"Ucrânia: O caos engole nosso país"

21/11/2018

 
Com as eleições parlamentares e presidenciais que se aproximam em 2019, a Ucrânia está mergulhando fundo no caos auto-infligido, enquanto a junta de Kiev continua a culpar a Rússia por todos os seus problemas.

Mostrado como muito distante nas principais pesquisas de opinião em relação à ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko nas eleições presidenciais, o atual presidente Petro Poroshenko recorreu a pesquisas pagas que resultaram em números mais aceitáveis, enquanto empilha a Comissão Eleitoral Central com seu próprio povo. Especula-se que seu objetivo ao preparar as pesquisas de opinião é limitar a projeção de Tymoshenko para que tenha mais chances do público aceitar uma vitória de Poroshenko nas eleições. Uma fonte de notícias ucraniana, UIA (Agência de Informação Unian), relata que um analista da Concorde Capital, Zenon Zawada, “argumenta que é crucial para Poroshenko tirar a liderança de Tymoshenko como principal rival no que será um quase inevitável segundo turno para a eleição presidencial.. "Dessa forma, se Tymoshenko alegar fraude, Poroshenko poderá alegar que sua pequena liderança nas pesquisas antes das eleições não respalda suas reivindicações. E isso reduziria a disposição do público de participar em protestos em massa '”(“As eleições presidenciais na Ucrânia são muito populares sobre a popularidade dos candidatos”, Agência de Informação Unian, 16 de outubro de 2018).

O artigo da UIA continua dizendo que “Poroshenko já está preparando o terreno para o caso de a disputa acontecer em uma briga de rua. Em agosto, ele passou por uma mudança na lei que acrescentou dois novos membros à Comissão Central de Eleições (CEC) e também deu o direito de nomeação ao presidente.” Tal é a instabilidade do regime de Poroshenko que as acusações e contra-acusações de fraude já estão em ebulição meses antes de qualquer votação real ter sido feita. No entanto, o presidente em exercício, com uma cara séria, diz estar “convencido de que futuras eleições serão altamente competitivas” e caracterizado por “honestidade, transparência, igualdade de oportunidades em relação à participação em processos eleitorais” e “total conformidade com padrões internacionais e europeus”. ”(“As próximas eleições serão altamente competitivas”, Interfax Ukraine, 8 de outubro de 2018).

Esta não é uma visão amplamente sustentada do estado da vida pública na Ucrânia. Assim, longe de limpar a sociedade de corrupção nos níveis mais altos (o orgulho que nunca deixou os lábios daqueles que em 2014 derrubaram violentamente o governo eleito anterior e presidente e declarada guerra no sul e leste do país), a chegada do “gravy train” do FMI (usado para se referir a uma situação em que alguém pode ganhar muito dinheiro com muito pouco esforço) criou novas oportunidades de auto-enriquecimento parasitário, enquanto sinalizava para as massas uma descida ao mundo do 'ajuste estrutural' e austeridade.

Chamas nos depósitos de munição
Nos últimos dois anos, houve uma série de incêndios e explosões em depósitos de munição em todo o país, mais recentemente em outubro deste ano, em uma cidade chamada Ichnia, perto da cidade de Chernigov, no norte. Mais de 10.000 pessoas tiveram que ser evacuadas de cerca de trinta cidades da região e uma proibição foi imposta às viagens rodoviárias e aos sobrevoos. A explosão destruiu portas e janelas de casas e levou 24 horas para extinguir o incêndio. Um incêndio ainda maior ocorreu há um ano em Kalinovka, na província de Vinnitsa, exigindo a evacuação de 30.000 pessoas. Aquele depósito continha 200.000 toneladas de cápsulas, minas, foguetes e mísseis espalhados por 150 edifícios. Estimou-se que o inferno em Kalinovka consumiu cerca de 32.000 toneladas de munição. Para colocar essa figura em contexto, a tonelagem total de munições usada por Kiev contra o Donbass já chegara a 24.000, 25% a menos do que foi perdido em Kalinovka! Mais cedo tais chamas ocorreram em Svatove e Balakliya.

Não é novidade que esses desastres para os militares ucranianos provocaram a resposta padrão de Kiev: "Foi os russos que fizeram". Curiosamente, porém, depois que o SBU (a polícia secreta da Ucrânia) levantou a possibilidade de “gangues de sabotagem” como os culpados mais prováveis, eles admitiram outras possíveis causas, a saber: “a violação dos regulamentos de segurança contra incêndio ou armazenamento de munição” e, o mais intrigante de todos “Incêndio deliberado realizado para esconder a falta de munição”.

No caso de Kalinovka, parece não haver regulamentação de armazenamento de fogo ou munição. A maioria dos edifícios que abrigavam a munição “não só não tinham um telhado, mas até mesmo de paredes de terra especiais que impedem uma reação em cadeia de incêndios se espalhae para os depósitos vizinhos em caso de explosão.” No que diz respeito aos regulamentos de armazenamento, caixas de madeira recheadas de cápsulas simplesmente apodreceram onde foram deixadas quase trinta anos atrás. Todo o enorme local foi deixado sob a tutela de apenas 63 pessoas, algumas delas aposentados.

Um ano atrás, o Sputnik citou um especialista ucraniano, Stanislav Byshok, especulando que tais conflitos podem, de fato, ter sido um esquema deliberado para ocultar o roubo e a venda ilegal de grandes quantidades de munição. Esses chamados acidentes, sugere ele, poderiam realmente ser “uma tentativa de encobrir alguns esquemas pelos quais essas armas poderiam ser revendidas para outros países, para nações onde conflitos estão ocorrendo e até mesmo para grupos terroristas.. É óbvio que quando se organiza uma tal explosão, torna-se impossível determinar quantas armas havia no momento do [fogo]. Desta forma, é possível eliminar uma vasta quantidade de armamento ”(“O Exército Ucraniano perdeu mais munição em depósitos de munição do que em 3 anos de guerra civil ”, Sputnik, 2 de outubro de 2017).

As implicações da sugestão de que os incêndios tenham sido iniciados deliberadamente para esconder o fato de que vastas quantidades de estoques de munição haviam realmente desaparecido devido a inépcia ou vendidos a pessoas desconhecidas para obter lucro privado são surpreendentes. O exército da Ucrânia é uma colcha de retalhos de tropas regulares e brigadas semi-oficiais dedicadas à memória do colaborador nazista Stepan Bandera e do exército fascista da ONU. Com a instabilidade política correndo como febre no período que antecede as eleições do próximo ano, surge a possibilidade de que forças sociais hostis ao domínio contínuo de um canto particular do capitalismo de compadre de Poroshenko possam estar pensando em mergulhar a Ucrânia de volta no caos violento nas costas daqueles quais Poroshenko chegou ao poder em primeiro lugar. A líder do Partido Socialista, Illia Kyva, (um 'socialista' que seja notado que considera as repúblicas de Donetsk e Lugansk como inimigas), postou algumas observações não parlamentares no Facebook, perguntando: “Como podemos nos defender quando os depósitos de munição constantemente explodem só para esconder outro roubo! ”e exclamam“ Os depósitos de munição estão queimando novamente, só que agora na região de Chernihiv! Pode-se culpar o inimigo externo por isso, mas é hora de encarar a verdade. Svatove, Balakleya, Kalynivka… Ichnia! Quem foi punido? Nosso país hoje está sendo dilacerado e a maior razão para isso é que nós estamos! Nosso governo impotente e cego - total impunidade e corrupção!” Ele acrescentou que sem uma renovação de poder 'não podemos parar o agressor e restaurar a integridade territorial do país… O caos engole nosso país'” ('Explodindo depósitos de munição na região de Chernihiv outra tentativa de esconder o roubo", Interfax Ukraine, 9 de outubro de 2018.

Mar de Azov
A única maneira de o regime de Kiev lidar com esse caos interno é culpar a Rússia por tudo e aumentar suas provocações russófobas. Fez tudo o que pôde para bloquear os cidadãos da Crimeia, puni-los por terem ousado votar esmagadoramente num referendo de 2014 para se juntarem à Rússia, chegando mesmo a cortar o fornecimento de água. Graças aos bloqueios de sanções impostos à Crimeia tanto pela Ucrânia quanto pelo imperialismo ocidental, uma grande quantidade de alimentos teve que ser transportada da Rússia continental, com caminhões fazendo fila para pegar a balsa. O serviço de balsa em si é frequentemente interrompido por tempestades, tornando as entregas incertas.

Para lidar com este problema, a Rússia construiu uma ponte de 12 milhas para ligar a Rússia continental à Kerch na Crimeia; abriu em maio deste ano. Essa maravilha da engenharia foi saudada por Kiev com as birras costumeiras, instigadas pelo Ocidente. A UE colocou na lista negra seis empresas envolvidas na construção da ponte, enquanto o Examiner de Washington publicou a manchete "A Ucrânia deve explodir a ponte de Putin na Crimeia".

Em março, com a ponte quase concluída, a Ucrânia deteve um barco de pesca da Crimeia para navegar sob a bandeira russa, ação que a Rússia corretamente igualou à dos piratas somalis. Outra provocação ocorreu em agosto, quando a Ucrânia bloqueou um petroleiro russo no porto de Kherson. Como medida de precaução, dadas as ameaças à ponte e as ações hostis da Ucrânia, a Rússia aumentou sua presença naval na área e os guardas de fronteira russos foram encarregados de garantir a segurança da navegação no Estreito de Kerch, no Mar de Azov e no Mar Negro. Isto está de acordo com o acordo de 2003 entre a Rússia e a Ucrânia, tornando o Mar de Azov território controlado em conjunto, permitindo a livre acesso de ambos os países. Houve demandas do parlamento da Ucrânia e de outros lugares para acabar com este acordo, mas, por enquanto, Kiev prefere honrá-lo na carta enquanto desrespeita na prática. A embaixada russa em Washington mostrou como os EUA regurgitam a falsa narrativa de Kiev. “O Departamento de Estado dos EUA levantou preocupações por meio de sua porta-voz Heather Nauert sobre inspeções legítimas de embarcações no Mar de Azov. Sem prisões, sem detenções, simplesmente inspeções. É digno de nota (para entender a política de duplo padrão) que nem uma única embarcação fora das 'centenas' foi especificada. ”('Moscou pede a Washington que não defenda' alas ultrajantes '(sic), TASS, 31 de agosto de 2018)

Um peão do imperialismo
Quer a gangue de Poroshenko se agarre no poder em 2019, ou alguma outra oligarquia depende de uma maré de demagogia russófoba, a Ucrânia ainda será condenada a servir de peão à agressão imperialista contra a Rússia, a menos que consiga encontrar forças para romper com as ordens do FMI, a OTAN e a UE e se juntar a causa com o povo corajoso do Donbass.

 

Do Lalkar, edição de novembro/dezembro de 2018

 

Traduzido por R. Borges

Please reload

Leia também...

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

13/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube