Gorki: "O povo deve conhecer sua história!"

10/09/2018

 

Estas palavras foram muitas vezes repetidas pelos “educadores do povo” liberais muito antes da Revolução de Outubro. Eles expressaram o desejo dos intelectuais burgueses russos de equipar o povo trabalhador com um conhecimento de seu passado e despertá-lo para a oposição ativa contra a ordem autocrática dos czares de Romanov. Pois tais autocratas estavam relutantes em compartilhar a "plenitude de seu poder" com os proprietários de terras, fabricantes e banqueiros. Nos estados da Europa Ocidental, os capitalistas há muito haviam tomado o poder da monarquia e se tornado completos senhores do solo e das vidas das pessoas - as mesmas pessoas, é claro, através das quais haviam tomado o poder.

 

O que os operários e camponeses ganharam quando o poder passou dos reis e nobres para os banqueiros e capitalistas? A vida real de hoje dá a resposta: entre os capitalistas da Europa, a cobiça pelo lucro tornou-se um hábito mecânico sem significado, o suor selvagem da força de trabalho dos operários levou o capitalismo a uma crise econômica sem paralelo, mais de trinta milhões de trabalhadores foram atirados nas ruas para morrer de fome, enquanto os capitalistas, explorando a falta de defesa do povo trabalhador, cortam os salários daqueles que ainda estão empregados.

 

"O povo deve conhecer sua história." Antes da Revolução de Outubro, as massas não podiam conhecer sua história pela simples razão de que quase todos os operários e camponeses eram quase ou completamente analfabetos. Mas mesmo que, por algum milagre, essa razão tivesse sido eliminada, o povo trabalhador não teria aprendido a genuína verdade histórica sobre seu passado. Teriam permanecido ignorantes dela, não só porque o conhecimento da verdade era estritamente proibido pela censura czarista, não só porque, além de ramos especiais de censura do serviço policial e secreto estavam bem atentos para manter a verdade arquivada e distante das classes trabalhadoras; elas teriam permanecido ignorantes da verdade porque a verdade era prejudicial e perigosa para os proprietários de terras, capitalistas, banqueiros. A genuína incontestável verdade da história é que toda a vida dos operários e camponeses não é senão uma luta de um povo desarmado, sem educação ou direitos de um lado, contra pessoas armadas com todo o conhecimento da ciência, com direitos absolutos garantidos para saquear o trabalho humano, de outro.

 

“O povo deve conhecer sua história.” O que uma verdadeira história de sua vida passada lhes teria dito?

 

Eles teriam aprendido com o relato de que seu intelecto e sua vontade não desempenharam parte no processo da história, que toda a sua vida só realizou sua própria escravização à vontade egoísta e desumana dos capitalistas. Eles teriam aprendido que em vários países, de tempos em tempos, o povo não aguentava mais a escravidão; e então, do meio deles, de sua própria carne e sangue, surgiram os organizadores de sua ira e vingança. Então veio o italiano, Fra Dolcino; o alemão Thomas Munzer; o checo, John Huss; depois vieram os russos: Ivan Bolotnikov, Stepan Razin, Yemelyan Pugachev. Todas essas insurreições sofreram o mesmo destino: a tropa da igreja, dos reis, dos czares - dos próprios camponeses, dos servos bem armados dos boiardos [1] e dos nobres, afogaram as insurreições no sangue de seus irmãos; os líderes foram massacrados por carrascos, enquanto os sobreviventes da derrota mais uma vez caíram no poder dos boiardos, nobres, reis e czares.

 

A história teria dito a eles como sacerdotes meio letrados ensinavam a paciência e submissão às “autoridades designadas por Deus”; como os camponeses eram feitos monges pela força e mosteiros construídos com seu poder humano; como o número de “parasitas leigos” estavam inchados, enquanto o camponês trabalhava com um arado e seu parasita com uma colher. Para aumentar seu poder e influência sobre as pessoas ignorantes, a igreja encenou frágeis truques que chamou de “milagres”, dos boiardos se criaram “santos”, homens de Deus - tudo para o benefício das autoridades. A principal tarefa de todas as igrejas era uma e a mesma: para impressionar os pobres servos de que não havia felicidade para eles na terra; a felicidade estava preparada para eles no céu, e, enquanto isso, trabalhar arduamente para outro sujeito era agradável aos olhos de Deus.

 

Um camponês não podia ser admitido no cânon dos santos, mas ninguém o impediu de se dedicar à ocupação pecaminosa da agricultura como servo contratado e de submeter-se a empréstimos. Melhor para o grande animal se o pequeno animal for gordo; ele é o melhor para comer. Os mais perspicazes e astutos entre os trabalhadores lutaram para sair de uma vida sombria, laboriosa e pobre, e somaram-se ao número daqueles que se sentavam nas costas pacientes dos trabalhadores, sentando-se sozinhos.

 

Em outubro de 1917, uma nova história da humanidade começou em nosso país. Todo operário e camponês letrado deve aprendê-la, pois a nova história está sendo feita de acordo com essa verdade eterna, que atrai os povos trabalhadores do mundo inteiro, e muitas vezes os incitou com o anseio de realizá-la na prática, de construir a vida sobre sua estrutura. Esta é a única verdade com o poder de melhorar todas as condições de vida dos operários e camponeses. O primeiro homem a provar além da disputa de que a velha história da humanidade estava chegando ao fim e que chegara a hora de criar uma nova história - a história da completa emancipação dos trabalhadores do jugo cruel dos ricos - esse homem era Karl Marx.

 

Ele e seu sucessor, o gênio Vladimir Lenin, estabeleceram firme e permanentemente a verdade simples e clara: a vida do povo trabalhador, do proletariado da cidade e do campo, não pode ser mudada para melhor, enquanto existirem as condições que tornam possível um homem viver do trabalho de dezenas e centenas de milhares de pessoas. As condições penais do trabalho e as formas bárbaras da vida social que são construídas com base na ganância, inveja, disputas incessantes e que esgotam a energia do trabalho dos operários - essas condições vergonhosas só podem ser mudadas pela classe operária. Para este propósito, a classe operária deve assumir o poder político; deve tomar conta de toda a terra e de tudo o que produz e do trabalho humano sistemático que é aplicado a ela – de tudo de útil aos homens que está oculto nas entranhas da terra; deve assumir todos os meios de produção: ferramentas, máquinas, fábricas, navios, locomotivas; deve assumir tudo o que foi feito e está sendo feito pelo trabalho dos operários, mas que serve apenas para fortalecer o governo sem sentido e irresponsável dos capitalistas.

 

Sabemos que todos os socialistas aceitaram isso como a verdade, mas a maioria deles está resolvida na opinião de que uma alteração tão drástica só pode ser feita nas principais condições de vida do povo trabalhador, resolvendo as contradições entre capital e trabalho de maneira silenciosa e pacífica, por “evolução” gradual e lenta. Por isso, é claro que certos líderes reacionários da Segunda Internacional não são revolucionários; eles são indistinguíveis de liberais cultos que, embora concordem “por princípio” que as formas de vida social devem ser mudadas, buscam na prática seus próprios interesses, os interesses das pessoas que desejam dominar as vidas da classe operária. Esses socialistas têm traído a classe operária tantas vezes que podemos omitir todas as menções a eles.

 

Em 1903, Lenin, homem de grande e lúcido intelecto, firme e rigoroso revolucionário, declarou categoricamente que a principal tarefa de um verdadeiro socialista era desenvolver o instinto de classe do proletariado da cidade e do campo para a realização da necessidade de organizar uma revolta armada contra os latifundiários e capitalistas com o propósito de tomar o poder político.

 

Sua teoria se espalhou, organizou a consciência de classe das massas trabalhadoras, criou um grupo de lutadores e deu a vitória ao proletariado sobre seus inimigos. No país da União dos Sovietes Socialistas não há outros mestres senão os operários e camponeses, toda a sua riqueza pertence apenas a eles.

 

A União Soviética marca o começo e o avanço progressivo na construção do primeiro estado socialista no mundo. É difícil extirpar os hábitos, preconceitos e superstições endógenas no povo, mas esse trabalho de deixar entrar a luz e o ar sobre as sobrevivências do passado antigo e sombrio continua, e já podemos dizer que não há qualquer canto da União Soviética onde o espírito revolucionário da nova história não tenha penetrado.

 

Esse espírito revolucionário operará de maneira ainda mais poderosa e eficaz se mostrarmos à massa de operários e camponeses um amplo esboço do quadro épico do início da nova história. Começou com a Guerra Civil de 1918-21, uma expressão veemente, além de qualquer comparação, da vontade operária e camponesa, um quadro histórico de incontáveis ​​batalhas travadas por um proletariado nu, faminto, quase desarmado contra exércitos de oficiais soberbamente equipados, e de jovens burgueses, comandados por generais que eram mestres da ciência militar, ajudados pelos capitalistas de toda a Europa em sua defesa do domínio dos proprietários de terras, capitalistas e banqueiros.

 

A história da Guerra Civil é a história do triunfo de uma grande verdade incorporada na classe operária. Essa história deve ser familiar a todos os lutadores na frente da revolução cultural, a todos os construtores do novo mundo.

 

O trabalho em tal livro, Uma História da Guerra Civil, foi iniciado pelo camarada Voroshilov e outros especialistas militares com a colaboração, é claro, de historiadores especializados. Este será um livro dentro do entendimento de todo leitor, mesmo que falte em educação. Para facilitar a leitura, os melhores escritores que estiveram na frente durante a Guerra Civil, com rifle ou caneta, foram recrutados para lidar com o material militar.

 

Essa "História" é necessária não apenas pelos antigos lutadores que agora trabalham duro construindo o socialismo, quebrando a resistência da antiga inércia humana e a desconfiança das pessoas sobre suas próprias capacidades; é necessário não apenas evocar lembranças orgulhosas de suas batalhas e vitórias. Nossa geração jovem precisa aprender o heroísmo de seus pais e compreender quem foram os homens que lutaram por sua pequena casa e suas vacas, pela vitória da classe operária, pelo socialismo. É necessário para o proletariado de todos os países, os milhões para os quais os dias de grandes batalhas agora não estão muito distantes. Este livro deve ser uma crônica vívida de heroísmo e deve inspirar heroísmo.

 

Ao mesmo tempo, será uma história real e verídica de todas as atrocidades e estragos infligidos ao nosso país por seus antigos senhores; deve mostrar todo o ódio repugnante sentido pelas feras de rapina que tiveram suas garras cortadas e seus dentes arrancados. Mostrará como descaradamente os donos de fábricas e os proprietários de terras destruíram a propriedade do povo de seu país. Ela convencerá o bem-humorado e o de coração mole que o capitalista não é mais um ser humano, mas uma criatura na qual uma ânsia insana pelo lucro consumiu todos os vestígios da humanidade. Esta “História” deve ser um registro de todo o sangue derramado pelos capitalistas com o único propósito de manter suas condições costumeiras de vida, a vida confortável, deliciosa, completamente corrupta de bestas de duas pernas engordando sobre outras pessoas.

 

Este será o livro da nossa verdade socialista que veio para transformar o velho mundo e ressuscitá-lo, para uma nova vida.

 

Publicado em Culture and the People, International Publishers, 1939

 

Escrito por Máximo Gorki

 

Traduzido por I. Dias

 

Please reload

Leia também...

"Como Mao Tsé-tung estudava e investigava"

21/11/2019

"Para você, amado camarada"

19/11/2019

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube