"O caos e a desordem na Líbia"

12/12/2018

 

A mais de sete anos do martírio de coronel Kadafi, centenas de milhares de mortos, a estrutura economia demolida sem instituições políticas e a fragmentação absoluta de grupos armados criados para a "libertação" tão esperada Líbia tornou-se o exemplo mais claro as políticas imperiais dos Estados Unidos e do séquito obsequioso que mesmo com os riscos seguem suas ordens, compreender como séquito obsequioso a OTAN e os países com peso dentro das Nações Unidas, e neste momento a Rússia e a China, são tão culpados como o máximo partido desta situação, permitindo a resolução 1973 aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU, levaria à temporada de caça no país com os mais altos padrões de bem-estar em África e ainda maior do que muitos países europeus.

 

Agora para a Europa estabilizar a Líbia é fundamental como foi sua desestabilização, duas questões críticas para a sua própria segurança, evitar a anarquia da Líbia, voltar a ser estabelecidos grupos ligados à Daesh ou al-Qaeda, e resolver definitivamente a questão dos refugiados que continuam chegando aos portos da Líbia, onde estima-se que esperam entre 1,5 e 2 milhões, a sua vez de atravessar o Mediterrâneo.

 

Desde o trágico 20 de outubro de 2011, a situação da Líbia continua a degradar por mais maquiagem que tentem colocar na questão que se estende no tempo e aprofunda sua severidade. De um estado onipresente, o que poderia ser esmagador para alguns, passou um governo de gangues incontroláveis, que são oferecidos para o maior lance, que nunca sabem quem é responsável, ou quem pagam, além de ter uma ampla e diversificada de projetos de empreendimentos, que vão desde a recolha de taxas e portagens, contrabando, tráfico de drogas, o tráfico humano, a venda de escravos, sequestro e assim por diante.

 

Este xadrez caótico, à primeira vista, surge dois grandes jogadores, por um lado, o Acordo Nacional (GNA) imposta pelas Nações Unidas desde 2016, com sede em Tripoli, chefiada por Fayez al-Sarraj a apoiar três khatibas (milícias), que costumam ter confrontos entre si e controlam apenas a antiga capital e seus arredores, com muitos de seus militantes ligados à Al-Qaeda e Daesh. São frequentes surtos de violência entre eles, como em agosto passado a khatiba, conhecida como a 7ª Brigada, que atua no sudeste da capital e serve o governo de al-Sarraj, tentou penetrar dentro Tripoli e foi repelido por as milícias que operam dentro da cidade, que também apoiam al-Sarraj. O incidente causou centenas de mortes e milhares de pessoas deslocadas, após um mês de combates. O GNA conta com o apoio internacional dos Estados Unidos, Reino Unido, Itália, Turquia e Emirados Árabes Unidos (EAU) entre outras nações.

 

Enquanto o outro jogador é Khalifa peso Haftar, rejeitado por Gadaffi depois de seu fracasso na guerra episódica contra o Chade (1978-1987) e seus vínculos com a CIA. Haftar viveu 25 anos em Langley, a poucos quilômetros da sede da empresa. O megalomaníaco doente promovido a "quarterback", controla a força mais poderosa no espectro da Líbia: o Exército Nacional Líbio (LNA), composto por cerca de 75 mil homens com base na cidade de Tobruk, com uma presença significativa no sul do país, que além do forte apoio do Egito, é assistido pelo Catar, a França e tem o assentimento russo. O LNA é composto por ex-oficiais do exército líbio, milicianos, combatentes de algumas tribos do sul e grupos religiosos não-fundamentalistas.

 

Mas esses dois blocos são amalgamados entre um mar de bandos armados e tribos que não encontraram um lado que lhes dê a segurança de que necessitam. Dezenas de organizações autónomas e atomizados são fáceis para qualquer um dos dois grandes blocos, mesmo se estavam a ignorar as diferenças e se unir para combatê-las, também exigiria o compromisso de muitos jogadores estrangeiros que têm interesses concorrentes, como a Turquia e Egito, Emirados Árabes Reino e Catar, Itália e França até os próprios Estados Unidos e Rússia.

 

Desse complexo de interesses geoestratégicos e econômicos cruzados essencialmente em petróleo e água, é que os senhores da guerra menores aproveitam e continuam fazendo seu jogo, abaixo dos grandes radares de controle internacional, montados entre o que pode ser um bando de organizações criminosas e terroristas, o que os torna jogadores inevitáveis ​​no leque líbio.

 

Sete anos e meses da morte do "ditador" as forças democráticas não conseguiram ajudá-lo cidadãos problemas inexistentes até fevereiro de 2011 escassez de hoje da gasolina, eletricidade, água e dinheiro é um assunto de todos os dias, mesmo que o país tenha campos petrolíferos monumentais, a terceira maior fonte de água doce do mundo e uma reserva em dólares e outras moedas, levada pelos bancos britânicos e norte-americanos, onde foram depositados em tempos de Gadaffi, superior a 150 bilhões de dólares. Hoje a realidade é diferente, no meio da "crise do pão" a unidade custa um dinar, no tempo do "tirano" com um dinar, eram compradas 40 unidades.

 

Enquanto a Itália e a França apoiam oficialmente Trípoli, entre Roma e Paris, um conflito eclodiu em torno da data das eleições gerais da Líbia, marcadas para 10 de dezembro, uma moção apoiada pelo Eliseo, além de o absurdo da tentativa, dadas as condições políticas e sociais do país, finalmente ganhou a posição italiana que buscou adiá-las até o final de 2019. A disputa entre os dois países europeus teria de referenciá-los aos interesses concorrentes mais tempo ou não para as posições de seus referentes políticos no país Trípoli para a Itália e Tobruk para a França.

 

A ENI, principal empresa italiana de hidrocarbonetos, com investimentos de longo prazo comprometidos com Trípoli, disputa com os interesses energéticos da empresa francesa TOTAL, na Cirenaica. Enquanto a França obtem a maior parte de sua energia a partir de usinas nucleares, usando o urânio extraído principalmente das minas de Arlit, no Níger, operado pela Areva francesa. Dado o elevado nível de conflito que adquiriu toda a região do Sahel, a presença significativa de grupos ligados à Al-Qaeda e Daesh e a aliança com Haftar, que conseguiu derrotar o Daesh na Líbia, é considerado uma prioridade pelos franceses.

 

O amigo egípcio

O presidente egípcio, Abdel Fattah el-Sisi, em agosto de 2016, ordenou a criação de uma "comissão de assuntos da Líbia", liderado pelo marechal Mahmoud Hijazi, chefe do Estado Maior das Forças Armadas, não só para mediar a nível político na Líbia, mas fundamentalmente realizar a unificação das forças armadas e pode enfrentar a forte presença do terrorismo Wahhabi que ainda está na Líbia e que muitas oportunidades para cruzar a fronteira longa e descontrolada com o Egito, 1115 km atravessando o deserto líbio , para produzir ataques e ataques naquele território, atacando policiais e militares egípcios. O mais importante foi que aconteceu em 19 de outubro de 2017, quando terroristas, possivelmente veteranos mujahideen das guerras na Síria e no Iraque, que matou mais de 50 policiais na estrada deserto oriental de Giza.

 

O Egito tem seus próprios problemas com o terrorismo wahhabi, com quem por anos tem sustentado uma guerra incontrolável às vezes. Ele está tendo sofrido vários ataques no Cairo e em outras partes do país, principalmente na Península do Sinai, onde o grupo de imposto Daesh, Wilāyat Sinai opera.

 

Então para al-Sisi [e necessário garantir que seus vizinhos não aportassem mais problemas para uma situação já crítica, o que só nos últimos anos têm provocado mais de mil mortos.

 

O Presidente al-Sisi, lançou no início deste ano a operação "Sinai 2018" centrada na península, mas também com muitas tropas estacionadas na fronteira com a Líbia.

 

A aliança al-Sisi-Haftar é um abraço desesperado dos dois líderes militares para combater a influência do terrorismo em ambos os lados da fronteira. Cairo tem também procurado incentivar as conversações entre a Khalifa Hafter e Fayez al-Sarraj do último 23 de outubro, o último fracasso de cúpula.

 

O Egito ajudou Haftar, um aliado de janeiro de 2014, a lançar uma campanha não só contra os terroristas wahabitas, mas também contra as milícias em Benghazi, cidade que Hafter estava sob cerco de três anos e não poderia ter conquistado em 2017, sem a ajuda do Egito, que forneceu fundos, armas e até mesmo soldados, violando o embargo da ONU, submetido a Líbia, em relação à compra de armas.

 

O General al-Sisi antecipa, assim, ao impulso que wahabismo terá novamente em quase todo o Magrebe, com o reposicionamento dos partidos ligados à Irmandade Muçulmana em Marrocos, Tunísia e Argélia. A Irmandade Muçulmana é a mesma organização que foi retirada do poder no Egito em 2013 e certamente não perdoará al-Sisi, se aumentar a sua presença na Líbia, mais uma adição ao caos líbio.

 

Por Guadi Calvo, da Linea Internacional

 

Please reload

Leia também...

"Como Mao Tsé-tung estudava e investigava"

21/11/2019

"Para você, amado camarada"

19/11/2019

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube