"Máfias Farmacêuticas: fusões na indústria dos remédios"

15/11/2018

 

Na edição de janeiro/fevereiro de 2002 da Lalkar, publiquei um artigo sobre as Fusões da Indústria do Petróleo sob o título "Três irmãs e uma prima pobre". No final desse artigo, prometi lidar com as fusões da indústria farmacêutica na edição seguinte (março-abril). Um trabalho mais premente, no entanto, me impediu de fazer isso. Agora, como um cumprimento tardio da minha promessa, apresento ao leitor um breve resumo da continuação e aceleração da monopolização da indústria farmacêutica.

Fusões e Aquisições desde 1989
Durante os últimos 15 anos, a indústria farmacêutica, como muitas outras, experimentou uma monopolização sem precedentes por meio de fusões e aquisições. Começando em 1989, o ano em que a fusão da Beecham do Reino Unido com a SmithKline Beckman dos EUA, e da Bristol-Myers com a rival americana Squibb, o processo de fusões na indústria farmacêutica acelerou, com grandes fusões e aquisições quase todos os anos desde 1993. Em particular, a fusão da Glaxo Wellcome e da SmithKline Beecham e a da Pfizer e da Warner-Lambert, e subsequentemente a da Pfizer e da Pharmacia, criaram gigantes com vendas e capitalização de mercado enormes. Estamos bem encaminhados para a realização de uma situação em que meia dúzia de empresas, cada uma com 10% de participação no mercado global de prescrição, domina a indústria farmacêutica mundial. Aqui está uma lista de importantes fusões e aquisições (M & A) de 1989 até o presente:

 

Gigantes Farmacêuticas
Para se ter uma idéia do tamanho das empresas criadas através das fusões e aquisições acima, e da escala de suas operações de negócios, vale a pena  pensar em alguns detalhes importantes sobre a GlaxoSmithKline (GSK) e a Pfizer. No caso da GSK, que emergiu da aquisição da SmithKline Beecham pela Glaxo Wellcome, criou uma empresa com uma força de trabalho combinada de 110.000, um orçamento de pesquisa e desenvolvimento (P & D) de quase US $ 4 bilhões por ano, o que a torna a mais poderosa força na ciência britânica depois do governo. Ao lado da GSK, a maior investidora do Reino Unido em pesquisa e desenvolvimento é a AstraZeneca, com um orçamento de P & D de US $ 2,5 bilhões por ano. Os gastos combinados em P & D desses dois gigantes farmacêuticos respondem por um terço de todo o gasto em P & D de todas as empresas britânicas - um domínio desconhecido de qualquer outro país imperialista. A capitalização de mercado da GSK, mesmo depois de levar em conta a queda do mercado de ações nos últimos três anos, está em US $ 110,9 bilhões (antes da queda estava perto de US $ 165 bilhões) e sua participação de mercado em 6,9%, com vendas de US $ 22,4 bilhões por ano . Ela emprega 15.000 cientistas e sua enorme força de vendas está em condições de superar todos os rivais na maioria dos 60 países em que opera - com a única exceção da Pfizer, que, tendo engolido a Warner-Lambert e a Pharmacia, é maior. No que diz respeito à Grã-Bretanha, o número de empresas farmacêuticas é essencialmente reduzido a dois - GSK e Astra Zeneca. Quando, no final de 1998, o Zeneca da Grã-Bretanha e o Astra sueco concordaram com uma fusão por meio de um acordo de US $ 70 bilhões, ele teve o efeito imediato de transformar a Zeneca de uma segunda divisão em uma das líderes mundiais da indústria farmacêutica, com vendas anuais de US $ 16 bilhões, lucros pré-impostos de US $ 3,59 bilhões e uma participação de mercado de 4,5%. Assim, pode-se observar que esses dois monopólios, GSK e Astra Zeneca, enquanto dominam completamente o mercado de drogas no Reino Unido, juntos representam 11,4% do mercado mundial de medicamentos, de cerca de US $ 400 bilhões por ano. Em vista de seu total domínio do mercado de drogas do Reino Unido, e seu enorme orçamento combinado de P & D, pode ser seguramente (com o perdão do trocadilho!) declarado que nenhum outro país imperialista será tão dependente de apenas duas combinações monopolistas para a saúde de seu povo e sua base de pesquisa.


Note-se que, como sempre, os trabalhadores são sempre as primeiras vítimas dessas fusões e aquisições. Com a fusão da Glaxo e da SmithKline Beecham, estima-se que 10% da força de trabalho em todos os níveis perdeu seus empregos. Antes, em 1995, quando a Glaxo assumiu o Wellcome, 1.700 empregos desapareceram apenas no Reino Unido. E a fusão da Zeneca e da Astra produziu 6 mil redundâncias.


Pfizer/Warner-Lambert/Pharmacia
Quando, em novembro de 1999, a Pfizer fez sua invasão de US $ 85 bilhões à Warner-Lambert, ela representou não apenas a maior oferta não solicitada até então na história da empresa, mas foi ao mesmo tempo uma tentativa, em última análise bem-sucedida, de estragar a fusão da American Home Products / Warner-Lambert, acordada apenas algumas horas após o seu anúncio. No início de fevereiro de 2000, a Pfizer havia retirado a fusão, elevando sua oferta original em 10% e pagando à AHP a enorme soma de US $ 1,8 bilhão a título de taxa de liquidação - a maior já paga. De uma só vez, essa fusão criou uma empresa com vendas de US $ 23,15 bilhões por ano e uma participação de 7,3% no mercado mundial de medicamentos. Com sua fusão de US $ 50,5 bilhões com a Pharmacia (anunciada em 15 de julho de 2002 e concluída em abril de 2003), a Pfizer se tornou a maior fabricante de medicamentos do mundo, representando 11% do mercado global de medicamentos, com vendas de US $ 40,7 bilhões. Seu orçamento para pesquisa saltou de US $ 5 bilhões para mais de US $ 7 bilhões por ano.


Justificativa para as fusões
As razões por trás da fusões na indústria farmacêutica, com modificações específicas adequadas, são as mesmas que operam nas fusões de todos os outros ramos do comércio e da indústria, a saber, concentração e centralização do capital, estimuladas pelo desejo de ganho e pelo medo de concorrência, levando ao estabelecimento de monopólios, que por si só garante a extração do lucro máximo. Na era do capitalismo monopolista, até mesmo as maiores corporações não são mais grandes o suficiente para irem sozinhas. Eles precisam adquirir uma massa crítica para estarem equipados com os meios de pesquisa e desenvolvimento em larga escala e para desenvolver redes de distribuição global e instalações de marketing. As maiores empresas de cada área definem o benchmark. Como nenhum executivo-chefe quer que sua empresa seja desmembrada, cada rodada de fusões desencadeia outra por sua vez. Como ninguém quer estar na posição menos confortável de estar no meio ou no lado, cada grande fusão envia todas as outras grandes empresas farmacêuticas a lutar pela próxima mudança e reavaliar suas opções de fusão.

Para poder enfrentar no mercado a Pfizer ou a GSK, com seus respectivos orçamentos de P & D de US $ 7 bilhões e US $ 4 bilhões por ano, vendas enormes, força de trabalho, participação no mercado, instalações de produção e poder financeiro, outras empresas farmacêuticas precisam amontoar-se para o conforto e crescer grande ou enfrentar a extinção. Em estimativas confiáveis, custa uma empresa farmacêutica uma média de US $ 500 milhões para converter uma idéia brilhante em um medicamento em uma prateleira de farmácia. A explosão do conhecimento científico, especialmente na área da genética, serviu para aumentar enormemente as habilidades e equipamentos que as empresas farmacêuticas precisam para realizar pesquisas. Mesmo assim, não há garantia de que eles conseguirão um blockbuster - uma droga que gera receita de vendas superior a US $ 1 bilhão, o que apenas um punhado faz. Neste jogo arriscado e caro, apenas os maiores podem esperar sobreviver.


Além da tendência de declínio da taxa de lucro, uma tendência que opera sob o capitalismo em todos os setores da economia, as empresas farmacêuticas, especialmente na Europa, estão sob pressão de preços, com o consequente efeito sobre suas margens de lucro. Alguns estão enfrentando expiração de patentes iminentes e o início da competição de produtores de medicamentos genéricos - e a consequente redução de vendas e lucros. De acordo com o Financial Times de 5 de outubro de 2001, "drogas com vendas anuais de US $ 45 bilhões perderão suas patentes até 2005". Muitos dos fabricantes de medicamentos são altamente dependentes de um pequeno número de medicamentos de sucesso para suas receitas. Por exemplo, o Losec, medicamento anti-úlcera da AstraZeneca, comercializado nos EUA sob o nome de Prilosec, registrou vendas de US $ 6,2 bilhões em 2000 e foi estimado em US $ 1 bilhão em lucros para a empresa, respondendo por 40% dos lucros da AstraZeneca naquele ano. Nestas circunstâncias, as fusões oferecem uma saída para tais dificuldades. Aqui está uma lista dos dez principais medicamentos blockbuster em 2001, juntamente com seus respectivos números de vendas e o nome do fabricante.

E abaixo está uma lista das principais expiração de patentes entre 2000 e 2005
Como é claro do exposto, não são apenas os fracos que estão a ser devorados pelos grandes, até os fortes estão a duplicar com os fortes, por exemplo, Glaxo com SmithKline Beecham e Pfizer com Warner-Lambert. Um dos motivos, acima dos habituais, é a genômica - o equivalente farmacêutico da landgrab. No início de 2000, o Financial Times observou corretamente, a favor da fusão pendente da Glaxo e SmithKline Beecham:

“Como todo o genoma humano é catalogado nos próximos cinco a dez anos, as empresas farmacêuticas têm uma chance única de explorar (e possivelmente patentear) um número finito de alvos biológicos, formando a base para uma série de novas medicamentos. Quanto mais alvos uma empresa pode aproveitar e desenvolver, melhor e para isso, precisa de vastos recursos ”(18 de janeiro de 2000).

No rescaldo desta fusão, consumado em dezembro de 2000, a GSK alegou corretamente que, com seus novos recursos - um grande orçamento de P & D e uma enorme força de vendas - seria uma potência em marketing e pesquisa. Pouco então percebeu que a Pfizer estava à espreita para estragar a diversão da GSK com outra fusão - desta vez com a Pharmacia - um acordo que aumentou a pressão sobre a GSK para buscar novas fusões como um meio de aumentar os lucros e cortar custos, para ”… se o destino da indústria é unificar, melhor ter a coragem de encontrar um parceiro disposto [até mesmo sem vontade - da HB], em vez de arriscar ser atropelado no baile da indústria farmacêutica” ( Financial Times, 2 de fevereiro de 1998).

É apenas uma questão de tempo antes que outra rodada de fusões se apodere do setor.

No momento, consequente à concentração alcançada durante os últimos 15 anos, a formação dos principais fabricantes de medicamentos mudou drasticamente.

Aqui está uma lista das dez principais empresas farmacêuticas classificadas por vendas e capitalização de mercado, respectivamente.

Predominância de empresas farmacêuticas dos EUA
As tabelas 4 e 5 revelam claramente a predominância dos produtos farmacêuticos norte-americanos entre os dez primeiros, seja por vendas ou capitalização de mercado. Há 20 anos, as empresas europeias dominavam o topo da liga dos fabricantes de medicamentos. A tabela do ano de 1981, que mostra as dez maiores empresas farmacêuticas classificadas por vendas, revela claramente, em comparação com os números mais recentes, até que ponto os produtos farmacêuticos europeus cederam aos seus rivais americanos.

Principais empresas farmacêuticas globais classificadas por vendas e participação de mercado
Vale ressaltar que, enquanto em 1981 as dez maiores empresas farmacêuticas respondiam por 23,4% do mercado mundial de medicamentos, em 2000 elas haviam dobrado sua participação para 45,7% como resultado da crescente monopolização da indústria. Durante o mesmo período, enquanto a participação de mercado das empresas norte-americanas entre as 10 maiores aumentou quase duas vezes e meia, de 10,7% para 26,8%, a das empresas europeias aumentou apenas 50%, de 12,7% para 18,9%. Aqui está uma tabela mostrando essas mudanças, consulte a Tabela 7.

A Europa, que deu origem ao negócio farmacêutico no final do século 19, quando as empresas alemãs e suíças de tinturaria aplicaram seu conhecimento químico à descoberta de remédios, está rapidamente se esvaindo para trás dos EUA. Foi em 1897 que Felix Hoffman, que trabalhou para a fabricante alemã de corantes, Bayer, criou uma nova indústria. Ao adicionar um grupo de dois átomos de carbono extras e cinco átomos de hidrogênio extra a uma substância extraída da casca do salgueiro, ele criou o ácido acetilsalicílico, conhecido pelos mortais comuns como aspirina. De um só golpe, a descoberta de Hoffman transformou a Bayer na primeira empresa farmacêutica moderna do mundo. A partir de então, as empresas européias dominaram a indústria até a última década do século 20, quando abriram caminho para a dominação dos gigantes farmacêuticos americanos.

As razões para isso são que, com poucas exceções, as empresas européias estão sub-representadas nos EUA, que respondem por 40% das vendas globais e 60% dos lucros da indústria farmacêutica. Os EUA gastam um enorme 14% do seu PIB - mais do que qualquer outro país - em saúde (ver gráfico 1). Sua conta de saúde é de mais de US $ 1 bilhão por ano. Os preços dos medicamentos nos EUA são cerca de o dobro dos da Europa, o que dá às empresas farmacêuticas americanas, que em média geram dois terços de sua renda em casa, uma tremenda vantagem. Além disso, as vendas nos EUA estão aumentando entre 12% e 14% ao ano, mais que o dobro da taxa de crescimento na Europa. Durante os últimos 10 anos, o alto crescimento interno nas vendas e os preços mais altos dos medicamentos serviram para aumentar as receitas das empresas americanas e, assim, possibilitaram que eles reinvestissem no negócio cada vez mais caro de produzir novos medicamentos.

Que ninguém ache que os Estados Unidos tenha um sistema de saúde fantástico para seus cidadãos - ricos e pobres. Longe disso. Todo o sistema beneficia as empresas farmacêuticas e o resto da máfia médica. Enquanto cuida dos setores abastados da sociedade, 40 milhões de americanos encontram-se sem cobertura médica. Não é de surpreender que, das dez “drogas de estilo de vida” de 1998, a maioria tenha sido feita pelas empresas dos EUA. Essas drogas, que supostamente melhoram a qualidade de vida e aliviam os sintomas da velhice, incluem Prozac para depressão e Viagra para o tratamento da disfunção erétil.

A máfia farmacêutica
A indústria farmacêutica é uma das mais lucrativas do mundo, composta por algumas dezenas de corporações gigantescas com monopólios protegidos por patentes sobre substâncias pelas quais pessoas de todo o mundo estão literalmente morrendo. De acordo com o Economist de 21 de fevereiro de 1998, a margem de lucro média das 10 maiores empresas farmacêuticas em 1996 era de 30%, o que explica por que a fabricação de medicamentos continua a sobreviver como uma das maiores indústrias manufatureiras. O monopólio de patentes e posição de monopólio no mercado é a chave para a lucratividade extraordinária da indústria farmacêutica e seu crescimento anual de receita de 10%. É precisamente no interesse destes lucros monopolísticos e crescimento de receita que a monopolização da indústria farmacêutica continua inabalável.

“O capital financeiro”, observou Lenin, “criou a época dos monopólios e os monopólios introduzem princípios monopolistas em toda parte: a utilização de 'conexões' para transações lucrativas toma o lugar da concorrência no mercado aberto” (Imperialismo, o estágio mais alto do capitalismo). ).

E: “Um monopólio, uma vez formado e controlando milhares de milhões, penetra inevitavelmente em todas as esferas da vida pública, independentemente da forma de governo e de todos os outros 'detalhes'” (ibid., P.56).

A indústria farmacêutica fornece uma ilustração particularmente vívida das observações de Lênin citadas acima, constituindo um nexo entre a indústria farmacêutica, o governo, as companhias de seguros, os advogados, a mídia, o Estado e a burocracia, a classe médica e a comunidade científica. estabelecimento com sua infinidade de convenções e publicações científicas, fundações "de caridade" de todos os tipos (fundações Carnegie e Rockefeller, por exemplo) e instituições financeiras. Totalmente inconsciente até mesmo do conceito de um conflito de interesse, caracterizado por uma total ausência de escrúpulos, ele usa controle, jogo de poder, propaganda, desinformação, suborno, intimidação e até mesmo assassinato sem um momento de hesitação.

Assim como existe o complexo militar-industrial, o mesmo acontece com o complexo médico-industrial, apropriadamente denominado "máfia médica" pelo médico canadense Guylaine Lanctôt em seu livro com o mesmo título. Não é uma indústria cuja preocupação é a boa saúde das pessoas, pois o bem universal significaria a morte de seus enormes lucros. Para isso, mais pacientes, que estão mais doentes e ficam doentes por mais tempo, são a única rota certa para os lucros. Em vez de saúde para todos, seu lema (obviamente não pronunciado abertamente) é doença para todos, pois apenas a doença lhe permite vender drogas lucrativas e arrecadar enormes lucros e melhorar suas classificações no mercado de ações. Na busca desse objetivo, ele se inclina para todas as mentiras e fraudes, para propinas e ocultação de informações. Precisamente por essa razão, sua ênfase está nos sintomas, e não nas causas, no alívio não cura, no tratamento, e não na prevenção, no retardamento do fluxo, em vez de reverter a direção - em suma: lucros, em vez de serviço às pessoas.

A fim de preservar seus lucros monopolísticos, ela usa seu monopólio de patentes e as leis relacionadas aos direitos de propriedade intelectual para bloquear medicamentos genéricos a preços acessíveis. A obscenidade da ganância e desumanidade da indústria farmacêutica foi revelada em sua luz sinistra quando tentou processar o governo sul-africano por causa do uso de medicamentos genéricos para ajudar as vítimas da Aids. Em meio ao vexame mundial, as empresas farmacêuticas foram obrigadas a retirar o processo.

Além disso, a indústria farmacêutica faz de tudo ao seu alcance para desacreditar remédios naturais e garantir a proibição da prática de medicina alternativa ou sua emasculação por meio de legislação e controle. Isso difama os ambientalistas e aqueles que trazem a ética e outras considerações "irracionais" para a equação. Nas palavras de Guylaine Lanctôt, a indústria farmacêutica “... espalha as sementes da doença e colhe as recompensas” sob o disfarce de interesse público e pesquisa científica, puxando todas as cordas do sistema com “tato e diplomacia extraordinários” e trabalhando “em as sombras através de intermediários ”. Todas as portas estão abertas a ele e as autoridades em todos os níveis, tanto governamentais como médicas, “estão sujeitas ao seu imenso poder”, e as governam através de corrupção benigna ou instilando medo e ameaçando a punição. "O governo e suas agências", diz ela, "estão na folha de pagamento da indústria". Políticos eleitos e altos escalões do serviço civil devem se curvar aos ditames da indústria, por "ao menor sinal de desafio ou hesitação em sua lealdade, eles cairão da graça e serão expulsos ”(The Medical Mafia, pp. 88-89).

Aterrorizando as nações oprimidas
Se este é o poder exercido pela poderosa indústria farmacêutica sobre os governos, políticos, funcionários públicos e a profissão médica nos centros do imperialismo, pode-se imaginar o terror que é capaz de praticar nos governos, políticos, etc. das nações oprimidas e super-exploradas dos vastos continentes da Ásia, África e América Latina. Como a conscientização pública na Europa, América e Japão às vezes obriga as empresas farmacêuticas a abandonar totalmente a venda de alguns medicamentos ou a divulgar seus efeitos colaterais, tal calamidade (para as empresas farmacêuticas) torna-se apenas uma oportunidade para um esforço concentrado da indústria para empurrar essas substâncias nocivas no chamado terceiro mundo, que se tornou um promissor terreno para despejar drogas consideradas perigosas nos centros do imperialismo. Comandando exércitos de pessoal de vendas treinado, conquista o mercado através de uma combinação de informações de suborno e enganosas. Se esses métodos não funcionam, recorre à chantagem e à violência política. Hans Ruesch, em seu livro Naked Empress, menciona o caso do Chile a esse respeito. Em 1972, uma comissão médica chilena nomeada pelo falecido presidente Salvador Allende concluiu que não mais do que algumas dúzias de drogas tinham qualquer valor terapêutico demonstrável e que, portanto, a importação de drogas deveria ser reduzida de acordo com isso. Uma semana depois do golpe sangrento instaurado pela CIA, que derrubou o governo de Allende em 11 de setembro de 1973 (um 11 de setembro que convenientemente não faz parte da memória americana), e o substituiu por uma ditadura militar implacável, mas favorável ao mercado. A maior parte da minoria de médicos chilenos que queria dar efeito às descobertas da comissão foi assassinada pelo exército. Ruesch observa:

“É claro que ninguém nunca publicou provas conclusivas de que a CIA americana tenha participado do assassinato daqueles médicos chilenos que se opunham à inundação de drogas americanas. Por outro lado, ninguém explicou por que, em uma revolução política, tantos médicos foram assassinados, e precisamente esses. Acrescentemos que acredita-se que o assassinato esteja bem dentro do âmbito das atividades da CIA, cujas iniciais foram ironicamente interpretadas como "Centro de Assassinato Internacional" (p.94).

Confirmação das verdades imortais do marxismo-leninismo
A descoberta de escritores burgueses honestos como o Dr. Lanctôt e Hans Ruesch confirma a seguinte conclusão de V I Lenin: “O imperialismo é a época do capital financeiro e dos monopólios, que introduzem em toda parte a luta pela dominação, não pela liberdade. Qualquer que seja o sistema político, o resultado dessas tendências está em toda parte na reação e na extrema intensificação do antagonismo nesse campo.”; que “o capital financeiro não quer liberdade, quer dominação”; e que "Dominação e violência que está associada a ela, tais são as relações que são típicas da 'última fase do desenvolvimento capitalista'" (Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo, pp. 113-114, e página 80).

E, no entanto, a burguesia e seus ideólogos nos diriam, inclusive talvez pelo dr. Lanctôt e pelo sr. Ruesch, que o marxismo-leninismo está morto. Não, queridos Senhores, longe disso. O marxismo-leninismo é a ideologia do proletariado moderno, portanto não pode estar morta.

Em uma sociedade decente, em que a produção ocorre para satisfazer as necessidades do povo, em vez de atender aos lucros de poucos, como é o caso da sociedade atual, a indústria farmacêutica seria colocada a serviço da população. Tal sociedade, em lugar do uso maciço de drogas, colocaria a ênfase no controle e melhoria da qualidade de vida. Tal sociedade buscaria “uma política de saúde que não fosse contaminada pelos interesses das multinacionais farmacêuticas” (as palavras citadas foram ditas pelo médico americano Edward Kasse em 1983 na convenção em Viena sobre Doenças Infecciosas em seu papel de presidente e foi citado no livro de G Lanctôt referido acima).

Tal sociedade só pode ser uma sociedade socialista. Aqueles que estão genuinamente preocupados com a saúde - física e mental - do povo devem lutar arduamente para estabelecer tal sociedade, livrando-se do imperialismo.

 

Do Lalkar, edição de maio/junho de 2003

 

Traduzido por R. Borges

Please reload

Leia também...

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

13/11/2019

Lenin: "Sobre os Sindicatos, o momento atual e os erros de Trotsky"

13/11/2019

URC: "Sobre o Golpe de Estado imperialista na Bolívia"

12/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube