"Quando Fidel conheceu Che"

27/06/2018

 

Fidel Castro e Ernesto Che Guevara se conheceram em julho de 1955 por meio de Raúl Castro, a partir do momento que eles se tornaram irmãos na luta por um mundo de igualdade e justiça.

Com respeito, Fidel lembra como foram aqueles primeiros encontros. No livro Fidel y la Religión, de Frei Betto, expressa:

"(...) então quando nos encontramos com o Che, ele já era um revolucionário treinado; além disso, um grande talento, uma grande inteligência, uma grande capacidade teórica. (...) A tudo isto condições excepcionais humanos, companheirismo, desinteresse, altruísmo, coragem pessoal também se juntaram."

"Uma vez que estávamos no México e se juntou ao nosso movimento, ─ afirmou Fidel ─ me fez prometer que após a vitória da revolução em Cuba, seria autorizado voltar a lutar em sua terra natal ou na América Latina. Então ele passou vários anos trabalhando aqui em responsabilidades importantes, mas sempre ciente disso. No final, o que fizemos foi cumprir o compromisso feito com ele, não retê-lo, não atrapalhar o seu retorno."

Em discussões com o jornalista e intelectual Ignacio Ramonet, reunidos no livro Cem horas com Fidel, o líder cubano também lembra várias experiências e explica como foi o início dessa bela amizade.

"(...) Um dos primeiros a partir para o México foi Raúl. Eles já o estavam acusando de colocar bombas, e eu disse a ele: "Você tem que sair". Ele vai ao México e lá ele conhece Che através de nossos colegas que já estavam lá. Bem, ainda não era Ernesto Che Guevara, mas como os argentinos dizem aos outros "Che!", Os cubanos, em seguida, começou a chamá-lo de "Che", e assim ele ficou conhecido... "

"Demorei um pouco, mas foi tempo bem quando eu tive que sair para o México. Durante essas semanas após a nossa libertação da prisão, que tinha desenvolvido uma intensa campanha para divulgar nossas ideias e propósitos, estruturamos nossa própria organização revolucionária, Movimento 26 de Julho e tinha demonstrado a impossibilidade de continuar a luta por vias legais, então fomos ao México com a intenção de preparar do exterior o próximo estágio dessa luta".

 

Em Cien horas com Fidel, Ramonet tem:

- Você percebe, quando você o encontra pela primeira vez, que Che é diferente?

Ele tem a simpatia do povo. Ele era uma daquelas pessoas pelas quais todos imediatamente se importam, devido à sua naturalidade, simplicidade, companheirismo, originalidade e todas as suas virtudes.

(...) Ele também sabia que em nosso movimento havia uma pequena burguesia e havia tudo; Eu vi uma revolução de libertação nacional, uma revolução anti-imperialista, eu ainda não vi uma revolução socialista, mas eu estava feliz, e rapidamente me juntei, imediatamente.

- Che não teve nenhuma experiência militar quando chegou lá?

Nao nenhuma. Não tinha.

- Lá ele aprende?

Ele estuda e pratica, mas ele é como um médico de tropa, e acabou por ser um médico proeminente, cuidou de seus companheiros. Agora, uma qualidade que o retrata, um dos que mais apreciei, entre os muitos que apreciei. Che sofria de asma. Havia o Popocatépetl, um vulcão que fica nas proximidades da capital, e todo fim de semana ele tentava escalar o Popocatépetl. Ele preparou seu equipamento - a montanha é alta, mais de 5 mil metros, de neve perpétua -, ele começou a subida, fez um esforço enorme e não alcançou o topo. A asma impediu suas tentativas.

Na semana seguinte, tentou novamente levantar o "Popo" - como ele disse - e não chegou. Ele nunca chegou ao topo, nunca chegou ao topo do Popocatépetl. Mas tentou novamente escalar, e teria passado toda a sua vida tentando escalar o Popocatépetl, fez um esforço heróico, embora nunca tenha atingido esse pico. Você vê o personagem. Dá uma ideia da força espiritual, da sua constância, uma das suas características. Uma vontade...

Foi tremendo, isso retratou isto. Ele não se importava com o quão difícil.


- Não houve algum problema que ele não fosse cubano?

Sim, no México nós o colocamos à frente de um acampamento e alguns começaram a falar sobre ser argentino, e procuraram a grande luta comigo. Eu vou te dizer os nomes um dia. Eu não tenho que dizer os nomes agora, então eles se encontraram. Sim, lá em um acampamento no México ... E aqui, em nossa guerra, bem, como foi o médico, sua coragem, suas condições, nós fizemos o comandante, chefe de uma coluna e se destaca por muitas qualidades.

- Humano, político, militar?

Humano e político. Como homem, como um ser humano extraordinário. Ele também era um homem de alta cultura, um homem de grande inteligência. E com qualidades militares também. Che era um médico que se tornou soldado sem deixar de ser médico por um único minuto. Houve muitos combates em que estivemos juntos. Reuni as tropas dos dois e fizemos uma operação, uma emboscada.

- Uma vez obtida a vitória, Che Guevara insiste que quer sair, que quer fazer a revolução na Argentina?

Esse compromisso existia e eu sempre dizia a ele: "Não se preocupe, esse compromisso é cumprido." Mas Che tinha grande entusiasmo com a Revolução.

- Che foi um defensor do trabalho voluntário, certo?

Che promoveu muito o trabalho voluntário. Ele foi o criador, o promotor do trabalho voluntário em Cuba. Todo domingo ele ia fazer trabalho voluntário, um dia na agricultura, outro dia para tentar uma máquina, outro dia para construir.

Ele mantinha contatos próximos com os centros de trabalho, conversava com os trabalhadores, às vezes ia às docas, às minas, às vezes ia até os canaviais para cortar cana ... Você viu: se uma combinação foi feita e você teve que subir combinado, ele andava na cana combinada; se tivesse que ser construído, ele estava com um carrinho de mão; se você tivesse que carregar sacos, ele carregava sacos. Deixou-nos o legado daquela prática que, com seu exemplo, conquistou a simpatia e adesão a essa prática em milhões de nossos compatriotas.

Um verdadeiro exemplo! Todos esses são coisas admiráveis. Nessas situações, gostei dessas características do Che.

 

Sua imagem está no mundo inteiro.

Che é um exemplo, é o que é. Uma força moral indestrutível. Sua causa, suas ideias, nesta hora de luta contra a globalização neoliberal, estão triunfando. E então, em junho de 1997, qual o mérito daqueles que encontraram seu cadáver e o de outros cinco companheiros. Temos que agradecer, inclusive, aos bolivianos, às autoridades, eles colaboraram, se dedicaram, ajudaram.

Qual é a grande lição deixada por Che?

O que resta? Eu acho que a maior coisa é realmente os valores morais, a consciência. Che simbolizava os mais altos valores humanos e um exemplo extraordinário. Ele criou um grande exemplo. Eu o admirava muito e gostava dele. Ele sempre produz muito carinho, essa admiração. E eu expliquei a história de por que eu muito mais perto dele... Há muitas lembranças que ele nos deixou, e eu digo que é um dos mais nobres, mais extraordinários e abnegados homens que já conheci, o que teria importância se não se acredita que homens como ele existem em milhões, milhões e milhões nas massas. Homens que se destacam de maneira singular não poderiam fazer nada se muitos milhões, como ele, não tivessem o embrião ou não tivessem a capacidade de adquirir essas qualidades. É por isso que nossa Revolução estava tão interessada em combater o analfabetismo e em desenvolver a educação.

Então todo mundo é como o Che...

 

Do Resumen Latinoamericano

 

Please reload

Leia também...

O Socialismo Científico de Marx e Engels e o combate às ideias antiproletárias

09/12/2019

"Conversa entre J.V. Stalin e Mao Tsé-tung"

29/11/2019

"Carta da Komintern ao Comitê Central do PCB em 1933"

28/11/2019

Gramsci: "Legalidade"

27/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube