"Vietnã: uma figura pequena contra cinco impérios"

02/07/2018

 

Em 2 de julho de 1976 se proclamou a República Socialista do Vietnã, após a vitória em abril de 1975 do Vietnã do Norte sobre o regime do Sul.

A guerra contra os cinco impérios em 1975 custou mais de 3,5 milhões de vidas vietnamitas. Entretanto, graças as estratégias militares dos comandantes esse país foi capaz de conquistar a República Socialista em 1976.

Pequeno, inflexível e, portanto, inesquecível, é aquele país banhado pelo Mar da China e que ao longo da história batalhou contra diversas forças opressoras.

Até o século XI, o que hoje se conhece como o Vietnã, lutou durante longos períodos contra o poderio das dinastias chinesas conquistando sua independência. Depois vieram os mongóis, estes que em pelo menos em três ocasiões entre 1257 e 1288 lançaram grandes campanhas militares para expandir seus domínios, falhando em suas tentativas.

E foi no século XX quando combateram e derrotaram os franceses, japoneses e estadunidenses.

Mas não é possível compreender o feito heroico do povo vietnamita contra o imperialismo francês, japonês e estadunidense sem ressaltar o papel cumprido por outra “pequena figura” como a do lendário general Vo Nguyen Giap, conhecido como o “Napoleão Vermelho”.


Sua extraordinária capacidade como estrategista militar, é de tal dimensão que basta mencionar que no século passado, dirigindo um exército de guerrilheiros pobres, famintos, mas não menos dignos, enfrentou e derrotou os três impérios e foi o baluarte da libertação, primeiro do Vietnã do Norte, depois o do Sul e mais tarde da reunificação da pátria.

Em maio de 1941 na conferência de Chingsi (China), junto com Ho Chi Minh, funda o Dong Minh (Liga Vietnamita para a Independência), mais conhecido como Viet Minh. Para aglutinar as forças antijaponesas em uma única frente de libertação nacional.

Neste mesmo ano Giap vai para as montanhas do interior do Vietnã para iniciar a guerra de guerrilhas. Ali foi estabelecido uma aliança com Chu Van Tan, dirigente do Tho, um grupo guerrilheiro de uma minoria nacional do Vietnã do Noroeste. Giap começou a construir o Tuyen Truyen Giai Phong Quan, um exército capaz de expulsar o ocupante francês e apoiar o programa do Vietminh.

Iniciou uma campanha de dois anos de propaganda armada e de recrutamento, convertendo os camponeses em guerrilheiros com uma combinação de treinamento militar e formação política comunista. A meados de 1945 teria pelo menos 10 mil homens armados sob seu comando e pode passar à ofensiva contra os japoneses que ocupavam todo o sudeste asiático.


Junto com Ho Chi Minh, Giap dirigiu suas forças até Hanói em agosto de 1945, e em setembro Ho Chi Minh pôde proclamar a independência do Vietnã, com Giap como comandante do exército revolucionário.

Na posterior guerra contra o colonialismo francês, Giap demonstrou a superioridade da guerra popular sobre as forças imperialistas obtendo uma espetacular vitória a 7 de maio de 1954 na decisiva batalha de Dien Bien Phu, um vale situado a aproximadamente 300 quilômetros a oeste de Hanói no qual estavam entrincheiradas as forças ocupantes francesas, confiadas na proteção das montanhas e em conseguir bater as forças revolucionárias quando descessem.


Dos 15 mil e 94 mercenários franceses que haviam se agrupado em Dien Bien Phu, depois de quase seis meses de sítio, somente 73 conseguiram escapar do cerco, enquanto que cinco mil morreram e 10 mil foram capturados. Giap e o general Denhg lançaram um assalto frontal sobre a guarnição que expulsou os colonialistas franceses definitivamente da Indochina. O exército de Giap e de Denhg sofreu com a morte de 25 mil combatentes.

Giap e Denhg derrotaram os imperialistas com uma acumulação logística extraordinária e um uso eficaz de uma artilharia bem protegida. Os 60 caças de bombardeio estadunidenses B-29 que foram em apoio a guarnição francesa, não alcançaram seu objetivo, obrigando os imperialistas a projetar um plano criminoso elaborado pelo almirante ianque Radford e o general francês Navarre, consistindo em lançar bombas nucleares contra as forças revolucionárias.

A campanha de Dien Bien Phu foi a primeira grande vitória de um povo colonial e feudal, com uma economia agrícola primitiva, contra um experiente exército imperialista sustentado por uma indústria bélica moderna. Os mais conhecidos generais franceses (Leclerc, De Lattre de Tasigny, Juin, Ely, Sulan, Navarre) fracassaram um atrás do outro diante de tropas constituídas por camponeses pobres mais decididas a lutar até o fim pelo seu país e pelo socialismo.

Giap foi desenvolvendo, em cada etapa de sua luta, táticas engenhosas para vencer o inimigo. No caso da batalha final contra os ocupantes franceses, em Dien Bien Phu, em 1954, surpreendeu porque seu exército de guerrilheiros, que nem sequer usavam calçados e sim apenas sandálias fabricadas com jantes, se infiltraram nas fileiras inimigas, e parte por parte, ao ombro, carregaram sua artilharia e os recursos necessários para combater o inimigo, que finalmente ganharam.

O Vietnã continuou divido e Giap foi nomeado ministro da Defesa do novo governo do Vietnã do Norte que, no tempo em que continuava a guerra popular, se esforçava para construir uma nova sociedade socialista. Anos mais tarde, em seus escritos e entrevistas ele recomendaria: “Evitar o inimigo quando é forte, ataca-lo quando é fraco. A guerra não é somente um assunto dos militares, mas também de todo o povo. O camponês deve estar armado, mas cultivando sua terra”.

Como comandante do novo exército popular, Giap dirigiu a luta na guerra do Vietnã contra os novos invasores estadunidenses no sul do país, que mais uma vez começou sob a forma de guerra de guerrilhas. Os primeiros soldados estadunidenses morreram no Vietnã quando, a 8 de julho de 1959, o Vietcong atacou uma base militar em Bien Hoa, no noroeste de Saigon. Neste ano, mais de mil lacaios do imperialismo estadunidense foram justiçados pelos guerrilheiros do Vietcong e antes de 1961, outros 4 mil haviam caído.

Somente na epopeia final contra a invasão estadunidense, Giap com seus homens derrotou a um exército, o de Saigon, mais de mil homens armados e financiados pelos Estados Unidos e equipados com a melhor tecnologia conhecida, no que constituiu a segunda grande derrota militar da maior potência econômica do mundo. A primeira tinha proporcionado uma outra figura pequena: o “General de Homens Livres”, Augusto C. Sandino na Nicarágua, nos anos 1920.


Quatro presidentes estadunidenses lutaram sucessivamente contra o Vietnã, deixando o rastro de sangue de 57.690 mercenários ianques executados. No lado vietnamita morreram 600 mil combatentes mas finalmente os Estados Unidos foram obrigados a sair do país em 1973. Dois anos mais tarde o país foi reunificado, quando um tanque do exército revolucionário avançou sobre a cerca de proteção da embaixada estadunidense, enquanto que os últimos imperialistas fugiam precipitadamente em um helicóptero pelo telhado do edifício.

O general Giap não somente foi um mestre na arte de dirigir a guerra revolucionária, mas também, além disso, escreveu sobre ela em 1961 sua famosa obra “Guerra Popular, exército popular”, um manual de guerra de guerrilhas baseado em sua própria experiência. Nele, é estabelecido os três fundamentos básicos que deve ter um exército popular para conquistar a vitória na luta contra o imperialismo: direção, organização e estratégia. A direção do Partido Comunista, uma férrea disciplina militar e uma linha política adequada as condições econômicas, sociais e políticas do país.

Definiu a guerra popular como “uma guerra de combate para o povo e pelo povo, enquanto que a guerra de guerrilhas é simplesmente um método de combate. A guerra popular é um conceito mais geral. É um conceito sintetizado. É uma guerra militar, econômica e política”. A guerra popular não somente é levada a cabo por um exército, por mais que seja popular, mas sim por todo o povo, porque é impossível que um exército revolucionário, por si mesmo, possa alcançar a vitória contra a reação, sendo que todo o povo deve participar e ajudar numa luta, que necessariamente deve ser prolongada.

Vo Nguyen Giap, falecido em 4 de outubro de 2013 com 102 anos de idade, havia nascido em 25 de agosto de 1911. Era filho de um camponês que, ainda que carecendo de terras, sabia ler e escrever, e lutou toda a sua vida contra o regime colonialista imposto ao seu país.

Em 1926, sendo ainda muito jovem, começou a lutar pela libertação do Vietnã no instituto em que estudava. Se incorporou ao Menh Dang do Tan Viet e, dois anos mais tarde, ao Quoc hoc, que eram organizações clandestinas que realizavam agitação contra a ocupação estrangeira.

Destacou-se como um gênio da logística, capaz de mobilizar continuamente importantes contingentes de tropas, seguindo os princípios da guerra de movimentos. O fez assim contra os colonialistas franceses em 1951, infiltrando um exército inteiro adentro das linhas inimigas no delta do rio Mekong, e outra vez, durante a ofensiva do Tet em 1968 contra os estadunidenses, quando situou milhares de homens e toneladas de suprimentos para um ataque simultâneo contra 35 centros estratégicos do sul.

A Batalha de Drang (19 de outubro a 27 de novembro de 1965) foi uma das mais importantes do combate para ambos os lados durante a guerra de libertação do Vietnã. Nela, o general imperialista Westmoreland acreditou que a mobilidade aérea e a potência de fogo em grande escala seriam a resposta adequada a estratégia de Giap, mas este apostou seus próprios soldados tão próximos das linhas estadunidenses que os B-52 soltavam as bombas sobre suas próprias fileiras.

Apesar de tudo, ainda hoje as táticas guerrilheiras de Giap constituem uma das fontes de estudo das estratégias militares no mundo. A 41 anos da vitória sobre o imperialismo estadunidense é importante ter presente a longa luta levada a cabo contra cinco poderosos impérios.

 

da teleSUR

Traduzido por Igor Dias

 

Please reload

Leia também...

"Chongryon: A luta dos coreanos no Japão"

21/02/2020

Mao: "A questão da independência e autonomia no seio da Frente Única"

21/02/2020

Stalin: "Marx e Engels Sobre a Insurreição"

20/02/2020

Lenin: "O capitalismo e o parlamento"

19/02/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube