"Coreia Popular e a luta contra o Apartheid"

19/02/2019

 

A amizade entre as massas populares da Coreia e vários outros países oprimidos foi moldada e levada a cabo conjuntamente através de sua luta comum contra o Imperialismo e o objetivo da construção do socialismo. Eles também partilham uma história comum em torno da dominação colonial opressora. Assim como o povo coreano lutou contra seus opressores do Japão Imperial, por exemplo, o povo zimbabuano também lutou contra o Estado colonial da Rodésia, anteriormente a colônia britânica conhecida como Rodésia do Sul. Assim como em muitos países africanos, o Exército Popular da Coreia combateu junto de combatentes anticoloniais e fornecia treinamento para o braço armado da União Nacional Africana Zimbabuana (ZANU) - o Exército de Libertação Nacional do Zimbábue (ZANLA). O ZANU (que se fundiu com a União do Povo Africano do Zimbábue em 1987 e formaram o ZANU-PF) era demonizado por racistas como Margaret Thatcher e David Cameron, pela mesma razão que Nelson Mandela e o Congresso Nacional Africano eram demonizados pelas mesmas pessoas. O que os racistas temiam eram Estados Africanos democráticos, governados pelos seus povos originários e a abolição dos regimes de apartheid que governavam. Quando os imperialistas apoiaram os regimes de apartheid da África do Sul, da Sudoeste Africano (hoje Namíbia) e da Rodésia (atual Zimbábue), as forças progressistas ficaram ao lado do povo combatente. O Presidente Kim Il Sung, que muitos povos combatentes do Terceiro Mundo reconheceram como um campeão do socialismo e da libertação nacional, abriu seus braços para aqueles que precisavam de sua ajuda. A República Popular Democrática da Coreia (RPDC) pode ser um país pequeno, mas a Coreia do Presidente Kim Il Sung sempre esteve aberta àqueles que precisavam de apoio. Na época que os povos que sofriam sob os regimes de apartheid derrotaram os governos racistas, não houve um único movimento de libertação nacional vitorioso que não obteve o apoio da RPDC.

 

O apoio da RPDC começou já nos anos 60, quando as guerras de libertação nacional começaram. Muitos combatentes de diferentes exércitos de libertação nacional viajaram para a RPDC para receber treinamento pelo Exército Popular da Coreia, e através das guerras, gozaram de apoio ilimitado em diferentes campos por parte dos camaradas da RPDC. Por outro lado, as potências imperialistas como os Estados Unidos, Inglaterra e claro, o Estado apartheid de Israel, apoiaram os regimes racistas. Desde a libertação e a derrota do apartheid, a amizade entre a RPDC e os países africanos que sofreram sob o apartheid cresceu até mais profundamente. Sam Nujoma, o primeiro Presidente da Namíbia, bem como seus sucessores, se beneficiaram de grandes relações com a RPDC. O Camarada Kim Yong Nam, Presidente do Presidium da Assembleia Popular Suprema, visitou a Namíbia em 2008 e assinou vários acordos para fortalecer a cooperação bilateral em campos como mercado, comércio, transporte, energia e defesa. O Presidente Sam Nujoma recebeu a Ordem da Bandeira Nacional (Primeira Classe) e o Prêmio Internacional Kim Il Sung. A Ordem da Bandeira Nacional é dada apenas a amigos de longa data da RPDC, e o prêmio Internacional Kim Il Sung é dado apenas àqueles que contribuiram no estudo e na disseminação da Ideia Juche.

 

Desde a derrota dos regimes de apartheid, os perversos imperialistas tentaram dar a sua represália através de grupos satélite. Assim como organizaram se esgueirar de volta para a África do Sul e de maneira vingativa trouxeram de volta o apartheid na prática, os imperialistas e reacionários também tentaram por muito tempo trazer de volta o apartheid no Zimbábue. Desde a derrota das forças coloniais, os EUA e a Grã-Bretanha vêm estado em ditas “negociações” com o governo do Zimbábue para compensar o povo pela terra que foi roubada violentamente. Como os imperialistas não estavam interessados em fornecer qualquer compensação, o governo do Zimbábue decidiu introduzir a reforma agrária, onde a terra foi redistribuída para o povo e trabalhadores agrícolas. A reforma agrária foi introduzida nos anos 2000 - duas décadas após a libertação. Assim como a RPDC, o Zimbábue também é alvo de sanções e ameaças militares pelos imperialistas. O belicista Tony Blair que de todo coração apoiou a invasão dos EUA ao Iraque também estava considerando invadir o Zimbábue a fim de derrubar o governo revolucionário do ZANU-PF e o Presidente Robert Mugabe. Dado que uma intervenção militar estava descartada, os EUA e a Inglaterra usaram a criatividade para derrubar o governo popular do Zimbábue na forma do dito “Movimento por Mudança Democrática” (MDC), O MDC, cujo objetivo era se retratar como uma fundação social democrática, inclusiva, não-tribalista., logo foi exposto como o que realmente era - um grupo cujo objetivo era causar tensões étnicas e perdeu a confiança que tentaram construir com os sindicalistas e acadêmicos. Agora não é nada sem o apoio financeiro que recebe dos imperialistas.

 

No início deste ano, o governo da Namíbia confirmou que a empresa estatal de construção da RPDC, a Mansudae Overseas Projects, construiu uma fábrica de armas e munição na capital da Namíbia de Windhoek que foi completada em 2005, e está em processo de executar outros contratos pela construção da primeira academia militar do país, quartéis militares e uma nova sede para o Ministério da Defesa. Os Estados Unidos vêm tentado arduamente pressionar o governo da Namíbia para serem severos nos laços com a RPDC, mas como o Primeiro-Ministro da Namíbia, Netumbo Nandi-Ndaitwah disse: a RPDC e a Namíbia possuem uma longa história de cooperação militar, que data desde a luta por independência.

 

Não importa o quanto os imperialistas tentem chantagear e ameaçar a Namíbia a terminar a sua amizade de longa data com a RPDC, eles não conseguirão. Talvez fosse diferente se os EUA tivessem mostrado que eram amigos dos lutadores anticoloniais e não amigos dos governos de apartheid que oprimiam o povo namibiano. Aqueles que sofreram sob o Imperialismo sabem muito bem que os EUA não são amigo deles.

 

Associação de Amizade com a Coreia - Irlanda

 

Tradução de Gabriel Duccini

 

 

Please reload

Leia também...

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

13/11/2019

Lenin: "Sobre os Sindicatos, o momento atual e os erros de Trotsky"

13/11/2019

URC: "Sobre o Golpe de Estado imperialista na Bolívia"

12/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube