Krupskaia: "As Lições de Outubro"

17/05/2019

 

Dois anos atrás, Vladimir I. Lenin, falando em uma reunião plenária dos Soviets de Moscou, disse que agora nós estamos traçando o caminho do trabalho prático, que já não estamos tratando o Socialismo como meramente um ícone para ser descrito em cores brilhantes. “Devemos tomar o caminho certo,” ele disse, “é necessário submeter tudo a prova; as massas e toda a população devem testar nossos métodos, e dizer: ‘Sim, esta ordem das coisas é melhor do que a anterior.” Esta é a tarefa que nos propusemos.

 

Nosso Partido, um pequeno grupo em comparação ao total da população, assumiu essa tarefa. Este pequeno grupo se comprometeu a mudar tudo, e fez mudar tudo. Mostrou que isto não é uma utopia, mas uma realidade em que vivemos, que foi demonstrada. Todos nós vimos o que já foi feito. Tínhamos que fazê-lo de tal forma que a grande maioria dos trabalhadores proletários e camponeses tivessem que admitir: “Não são vocês que louvam a si mesmos, mas nós que os louvamos. Nós quem dizemos que vocês alcançaram resultados tão melhores que jamais um ser humano razoável pensaria em retornar à velha ordem.”

 

O Partido trabalha continua e incansavelmente. Em 1924 o fato do recrutamento proposto por Lenin nos mostrou que as massas trabalhadoras consideram o Partido Comunista como seu Partido. Esse é um ponto importante. Esta é uma conquista real e permanente, e não merece elogios pequenos. Pelo nosso país já somos louvados por muitas coisas, embora isto seja insuficiente. Nosso Partido dedica muita atenção ao campesinato, e não apenas a ele, mas também aos estratos mais pobres e médios da sociedade. O Partido está trabalhando para a melhoria dos aparatos subordinados aos Soviets; ele ajuda os núcleos locais (villagenuclei) em seu trabalho, e esperamos alcançar muito mais. O Partido realiza uma grande quantidade de trabalho prático de todo o tipo, compreendendo um enorme campo de atividades, e dirige o decurso da história ao longo da estrada apontada por Lenin.

 

O Partido se dedicou seriamente para a realização de trabalhos práticos. Sob nossas condições esta é uma tarefa extremamente difícil, e por isso o Partido é tão adverso a certas discussões. Por esta razão, o discurso do camarada Trotsky sobre a última barricada pareceu tão estranho ao Décimo Terceiro Congresso do Partido. E, por isso, grande indignação foi despertada pelos mais recentes esforços “literários” do camarada Trotsky.

 

Não sei se o camarada Trotsky realmente cometeu todos os pecados mortais de que é acusado – os exageros e controvérsias são inevitáveis. O camarada Trotsky não precisa se queixar disso. Ele não nasceu ontem e sabe que um artigo escrito no tom de “Lições de Outubro” é obrigado a tratar no mesmo tom a controvérsia que se seguiu. Mas esta não é a questão. A questão é que o camarada Trotsky convida-nos a estudar as “Lições de Outubro”, mas não estabelece as linhas corretas para este estudo. Ele propõe que estudemos o papel desempenhado por esta ou aquela pessoa em Outubro, o papel desempenhado por esta ou aquela tendência no Comitê Central, etc. Mas é isto que não devemos estudar.

A primeira coisa que devemos estudar é a situação internacional que existia em Outubro, e as relações da luta de classes na Rússia naquele período.

 

O camarada Trotsky nos convida a estudar isso? Não. E, no entanto, a vitória teria sido impossível sem uma profunda análise do momento histórico, sem um cálculo das relações reais de forças. A aplicação da dialética revolucionária do marxismo às condições concretas de um dado momento, não apenas do ponto de vista do país em questão, mas em escala internacional, é a contribuição mais importante do leninismo. A experiência internacional da última década é a melhor confirmação da justeza do processo leninista. Isto é o que devemos ensinar aos Partidos Comunistas de todos os países, e é isso que a nossa juventude deve aprender com o estudo de Outubro.

 

Mas o camarada Trotsky negligencia esta questão. Quando fala da Bulgária ou da Alemanha, ele se ocupa pouco com as estimativas corretas sobre o momento. Se considerarmos os acontecimentos por meio dos espetáculos do camarada Trotsky, parecem extremamente simples os seus rumos. A análise Marxista nunca foi o ponto forte do camarada Trotsky. 

 

Esta é a razão pela qual ele subestima tanto o papel desempenhado pelo campesinato. Muito já foi dito sobre isso.

 

Nós devemos estudar mais o Partido durante Outubro. Trotsky diz muito sobre o Partido, mas para ele o partido são os comandos dos líderes, as cabeças. Mas aqueles que realmente desejam estudar Outubro, devem estudar o Partido como ele era em Outubro. O Partido era um organismo vivo, em que o Comitê Central (“o comando”) não foi cortado dele, em que os membros das organizações de base do Partido estavam em contato diário com os membros do Comitê Central. Os camaradas Sverdlov e Stalin sabiam perfeitamente o que se passava em todos os distritos de Petrogrado, em cada província, e no exército. E Lenin sabia tudo isso também, embora vivesse ilegalmente. Ele foi mantido bem informado e recebeu cartas sobre tudo o que ocorreu na vida da organização. E Lenin não só sabia escutar, mas também sabia ler nas entrelinhas. A vitória foi possibilitada precisamente pelo fato de que houve um contato próximo entre o Comitê Central e as organizações das massas.

 

Um partido cujo estrato superior perdeu os contatos com suas organizações nunca poderia ter sido vitorioso. Todos os Partidos Comunistas devem aceitar esta verdade e se organizar de acordo com ela.

 

Onde o Partido está tão organizado, onde o comando realmente sabe o desejo das suas organizações - e não apenas por resoluções - e trabalha em harmonia com este desejo, as vacilações ou erros individuais de membros do comando não possuem a importância decisiva que lhes são atribuídas pelo camarada Trotsky. Quando a história confronta o Partido com uma emergência absolutamente nova e até agora sem precedentes, é absolutamente natural que a situação não seja apreciada da mesma forma por todos, e é então que cabe às organizações encontrarem uma linha comum que seja correta.

 

Lenin invariavelmente dava enorme importância para as diversas organizações coletivas do Partido. Suas relações com o Congresso do Partido se baseavam nisto. A cada Congresso ele havia avançado em tudo que havia pensado desde o último Congresso. Ele se considerava o principal responsável pelo Congresso, por sua organização como um todo. Em casos de opiniões divergentes, ele apelou ao Congresso do Partido (por exemplo, na questão da paz de Brest).

 

Trotsky não reconhece o papel desempenhado pelo Partido como um todo, como organizações centralizadas em um ponto. Para ele o Partido é sinônimo de direção. Tomemos um exemplo: ''O que é a bolchevização do Partido Comunista'' - ele pergunta em suas ''Lições de Outubro''. Consiste em educar os partidários e então escolher os seus líderes, para que eles não percam o controle quando seus outubros vierem.

 

Este é um ponto de vista puramente ''administrativo'' e completamente superficial. Sim, a individualidade dos líderes é uma coisa importante. Sim, é necessário que os mais habilidosos, os melhores, os mais firmes elementos dentre os nossos sejam selecionados para o nosso comando: mas não se trata meramente de uma questão de suas capacidades pessoais, mas sim sobre o quanto este comando está intimamente ligado à toda a organização.

 

Há um outro fator pelo qual foi possível a vitória em Outubro, e este é o correto valor que deve ser dado ao papel desempenhado pelas massas. Se você ler tudo que Lenin escrevera sobre o papel desempenhado pelas massas na revolução e no desenvolvimento do socialismo, você verá o valor que ele atribuía à isto é uma das pedras angulares do leninismo. Para Lenin as massas nunca são um recurso, mas um fator decisivo. Se o Partido deve dirigir milhões, deve estar em íntimo contato com estes milhões, deve ser capaz de compreender a vida, tristezas e as aspirações destas massas. Bela Kun relata que quando começou a conversar com Lenin sobre uma guerra revolucionária contra a Alemanha, Lenin replicou: ''Eu sei que você não é apenas um tagarela, então, faça uma visita ao front amanhã e veja se os soldados estão prontos para uma guerra revolucionária.'' Bela Kun fez a visita e viu que Lenin tinha a razão.

 

Nós não vemos apelo ao estudo deste lado da revolução de outubro nas ''Lições de Outubro''. Pelo contrário. Ao formular sua estimativa dos acontecimentos germânicos, o camarada Trotsky subestima a passividade das massas.

 

Um certo Syrkin colocou uma interpretação bastante tola do livro de John Reed. Muitas pessoas são da opinião de que não se deve colocar este livro nas mãos dos mais jovens, por conter imprecisões e lendas. A história do Partido não deve ser aprendida pelo livro de Reed. Por que então Lenin recomendou este livro tão enfaticamente? Porque no caso deste livro esta não é a questão principal. Este livro nos dá uma descrição excelente, artística dos sentimentos gerais e da psicologia das massas de soldados e trabalhadores que realizaram a revolução de outubro. E da falta de jeito da burguesia e seus serviçais. John Reed permite que mesmo o mais jovem comunista tenha uma compreensão do espírito da revolução muito mais rapidamente que uma dúzia de protocolos e resoluções. É insuficiente para nossa juventude conhecer apenas a história do Partido. É de igual importância que eles sintam o pulsar da revolução de outubro. Como nossa juventude pode se formar comunista se não souberem nada além das condições do Partido naquele estreito momento, e não sentirem o que a guerra e a revolução foram de fato?

 

O camarada Trotsky aborda o estudo de Outubro do ponto de vista incorreto. A avaliação incorreta de Outubro é apenas a um passo de uma avaliação incorreta da atualidade, e de uma série de fenômenos de imensa significância. Uma avaliação incorreta da atualidade leva a ações e decisões incorretas. Qualquer um compreende isto. O que aconteceu não pode ser desfeito. Desde que as ''Lições de Outubro'' viram a luz do dia, devem ser amplamente discutidas na imprensa e nas organizações do Partido. Isto deve ser feito de forma acessível para todos os membros do Partido.

 

Nosso Partido recentemente cresceu enormemente em números. Amplas massas de trabalhadores estão se filiando, e estes trabalhadores estão insuficientemente esclarecidos das questões levantadas pelo camarada Trotsky. Coisas perfeitamente claras para um velho bolchevique, que lutou determinadamente pela linha leninista, não estão igualmente esclarecidas para um membro mais jovem. Um leninista deve aprender, acima de tudo, a nunca dizer: ''a discussão desta questão nos atrapalha em nosso aprendizado'', pelo contrário, a discussão destas questões nos permitirão ter uma compreensão ainda mais profunda do leninismo.

 

O camarada Trotsky dedicou todos os seus poderes na luta pelo Poder Soviético durante os anos decisivos da revolução. Ele sustentou heroicamente sua difícil e responsável posição. Ele trabalhou com energia exemplar, realizou maravilhas para salvaguardar os interesses da revolução. O Partido jamais se esquecerá disto.

 

Mas as conquistas de outubro ainda não estão completamente asseguradas. Nós devemos continuar trabalhando determinadamente por sua consumação. E neste ponto seria perigoso e mesmo desastroso desviar do caminho historicamente testado do leninismo. E quando um camarada como Trotsky trilha, mesmo que inconscientemente, o caminho da revisão do leninismo, então o Partido deve pronunciar-se.

 

 

por Nadezhda K. Krupskaia, em maio de 1925

Do livro “Os Erros do Trotskismo”

 

Traduzido por Guilherme Nogueira

Please reload

Leia também...

"Entrevista de Stalin a Roy Howard"

12/12/2019

"A trabalhadora na Rússia Soviética"

11/12/2019

"Se querem a paz, vocês têm que lutar por ela"

10/12/2019

O Socialismo Científico de Marx e Engels e o combate às ideias antiproletárias

09/12/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube