"Pesquisar a história da China a partir da evolução da URSS para o capitalismo"

19/07/2019

 

A necessidade dos pesquisadores nacionais estudarem a história da União Soviética
Em janeiro de 1994, o camarada Peng Zhen propôs que nós deveríamos seriamente resumir as resoluções da evolução da União Soviética para o capitalismo e estudar a história da República Popular da China. Ele disse: “No hospital eu pensei sobre um problema, que é o de estudar a história da União Soviética, a história da República Popular da China e as mudanças nos dois países...O comunismo é a alma e a linha geral da construção socialista. Uma vez que a cabeça da rede de pesca é puxada para fora, todas as suas malhas se abrem. Nosso objetivo é conquistar o comunismo, algo que está escrito na constituição de nosso Partido. Se nós compreendermos esse ponto, a construção socialista se desenvolverá melhor. Se desistirmos desse ponto, nós iremos mudar de cor. Essa é uma verdade demonstrada pela União Soviética e pelos países do Leste Europeu. A razão pela qual a China pôde seguir o seu caminho é que não abandonamos esse princípio”.

 

Refletir sobre a experiência e lições tanto positivas quanto negativas dos aspectos da história soviética é algo conducente com o fortalecimento da posição do materialismo histórico e do materialismo dialético, clarificando ainda mais a importância da pesquisa da histórica nacional, pensando profundamente na posição, ponto de vista e métodos da pesquisa da história nacional.

O caminho histórico e a lei interna do desenvolvimento da evolução da União Soviética ao capitalismo

O processo histórico e os mecanismos da evolução da União Soviética para o capitalismo podem ser resumidos em três forças e três estágios. A história da evolução da União Soviética para o capitalismo foi uma feroz luta de classes sob as condições do socialismo. O núcleo dessa luta foi a questão do regime. A base para a evolução da União Soviética é formada pelo imperialismo ocidental, as forças hostis apoiadas pelo imperialismo ocidental (a chamada “fração democrática”) e os novos revisionistas dentro do PCUS (os “socialistas democráticos humanistas”), trabalhando e cooperando juntos para tomarem o poder do povo trabalhador. Na primeira fase desse processo, as forças hostis fora do PCUS e os elementos “socialistas democráticos humanistas” dentro do Partido estavam em conluio, negando totalmente e atacando a história e a prática do socialismo e do Partido Comunista da União Soviética, criando uma opinião pública anticomunista e antissocialista, e levando a cabo um trabalho ideológico contrarrevolucionário, que rompeu a união entre os membros, quadros e amplas massas da União Soviética. Na segunda etapa, tendo como base a confusão dos membros do Partido e das massas, as forças hostis desintegraram a organização partidária, criando um tumulto político tomando o poder passo a passo por conta da confusão, enquanto o Partido Comunista da União Soviética, guiado pelo pensamento “socialista democrático humanista” recuou e deu a mão a eles. Finalmente, o regime proletário foi subvertido, algo que resultou no trágico colapso do PCUS e da União Soviética.  No terceiro estágio, as forças políticas burguesas usaram o poder que eles tomaram para levar a cabo privatizações e restaurar o sistema econômico do capitalismo, estabelecendo os fundamentos econômicos para o domínio político da burguesia.

As lições histórias da evolução da União Soviética para o capitalismo e sua inspiração para o estudo da história da China
Em primeiro lugar, as lições históricas da evolução da União Soviética para o capitalismo podem ser resumidas do seguinte modo:

Em primeiro lugar, nós devemos seriamente analisar os problemas de classe na sociedade socialista. As lições históricas da evolução da União Soviética ao capitalismo demonstram completamente dois pontos: primeiro, nos países socialistas ainda existe o perigo da restauração do capitalismo. A União Soviética e a China sempre construíram o socialismo sob as condições de cerco do capitalismo e do imperialismo, por isso devemos reconhecer tal situação; segundo, a luta de classes na sociedade socialista. Este problema deve ser avaliado cientificamente e realisticamente. A tragédia da União Soviética se deu precisamente pelo fato de terem esquecido de que a luta de classes ainda existe na sociedade socialista, abandonarem a teoria Marxista da teoria da luta de classes, e tentarem lidar com a intensa luta de classes, que existe objetivamente, com a teoria da harmonia de classes do “socialismo democrático”. Como resultado, o regime foi derrotado. Anteriormente o Partido Comunista da China fez uma conclusão científica, concluindo que a contradição de classes não era mais a contradição principal na sociedade, mas “devido a fatores internos e externos, a luta de classes ainda existe dentro de um certo limite, durante um longo período de tempo, e talvez se intensifique sob determinadas condições. Nós devemos não apenas nos opor a visão de expandir a luta de classes, mas também à visão de que a luta de classes foi extinta. Essa é uma das garantias fundamentais para o progresso suave da Reforma e Abertura e do socialismo com características chinesas.

Em segundo lugar, o campo ideológico é o posto avançado para prevenir e combater a restauração do capitalismo. Durante as drásticas mudanças na situação política da União Soviética, o núcleo do conteúdo da opinião pública pelas forças anticomunistas e antissocialistas foi de atacar, difamar e até mesmo negar completamente a história da prática do socialismo do Partido Comunista da União Soviética. Esse processo confirma o que Mao Zedong há muito tempo afirmou, de que “qualquer força que queira tomar o poder político, sempre deve criar primeiro uma opinião pública por meio do trabalho ideológico. Isso vale para as classes revolucionárias, mas as classes contrarrevolucionárias fazem o mesmo”. Para os países socialistas, desenvolver a economia não é suficiente. Fazendo um resumo da experiência histórica, o Comitê Central do Partido Comunista da China tem repetidamente sublinhado que se o trabalho econômico não está indo bem, isso causará grandes problemas, e que se o trabalho ideológico também não é realizado satisfatoriamente, isso também causará problemas. Enquanto nos concentramos na modernização, não podemos relaxar no trabalho ideológico um momento sequer.

Em terceiro lugar, uma avaliação científica dos méritos e deméritos dos líderes revolucionários é uma questão de princípio que diz respeito ao futuro e ao destino do socialismo. A negação total de Stálin trouxe sérias consequências durante o período de Kruschev e a chegada de Gorbechev ao poder provocou um desenvolvimento ainda mais violento. Ele tomou a negação de Stálin como um avanço em direção do chamado “socialismo democrático”, o que resultou na trágica dissolução do PCUS e  desintegração da URSS. Este caso prova uma vez mais que “se você quer destruir um país, ataque primeiro sua história”. Para derrubar um regime, é necessário primeiro negar sua história e demonizá-la. A forma mais fácil de fazer isso é demonizando o líder de um país. Na China, as forças hostis vêm tentando todos os meios para difamar e atacar Mao Zedong, algo que também é uma manifestação dessa tática. Eles se opõem à Mao Zedong, não somente contra ele pessoalmente, mas também contra o caminho socialista na China, em nome de “aprender com a Inglaterra e Estados Unidos” e “retornar para o correto caminho da civilização humana”, o que nada mais é do que restaurar o sistema capitalista. Depois do fim da “Revolução Cultural”, Deng Xiaoping apontou claramente que nós devemos corretamente avaliar Mao Zedong e aderir e desenvolver o Pensamento Mao Zedong tendo em vista as correntes de pensamento na China que negam o Pensamento Mao Zedong. Não apenas hoje, mas também no futuro, nós seguiremos levantando alto a bandeira do Pensamento Mao Zedong, algo inscrito no 10. Congresso do Partido Comunista da China. A Resolução Sobre certas Questões Históricas na História de nosso Partido desde a fundação da República Popular da China esmagou fundamentalmente os planos das forças hostis, garantindo a estabilidade da situação política da China, estabelecendo uma fundamentação teórica e estabelecendo as premissas políticas para a Reforma e Abertura. Esta é uma das grandes contribuições de Deng Xiaoping.

Por último, nós devemos estar alertas aos problemas da liderança do Partido e prestar atenção em treinar sucessores para a causa da Revolução. Nós não devemos permitir que figuras do estilo Gorbachev roubem a liderança do Partido, do contrário isso levará a perdas irreparáveis a causa do socialismo.

Por Zhou Xincheng

 

Traduzido por G. Martinez

 

 

Nota dos editores: nem todas as posições expressas neste texto condizem necessariamente e/ou integralmente com a linha política de nosso site ou da União Reconstrução Comunista.

 

Please reload

Leia também...

"Entrevista de Stalin a Roy Howard"

12/12/2019

"A trabalhadora na Rússia Soviética"

11/12/2019

"Se querem a paz, vocês têm que lutar por ela"

10/12/2019

O Socialismo Científico de Marx e Engels e o combate às ideias antiproletárias

09/12/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube