"Dois poemas de Varavara Rao"

23/09/2018

 
A polícia do regime fascista da Índia recentemente prendeu o poeta e ativista comunista Varavara Rao, juntamente com pelo menos outros quatro ativistas em diferentes partes do país. A desculpa desta vez é uma carta supostamente enviada por esses militantes em Puna, que falou da possibilidade de atacar o Presidente Modi durante uma de suas reuniões.


Outras detenções são Sudha Bharadwaj, cuja organização, PUCL, criticou as prisões que são uma “caça às bruxas pelo atual governo”. Organizações como a Anistia Internacional (AI) e Oxfam também avaliaram em uma declaração conjunta, a campanha "alarmante" de prisões e advertiu que tais atos "ameaçam os valores básicos dos direitos humanos". Direitos humanos que na Índia do governo genocida de Modi são uma letra morta.

Varavara Rao é o presidente da Viplava Rachayitala Sangham [Associação dos Escritores Revolucionários] e coordenador do Fórum para a Alternativa Política, um militante ativo contra a repressão do governo de Modi contra todo protesto social e político, especialmente contra a campanha de terror contra o naxalitas (conhecido pelo nome expressivo de "Green Hunt"), e um dos líderes mais renomados do movimento por uma verdadeira democracia na Índia. Ele mesmo havia dito anteriormente a sua prisão que a "carta do assassinato de Modi é uma farsa", alegando que a invenção da suposta carta pelo governo foi uma nova mentira para facilitar a repressão contra movimento popular e revolucionário da Índia, especialmente em face da ascensão da Revolução Naxalita.

A partir daqui, declaramos o nosso apoio para os detidos e nossa admiração pelo povo da Índia na luta contra o capitalismo e o imperialismo com a tradução de dois poemas de Varavara Rao: "Não para proteger" e "O Bardo".

 


Não para proteger

Tanto em Telegu quanto em inglês
Dizem que "polícia" significa "guardiões" ...
Se você fizer "brincadeiras"
("travessura" significa rebelar-se contra os anciãos)
a polícia vai te levar;
"Tenha cuidado, a polícia significa demônio",
minha mãe me disse na minha infância.
De fato, suas palavras se tornaram realidade.
Armas nas mãos da polícia não servem para proteger as pessoas,
mas para pará-las e atirar nelas.
A bengala branca dos cegos
inspira a polícia a usar suas armas
nos acertar, não nos guiar.
Na verdade, agora eu percebo
que este governo não faz nada além de
fornecer ácido e agulhas para cegar prisioneiros.


O bardo

Quando o pedido é injusto
e os campos de nuvens incham
estrangulando da garganta
nem o sangue em surtos
nem as lágrimas formando redemoinhos na tempestade
que transforma a garoa em uma inundação,
pode limpar as agonias de uma mãe
na ponta dos pés atrás das grades da prisão
ou a voz da missiva do poeta.

Quando o latejar da língua
percebe a escravidão no ar
e o voo dos mísseis soa na batalha
eles veem um inimigo no poeta
Eles o aprisionam,
eles puseram a corda no pescoço dele.
Embora o poeta em suas notas,
respirando através das massas
olhar em equilíbrio gravitacional
disseminada na terra
desafiando a morte
como ele levanta a forca miserável
o carrasco imperialista.

 

Do Cuestinatelotodo

 

Please reload

Leia também...

"A crise da filosofia burguesa"

29/05/2020

"Diferenças entre socialismo e capitalismo na questão da habitação"

29/05/2020

Matanças contra ex-guerrilheiros das FARC persistem na Colômbia

28/05/2020

"As forças guerrilheiras na Segunda Guerra Mundial"

28/05/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube