"As mulheres na época de Stalin"

10/12/2018

 

A mudança de status das mulheres tem sido uma das mais importantes transformações sociais em todas as regiões da URSS. A Revolução trouxe consigo uma plena igualdade legal e política para as mulheres: a industrialização forneceu a base econômica para a igualdade de remuneração.

 

Mesmo assim, em cada povoado e em cada aldeia as mulheres tiveram que lutar contra costumes centenários. Por exemplo, a notícia veio de uma aldeia na Sibéria em que, após as fazendas coletivas propiciarem a independência econômica para as mulheres, elas convocaram uma greve para protestar contra o abuso físico das mulheres e terminou com o hábito execrável consagrado em uma semana. “Todos os homens riram da primeira mulher que escolhemos para o nosso soviético rural”, me disse uma presidenta de uma aldeia, “mas na eleição seguinte, nós elegemos seis mulheres, e agora que nós que estamos rindo”. Conheci vinte dessas presidentes de aldeias em 1928, na Sibéria, a bordo de um trem destinado a um Congresso de Mulheres em Moscou. Para a maioria deles, essa foi a primeira viagem de trem, e apenas um fora da Sibéria. Elas foram convidadas para Moscou para aconselhar o governo sobre as demandas das mulheres. Seus respectivos distritos as escolheram como representantes.

 

A luta mais tenaz de todas para a libertação das mulheres ocorreu na Ásia Central. Aqui as mulheres eram propriedade vendida em casamento precoce, a partir do qual voltaram para nunca mais ser visto em público sem o “paranja”, um longo e horrível véu negro de tecidos de crina cobrindo todo o rosto tornando difícil a respiração e a visão. A tradição dava aos maridos o direito de matar suas esposas se removessem seus lenços de cabeça; os mulás – sacerdotes muçulmanos – apoiavam esse costume na religião. As mulheres russas trouxeram a primeira mensagem de liberdade: fundaram clínicas de cuidados infantis, onde mulheres nativas removiam seus véus na presença de outras pessoas.

 

Nestes lugares os direitos das mulheres e os males do véu foram discutidos. O Partido Comunista pressionou seus membros a permitir que suas mulheres tirassem os véus.

 

Quando visitei Tashkent pela primeira vez, em 1928, uma conferência de mulheres comunistas anunciou: “Em cidades atrasadas, nossas militantes estão sendo estupradas, torturadas e mortas. Mas este ano devemos acabar com o véu insidioso; este deve ser um ano histórico”.

 

Incidentes terríveis seguiram essa resolução. Uma estudante de uma escola em Tashkent dedicou suas férias para defender os direitos das mulheres em sua cidade natal. Seu corpo foi esquartejado e voltou para a escola em um carro com as seguintes palavras escritas: “Isso em troca de sua liberdade para as mulheres”.

 

Outra mulher rejeitara as atenções de um proprietário de terras e casara-se com um camponês comunista; uma gangue de 18 homens, incitada pelo dono da terra, estuprou-a em seu oitavo mês de gravidez e depois a assassinou e jogou seu corpo no rio. Muitos poemas foram escritos por mulheres para expressar sua luta. Quando Zulfia Khan, uma lutadora pela liberdade, foi queimada viva pelos mulás, as mulheres da sua aldeia escreveu este lamento: “Ó mulher, o mundo não vai esquecer a sua luta pela liberdade! Não pense que sua chama consumiu você! A chama em que você foi queimada é uma tocha em nossas mãos!”

 

A cidadela da opressão ortodoxa era Santa Bokhara. Neste lugar, uma dramática retirada coletiva de véus foi organizada. A notícia se espalhou de que algo espetacular iria acontecer no Dia Internacional da Mulher, em 8 de março. Reuniões massivas de mulheres foram realizadas em muitas partes da cidade naquele dia, e os palestrantes encorajaram todas as mulheres presentes a tirarem os véus ao mesmo tempo. As mulheres marcharam na plataforma, jogaram os véus na frente dos oradores e depois desfilaram pelas ruas. Os estandes foram instalados onde os líderes do governo cumprimentavam as mulheres. Outras mulheres se juntaram ao desfile de suas casas e jogaram seus véus sobre as arquibancadas. Este desfile rompeu a tradição do véu em Santa Bokhara. Muitas mulheres, é claro, colocam os véus novamente antes de confrontar seus maridos irados. Mas a partir daquele dia o véu foi visto cada vez menos. O poder soviético usou muitos meios para a libertação das mulheres. Educação, propaganda, legislação, tudo foi usado. Grandes julgamentos públicos foram realizados para julgar os maridos que assassinaram suas mulheres; a pressão da nova propaganda deu a razão aos juízes que aplicaram a pena de morte para punir os atos que o antigo costume não considerava criminosos.

 

O instrumento mais importante para libertar as mulheres foi, como na própria Rússia, a reindustrialização. Eu visitei uma nova fábrica de seda em Santa Bokhara. Seu diretor, um homem pálido e exausto que trabalhou incansavelmente na construção de uma nova indústria, me disse que não esperavam que a fábrica tivesse lucro por um longo tempo. “Estamos treinando as mulheres da aldeia para ser a nova equipe das futuras fábricas de seda do Turquestão. Nossa fábrica é a força aplicada conscientemente que quebrou o hábito de usar um véu nas mulheres; nós exigimos que as mulheres removam o véu dentro da fábrica”. Jovens trabalhadores têxteis escreveram canções sobre o novo sentido da sua vida, quando mudaram o véu pelo lenço russo: “Quando eu fiz o meu caminho para a fábrica, eu encontrei lá um novo lenço / um lenço vermelho, um lenço de seda / comprado com o trabalho de minhas próprias mãos! / O rugido da fábrica está em mim. Isso me dá ritmo. Isso me dá energia”.

 

Não podemos ler isto sem se lembrar, em contraste, a “canção da camisa” de Thomas Hood, que fala das condições das primeiras fábricas na Grã-Bretanha: “Com os dedos cansados ​​e machucados, com pesados, pálpebras vermelhas / A mulher se sentou, em trapos nada femininos, para segurar sua agulha e seu fio. O ponto, o ponto, o ponto, na pobreza, fome e miséria / E de qualquer maneira, com uma voz dolorosa de diapasão / Ela cantou a canção da camisa”.

 

Na Grã-Bretanha capitalista, a fábrica era um instrumento de exploração para o benefício privado de alguns. Na URSS, não foi apenas um meio para criar a riqueza coletiva, mas também um instrumento usado conscienciosamente para quebrar as algemas do passado.

 

Por Anna Louise Strong

 

Please reload

Leia também...

"Como Mao Tsé-tung estudava e investigava"

21/11/2019

"Para você, amado camarada"

19/11/2019

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube