Krupskaia: "O que o professor deve dominar para ser um bom educador soviético"

23/04/2019

 

A melhoria da qualidade de ensino escolar exige que o professor domine a arte de ensinar. O que é preciso para isso? A Seção Escolar da Comissão Científica Estatal trabalhou sobre esta questão e tirou conclusões apropriadas. Este artigo apresentará estas conclusões.

 

O professor, antes de tudo, deve conhecer sua matéria, a ciência que ele ensina e sua fundamentação. O professor deve entender a própria essência da ciência, seu estado atual, as principais etapas do seu desenvolvimento, a sua relação com outras ciências, com as relações sociais, entender seu peso específico na construção social, sua ligação com a vida, com a prática. Em uma palavra, ele deve dominar o fundamento dialético da ciência, o qual é o único que pode abrir completamente todos os traços específicos, toda a particularidade de uma dada ciência. A base da ciência pode ser entendida escolasticamente, idealisticamente. Mas o professor soviético deve compreender sua dialética.

 

O conhecimento dos fundamentos dialéticos da ciência ensinada pelo professor é uma condição necessária, mas está longe de ser suficiente. Outra condição é a capacidade de transmitir seus conhecimentos aos outros, a capacidade de ensinar a matéria, o fenômeno, não de ensinar tudo, mas o mais essencial, o mais importante, utilizando todos os meios da técnica moderna.

 

Ele deve ser capaz de explicar o fenômeno, compreender além disso o seu caráter concreto, saber conduzir do particular ao geral, possuir um método de análise e síntese, deve ser capaz de demonstrar para o estudante a exatidão das suas afirmações. Ele deve ajudar o estudante a assimilar, memorizar o material fornecido, ensinar a aplicar os conhecimentos em alavanca de desenvolvimento. Há uma enorme experiência em relação a isso, mas na maioria dos casos, ela tem um caráter puramente empírico. Apenas os últimos avanços da ciência, particularmente a psiconeurologia, dão a possibilidade de fundamentar de modo materialista os métodos de transferência de conhecimento.

 

E, finalmente, em terceiro lugar, o professor deve dominar uma pedagogia, isto é, o conhecimento das peculiaridades da idade, da percepção e do pensamento da criança, de suas condições de desenvolvimento em cada idade, o volume da experiência de vida das crianças modernas, a natureza e a profundidade desta experiência. Deste ponto de vista devem ser pensados os métodos de transmissão dos conhecimentos às crianças.

 

O professor de qualquer matéria deve ter conhecimento dos fundamentos da dialética da ciência ensinada por ele, dominar os métodos gerais de transmissão de conhecimentos, conhecer as especificidades etárias do pensamento da criança, o volume e a natureza da sua experiência de vida.

 

Mas cada matéria, cada campo do conhecimento tem suas próprias características, suas próprias dificuldades que são claramente refletidas na história de desenvolvimento desta área do conhecimento, no seu método predominante de conhecimento (por exemplo, nas ciências naturais o papel excepcional fica com a observação e a experiência; em matemática é com a lógica formal, etc.), na natureza da ligação da teoria com a prática (a ligação da teoria com a prática na matemática é de uma natureza, na literatura é de outra, e nas ciências naturais é de outra ainda, etc.). Graças a estas especificidades, cada matéria deve ser pensada do ponto de vista do seu ensino para crianças de diferentes idades, deve ser pensada em que sequência e como deve ser ensinada. Essa é a essência dos métodos particulares.

 

Precisamos estudar toda a experiência humana no campo do ensino – a experiência dos países que há muito tempo se tornaram líderes em termos do seu desenvolvimento cultural, em particular, devemos analisa-la, reelabora-la sob o nosso ponto de vista, em ligação com as nossas condições atuais. Nós temos uma experiência rica do Ocidente, dos Estados Unidos, e a experiência da Rússia pré-revolucionária. Ela deve ser profundamente estudada e reformulada. Deve ser estudado e analisado o grande trabalho criativo do magistério durante a existência do poder soviético em cada área de conhecimento.

 

Transmitir para os novos professores as técnicas de ensino também tem as suas próprias especificidades. Aqui é necessária uma apresentação popular, especificidade, ilustração com exemplos, é necessária uma correta colocação da prática.

 

O estudo dos fundamentos teóricos do processo de ensino, a observação desse processo em ação, a análise do observado e a avaliação sistemática da prática de ensino em cada matéria é outra tarefa que exige um enorme trabalho coletivo dos professores soviéticos.

 

 

Publicado no “Pela Educação Comunista”, nº 140, a 20 de junho de 1933

 

Por Nadezhda Krupskaia

Please reload

Leia também...

"Conversa entre J.V. Stalin e Mao Tsé-tung"

29/11/2019

"Carta da Komintern ao Comitê Central do PCB em 1933"

28/11/2019

Gramsci: "Legalidade"

27/11/2019

140 anos do camarada J.V. Stalin é celebrado na USP

27/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube