"John Reed, escritor e soldado da Revolução"

09/12/2018

 

Em 1914, devido à guerra mundial, John Reed vai para a Europa como correspondente de vários jornais ianques. Esteve nos Balcãs e em vários teatros de operações e há material trazido por seu livro “A guerra na Europa Ocidental”, que é uma denúncia eloquente contra a guerra e o militarismo.

 

No mesmo ano, ele fez sua primeira viagem à Rússia, mas à chegada foi preso por dizer que as autoridades czaristas foram responsáveis ​​pela organização dos pogroms antissemitas. De volta aos EUA, começou a trabalhar no escritório editorial do jornal “The Liberator”. Um artigo seu intitulado “Prepare seu filho para a camisa de força”, fez com que o jornal fosse fechado e seus editores fossem presos. Mas John Reed conseguiu escapar e embarcar em um navio para a Rússia, onde pretendia acompanhar de perto o desenvolvimento da revolução de Kerensky.

 

Com a Revolução Russa passando diante de seus olhos, John Reed viu mais clara e precisamente de que lado estava a verdade e a justiça. Ele mesmo disse, no prefácio de “Dez dias que abalaram o mundo”, concluído no início de janeiro 1919: “Em vista dessa luta, eu não me mantive neutro, porque simpatizava com um partido. No entanto, quando escrevi a história dos acontecimentos, tentei ser apenas um repórter com consciência, comprometido com a verdade”. Este livro, em que Reed revela todo o seu amor à verdade e toda a sua simpatia à causa do proletariado, é ao mesmo tempo um grande documento histórico e uma grande obra literária.

 

Lenin, o brilhante guia da revolução proletária, não escondeu seu entusiasmo pelo trabalho de Reed. Ele disse: “depois de ler com grande interesse e atenção inalterável até ao fim, o livro de John Reed,” Dez dias que abalaram o mundo “, do fundo do meu coração eu recomendo para os trabalhadores de todos os países. Eu desejo que este livro foi distribuído milhões de cópias e traduzido para todas as línguas, oferecendo uma imagem precisa e extremamente útil de eventos tão grande importância tem que entender o que a revolução proletária, que é a ditadura do proletariado. Essas questões são hoje assunto de discussão geral; mas, antes de aceitar ou rejeitar as ideias que elas incorporam, é essencial entender o significado total da parte que está relacionada a elas. O livro de John Reed, sem dúvida, ajudará a esclarecer este problema fundamental do movimento operário universal”.

 

Com este livro, John Reed nos deu não apenas um documento verdadeiro, uma magnífica obra de arte, mas também um instrumento de luta pelo proletariado de todo o mundo.

 

Após a vitória do proletariado russo, Reed ocupou o cargo de Comissário do Povo de Relações Exteriores, sendo um dos responsáveis ​​pela propaganda nos países de língua inglesa. Erwin Kisch diz que nesse período “o escritor tornou-se um verdadeiro soldado da revolução, tanto assim que, após dissolução da Assembleia Constituinte por parte dos bolcheviques, quando um golpe dos socialistas revolucionários com o apoio de outras facções abertamente reacionárias era esperado, Reed, com o rifle no ombro, juntou-se ao guarda que protegia o prédio do Comissário de Relações Exteriores.

 

De volta aos EUA, ele foi à luta, por todos os meios, contra a intervenção militar na Rússia e contra o bloqueio econômico organizado pelos países capitalistas. Ele organizou comícios, deu palestras, tentando explicar ao povo americano o verdadeiro significado da Revolução Russa. Como resultado de suas atividades políticas, sofreu várias prisões e julgamentos durante este período, sendo condenado em um deles a cinco anos de trabalho forçado. Mas quando a sentença foi promulgada, Reed estava novamente na Rússia como delegado americano do Segundo Congresso da Internacional Comunista.

 

Incapaz de retornar ao seu país, o escritor vai trabalhar ativamente com seus camaradas russos. Ao retornar de um Congresso do Povo Oriental, realizado em Baku, John Reed é afetado por uma grande doença e morre alguns dias depois, em 17 de outubro de 1920, precisamente três anos após os gloriosos dias de outubro. Ele sabia como interpretar e descrever. Ele morreu aos 33 anos de idade, mas sua vida, tão abruptamente cortada, foi um exemplo de luta e combate pela causa da paz e do socialismo. John Reed costumava ser um grande escritor e um bravo soldado da revolução e é por isso que o seu corpo repousa hoje na Praça Vermelha, em Moscou, naquele lugar, onde, em suas próprias palavras, é “o santuário mais sagrado de toda a Rússia, porque os nossos melhores companheiros descansam nela”.

 

publicado na revista “Fundamentos”, nº30, Novembro de 1952.

 

Please reload

Leia também...

Stalin: "Lenin, organizador e chefe do Partido Comunista da Rússia"

06/08/2020

Avançam as lutas do proletariado e do povo do Uruguai contra a crise a repressão

05/08/2020

Lenin: "A Chantagem Política"

05/08/2020

Choro: As Bandas Militares e Anacleto de Medeiros

04/08/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube