"A contribuição de Kim Il Sung para a África"

24/04/2020

 
A África, que, sob o domínio colonial, tinha sido uma base de suprimento de combustível e outros materiais, um lugar onde o atraso e a pobreza haviam prevalecido, tornou-se um continente em desenvolvimento na trajetória da independência, um continente que obtém prosperidade por seus próprios esforços.

Olhando para a nova África, as pessoas recordam com profunda emoção a nobre obrigação internacionalista, com a qual o Presidente Kim Il Sung indicou, por meio da Ideia Juche, o caminho a seguir para lograr a causa da independência da humanidade e prestou assistência material e espiritual ao povo africano em sua luta pela independência nacional e construção de uma nova sociedade.

O Presidente Kim Il Sung levou à vitória a luta pela independência nacional nos países africanos.

Quando o povo argelino, que empreendeu pela primeira vez a luta armada anti-imperialista e anticolonial no continente africano, chamado de “último refúgio” dos colonialistas após a guerra da Coreia nos anos 50, ele prestou apoio ativo à linha de luta armada promovida pela Frente de Libertação Nacional da Argélia. Ele enviou ajuda material à luta, e estabeleceu um dia e semana dedicados à Argélia para expressar firme solidariedade com o povo argelino. Quando o governo provisório da República da Argélia foi estabelecido, o governo da RPDC foi um dos primeiros a reconhecê-los e estabeleceu relações diplomáticas com ele.

Em maio de Juche 64 (1975), ele fez uma visita histórica à distante Argélia, abrindo um novo capítulo para o fortalecimento do Movimento Não Alinhado e ao desenvolvimento das relações de amizade e cooperação com os países africanos e aprofundou os sentimentos de fraternidade.com os líderes e povo do país.

A luta de libertação nacional do povo moçambicano está associada à assistência internacionalista enviada por Kim Il Sung.

Nos anos 70, a luta de libertação nacional em Moçambique enfrentou uma série de dificuldades. Enquanto procurava uma saída, Samora Moisés Machel, presidente da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e comandante-chefe das forças de libertação, visitou a RPDC em setembro de 1971 para reunir-se com Kim Il Sung, que havia derrotado duas potências imperialistas.

Ao encontrá-lo, Kim Il Sung instruiu que ele não deveria perder a iniciativa, por mais desesperado que o inimigo pudesse estar. Ele também indicou os caminhos e meios para a luta, aproveitando sua rica experiência na luta armada anti-japonesa. Em seu retorno para casa, Machel trabalhou como Kim Il Sung havia instruído: construindo as forças internas da Frelimo, criando bases secretas de guerrilha em florestas primitivas e atacando o inimigo contando com essas bases, tomando sempre a iniciativa na batalha. No dia da proclamação do fim de centenas de anos de domínio colonial pelos imperialistas e da completa independência de seu país, Machel disse: "Como o grande herói camarada Kim Il Sung indicou o caminho à nossa frente, fomos capazes de cortar o correntes que prenderam nossos antepassados ​​e pernas, os livrando do destino da escravidão e cumprimentando a libertação; vamos estender os sentimentos de gratidão, juntamente com os de nossos antepassados, a ele".

Ele nomeou a rua mais bonita da cidade de Maputo em homenagem a Kim Il Sung.

Robert Mugabe, presidente do Zimbábue, é um daqueles que aprenderam a verdade de ferro da luta revolucionária com o presidente Kim Il Sung. Tendo iniciado uma luta armada pela libertação e independência de seu país, Mugabe visitou a RPDC pela primeira vez em maio de 1978. Depois de esclarecer as maneiras detalhadas de acelerar a vitória final da luta revolucionária do povo do Zimbábue, Kim Il Sung disse a ele que ele prestaria assistência ao povo do Zimbábue até que saíssem vitoriosos na luta armada. Ele então abraçou Mugabe e o presenteou com um relógio e uma pistola de ouro com seu nome escrito neles, além de materiais de vestuário, dizendo que no dia da vitória ele deveria aparecer diante do povo em trajes de estadista, e não em uniforme militar.

Quando Mugabe, depois de alcançar a independência de seu país, visitou Pyongyang por ocasião do VI Congresso do Partido do Trabalho da Coreia, Kim Il Sung destacou que se ele tivesse um exército preparado poderia garantir a estabilidade de seu governo, e então enviou uma delegação ao Zimbábue. A delegação ajudou a construir em um curto espaço de tempo o exército zimbabuense fiel ao partido no poder e ao povo. Mugabe chamou isso de segunda vitória na revolução.

Entre o final da década de 1960 e o início da década de 1970, o Presidente Kim Il Sung garantiu que grandes quantidades de armas, outros suprimentos militares e moeda forte fossem fornecidos gratuitamente ao povo angolano em sua luta pela libertação nacional e que fosse prestada assistência para treinar os combatentes da liberdade angolanos. Quando Angola foi lançada em um tumulto interno após conquistar a independência, ele enviou grandes quantidades de suprimentos militares ao governo angolano para o desenvolvimento e a vitória de suas forças armadas.

O Presidente Kim Il Sung prestou a maior assistência ao Egito sempre que enfrentou grandes dificuldades, incluindo o envio de aviadores coreanos ao Egito durante a Guerra de Outubro de 1973.

A luta de libertação nacional do povo de Uganda no leste do continente e da Namíbia na costa atlântica também estão associadas à assistência prestada pelo Presidente Kim Il Sung.

Precisamos olhar corretamente para o camarada Kim Il Sung  se quisermos travar a revolução - essa foi uma liminar que estava em voga no continente africano.

No continente africano, que estava gemendo sob a repressão imperialista, o movimento de libertação nacional varreu os países coloniais como um incêndio nas pradarias, e a luta do povo para construir uma nova sociedade independente impôs o terror no coração das grandes potências.

O Presidente Kim Il Sung prestou apoio irrestrito, tanto material quanto moral, aos países africanos em seus esforços para construir uma nova sociedade. Ele costumava dizer às autoridades: podemos apertar nossos cintos e encontrar mais dificuldades, mas devemos prestar um apoio sincero aos países africanos, a fim de que eles alcancem completa independência política e econômica das nações imperialistas e se sustentem sozinhos.

Em meados da década de 1970, a convite do Presidente, o líder togolês Etienne Gnassingbe Eyadema chegou a Pyongyang, liderando uma grande delegação. Durante as conversas, o convidado perguntou-lhe sobre a preciosa experiência que a RPDC adquiriu sob sua liderança. Com um sorriso no rosto, Kim Il Sung explicou em detalhes como os trabalhadores coreanos fabricaram um trator com base no princípio da autoconfiança nos dias do pós-guerra e como eles desenvolveram o país em um Estado industrializado socialista, independente, autônomo e autossuficiente na defesa nacional, guiado pela Ideia Juche. Ele ressaltou que, se não se lograr construir uma economia independente administrada por seus próprios recursos, tecnologia e quadros, nenhum país poderá frustrar a pressão econômica dos imperialistas e defender sua independência política a longo prazo.

Ele acrescentou que a auto-suficiência econômica é a base da independência política, elogiando o governo togolês por nacionalizar os recursos naturais do país. Mais tarde, ao saber que havia poucos quadros nativos no Togo, ele mandou autoridades coreanas de setores relevantes para a missão de construir uma escola para treinar funcionários do partido e dar assistência técnica a projetos de irrigação. Foi assim que a Escola Superior do Partido sob o "Comício do Povo Togolês", com uma área total de 15 000m2, foi instalada em Lomé, às margens do Golfo da Guiné, na África Ocidental. A escola serviu de base para o treinamento de funcionários competentes necessários para a construção de uma nova sociedade.

O Presidente Kim Il Sung mostrou grande preocupação pelo Egito, Tanzânia e muitos outros países africanos que estavam lutando para aumentar suas capacidades nacionais e construir uma nova sociedade. O seguinte aconteceu em março de 1981, quando o presidente da Tanzânia, Julius Nyerere, visitou Pyongyang. Ele disse ao presidente Kim Il Sung sobre a produção agrícola em seu país e solicitou ajuda neste setor. Ouvindo que a irrigação e as bombas de água eram a sua principal preocupação, o último disse: podemos oferecer grandes bombas, mas no futuro você deverá fabricá-las por si. Então ele visitou uma fábrica de bombas de água junto com o convidado. Enquanto olhava a fábrica, ele contou como foi construída e atualizada. Lá, ele prometeu ajudar a Tanzânia na construção de uma fábrica desse tipo.

Naquele dia, um membro da delegação da Tanzânia disse com profunda emoção: outros chefes de Estado buscariam lucro com a venda de suas bombas de água; O Presidente Kim Il Sung percorreu uma longa distância para nos mostrar a fábrica e nos encorajou a cuidar de nós mesmos; nada é maior que isso; o que precisamos agora é aprender com o espírito de autoconfiança do povo coreano. Certa vez, um presidente de Madagascar disse: Outras nações nos deram alguns peixes quando estávamos com fome. Isso significava que deveríamos confiar neles também no futuro. No entanto, meu irmão Presidente Kim Il Sung nos ensinou a pescar. Assim, ele nos ajudou a obter peixes sozinhos quando precisamos deles.

Sob a grande atenção de Kim Il Sung, foram construídos institutos de pesquisa em agricultura na Tanzânia e na Guiné e técnicos coreanos enviados ao continente africano para fornecer cooperação técnica com a produção agrícola local. Com um sentimento de respeito pelo Presidente Kim Il Sung, o presidente guineense nomeou o instituto inaugurado em seu país em janeiro de 1982, Instituto de Ciência Agrícola Kim Il Sung. Estruturas criadas em várias partes do continente, sob os cuidados do Presidente Kim Il Sung, transmitem sua benevolência para com o povo africano: a Fábrica de Tijolos Arusha na Tanzânia, um estádio em Zanzibar, uma gráfica no Benin, uma usina hidrelétrica na Etiópia, Palácio Nacional na Guiné, Instituto de Ciência Agrícola Chollima na Tanzânia, instalações de irrigação na Tanzânia, Etiópia, Moçambique, Ruanda e outros países, fazenda experimental Juche em Gana, fazenda experimental de amizade na Zâmbia, o edifício do governo de Lesoto, o edifício do parlamento da República Centro-Africana, um teatro ao ar livre e a torre revolucionária em Burkina Faso, um salão de cultura em Benin, Estádio "União" em Victoria, capital das Seychelles.

Kim Il Sung vive para sempre nos corações do povo africano como seu grande salvador, verdadeiro amigo e mentor benevolente. Com seu nobre senso de obrigação internacionalista, o Presidente Kim Il Sung deu ajuda material e apoio moral aos povos africanos em seus esforços para alcançar a independência de seus países e construir uma nova sociedade diante de grandes provações e dificuldades. Sempre que se deparava com dificuldades na luta para recuperar a independência de seu país, o presidente namibiano Sam Nujoma visitava Pyongyang e procurava o conselho de seu benevolente mentor, o Presidente Kim Il Sung. Em setembro de 1992, depois de alcançar a independência de seu país e assumir o cargo de Presidente da Namíbia, ele fez uma visita oficial a Pyongyang, liderando uma delegação de alto nível. Ele expressou seu agradecimento ao Presidente Kim Il Sung pela ajuda prestada ao povo da Namíbia.

O presidente do Uganda, Yoweri Museveni, visitou Pyongyang várias vezes para se reunir com o Presidente Kim Il Sung. Este último deu-lhe conselhos para alcançar a independência nacional e construir uma nova sociedade. Ele resolveu todos os problemas levantados pelo hóspede e, especialmente nos anos 80, enviou grandes quantidades de material militar para o Uganda. Mais tarde, ele prestou apoio irrestrito, material e moral, ao povo de Uganda em seus esforços para garantir a paz e a estabilidade e construir uma nova sociedade.

Por ocasião do décimo aniversário de falecimento do Presidente Kim Il Sung, o presidente do Uganda visitou a embaixada da RPDC em seu país e colocou uma coroa de flores diante de seu retrato. Então ele disse: O Presidente Kim Il Sung foi o salvador do povo africano, dando uma ajuda positiva em sua luta de libertação nacional; em particular, ele prestou ajuda material e apoio moral ao povo de Uganda em sua luta pela independência e desenvolvimento; vamos lembrar dele para sempre.

Ainda hoje, muitos personagens de partidos políticos, organizações e instituições públicas de Guiné, Mali, Zimbábue, Burkina Faso, Nigéria e outros países africanos têm os retratos do Presidente Kim Il Sung pendurados nas paredes de seus escritórios, salas de conferências, salas de aula, bibliotecas ou casas para prestar seus respeitos ao grande homem sem igual. É evidenciado pelo evento especial que ocorreu em 15 de abril de 1995 na Nigéria. No evento, o título de Chieftaincy de “Anyanwu” (Sol), o primeiro do gênero na Nigéria, foi concedido a ele. Esteve presente o rei da comunidade Umozi.

Pedindo a um oficial da RPDC que transmitisse o certificado do título, roupa, colar, capa e trono a Kim Il Sung, o rei disse: Um grande homem é imortal com sua grande ideia. Minha comunidade jura solenemente em nome do rio Níger e da terra de nossos antepassados ​​que confiaremos e seguiremos para sempre o grande Presidente Kim Il Sung como o Sol, de geração em geração. No dia seguinte, a Sociedade Nigeriana do Sol foi formada em reflexo do desejo do povo nigeriano de manter o Presidente Kim Il Sung como eterno sol.

Os comitês em memória do Presidente Kim Il Sung foram organizados um após o outro em Gana, Angola, Togo, Zimbábue, Zâmbia, República Democrática do Congo, Guiné, Guiné Equatorial e outros países africanos. Recordando com profunda emoção as nobres virtudes e as obrigações internacionalistas estimadas pelo Presidente Kim Il Sung, Obiang Nguema Mbasogo, presidente da Guiné Equatorial, Lansana Conte, ex-presidente da Guiné, Alpha Oumar Konare, ex-presidente do Mali e ex-presidente da Comissão da União Africana, e outros chefes de Estado e figuras proeminentes na África disseram por unanimidade que o povo africano considera como sua obrigação moral e honra lembrar do Presidente Kim Il Sung, que fez uma contribuição tangível à causa da independência global, e entregar suas façanhas a posteridade.

O fórum on-line regional sobre o Presidente Kim Il Sung e o desenvolvimento independente da África em 8 de julho de 2014 convidou os líderes dos países africanos que desejam prosperidade nacional e desenvolvimento independente a aprender com o Presidente Kim Il Sung, o sol do século XX, e corajosamente superar as dificuldades e provações com a força da Ideia Juche.

Este artigo trata de alguns fatos registrados na história do grande Sol Kim Il Sung, que se dedicou a implementar a causa da libertação nacional anti-imperialista dos povos progressistas em todo o mundo.

Fiel às intenções dos grandes líderes Kim Il Sung e Kim Jong Il, o Partido do Trabalho da Coreia e o governo da RPDC continuarão expandindo e desenvolvendo as relações de amizade e cooperação com os países africanos.

O povo africano jamais esquecerá as façanhas imortais de Kim Il Sung registradas na história da luta de libertação das nações coloniais e da construção de uma nova sociedade em seu continente.

4 de julho de 2019

Publicado em The Herald, jornal da República do Zimbábue.

 

Tradução do blog A Voz do Povo de 1945

 

Please reload

Leia também...

Lenin: "A Chantagem Política"

05/08/2020

Choro: As Bandas Militares e Anacleto de Medeiros

04/08/2020

Engels: "Bruno Bauer e o Início do Cristianismo"

04/08/2020

"Sobre o problema da terra, da classe camponesa e da revolução agrária nas Filipinas"

03/08/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube