"Vilma Espín, paradigma para as mulheres cubanas"

23/08/2018

 

Qualidades humanas formadas por preceitos familiares, sentido de justiça, rejeição à mentira, ao banal e ao superficial,(1) caracterizam Vilma Espín Guillois, que nasceu em Santiago de Cuba exatamente há 86 anos, em 7 de abril de 1930. Frente à situação social, apesar de sua vida cômoda, repudiou o que via, perguntando-se “por que há pedintes na rua?”, “Como resolver isso?”

 

Iniciou a carreira de Engenheira Química em 1948, na Universidade do Oriente, coincidindo com as lutas pela oficialiazação de um financiamento estatal, atividades em que esteve presente. Se filiou à Federação Estudantil Universitária do Oriente (FEUO) e não deixou de somar-se as mais variadas jornadas de protestos convocados(3).
 

Com o golpe de Estado de 1952, que violou a Constituição, e a derrota do Partido do Povo Cubano (Ortodoxo), aflora seu ideal de acabar com a tirania, considerando o ocorrido como uma ofensa pessoal. Dessa forma, participou de diversas ações de oposição junto com outros estudantes e se integrou a geração que mobilizou seu pensamento radical, fazendo militância revolucionária que proporcionou a insurreição armada.
 

Consequentemente em 1952, depois do jovem estudante Rubén Batista ser condenado à morte em Havana, consolidou seu pensamento e teve o valor de aproximar-se ao Moncada junto com outras companheiras, e de vincular-se aos combatentes do assalto ao quartel Moncada e Carlos Manuel de Céspedes levados a cabo em Santiago de Cuba e Bayamo, respectivamente, pela Geração do Centanário encabeçados por Fidel.
 

Sobre o ocorrido diria “...Muitas das nossas famílias acolheram a companheiros do Moncada, ajudaram os que estavam no hospital, levando comida aos que estiveram presos”, (4) exemplo foi sua ajuda a José Ponce e Abelardo Crespo. Vilma também escondeu Severino Rossel, na casa de sua família em Punta de Sal.
 

Seu vínculo com Frank País e José Tey (Pepito), possibilitou a uma maior preparação ideológica que canalizou no Movimento Nacional Revolucionário, com um programa de acordo com seus ideais (5). “Dessa forma, se torna parte de um desfile em homenagem a Antonio Maceo que foi reprimido, mas consegue chegar a casa do Titã[em Cuba Maceo é apelidado de Titã de bronze], expressado em uma nota:  “... muitos saímos a homenageá-lo hoje 7 de dezembro, mas só um pequeno grupo chegou… As forças policiais que destruíram a nação que você liberou, se encarregaram de detê-los. Mas saibas, Titã de Bronze, com isso, que seus filhos sabem defender a pátria”. (6)
 

Quando Frank cria a Ação Revolucionária Oriental (ARO), Vilma se incorpora e trabalha junto na seção de finanças, onde demonstra honestidade e desempenho. A organização cresce e começa a ser chamada Ação Nacional Revolucionária (ANR), nome que segundo Calas Benavides foi acordado em uma reunião na casa de Frank em que estava Vilma e Pepito Tey.
 

A oportunidade de ler e compreender A História me absolverá [histórico discurso de Fidel Castro], fortalece sua formação ideológica, o que a faz expressar ”... lí o discurso todo de uma vez só.. Estávamos todos fascinados, se clareava um programa no qual podíamos aglutinarmos para lutar..”, (7) e em seguida contribuiu para sua distribuição. “Depois de concluir seus estudos em 15 de julho de 1954, continuaria vinculada no centro e aos revolucionários.
 

Junto a sua irmã Nilsa apaga os rastros de pólvora que Frank teria nas mãos logo depois do assalto ao quartel de Caney. Quando este é preso, assume alguns dos seus trabalhos. Era considerada sua ajudante e sobre isso disse Graciela Aguiar”... mandou fazer todo o possível para garantir sua vida… juntos fomos à prísão e me disse que tinha tanta coisas a dizer-me em tão pouco tempo, que não sabia como começar”.
 

Mostrou sua capacidade de manejar as estratégias do Movimento.
 

O Movimiento Revolucionario 26 de Julio, é fundado no Oriente no último trimestre de 1955 e Vilma participa do processo de consultas efetuado por Frank, antes que fosse estudar em Boston, Estados Unidos. Poder-se-ia pensar que acabava uma etapa ativa de luta, ainda que não deixasse de se preocupar com a situação de Cuba. (8). Em junho de 1956 vai ao México, se reúne com Fidel Castro já exilado, e traz à Cuba mensagens para a coordenação de ações de apoio no país. Foi protagonista do trabalho em Santiago, onde preparou suprimentos e facilitou a estadia para  a organização de levantamento armado de 30 de novembro, no local que depois passou a ser a sede do quartel general.
 

O ano de 1957 foi decisivo. Esteve na Sierra Maestra em reunião com os chefes da guerrilha nascida na expedição do Granma, e participou da entrevista de Fidel com o jornalista norteamericano Herbert Matthew. Junto com Frank organizou o primeiro envio de homens a Sierra e é encarregada, em 20 de julho, da Coordenação Provincial do Oriente, responsabilidade que a colocou na vanguarda em momentos decisivos, como foi a morte de Frank e tudo o que ela gerou posteriormente.
 

Sua ação não cessa, e em 1958 é vista no abastecimento da guerrilha, na grande greve de 9 de abril e em reuniões importantes convocadas na Sierra Maestra, o que contribuiu para que Oriente fosse considerado um baluarte na luta. Em junho participa junto ao comandante Raúl Castro Ruz nas conversas com o cônsul americano, em função da Operação Antiaérea realizada na Segundo Frente Oriental Frank País, e por sua segurança decide permanecer em território rebelde, como Delegada Nacional de MR-26-7. Participou em diferentes reuniões realizadas para a tomada de Santiago de Cuba e entrou triunfante na sua cidade natal em 1º de Janeiro de 1959.
 

A partir de então se inicia uma nova etapa de luta, pela plena igualdade de direitos da mulher, desde a Federação de Mulheres Cubanas, que presidiu por 47 anos, assim como desde o Partido comunista e como Deputada da Assembleia Nacional do Poder Popular. Em 18 de Junho de 2007 nos deixa fisicamente, mas segue sendo a eterna Presidenta e seu exemplo, como disse Fidel, é hoje mais necessário que nunca.

 


Notas

1 Palavras de Asela de los Santos en el montaje do memorial Vilma Espín.

2 Margot Randall: “La mujer cubana de ahora” en revista Mujeres, julio de 1973, p. 6, entrevista a Vil­ma Espín.

3 Mirza, Ramos Ochoa: Participación de Vilma Espín en las luchas estudiantiles, 2011 (inédito).

4 Vilma Espín: “Seguimos a Fidel”, en revista Mu­jeres no. 2, 2003, p. 57.

5 Vilma Espín: “Deborah” en Una Revolución que Comienza, p. 56.

6 Renaldo Infante Urivazo: Frank País: Leyenda sin Mitos, p. 104.

7 Vilma Espín: “Deborah” en Una Revolución  que Comienza, p. 59. Contra todo Obstáculo, p. 23.

8 Vilma Espín: “Deborah” en Una Revolución que Comienza, p. 60.

 

 

por María Esther Mora Abad, mestre en Ciencias. Museóloga del Memorial Vilma Espín, Santiago de Cuba. Miembro de la UNIHC.


Tradução Fuzil contra Fuzil

 

Please reload

Leia também...

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

13/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube