Quilombolas retomam terras griladas por família de Bolsonaro no interior de SP

22/10/2018

 

No Vale do Ribeira, interior de São Paulo, tidos pelo fascista Bolsonaro como quem "não servem nem para procriar", camponeses negros quilombolas dos municípios de Eldorado Paulista e Iporanga retomaram nos últimos dias terras suas que vêm há anos sendo griladas pelo cunhado de Bolsonaro, Theodoro Konesuk.

As verborreias vomitadas por Jair Bolsonaro contra populações quilombolas e as minorias nacionais fazem sentido. Ele trabalha por interesse próprio e de seus familiares bandidos. Há mais de cinco anos, o cunhado de Bolsonaro e seu pai, Theodoro Konesuk Junior, vinham grilando terras pertencentes aos povoados negros Galvão e Barra de São Pedro. Ainda que os quilombos existam desde o século XIX, desde a década de 1980 os mesmos vêm sendo fustigados por grileiros, que buscam grilar as terras quilombolas para especular sobre possíveis valorizações futuras. Theodoro Konesuk Junior fez parte destas quadrilhas de grileiros e bandidos, e o legado continua sob seu filho.

Desde 2013, o ITESP (Instituto de Terras de São Paulo) mantém aberto um processo contra os Theodoro por se apossarem das terras quilombolas em Eldorado e Iporanga para criarem gado. Em setembro deste ano, pois, Konesuk foi condenado pela juíza Gabriela Thomaze a devolver as terras griladas.

Alguns dias após a decisão, lavradores quilombolas de ambos os povoados começaram a reocupar as terras griladas, plantando suas lavouras e cercando a área com arames. Theodoro, recusando-se a cumprir a decisão judicial, mandou prontamente seus pistoleiros e puxa-sacos para incendiarem as lavouras e destruirem os arames e o trabalho daqueles camponeses. Trata-se de uma luta antifeudal que provavelmente ainda se estenderá por muito tempo.

A classe latifundiária (senhores de terras feudais e agroindustriais capitalistas), bastião do atraso e submissão nacionais, já se encastelam em torno da candidatura de Jair Bolsonaro. Todas as tentativas que a classe latifundiária e seus representantes politiqueiros fizeram de permitir a entrega das terras brasileiras para empresas estrangeiras já encontram ressonância nas declarações de Jair, segundo o qual "a Amazônia não é dos brasileiros" e deve ser aberta para a exploração de mineradoras e grandes empresas, de preferência do capital norte-americano. Além disso, Bolsonaro já deu a letra sobre a política econômica a ser perseguida por um possível governo seu: "desenvolver o Brasil" comercializando produtos do campo, trocando matérias-primas e produtos agrícolas por bens acabados, o que pode ser tudo, menos desenvolvimento.

Antes mesmo do pleito farsante do dia 28, o povo brasileiro já começa a conduzir sua luta de resistência em determinados locais de nosso país. A tarefa dos revolucionários e democratas, nesse sentido, não é iludir as massas com promessas eleitorais, ou mesmo com falsas noções sobre "derrotas o fascismo nas urnas", mas impulsionar e se engajar nas lutas verdadeiramente antifascistas já existentes e colocar a perspectiva da Revolução Brasileira em questão.

 

Com informações do De Olho nos Ruralistas

 

Please reload

Leia também...

Bancos sobem os juros em meio a crise: quem sofre com isso?

27/03/2020

Como o capitalismo põe o mundo de joelhos diante da crise sanitária?

27/03/2020

"Cuba, a humanidade e a Covid-19"

26/03/2020

"O coronavírus e a luta de classes: o monstro bate à nossa porta"

25/03/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube