Marx: "Indiferentismo Político"

30/07/2018

“A classe operária não deve constituir-se em partido político; não deve, de modo algum, engajar-se em ações políticas, pois combater o Estado é reconhecer o Estado: e isto é contrário aos princípios eternos. Trabalhadores não devem entrar em greve; seja para conseguir aumento de salários ou para impedir sua diminuição, é como reconhecer os salários: e isto é contrário aos princípios eternos da emancipação da classe operária!

 

“Se na luta política contra o Estado burguês os trabalhadores obtiverem sucesso na conquista de algumas concessões, então eles são culpados de compromisso; e isto é contrário aos princípios eternos. Todos os movimentos pacíficos, tais como aqueles em que os operários ingleses e americanos têm o mau hábito de envolverem-se, devem ser desprezados. Os operários não devem lutar para estabelecer um limite legal para o dia de trabalho porque isso é compromisso com os patrões, estes que podem então apenas explorá-los por 10 ou 12 horas, em vez de 14 ou 16. Eles não devem nem mesmo esforçarem-se com a finalidade de proibir o emprego de crianças com idade inferior a dez anos em fábricas, porque por tais meios eles não irão pôr fim à exploração de crianças com mais de 10: assim eles cometerão um novo compromisso, que sujará a pureza dos princípios eternos.

 

“Então os operários deveriam ser os que menos iriam desejar isso, assim como acontece no Estados Unidos América, o Estado cujo orçamento está inchado por aquilo que é retirado da classe operária deve ser obrigado a dar educação primária para os filhos de todos os trabalhadores; apenas para o ensino primário não é a educação completa. É melhor que os homens e as mulheres que trabalham não sejam capazes de ler ou escrever, ou fazer cálculos, do que receber uma educação de um professor em uma escola dirigida pelo Estado. É muito melhor a ignorância e um trabalho de 16 horas diárias do que os princípios eternos serem violados.

 

“Se a luta política da classe operária assume formas violentas e se o proletariado substituir a ditadura da classe burguesa pela sua própria ditadura revolucionária, então eles são culpados pelo terrível crime de lesa-princípio; para, a fim de satisfazer suas miseráveis necessidades diárias profanas e para esmagar a resistência da burguesia, eles, em vez de depor suas armas e abolir o Estado, estes, dão ao Estado uma forma revolucionária e transitória. Os trabalhadores não devem nem mesmo formar sindicatos individuais para cada ofício, pois assim fazendo, eles perpetuam a divisão social do trabalho como eles encontram na sociedade burguesa; esta divisão, que fragmenta a classe trabalhadora, é a verdadeira base de sua presente escravização.

 

“Em uma palavra, os trabalhadores deveriam cruzar seus braços e parar de perder tempo nos movimentos tanto de caráter político como econômico. Tais movimentos nunca poderão produzir mais do que resultados de curto prazo. Como homens verdadeiramente religiosos, devem desprezar as necessidades diárias e clamar com vozes cheias de fé: “Nossa classe pode ser crucificada, nossa raça pode perecer, mas deixem os princípios eternos permanecerem imaculados! Como cristão piedosos, eles devem crer nas palavras de seu pastor, desprezar as coisas boas deste mundo e pensar apenas em chegar ao paraíso. No lugar do paraíso a liquidação social, que vai ter lugar um dia, em um ou outro canto do globo, ninguém sabe como, ou por meio de quem, e a mistificação será idêntica em todos os aspectos.

"Na expectativa, portanto, desta famosa liquidação social, a classe operária deve comportar-se de maneira respeitável, como um rebanho de ovelhas bem alimentado; ela deve deixar o governo em paz, temer a polícia, respeitar a lei e oferecer-se sem queixas como bucha de canhão.

 

"Na vida prática de cada dia, os trabalhadores devem ser os servos mais obedientes do Estado; mas em seus corações, eles devem protestar energicamente contra sua existência, e dar prova de seu profundo desprezo teórico mediante a aquisição e leitura de tratados literários sobre a sua abolição; eles devem continuar escrupulosamente abster-se de demonstrar qualquer resistência ao regime capitalista para além de declamações sobre a sociedade do futuro, quando este odiado regime terá deixado de existir!”

 

 

Não se pode negar que, se os apóstolos do indiferentismo político estavam a expressar-se com tanta clareza, a classe trabalhadora daria pouca atenção a eles e se ressentiria de ser insultada por esses burgueses doutrinários e deslocadas senhores, que são tão estúpidos ou tão ingênuos a ponto tentar negar à classe trabalhadora quaisquer meios reais de luta. Para todas as armas com as quais a luta deve ser tirada da sociedade como ela é e as condições fatais de tal luta tem a infelicidade de não ser facilmente adaptada para as fantasias idealistas que esses doutores em ciências sociais têm exaltado como divindades, sob os nomes de Liberdade, Autonomia, Anarquia. No entanto, o movimento operário é hoje tão poderoso que estes sectários filantropos já não ousam repetir para a luta econômica as grandes verdades que eles usaram incessantemente para proclamar sobre o tema da luta política. Eles são simplesmente muito covardes para aplica-los nas greves, associações, sindicatos do ramo artesanal, nas leis referentes ao trabalho da mulher e das crianças, nas de limitação do dia de trabalho, etc., etc.

 

Agora, vejamos se eles ainda podem ser trazidos de volta às boas tradições antigas, de forma modesta, à boa fé e aos princípios eternos.

 

Os primeiros socialistas (Fourier, Owen, Saint-Simon, etc.), uma vez que as condições sociais não estavam suficientemente desenvolvidas para permitir que a classe operária se constituísse como uma classe militante, foram necessariamente obrigados a limitar-se aos sonhos sobre a “sociedade modelo” do futuro e foram levados a condenar todas as tentativas, como greves, combinações ou movimentos políticos estabelecidos pelos operários para melhorar sua condição. Mas, embora não possamos repudiar esses patriarcas do socialismo, assim como os químicos não podem repudiar os seus antepassados, os alquimistas, devemos, pelo menos, evitar cair em seus erros, o que, se os cometemos, seria injustificável.

 

Mais tarde, no entanto, em 1839, quando a luta política e econômica da classe operária na Inglaterra assumiu um caráter bastante acentuado, Bray, um dos discípulos de Owen e um dos muitos que bem antes de Proudhon atingiu a ideia do mutualismo, publicou um livro intitulado "Erros do trabalho e remédios do trabalho".

 

Em seu capítulo sobre a ineficácia de todos os remédios apontados pela presente luta, ele faz uma crítica selvagem de todas as ações, políticas ou econômicas, da classe operária inglesa, condenando o movimento político, as greves, a limitação da jornada de trabalho , a restrição do trabalho das mulheres e das crianças nas fábricas, já que tudo isso - ou então ele afirma - em vez de nos tirar do estado atual de sociedade, nos mantém nesta e faz nada além de tornar os antagonismos mais intensos.

 

Isso nos leva ao oráculo desses doutores das ciências sociais, sr. Proudhon. Enquanto o mestre teve a coragem de declarar-se energicamente contrário a todas as atividades econômicas (organizações, greves, etc.) que contradiziam suas teorias redentoras do mutualismo, ao mesmo tempo através de seus escritos e de sua participação pessoal, encorajava o movimento operário e seus discípulos a não se atrevem a declarar-se abertamente contra isto. Já em 1847, quando o excelente trabalho do mestre “O sistema de contradições econômicas” acabara de ser publicado, eu refutei seus sofismas contra o movimento operário [1]. No entanto, em 1864, após a lei Ollivier, que concedeu aos operários franceses, de forma muito restritiva, certo direito de organização, Proudhon voltou à acusação em uma obra intitulada “As Capacidades Políticas das Classes Trabalhadoras”, publicado alguns dias após seu falecimento.

 

As restrições do mestre eram tão saborosas para a burguesia que o The Times, por ocasião da grande greve de alfaiatarias de Londres de 1866, fez a Proudhon a honra de traduzir sua obra e de condenar as greves com as próprias palavras do mestre. Aqui estão alguns trechos selecionados.

 

Os mineiros de Rive-de-Gier entraram em greve; os soldados foram chamados para trazê-los de volta à razão. Proudhon alardeia: “A autoridade que fez com que os mineiros de Rive-de-Gier agissem desgraçadamente. Mas estava agindo como Brutus de antigamente, preso entre seu amor paternal e seu dever consular: foi necessário sacrificar seus filhos para salvar a República. Brutus não hesitou e posteriormente não foi condenado.” [2] Em toda a memória do proletariado não há registro de um burguês que tenha hesitado em sacrificar seus trabalhadores para salvar seus interesses. Que Brutus, a burguesia, deve ser!

 

“Bem, não: não há direito de associação, assim como não há direito de defraudar ou roubar, ou cometer incesto ou adultério.” [3] Há, no entanto, muito claramente um direito à estupidez.

 

Quais são então os princípios eternos, em cujo nome o mestre fulmina seu anátema místico?

 

Primeiro princípio eterno: "Os salários determinam o preço das mercadorias".

 

Mesmo aqueles que não têm conhecimento de economia política e que não sabem que o grande economista burguês Ricardo em seus Princípios de Economia Política, publicado em 1817, refutou esse erro de longa data de uma vez por todas, estão cientes do fato notável de que a indústria britânica pode vender seus produtos a um preço muito inferior ao de qualquer outra nação, embora os salários sejam relativamente mais altos na Inglaterra do que em qualquer outro país europeu.

 

Segundo princípio eterno: “A lei que autoriza a associação é altamente anti-jurídica, antieconômica e contrária a qualquer sociedade ou ordem”. [4] Em uma palavra “contrária ao direito econômico de livre concorrência”.

Se o mestre tivesse sido um pouco menos chauvinista, ele poderia ter se perguntado como aconteceu que há quarenta anos uma lei, contrária aos direitos econômicos da livre concorrência, foi promulgada na Inglaterra; e que, à medida em que a indústria se desenvolve e, ao lado dela, a livre concorrência, essa lei - tão contrária a qualquer sociedade e ordem - se impõe como uma necessidade até mesmo aos próprios estados burgueses. Ele talvez tenha descoberto que esse direito (com o capital R) existe apenas nos Manuais Econômicos escritos pelos Irmãos Ignoramus da economia política burguesa, nos quais estes manuais contém pérolas como esta: “A propriedade é o fruto do trabalho” (‘do trabalho’, eles negligenciam a adicionar’, ‘dos outros’).

 

Terceiro princípio eterno: “Portanto, sob o pretexto de elevar a classe operária de sua condição de chamada inferioridade social, será necessário começar denunciando toda uma classe de cidadãos, a classe dos chefes, empresários, mestres e burgueses; será necessário despertar a democracia operária para rejeitar e odiar esses membros indignos da classe média; será necessário preferir a guerra industrial e mercantil à repressão legal e o antagonismo de classe à polícia estatal.” [5]

 

O mestre, com a finalidade de prevenir que a classe operária escape da sua chamada inferioridade social, condena as associações que constituem a classe operária como antagonista de classe à respeitável categoria dos mestres, empresários e burgueses, que por sua vez preferem, como Proudhon, a polícia estatal do que o antagonismo de classe. A fim de evitar qualquer ofensa a essa classe respeitável, o bom M. Proudhon recomenda aos operários (até a chegada do regime mutualista, e apesar de suas sérias desvantagens) a liberdade ou a competição, nossa “única garantia”. [6] O mestre pregou a indiferença em questões de economia - de modo a proteger a liberdade ou a competição burguesas, nossa única garantia. Seus discípulos pregam a indiferença em questões políticas - de modo a proteger a liberdade burguesa, sua única garantia. Se os primeiros cristãos, que também pregavam o indiferentismo político, precisavam do braço de um imperador para se transformar de oprimidos em opressores, os modernos apóstolos do indiferentismo político não acreditam que seus próprios princípios eternos lhes imponham a abstinência dos prazeres do mundo e os privilégios temporais dos opressores de uma sociedade burguesa. No entanto, devemos reconhecer que eles demonstram uma fidelidade digna dos primeiros mártires cristãos em apoiar aquelas catorze ou dezesseis horas de trabalho, tais como sobrecarregar os operários nas fábricas.

 

1873

 

Por Karl Marx

 

Traduzido por I. Dias

 

Notas

[1] P. Proudhon J., Système des contradictions economiques, ou philosophie de la misère (1846). Este foi o trabalho que Marx respondeu com seu livro A miséria da Filosofia (1847)

[2] De la Capacité politique des class ouvrières, Paris, 1865, p. 413. Para dar a Proudhon o que se deve, ele não estava justificando tanto as ações das autoridades francesas quanto expor as “contradições” que ele via como um mal inevitável da atual ordem social.

[3] ibid., p. 421

[4] ibid., p. 424

[5] ibid., p. 426

[6] ibid., p. 422

Please reload

Leia também...

URC: "Sobre o Golpe de Estado imperialista na Bolívia"

12/11/2019

Engels: "Marx e a Neue Rheinische Zeitung"

12/11/2019

O XX Congresso do PCUS e a crise no Partido Comunista do Brasil (PCB)

11/11/2019

Marx: "Carta a Pavel V. Annenkov"

11/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube