Panteras Negras: "Por que apoiamos a China?"

04/12/2018

 

Parece altamente improvável que o envolvimento intencional dos Estados Unidos da Força Aérea na intromissão e no domínio territorial exercido sobre partes do Laos conhecido como a trilha Ho Chi Minh, seja um movimento aleatório.

Este envolvimento dos EUA é projetado para coincidir com os porcos disfarçados da União Soviética. Tendências nest país para formar laços mais estreitos e recíprocos com a URSS e seus cientistas soviéticos são outras indicações do revisionismo, que levou o povo da Rússia e os povos sob seu controle, isto é, Hungria, Polônia, Tchecoslováquia, Romênia, Alemanha Oriental e Iugoslávia para mais perto das garras do colonialismo e das presas do capitalismo e produziram as movimentações agressivas das tropas russas e disputas diplomáticas lançadas contra nossos irmãos da China.

Este movimento deve ser tomado como um endosso da Guerra do Vietnã, de outro modo como seria possível campanhas para agir simultaneamente. É tão diametralmente oposto um do outro quanto o dia e a noite. Ou poderia os tolos gananciosos que ditam a política externa de ambos os países decidirem que, embora tenham algumas diferenças, estão lidando com um "país civilizado", o que significa qualquer coisa quando que tem um branco ou um fantoche da ideologia branca quando se trata de lidar com um país não-opressivo ou não-branco, tais diferenças deixam de existir.

A teoria marxista-leninista indica que devemos nos unir com os verdadeiros amigos, para os distinguir os verdadeiros inimigos, e todos nós sabemos que o capitalismo é o nosso verdadeiro inimigo. A práti marxista-leninista demonstra que é sempre preciso nunca divorciar-se da prática, comprovando que a teoria de que qualquer ataque do inimigo contra nós não é ruim, e tudo que o inimigo não ataque não pode ser bom para nós, e isto na maioria dos casos nos faz mais bem do que mal. Sabemos que o capitalismo é o nosso inimigo. O capitalismo é o governo dos Estados Unidos e o governo dos Estados Unidos é o capitalismo. OS EUA se preparam para, direta e indiretamente, atacar a República Popular da China; e ainda não está atacando a URSS. Unir-se com os verdadeiros amigos para derrotar os inimigos verdadeiros.

Há demasiada coexistência com o opressor. Há um denominador comum bastante evidente no parágrafo anterior, em cada caso há duas classes dominantes, os que têm e os que não têm, o opressor e o oprimido.

A China se destaca como um farol para todos os revolucionários de todo o mundo: a luz que nos guia mostrando o caminho para a liberdade de todos os nossos irmãos na África e na Ásia. Por tão somente esta razão é que tem sido alvo de ataque. Os imperialistas na Rússia e nos EUA percebem astutamente que, se não poder parar o impulso e a dinâmica revolucionária, eles e seus lacaios sem enfrentar os chineses, podem seguir a subjugar e explorar a África, Ásia, América Latina, Harlem, Watts, Okland e seu bairro onde quer que você possa estar, mas o que não perceberam é que você e eu não vamos deixar fazê-los isto.

FREE HUEY
Raymond Jennings, East Oakland branch, BPP



publicado no jornal The Black Panther, em 20 de abril de 1969

Please reload

Leia também...

"Entrevista de Stalin a Roy Howard"

12/12/2019

"A trabalhadora na Rússia Soviética"

11/12/2019

"Se querem a paz, vocês têm que lutar por ela"

10/12/2019

O Socialismo Científico de Marx e Engels e o combate às ideias antiproletárias

09/12/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube