da consciência.

3 – É feita uma tentativa de substituir todas as categorias socioeconômicas objetivas por categorias psicológicas ou biológicas subjetivas. Isso explica a tendência de ver a história e a cultura como derivadas diretamente da natureza e desconsiderar a economia. [discussão ampliada dos filósofos mencionados acima]. . .

Assim, vemos que o motivo ideológico básico do freudismo não é de forma alguma o seu motivo. O motivo coincide com todos os motivos básicos da filosofia burguesa contemporânea. Um medo sui generis da história, uma ambição de localizar este mundo precisamente nas profundezas do orgânico – essas são as características que permeiam todos os sistemas da filosofia contemporânea e constituem o sintoma da desintegração e declínio do mundo burguês.

A noção de “sexual” de Freud é o polo extremo do biologismo da moda. Reúne e concentra em uma imagem compacta e picante todos os elementos separados do anti-historicismo moderno.

Qual deve ser a nossa atitude [marxista] em relação a esse tema básico da filosofia contemporânea? Existe alguma substância na tentativa de derivar toda atividade cultural das raízes biológicas do organismo humano?

A pessoa biológica abstrata, o indivíduo biológico – aquilo que se tornou o alfa e o ômega da ideologia moderna – não existe de todo. É uma abstração imprópria. Fora da sociedade e, consequentemente, fora das condições socioeconômicas objetivas, não existe um ser humano. Somente como parte de um todo social, somente em uma classe social, a pessoa humana se torna historicamente real e culturalmente produtiva. Para entrar na história, não basta nascer fisicamente. Os animais nascem fisicamente, mas não entram na história. O que é necessário é, por assim dizer, um segundo nascimento, um nascimento social. Um ser humano não nasce como um organismo biológico abstrato, mas como proprietário de terra ou camponês, como burguês ou proletário, e assim por diante – e isso é o principal. Além disso, ele nasceu russo ou francês, e nasceu em 1800 ou 1900, e assim por diante. Somente essa localização social e histórica faz dele um ser humano real e determina o conteúdo de sua vida e criatividade cultural. Todas as tentativas de contornar esse segundo nascimento social e derivar tudo, desde as premissas biológicas da existência dos organismos, são vãs e fadadas ao fracasso: nem uma única ação tomada por uma pessoa inteira, nem uma única formação ideológica concreta (um pensamento, uma imagem artística, até o conteúdo de um sonho) pode ser explicada sem referência a fatores socioeconômicos. Afinal, ‘a essência do homem não é uma abstração inerente a cada indivíduo separado. Na sua realidade, é o agregado das relações sociais’[1].

1927

Escrito por V. N. Voloshinov

 

Do marxists.org

Nota
[1] Sexta tese sobre Feuerbach da ideologia alemã

 

Nota dos editores: nem todas as posições expressas neste texto ou pelo autor condizem necessariamente e/ou integralmente com a linha política de nosso site ou da União Reconstrução Comunista.

Please reload

Leia também...

Grabois: "Estender e reforçar a luta pela paz"

05/06/2020

Manifesto da campanha "Brasil: pela Segunda e Definitiva Independência"

05/06/2020

"Mulheres bolivianas em São Paulo trabalham em regime de escravidão"

05/06/2020

"O que é 'Marxismo Legal'?"

04/06/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube