Marx: "Escorpião e Félix"

07/10/2019

 
CAPÍTULO X
Como havíamos prometido no capítulo anterior, segue aqui a comprovação de que a mencionada soma de 25 táleres pertence pessoalmente ao bom Deus.

Esses táleres não têm dono! São dotados de excelsos pensamentos, nenhum poder humano os possui; mas o glorioso poder que navega sobre as nuvens abarca o universo e, consequentemente, os mencionados 25 táleres; as vestes desse poder são tecidas com os fios do dia e da noite, do Sol e das estrelas, das gigantescas montanhas e das infindáveis planícies de areia, ressoam como as harmonias, como o estrondo de cascatas, e chegam lá onde a mão do homem não alcança, resvalando assim os mencionados 25 táleres, e... Não posso continuar, estou intimamente abalado, olho para o universo, para mim mesmo e para os 25 táleres cuja substância reside nestas três sentenças: o ponto de vista dessas moedas é o infinito, soam como a voz dos anjos, lembram o Juízo Final e o fisco... e Escorpião, estimulado pelas histórias do amigo Félix, arrebatado pela melodia inflamada e subjugado pelos sentimentos juvenis do companheiro, enamorou-se de Margarida, a cozinheira, supondo que ela fosse uma fada.

Presumo a partir desse fato que as fadas têm barba, pois Madalena Margarida -não se trata da Madalena arrependida- ostentava barba e bigode, como um glorioso guerreiro. Tenros fios encaracolavam-se em seu formoso queixo e, qual escarpa sobre o mar solitário, contemplada de longe pelos homens, esses fios sobressaíam na chata panela do rosto, orgulhosos e conscientes de sua grandeza, e rompiam os ares, agitavam os deuses e comoviam os homens.

Parecia que a deusa da fantasia havia sonhado uma beleza barbada e se enredara nos domínios encantados de um rosto jubado, mas, ao despertar, era a própria Margarida que sonhara, e eram ruins os seus sonhos: ela era a grande meretriz da Babilônia, o Apocalipse de João e a ira de Deus, que deixara um restolhal afiado brotar de sua pele vincada por linhas onduladas a fim de que a beleza não incitasse ao pecado e a virtude fosse preservada, como a rosa é preservada pelos espinhos, e para que o mundo compreendesse e não morresse de amores por ela.

Capítulo XII
"Um cavalo, um cavalo! Um reino por um cavalo!", dizia Ricardo 3º.
"Um homem, um homem! Eu mesma por um homem!", dizia Margarida.

Capítulo XVI
"No princípio era o verbo e o verbo estava com Deus e o verbo era Deus e o verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória."

Belos e inocentes pensamentos! A associação de ideias conduziu Margarida mais adiante; ela acreditava que o verbo habitava as coxas, assim como, na história de Shakespeare, Tersites imagina Ajax com as vísceras na cabeça e a razão na barriga; e então Margarida, e não Ajax, concebeu convictamente a ideia de que o verbo se fizera carne; ela viu nas coxas a expressão simbólica do verbo, vislumbrou sua própria glória e resolveu lavá-las.

Capítulo XIX
Mas ela tinha grandes olhos azuis, e olhos azuis são comuns como a água do rio Spree. Desses olhos irrompe uma tola e saudosa inocência, uma inocência que lamenta a si mesma, uma inocência aquosa; quando o fogo se aproxima, ela ascende num vapor cinzento; nada mais se acha por trás desses olhos; seu mundo é todo azul, sua alma, um vapor azulado. Os olhos castanhos, contudo, são um reino ideal; um infinito e gracioso universo noturno aí dormita, eles expelem raios d'alma, soam como as canções de Mignon, como a terna, cálida e longínqua terra habitada por um próspero deus que se banqueteia de sua própria profundidade e se funda no universo de sua existência irradiando a infinitude e padecendo a infinitude. Sentimo-nos paralisados por um encanto, desejamos apertar em nosso peito o melodioso, profundo, inspirado ser, sugar o espírito de seus olhos e fazer canções a partir de seus olhares.

Amamos o mundo rico e agitado que se nos abre; em seu poscênio enxergamos gigantescos pensamentos solares, supomos a existência de um sofrimento demoníaco; e figuras que se movem delicadamente encenam uma dança diante de nós, acenam em nossa direção e retrocedem envergonhadas, como as Graças assim que as reconhecemos.

Capítulo XXI
Reflexões filológicas. Félix desvencilhou-se dos abraços do amigo de modo nada suave, pois não percebera o caráter profundo e sensível de suas quimeras e, além disso, estava ocupado em dar continuidade... à digestão, à qual, agora e de uma vez por todas, ordenamos que encerre seu extraordinário mister, pois está impedindo a sequência da ação.

Assim também pensava Merten, pois um violento golpe fora desferido por sua ampla e histórica mão, justo na direção de Félix.


O nome Merten lembra Karl Martel, e Félix acreditou ter sido acariciado por um martelo, tal o prazer proporcionado pelo choque elétrico.

Esbugalhou os olhos, cambaleou e pensou em seus pecados e no Juízo Final. Eu, contudo, pensei na matéria elétrica, no galvanismo, na douta carta de Franklin a sua amiga "geométrica" e em Merten, pois minha curiosidade está extremamente atiçada, desejosa de descobrir o que há por trás desse nome. Não resta dúvida de que o nome descende em linha direta de Martel: o sacristão me garantiu isso, embora esse período seja muito contraditório. O "l" transformou-se num "n", uma vez que Martel é inglês, como todo conhecedor de história sabe; e em inglês o "a" frequentemente tem o som de "eh", que coincide com o "e" de Merten. Desse modo, Merten poderia ser uma outra forma de Martel. De acordo com o exposto, uma vez que entre os velhos alemães o nome se originava de diversos adjetivos e expressava o caráter de seu portador -como Krug, o cavaleiro; Rauprach, o conselheiro da corte; Hegel, o anão-, Merten parece ter sido um homem rico e honesto, embora fosse um alfaiate e nesta história encarne o pai de Escorpião. O que acabamos de dizer funda uma nova hipótese: em parte porque fora um alfaiate, em parte porque seu filho se chamava Escorpião, parece muito provável que seu nome tenha derivado de "Mars", o deus da guerra (genitivo Martis, acusativo grego Martin, Mertin, Merten), pois o ofício do deus da guerra é o corte, visto que ele corta braços e pernas e, usando uma serra, aparta da terra a felicidade. Além disso, o escorpião é um animal venenoso, que mata com o olhar; sua picada é fatal, seu olhar, fulminante; ele é uma graciosa alegoria para a guerra, cujo olhar mata e cujo resultado são cicatrizes que sangram internamente e jamais se fecham. Merten, entretanto, tinha um caráter pouco pagão, tendo pelo contrário uma fé bastante cristã; desse modo parece mais provável que descenda de San Martin. Com uma ligeira troca de vogais chega-se a Mirtan; o "i" soa na fala popular como "e", como, por exemplo, na locução "gieb mer" em vez de "gieb mir", e o "a", em inglês, como já dissemos, tem frequentemente o som de "eh", transformando-se no decorrer do tempo em "e", especialmente numa cultura em expansão, de modo que muito naturalmente nasce o nome Merten, com o significado de alfaiate cristão. Embora essa derivação seja absolutamente provável e esteja muito bem fundamentada, não podemos, sem mais, chegar à concepção de uma nova pessoa, concepção que poderia debilitar nossa fé em San Martin, que por sua vez só pode ser lembrado como padroeiro, já que ele, até onde sabemos, jamais se casou, não podendo por isso ter deixado um descendente. O dilema parece se resolver da seguinte maneira: todos os membros da família Merten tinham em comum com o "Pároco de Wakefield" o fato de que logo se casavam e, muito cedo, de geração em geração, ostentavam a coroa de mirto, que vinha a ser a coroa nupcial. Daí se explica, a não ser que tenha havido um milagre, que Merten tenha nascido e apareça nesta história como o pai de Escorpião.

"Myrthen" perderia forçosamente o "h", uma vez que ao celebrarmos o "Heirathen", as bodas, destaca-se na palavra justamente o "eh", que significa matrimônio. Vale dizer, o "he" é o elemento que se retira, de modo que "Myrthen" se transforma em "Myrten".

"Y" é um "v" grego e não é letra alemã.

Como já se demonstrou, a família Merten era uma velha estirpe genuinamente alemã, sendo ao mesmo tempo uma família de alfaiates muito cristã, de maneira que o "y" estrangeiro e pagão houve de se transformar num germânico "i"; dado, porém, que o casamento fora o elemento de destaque na família e que o "i" constitui uma vogal estridente e colérica, em contraste com a ternura e a suavidade dos casamentos realizados no seio dessa família, a vogal transformou-se em "eh" e, mais tarde, para que a ousada modificação não ficasse demasiado evidente, transformou-se em "e", cuja brevidade alude à firme determinação com que se consumavam os casamentos, e assim, na multívoca palavra alemã Merten, o termo "Myrthen" atingiu sua forma mais acabada.

De acordo com essa dedução poderíamos vincular tanto o alfaiate cristão de San Martin quanto a autêntica coragem de Martel e ainda a decidida resolução de "Mars", o deus da guerra, à abundância de casamentos, coisa que avulta em ambos os "es" de Merten, de modo que esta hipótese congrega todas as anteriores, ao mesmo tempo que as revoga.

É de opinião diversa o escoliasta que, com grande aplicação e persistente esforço, escreveu comentários sobre o velho historiador cuja obra nutre nossa história.

Embora não possamos partilhar de sua opinião, ela merece uma apreciação crítica, pois emana do espírito de um homem que juntou sua enorme erudição a uma grande proficiência na produção de fumaça, envolvendo os pergaminhos com sacras exalações tabagísticas e enchendo-os de oráculos em meio à exaltação pitonisíaca do incenso.
Ele pensava que "Merten" deveria originar-se de "Mehren" e "Meer", que significam respectivamente "proliferar" e "mar", isso porque os casamentos na família Merten se multiplicavam como a areia do "mar", e porque, além disso, a ideia de alfaiate está contida na ideia de "Mehrer", de "aumentador", dado que ele eleva macacos à condição de homens. Ele teceu sua hipótese a partir dessas profundas e bem fundamentadas investigações.

Ao ler essas hipóteses fiquei vertiginosamente perplexo; o oráculo tabagístico fascinou-me, mas logo a fria e discriminadora razão despertou e surgiram os argumentos contrários que seguem abaixo.
A ideia de um aumentador, que, se preciso fosse, eu aceitaria ver combinada à ideia de um alfaiate -como quer o escoliasta- não pode de modo algum ser relacionada à ideia de um diminuidor, pois isso constituiria uma "contradictio in terminis"; para as damas seria o mesmo que confundir Deus com o diabo, identificar uma piada numa roda de chá, colocarem-se elas mesmas no lugar dos filósofos. Se, entretanto, Merten deriva de Mehrer, a palavra teria perdido um "h", ou seja, não teria aumentado, algo que se revela substancialmente contraditório em relação à sua natureza formal.

Portanto "Merten" não pode absolutamente derivar de "Mehrer", e que se tenha originado de "Meer" é questão logo desmentida pelo fato de que a família Merten jamais caiu na água e jamais claudicou; pelo contrário, sempre foi uma devota família de alfaiates, fato que contradiz a ideia de um mar revolto, concluindo-se então que o citado autor, a despeito de sua infalibilidade, errou, sendo a nossa dedução a única correta.

Após esta vitória estou exausto para prosseguir e quero apenas me regalar na ventura da autossatisfação que, segundo Winckelmann, constitui um momento mais valioso do que toda a glória póstuma, embora eu esteja igualmente seguro desta, assim como Plínio, o Jovem.

Capítulo XXII
"Quocunque adspicias, nihil est,
nisi pontus et aer,
Fluctibus hic tumidis, nubibus
ille minax,
Inter utrumque fremunt immani
turbine venti,
Nescitcui domino pareat unda
maris.
Rector in incerto est, nec quid
fugiatve petatve,
Invenit, ambiguis, ars stupet
ipsa malis."

"Para onde quer que olhes, verás
apenas Escorpião e Merten,
Aquele afogado em lágrimas,
este obnubilado pela ira.
Entre ambos retumba uma
infinda torrente de palavras.
O mar revolto não sabe a que
senhor obedecer.
Eu, o reitor, vacilo, e aquilo que
deixo, aquilo que escrevo
Não mais encontro; diante do
escândalo a arte se recolhe aos
cantos."

Assim, nos "libri tristium", Ovídio conta a triste história que, como a que narrarei em seguida, seguiu às que a precederam. Como se vê, ele não tinha outro recurso, e eu, de minha parte, narro como segue:

Capítulo XXIII
Ovídio vivia em Tomi, aonde fora lançado pela ira do deus Augusto, pois tinha mais gênio que bom senso.

Aqui, entre os bárbaros selvagens, fenecia o terno poeta do amor, e fora o próprio amor que o derrubara.

Sua cabeça pensativa apoiava-se na mão direita, e o olhar saudoso vagueava pelo Lácio distante. O coração do cantador estava partido e, no entanto, mantinha a esperança, sua lira não podia se calar e ele apagava as saudades e a dor com canções melodiosas e docemente expressivas. O vento norte açoitava os membros do frágil ancião, infundindo-lhe estranhos calafrios, pois fora criado nas terras quentes do sul; lá os exuberantes e calorosos jogos da fantasia eram adornados com trajes suntuosos, e quando esses rebentos do gênio tornavam-se demasiado livres, a graça sacudia sua divina e velada grinalda por sobre os ombros, de modo que as dobras agitadas espargiam tépidas gotas de orvalho.

"Logo serás cinzas, pobre poeta!", e uma lágrima rolou pela face do velho quando... o potente baixo da voz de Merten, que estava profundamente comovido, elevou-se diante de Escorpião.

Capítulo XXVII
"Ignorância, pura ignorância!"

"Porque (isto se relaciona a um capítulo anterior) seus joelhos se dobraram mais para certo lado!", mas faltava a certeza, a certeza; e quem pode assegurar, quem pode asseverar qual é o lado direito e qual o esquerdo Se me disseres, mortal, de onde vem o vento ou então se Deus tem um nariz na cara, dir-te-ei onde estão o lado direito e o esquerdo.

Tomar a loucura e a insensatez pela sabedoria é algo que não extrapola o plano dos conceitos relativos! Ah, será vão todo o nosso esforço e insensata a nossa nostalgia até descobrirmos o que sejam direita e esquerda, pois ele disporá os bodes à esquerda e as ovelhas à direita.

Caso ele se vire, caso tome outra direção por ter sonhado à noite, então os bodes ficarão à direita e os devotos à esquerda, de acordo com nossos miseráveis pontos de vista.

Por isso, se explicares para mim o que são direita e esquerda, o nó da criação estará desfeito por completo; se "Acheronta movebo", deduzo onde irá parar tua alma, do que deduzo também em que patamar te encontras, pois aquela relação primordial se tornaria mensurável. Enquanto, da parte do Senhor, tua posição já foi determinada, tua posição aqui em baixo pode ser medida pelo tamanho de tua cabeça; tenho vertigens; se um Mefistófeles aparecesse, eu seria um Fausto, pois, evidentemente, todos somos um Fausto, visto não sabermos qual lado é o direito e qual o esquerdo. Nossa vida é, portanto, um circo; andamos em círculo procurando pelos lados até cairmos na areia e o gladiador nos tirar a vida; precisamos de um novo salvador, pois -excruciante pensamento! Roubas-me o sono, roubas-me a saúde, matas-me- não podemos discriminar o lado esquerdo e o direito, não sabemos onde ficam.

Capítulo XXVIII
"É na Lua, evidentemente, que encontraremos as pedras lunares; no peito da mulher, a falsidade; no mar, a areia; na terra, as montanhas", redarguiu um homem que bateu à minha porta e não esperou ser convidado para entrar. Rapidamente pus meus papéis de lado e lhe disse que muito me alegrava o fato de não o ter conhecido antes, pois isso aumentava ainda mais o prazer em conhecê-lo; e disse ainda que ele ministrava uma grande sabedoria, que ele apaziguava todas as minhas dúvidas. Porém, por mais que eu falasse a toda pressa, ele falava ainda mais rápido; tons sibilantes irrompiam por entre seus dentes; ao examiná-lo com mais atenção, percebi arrepiado que ele parecia um lagarto ressequido, nada mais que um lagarto que se esgueirara pelas fendas de um muro decaído.

Ele era atarracado e sua estatura semelhava à do fogão; seus olhos eram mais verdes que vermelhos e mais lembravam um alfinete que um raio; ele mesmo mais parecia um duende que um homem.

Um gênio! Percebi-o imediatamente e com toda a segurança, pois o nariz brotava da cabeça feito Palas Atena, que brotara da cabeça de Zeus pai todo-poderoso, e isso me explicava sua delicada ardência purpúrea, que sugeria uma origem etérea. Essa cabeça podia ser descrita como calva e descoberta, a não ser que tomássemos por chapéu uma espessa crosta de pomada, a qual, juntamente com outros produtos atmosféricos e primevos, proliferava no lombo dessa montanha primitiva. Nele tudo indicava elevação e profundidade, mas a forma de seu rosto parecia revelar um arquivista, pois as bochechas eram como tigelas lisas e profundas, protegidas da chuva por protuberantes ossos de dimensões enormes, de modo que aí se podiam depositar papéis e decretos governamentais.

Resumindo, disso tudo depreendemos que ele seria o Deus do amor em pessoa, caso não se assemelhasse a si mesmo, que seu nome seria gracioso como o amor, caso não lembrasse bem mais um cipreste. Pedi que se acalmasse, pois dizia ser um herói. Objetei-lhe modestamente que os deuses tinham uma compleição mais fina, que os "Heroden", ou seja, os arautos, eram donos de uma voz mais singela, menos complexa e mais harmoniosa, e que Eros, por fim, era uma beleza transfigurada, uma natureza verdadeiramente bela, o único ser em que a alma e a forma podiam reivindicar os atributos da perfeição, não sendo, portanto, passível de comparação com o amor de meu visitante.

Ele retrucou dizendo possuirrr uma forte osssatura, uma sssombra tão boa ou até melhor que a de outras pessoas, já que lançava mais sombra do que luz, que sua noiva podia se refrescar e prosperar à sua sombra e se tornar ela mesma uma ssssombra, que eu era um homem rrrrude, um gênio de fancaria e um idiota, que ele se chamava Engelbert, que seu nome sssoava melhor que Essscorpião, que eu me engannnara no capítulo XIX, pois os olhos azuis sssão mais belos que os cassstanhos, que os olhos da pomba são mais espirituosos e que ele mesmo, embora não fosse uma pomba, era surdo à razão, que, além disso, ele apreciava seu direito de primogenitura e possuía um tanque de lavar.

"Vossa Senhoria deve unir-se a mim em matrimônio e se postar à minha direita, e tu deves deixar tuas investigações sobre esquerda e direita; Vossa Senhoria reside em frente e não à direita ou à esquerda." A porta se fechou, uma aparição celeste despontou de minha alma; o gracioso colóquio se encerrara, mas pelo buraco da fechadura ouvia-se uma voz que sussurrava como um espírito: "Klingholz, Klingholz!"

Capítulo XXIX
Sentei-me, pensativo, pus Locke, Fichte e Kant de lado e me entreguei a um exame mais aprofundado para saber que relação poderia haver entre um tanque de lavar e a primogenitura, e de repente senti como se um raio me atravessasse, as ideias então se avolumaram, meus olhos se abriram e uma figura luminosa se postou diante de mim.

A primogenitura é o tanque de lavar da aristocracia, pois um tanque de lavar serve apenas para lavar. A roupa é alvejada, emprestando um brilho pálido àquilo que foi lavado. Da mesma forma, a primogenitura recobre de prata o filho mais velho da casa, empresta-lhe, portanto, a pálida cor argêntea, enquanto os outros membros da família são oprimidos pela pálida cor romântica da necessidade.

Aquele que se banha nos rios arroja-se contra o elemento revolto, luta contra sua ira e peleja com braços fortes; aquele, porém, que está no tanque de lavar permanece constrito e observa apenas os cantos formados pelas paredes.

O homem comum, quer dizer, o não primogênito, luta contra a vida furibunda, joga-se ao mar encapelado e, nas profundezas, rouba pérolas valendo-se das prerrogativas de Prometeu; a configuração interna da ideia surge magnificamente diante de seus olhos, e ele executa o seu esforço, mas o primogênito fica apenas com os pingos d'água, receia ter os membros deslocados e assim entrega-se ao tanque de lavar. Descobriu-se, descobriu-se a pedra filosofal!

Capítulo XXX
Em nossos dias não é possível escrever uma epopeia, como deduzimos de dois estudos recentemente realizados.

Primeiramente tecemos profundas reflexões sobre os lados direito e esquerdo, despojando, portanto, essas poéticas expressões de sua roupagem poética, assim como fez Apolo com a pele de Márcias, e transformamos essas expressões numa figura duvidosa, no desfigurado pavião que tem olhos para não ver e é um Argo pelo avesso; este possuía cem olhos para achar aquilo que se perdera; e ela, a que investe contra o céu, a dúvida, possui cem olhos para tornar não vistas as coisas vistas.

Mas o lado, o lugar, é um critério fundamental da poesia épica, e à medida que não há mais lados, como comprovadamente sucede conosco, essa poesia só poderá despertar de seu sono de morte quando o alarido das trombetas despertar Jericó.

Além disso, encontramos a pedra filosofal, todos a apontam e eles...

Capítulo XXXI
Eles, Escorpião e Merten, jaziam no chão, pois a aparição sobrenatural (isto se relaciona a um capítulo anterior) a tal ponto lhes havia abalado os nervos que a força de coesão de seus membros se dissipou no caos da expansão -que, como o embrião, ainda não se livrara da condição universal para assumir uma forma particular-, e assim o nariz de ambos mergulhou no umbigo, e a cabeça pousou na terra.

Merten vertia um sangue espesso que continha muito ferro; quanto, exatamente, eu não saberia dizer, pois a química como um todo ainda está pouco desenvolvida.

Especialmente a química orgânica torna-se diariamente mais complexa por meio da simplificação, visto que diariamente se descobrem novas substâncias elementares, as quais, em comum com os bispos, têm a propriedade de receber nomes de terras pertencentes aos infiéis, ficando "in partibus infidelium"; trata-se de nomes que, além disso, são tão compridos quanto o título de um membro de diversas sociedades científicas e quanto os nomes dos príncipes do império alemão, nomes que representam os nomes livre-pensantes porque não se relacionam a nenhuma língua.

Aliás, a química orgânica é um herege que busca explicar a vida por meio de um processo inerte!

Blasfema contra a vida, assim como eu o faria se tentasse deduzir o amor a partir da álgebra.

Tudo isso está evidentemente fundamentado na doutrina do processo, a qual ainda não foi suficientemente elaborada e jamais o será, pois se baseia no jogo de cartas, um jogo de puro acaso em que o ás é protagonista.

O ás fundou a moderna jurisprudência, pois certa noite Irnério havia perdido o jogo; ele vinha da companhia de mulheres e estava bem vestido, portava um fraque azul, sapatos novos com longas fivelas e uma véstia de seda carmesim, e, ao se sentar, escreveu sobre o ás uma dissertação que o impeliu adiante, de modo que passou a ensinar direito romano.

O direito romano abarca tudo, inclusive a doutrina do processo e a química, pois, como Pácio demonstrou, é o microcosmo que se separa do macrocosmo.


Os quatro livros das Instituições são os quatro elementos; os sete livros das Pandectas, os sete planetas; e os doze livros do Códice, os doze símbolos do zodíaco.

Mas nenhum espírito havia penetrado o todo; era antes Margarida, a cozinheira, que chamava para o jantar.

Escorpião e Merten, sob violenta comoção, haviam cerrado os olhos e confundido Margarida com uma fada. Quando se recobraram de seu terror hispânico, que remontava à última derrota e à vitória de Don Carlos, Merten escorou-se em Escorpião e se elevou como um carvalho, pois Ovídio e Moisés disseram que o homem deve mirar as estrelas e não a terra; mas Escorpião agarrou a mão de seu pai e pôs seu corpo em posição arriscada, dispondo-o sobre os pés.

Capítulo XXXV
"Meu Deus! O alfaiate Merten é uma mão na roda, mas cobra caro demais por seus serviços!" "Vere! beatus Martinus bonus est in auxilio, sed carus in negotio!", exclamou Clóvis após a batalha de Poitiers, quando, em Tours, os padres lhe explicaram que Merten havia cortado suas calças de montaria, com as quais ele cavalgara o valente rocim que lhe garantira a vitória, e cobraram duzentos florins de ouro pelo serviço de Merten.

Mas a história toda se passou assim...

Capítulo XXXVI
Estavam sentados à mesa: Merten estava à cabeceira, tendo Escorpião à sua direita e Félix à sua esquerda, enquanto o primeiro oficial se mantinha bem afastado, visto haver uma lacuna entre o príncipe e a plebe, constituída na estrutura estatal de Merten pelos membros subordinados, chamados comumente de jornaleiros.

Essa lacuna, que não poderia acolher nenhum ser humano, não estava reservada para o espírito de Banquo, mas sim para o cachorro de Merten, que diariamente devia fazer a oração à mesa, pois Merten, que estudara humanidades, afirmava que seu Bonifácio (assim se chamava o cachorro) era o próprio São Bonifácio, o apóstolo dos alemães, referindo-se dessa maneira a uma passagem segundo a qual o santo declarou ser um cão que ladra (cf. epístola 105, pág. 145, Ed. Seraria). Por isso Merten tinha uma supersticiosa veneração pelo cachorro, cujo assento era de longe o mais elegante de todos; esse assento era constituído por um delicado cobertor carmesim da mais fina caxemira, almofadado como um luxuoso sofá e guarnecido por borlas de seda, tendo por alças umas molas engenhosamente interligadas. Assim que a refeição terminava, o assento era levado ao canto solitário de uma alcova afastada, que parecia ser a mesma descrita por Boileau, em seu "Le Lutrin", como o templo de repouso do preboste.

Bonifácio não estava em seu lugar, a lacuna estava aberta e as faces de Merten se descoraram. "Onde está Bonifácio", ele perguntou, com o coração angustiado, e toda a mesa se sentiu profundamente abalada.


"Onde está Bonifácio", Merten perguntou mais uma vez. Como se assustou, como estremeceram os seus membros, como se lhe arrepiou o cabelo ao ouvir que Bonifácio estava ausente.

Num átimo todos saíram à sua procura, ele mesmo parecia ter perdido a fleuma habitual; fez então soar a campainha; Margarida entrou e pressentiu algo ruim, já ia pensando...

"Margarida, onde está Bonifácio" Ao ouvir a pergunta, ela se acalmou visivelmente, mas ele bateu com o braço na lâmpada e todos se viram envoltos pela mais completa escuridão; sobreveio então uma noite tempestuosa e prenhe de infortúnios.

Capítulo XXXVII
David Hume afirmou que este capítulo é o "locus communis" do anterior e disse isso antes que eu o tivesse escrito. Sua prova consistia no seguinte: se este capítulo existe, não existe o anterior; este capítulo afastou o anterior, do qual se originou, mas não no sentido de uma relação de causa e efeito, pois ele tinha dúvidas sobre a questão. Todo gigante e, portanto, todo capítulo de vinte linhas, deixa atrás de si um anão; todo gênio, um filisteu; toda agitação do mar, a lama; e, tão logo os primeiros se retiram, os últimos se apresentam, tomam assento à mesa e esticam sem comedimento suas longas pernas.

Os primeiros são demasiado grandes para este mundo; por isso são lançados fora. Os últimos, pelo contrário, deitam suas raízes e nele permanecem, como os fatos nos mostram, pois o champanhe deixa sempre um sabor final desagradável; o heroico César deixa o ator Otaviano; o imperador Napoleão, o rei- burguês Luís Filipe; o filósofo Kant, o cavaleiro Krug; o poeta Schiller, o conselheiro da corte Raupach; o celeste Leibniz, o aprendiz Wolf; o cão Bonifácio, este capítulo.


Assim as bases se cristalizam como resíduos, mas o espírito se esfuma.

Capítulo XXXVIII
A última frase a respeito das bases era um conceito abstrato, não sendo, portanto, uma mulher, pois "um conceito abstrato e uma mulher são coisas muito distintas", exclamou Adelung. Mas eu afirmo o contrário e vou prová-lo cabalmente. Não o farei, contudo, neste capítulo; deixo a questão para um livro não subdividido em capítulos que pretendo escrever tão logo esteja convencido da existência da Santíssima Trindade.

Capítulo XXXIX
A quem deseja chegar a um conceito claro e não abstrato dela -não me refiro à grega Helena nem à romana Lucrécia, mas à Santíssima Trindade-, a esse não dou outro conselho senão o de que nada sonhe até que não durma. Pelo contrário, sugiro que permaneça em vigília no Senhor e investigue este parágrafo, pois nele repousa o conceito claro. Se, feito uma alta nuvem, nos elevarmos à sua altura, distante cinco patamares do ponto onde nos encontramos agora, iremos deparar com o gigantesco "não"; se descermos à sua metade, seremos assombrados pelo monstruoso "nada", e, se mergulharmos até as suas profundezas, ambos se harmonizarão novamente no "não", que investe contra nós portando a reta, audaciosa e flamejante escritura.


"não" - "nada" - "não" Este é o claro conceito da trindade, mas o abstrato, quem o conceberá Pois "quem ascende ao céu e torna a descer" "Quem apanha o vento em suas mãos" "Quem recolhe a água em suas vestes" "Quem estabeleceu os confins do universo" "Como se chama e qual é o nome de seu filho Tu o sabes", indagou Salomão, o sábio.

Capítulo XL
"Não sei onde ele está, mas uma coisa é certa: estou apalpando um crânio, um crânio!", bradou Merten. Receoso, curvou-se para descobrir no escuro de quem era a cabeça que suas mãos tocavam, e então recuou como que fulminado, pois os olhos...

Capítulo XLI
Exatamente! Os olhos!


São um magneto e atraem o ferro, daí que nos sintamos atraídos pelas mulheres e não pelo céu, pois as mulheres nos miram com dois olhos, e o céu, apenas com um.

Capítulo XLII
"Provo-lhe o contrário!", disse-me uma voz invisível, e, quando me voltei para ela, contemplei -os senhores não acreditarão em mim, mas garanto, juro que é verdade- contemplei -não se exaltem nem se espantem, pois não se trata das esposas nem da digestão dos senhores- contemplei a mim mesmo, porque eu mesmo me oferecera como contraprova.

"Ha! Sou um sósia de mim mesmo!", foi o que me passou pela cabeça, e os "Elixires do Diabo", de Hoffmann,...

Capítulo XLIII
... estavam diante de mim, postos na mesa, e foi então que refleti sobre o motivo de o judeu errante ser um berlinense nato e não um espanhol; percebi, porém, que isso se relaciona à contraprova que eu devia produzir, motivo pelo qual, para sermos precisos... não desejamos fazer nada com eles, contentando-nos, porém, com a observação de que o céu está nos olhos das mulheres e que os olhos delas não estão no céu, resultando disso a constatação de que não são os olhos que nos atraem e sim o céu, pois não contemplamos os olhos, mas o céu que neles se encontra. Se nos atraíssem os olhos e não o céu, então nós nos sentiríamos atraídos pelo céu e não pelas mulheres, pois o céu não tem um olho, como dissemos acima; ele não tem nenhum. E, no entanto, ele nada mais é que o infinito olhar amoroso da divindade, o terno e melodioso olho do espírito da luz, e um olho não pode ter um olho.

Portanto, o resultado final de nossa investigação é a constatação de que nos sentimos atraídos pelas mulheres e não pelo céu, porque não vemos os olhos das mulheres e sim o céu que neles se encontra, porque nós, por assim dizer, não nos sentimos atraídos pelos olhos, porque não há olhos nenhuns e porque Ahsverus, o eterno, é um berlinense nato -é velho e doente e viu muitas terras e olhos e assim mesmo continua a se sentir atraído pelas mulheres e não pelo céu- e porque existem apenas dois magnetos: um céu sem olho e um olho sem céu.

Um paira sobre nós e atrai para cima, o outro está abaixo de nós e atrai para as profundezas. Ahsverus é atraído violentamente para baixo. Vagaria ele eternamente pelas terras deste mundo se as coisas ocorressem de outro modo E vagaria eternamente por essas terras se não fosse um berlinense nato, acostumado às planícies arenosas

Capítulo XLIV
"Segundo fragmento, tirado do porta-cartas de Halto." Vínhamos de uma casa no campo, fazia uma bela noite tingida de azul-escuro. Eras amparada por meu braço, do qual te querias soltar; mas não o permiti, minha mão te prendia como tu prenderas meu coração, e consentiste nisso. Murmurei palavras cheias de nostalgia e disse as coisas mais belas e elevadas que um mortal pode dizer, pois eu nada dizia, estava mergulhado em mim mesmo; vi então elevar-se um reino cuja atmosfera era a um só tempo suave e pesada, e nessa atmosfera havia uma figura divina, a beleza em pessoa, tal como eu a vislumbrara em sonhos fantásticos sem reconhecê-la; ela rebrilhava com os raios do espírito e sorria, e eras tu a figura.

Espantei-me comigo mesmo, pois, graças a meu amor, eu me tornara grande, gigantesco. Vi um mar infinito, mas nele não havia a agitação das torrentes; ele adquirira profundidade e eternidade, sua superfície era um cristal e seu escuro abismo aprisionava trêmulas estrelas douradas que entoavam canções de amor e irradiavam um forte calor, e o próprio mar se achava cálido!

Oxalá esse caminho fosse a vida!

Beijei tuas mãos doces e suaves, falei do amor e de ti.


Uma tênue neblina pairava sobre nossas cabeças, seu coração se partiu, ela chorou copiosas lágrimas e caiu então entre nós; sentíamos-lhe, contudo, as lágrimas e nos calamos.

Capítulo XLVII
"Ou é Bonifácio ou são as pernas de minhas calças!", exclamou Merten. "Luz, luz, digo eu!", e houve luz. "Por Deus, não se trata das pernas de minhas calças, mas de Bonifácio, acomodado aqui neste canto escuro, e seus olhos ardem num fogo lúgubre, mas... o que vejo" "Ele sangra", e então Merten desmaiou sem dizer mais nada. Os jornaleiros viram primeiramente o cão e depois o dono. Finalmente este se ergueu bruscamente do chão. "O que estão olhando, cretinos Não percebem que São Bonifácio está ferido Instituirei uma investigação minuciosa, e ai, três vezes ai do culpado! Mas agora, rápido! Ponham-no em seu assento, chamem o médico da família, tragam vinagre e água morna e não se esqueçam de chamar o mestre-escola Vito. Sua palavra pode ser muito benéfica para Bonifácio!" Assim ele expediu rapidamente suas ordens. Os circunstantes se abalaram pelas portas em todas as direções. Merten examinou mais atentamente Bonifácio, cujos olhos ainda mantinham um intenso fulgor, e balançou a cabeça inquieto.

"Estamos diante de uma desgraça, de uma grande desgraça. Chamem um padre!"

Capítulo XLVIII
Desesperado, Merten ergueu-se algumas vezes enquanto não chegava nenhum daqueles que mandara chamar.

"Pobre Bonifácio! E se eu mesmo tentasse fazer alguma coisa enquanto o socorro não chega Estás exausto, o sangue jorra de tua boca, não queres comer; vejo um violento esforço se processando em teu ventre, eu te compreendo, Bonifácio!", e Margarida entrou trazendo água morna e vinagre. "Margarida! Há quantos dias Bonifácio não evacua Não te ordenei que lhe fizesse semanalmente uma lavagem Vejo que doravante serei obrigado a assumir pessoalmente os encargos importantes da casa! Traga óleo, sal, farelo, mel e uma sonda para o clister!"


"Pobre Bonifácio! Teus santos pensamentos e reflexões constipam-te, uma vez que não podes externá-los pela boca nem pela pena!"


"Oh, tu, admirável vítima da profundidade das ideias, oh, tu, pia constipação!"

 

a primeira tradução do alemão feita por Tércio Redondo da estrambótica novela que o autor de "O Capital" escreveu antes de completar 20 anos

Please reload

Leia também...

"Entrevista de Stalin a Roy Howard"

12/12/2019

"A trabalhadora na Rússia Soviética"

11/12/2019

"Se querem a paz, vocês têm que lutar por ela"

10/12/2019

O Socialismo Científico de Marx e Engels e o combate às ideias antiproletárias

09/12/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube