"Unir para derrotar as forças Hindu-fascistas usando todas as formas de luta!"

25/02/2019

 

Observar a Semana de Protesto entre 25 e 31 de janeiro de 2019 contra a ofensiva contra-revolucionária “Samadhan”! Realizar com sucesso o dia Bharat Bandh em 31 de dezembro de 2019! Unir para lutar e derrotar as forças Hindu-fascistas bramânicas usando todos os meios e formas de luta!

 

O governo Modi anunciou o lançamento do plano contrarrevolucionário “Samadhan” em uma reunião presidida pelo Ministro do Interior da União, Rajnath Singh, em 8 de maio do ano passado, na presença de ministros-chefes, altos burocratas, policiais, paramilitares e oficiais da inteligência dos estados “afetados pelos maoístas” no país. Este plano foi lançado na sequência de uma série de ações contra-ofensivas levadas a cabo pela EGPL (Exército Guerrilheiro Popular de Libertação) com a participação das massas, particularmente depois do ataque de Burkapal, em 24 de abril, no distrito de Sukma de Chhattisgarh naquele ano contra a Operação Caçada Verde (OCV).

 

Em agosto de 2009, o governo da UPA (United Progressive Alliance), liderado pelo Congresso, iniciou uma nova e mais agressiva campanha contra-revolucionária, sob a atual dispensa do governo do Aliança Democrática Nacional liderado pelo BJP (Bharatiya Janata Party). Seja o OCV fracassado ou o plano "Samadhan" em andamento, ambos são conduzidos pelas classes dominantes feudais-compradoras da Índia, sob a orientação dos imperialistas - particularmente do imperialismo dos EUA - com o objetivo de aniquilar completamente o movimento revolucionário no país. A OCV, que foi conduzida em três fases, falhou em duas diante da resistência conjunta dos exército de guerrilha, dos comitês revolucionários do povo, das organizações revolucionárias de massa e das massas revolucionárias lideradas pelo PCI (Partido Comunista da Índia), com o suporte das forças democráticas do país e da solidariedade das forças internacionais proletárias, democráticas e do povo. O fracasso da OCV é uma grande vitória para a resistência unida do povo contra as classes dominantes reacionárias. Fracassando em erradicar o movimento maoísta através da OCV, mesmo após mais de 8 anos de uma guerra cruel sobre o povo, as forças Hindu-fascistas bramânicas, lideradas pela camarilha dirigente Modi-Shah-Bhagwat, promoveram a campanha “Samadhan”, de gênero fascista, pelos últimos 18 meses. Ela é conduzida não somente nas áreas rurais sob nossa Zona de Guerrilha e nas Áreas de Resistência Vermelha, mas também nas áreas urbanas sob a roupagem de aniquilação de “Naxals Urbanos”. Enquanto a OCV foi uma guerra não-declarada sobre o povo, “Samadhan” é uma guerra declarada não apenas contra o movimento revolucionário maoísta, mas também contra todos os movimentos democráticos, progressistas e patrióticos, organizações e indivíduos que representam o povo explorado e oprimido do país.

 

A ofensiva “Samadhan” é uma continuação das campanhas e operações que foram lançadas pelas classes dominantes da Índia sobre o movimento revolucionário do país; são a Operação Manthan em 1980, Jan Jagran Abhiyan 1 (1991-92) e 2 (1997-98), Salwa Judum (2005-2009), Sendra, etc. O campo revolucionário também confrontou e derrotou gangues terroristas patrocinadas pelo Estado como Ranveer Sena, Shanti Committee, Harmad Bahini, Bhairab Bahini, TPC, JPC, PLFI, etc. no curso de sustentar e fazer avançar o movimento revolucionário. Entre as operações contrarrevolucionárias passadas, a OCV e a “Samadhan” são campanhas de longo prazo que contam com a participação direta do Estado, enquanto outras foram operações de curto prazo e patrocinadas pelo mesmo, nas quais elementos da classe dominante como as forças feudais, reacionárias, aristocráticas, etc. foram mantidas na vanguarda. Se nós olharmos para a história destas campanhas contrarrevolucionárias, fica evidente que sua duração tem se prolongado e o método de suas execuções têm se tornado mais agressivo, cruel e fascista.

 

O último ano e meio da ofensiva "Samadhan" mostrou que é a mais abrangente, mais cruel e mais agressiva de todas as campanhas que visam eliminar os movimentos maoístas e de todos os militantes até o ano de 2022. Dentro da rúbrica geral de "Samadhan", os governos central e estadual estão conduzindo operações de contra-guerrilha fascista como "Prahar'-1, 2, 3 e 4”, "Operation Monsoon", etc., visando destruir as forças revolucionárias. Como parte de "Samadhan", as forças do governo mercenário estão cometendo genocídios através de massacres como Kalleda, Pujari Kanker, Aipeta, Kasanur-Tumirgunda, Timmem, Nulkatong, até os recentes assassinatos de Sakiler. Todos os tipos de ataques fascistas, inclusive falsos encontros, prisões em larga escala, detenções forçadas, demolição de casas, entupros em massa, destruição e pilhagem da propriedade do povo são realizadas de forma agressiva. Com isso, eles estão espalhando um reinado de terror branco em grandes áreas do país onde os movimentos maoísta e de outros militantes estão ativos. Para ajudar na campanha, o governo está reforçando o desenvolvimento de suas forças armadas, inclusive a força aérea para operações anti-maoístas, melhorando armas e outros equipamentos de guerra para suas forças, usando tecnologias de última geração de comunicação e vigilância, reunindo sua inteligência, produzindo propaganda contrarrevolucionária, etc. em função de cumprir os objetivos de “Samadhan” nos próximos 4-5 anos. Junto com a repressão armada nas áreas rurais, está lançando uma ofensiva visando as forças revolucionárias e democráticas nas áreas urbanas em nome da coibição de “Naxals Urbanos”, e já prendeu ou sentenciou vários ativistas sociais conhecidos, intelectuais públicos, acadêmicos, advogados, jornalistas, estudantes e outros que criticam a guerra do governo contra o povo. Mesmo lutas legais, desarmadas e pacíficas das massas, como a luta dos camponeses, Patthalgadi, lutas anti-despejo movimentos anti-mineração, lutas pela implementação da Quinta Agenda, etc., não são toleradas e são perseguidas pelo poder armado do Estado.

 

Temos de localizar a mais recente ofensiva da classe dominante sobre os movimentos populares em nome de “Samadhan” como parte integrante do ataque Hindu-fascista bramânico a todas as classes, seções e pessoas do país e em cumprimento da agenda Hindutva, que pretende transformar o país em uma “Rashtra Hindu” até 2022 sob o símbolo da “Nova Índia”. A fascistização do Estado e da sociedade é o método que as classes dominantes indianas, apoiadas pelos imperialistas, escolheram para superar as graves crises econômicas e políticas que as afligem, bem como o sistema mundial capitalista atual.

 

As classes dominantes por todo o mundo estão recorrendo ao fascismo e dependendo das forças fascistas para esmagar a crescente insatisfação e resistência entre as massas contra suas políticas anti-povo. As forças regressivas de Hindutva, lideradas pela camarilha dominante Modi-Shah-Bhagawat, que governam o país também fazem parte disso. Para desviar a atenção das massas dos problemas reais e urgentes enfrentados pela vasta maioria das pessoas como pobreza, fome, desemprego, falta de instalações e itens básicos como medicamentos, educação, água potável e irrigação, abrigo, aumento vertiginoso dos preços, crise agrária, atrocidades sobre dalits, adivasis, muçulmanos e mulheres, etc., essas forças estão trazendo à tona questões irrelevantes e contenciosas como o templo dos Ram, o triplo talaq, etc. Eles apresentam os muçulmanos, “terroristas islâmicos”, maoístas, paquistaneses, entre outros como ameaças ao país. Atingindo o ultranacionalismo raivoso, o pseudo-patriotismo, a beligerância e a paixão comunal, os “saffron-terror” [1] estão tentando garantir seu domínio sobre o poder do Estado e esmagar todas as formas de oposição, incluindo a oposição parlamentar. Assim, eles estão tentando consolidar e fortalecer ainda mais a ditadura das classes dominantes e imperialistas sobre o país e seu povo.

 

É a exigência de nosso tempo que todos as forças revolucionárias, democráticas, seculares, progressistas e patrióticas do país, e todas as seções das massas oprimidas devam se reunir hoje para enfrentar diretamente o desafio colocado pelas forças hindu-fascistas bramânicas e seus governos. Devemos nos unir e lutar resolutamente contra a ofensiva de Hindutva ideológica, política, militar e culturalmente e em todas as formas, incluindo "Samadhan" e "Nova Índia"! Devemos resistir e derrotar os fascistas em todas as frentes, intensificando as lutas populares anti-imperialistas, anti-feudais e anti-fascistas por todo o país. É com este objetivo que nosso Partido está a apelar a todo o campo revolucionário-democrático e as vastas massas do país a observar, com sucesso, uma semana de protesto contra a ofensiva “Samadhan” das classes dominantes e da camarilha dominante Hindutva entre os dias 25 e 31 de janeiro de 2019, e observar Bharat Bandh em 31 de janeiro de 2019.


Convocamos os membros do Partido, o EGPL, as organizações revolucionárias de massa e os órgãos do poder democrático do povo a adotarem vários programas envolvendo as massas, para obter sucesso na Semana do Protesto e no decorrer do dia em Bandh. Vamos nos unir para resistir resolutamente e esmagar o ataque "Samadhan", assim como o povo unido já o fez com Jan Jagaran, Salwa Judum, Sendra, OCV e outras ofensivas da classe dominante fascista no passado!

 

20 de fevereiro de 2019

 

Abhaya, Porta-voz do Comitê Central do Partido Comunista da Índia (Maoísta)

 

Nota

[1] Saffron-terror (ou, em português, “terroristas do açafrão”) é um neologismo usado para descrever atos de violência motivados pelos Hindu-nacionalistas.

 

Please reload

Leia também...

Avançam as lutas do proletariado e do povo do Uruguai contra a crise a repressão

05/08/2020

Lenin: "A Chantagem Política"

05/08/2020

Choro: As Bandas Militares e Anacleto de Medeiros

04/08/2020

Engels: "Bruno Bauer e o Início do Cristianismo"

04/08/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube