"Sem Engels não haveria marxismo"

26/06/2018

 

“A maioria das pessoas tem muita preguiça de ler tomos robustos como O Capital, portanto pequenos panfletos como este [Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico] tem um efeito muito mais rápido.” — Friedrich Engels, MECW, vol. 46, pp. 300, 369.

Friedrich Engels; o menino chicoteante da esquerda contemporânea, a gênese do “pecado original” do estalinismo, o vulgarizador positivista do trabalho de Marx e o ideólogo equivocado que tentou tolamente aplicar o método de Marx às ciências naturais. Estes são todos os tropos comuns que foram usados para desprezar Engels não só como um teórico dentro do panteão do pensamento comunista, mas também para minimizar seu próprio papel em contribuir para os fundamentos do marxismo e, portanto, relegar seu papel em seu relacionamento com Marx para o de seguidor passivo que “nunca entendeu [o marxismo], mas pensou que tinha”.

As razões para expurgar Engels expressam vários motivos políticos, com alguns vendo Engels como a única pessoa responsável por despojar o pensamento de Marx de seu humanismo original como visto nos Manuscritos Econômico-Filosóficos de 1844 e A Ideologia Alemã, e, assim, abrindo inadvertidamente o caminho para os “horrores estalinistas” do século XX. Ainda outros de uma visão mais liberal vêem em Engels uma expressão do pensamento do século 19, com todo o seu fervor determinista, como o contraste, ao invés de o elogio, ao pensamento liberal percebido por Marx. Em ambas as narrativas, Engels é o corruptor, o poluidor da “pureza” das contribuições originais de Marx, que, apesar das boas intenções de Engels para espalhar o marxismo, sem saber, espalhou sua própria distorção do marxismo infectada com toda uma série de bagagens ideológicas alienígenas.

No entanto, a verdade de seu papel é que não só ele era parte integrante da propagação do marxismo após a morte de Marx, mas que foi Engels, e não Marx, que pode ser dito ter sido o primeiro marxista. Longe de ser o “corruptor” do marxismo, Engels foi o seu mais firme defensor e trabalhou incansavelmente, tanto em termos abertos como discretos, para construir os fundamentos teóricos e práticos do marxismo há mais de 40 anos. Sem Engels, o marxismo tal como o conhecemos, e como a História o concebeu, não existiria.

Jovem Engels
O jovem Engels era um radical. Ele era o produto de uma casa burguesa e religiosamente piedosa, uma situação contra a qual ele se rebelou constantemente na sua juventude, mas um contexto moral que sustentou sua indignação contra os horrores e as injustiças da sociedade industrial emergente. O iniciante Engels escreveu com zelo contra os maus tratos dos pobres na sociedade industrial, com sua bússola moral dirigida por sua fé protestante ainda presente e compromisso com os oprimidos como os verdadeiros filhos de Deus. Sua carreira jornalística precoce estava cheia de críticas mordazes sobre as condições que criaram os perigos do proletariado, transbordando uma retórica de fogo e de enxofre que qualquer pregador teria inveja.

Ele se juntou ao exército prussiano em 1841, onde aprenderia sua propensão para a disciplina e a coordenação, qualidades suas que foram notadas por colegas soldados e oficiais superiores. Foi nesse momento que ele se envolveu com os Jovens Hegelianos em Berlim, um grupo de jovens intelectuais enamorados da filosofia de G.W.F. Hegel, que se reunia consistentemente em tabernas locais para conversar abertamente sobre as últimas questões filosóficas do dia. As bebidas fluíam, assim como os gritos vigorosos, e ocasionalmente um soco ou dois, se os ânimos se acendessem. Tais intelectuais proeminentes como Bruno Bauer, Ludwig Feuerbach e Max Stirner foram contados entre as fileiras dos Jovens Hegelianos. Esta foi a atmosfera em que o jovem Engels, já conhecido por sua sagacidade aguda, aprimorou suas habilidades de debate e afiou sua política.

Não demorou até Engels ficar frustrado com a falta de atividade política do grupo, prefigurando a posterior ênfase do marxismo na fusão entre teoria e prática. Seu tempo com os Jovens Hegelianos foi cortado bastante curto devido à sua impaciência. No entanto, politicamente, ele sofreu uma transformação, pois sua amizade estreita com o jovem hegeliano Moisés Hess o tornou um comunista convicto em 1842. Foi por volta dessa época que Engels conheceu Marx. Como um Jovem Hegeliano, Engels estava escrevendo editoriais consistentemente para o jornal Gazeta Renana, para o qual Marx também contribuiu. Foi nos escritórios daquele jornal onde Marx e Engels se conheceram pela primeira vez.

Engels estava visitando o escritório com seu amigo Edgar Bauer, o irmão mais novo de Bruno Bauer, quando ambos tropeçaram na cena de Marx gritando selvagemente sobre o jornal publicar os artigos de Edgar Bauer, que, segundo Marx, pressionaram o “comunismo militante” e eram todos “ar quente”. Engels, sendo o amigo de Edgar, imediatamente tirou o olhar frio de Marx, que, desnecessário dizer, ficou menos que impressionado com os dois jovens comunistas. Por mais breve que esta reunião tenha sido, uma coisa é clara: no momento do primeiro encontro, Engels já era um comunista convicto, enquanto Marx ainda era um democrata burguês.

Nesse mesmo ano, os pais de Engels o mandaram para Manchester para trabalhar na fábrica de algodão familiar. No entanto, foi ali onde nasceram os fundamentos do marxismo. Engels passou a maior parte do tempo compilando dados, observando a vida das fábricas e caminhando pelos distritos proletários de Manchester para reunir material para uma série de artigos a serem publicados na Gazeta Renana. Mais tarde, isso seria compilado em seu livro A Situação da Classe Trabalhadora na Inglaterra. Foi seu tempo em Manchester que lhe confirmou a necessidade do comunismo. Ao contrário de Marx, que chegou ao comunismo através da investigação filosófica e do humanismo, Engels chegou ao comunismo através das realidades práticas que ele observou diretamente operando no capitalismo. Em Manchester, ele finalmente conectou seu radicalismo filosófico hegeliano com as realidades do capitalismo e as lutas da classe trabalhadora. Quando se encontrou com Marx em Paris em 1844, foi a fervorosa crença de Engels no papel de vanguarda do proletariado, confirmada através da experiência e da pesquisa, que Marx adotou. Sem hesitação, podemos dizer que foi então que Engels se tornou o primeiro marxista, com Marx seguindo sua liderança.

Foi depois deste segundo encontro que Marx e Engels estabeleceram seu relacionamento de trabalho duradouro, e onde Engels consolidaria seu papel como o grande divulgador de suas idéias. Em 1845, Engels visitou a Alemanha dando palestras sobre o comunismo, que atraiu multidões consideráveis, nas quais ele debatia firmemente os oponentes ideológicos e convenceu mais do que alguns com suas habilidades de fala, argumentos bem elaborados e determinação implacável. Engels também foi responsável pela elaboração de Princípios do Comunismo, um documento destinado ao consumo popular que elucidou os fundamentos do comunismo de Marx e Engels em algumas páginas curtas. Foi este documento que serviu como um modelo áspero para o que se tornaria o panfleto político mais retumbante dos tempos modernos, o Manifesto Comunista.

Engels não parou em apenas ensinar e escrever e co-escrever tratados revolucionários, ele também usou suas habilidades em oratória e perspicácia política para ir entre a classe trabalhadora lutar para conquistar os trabalhadores para o comunismo. Um exemplo foi Engels viajando para Paris com nada além de sua pequena soma de dinheiro e sua própria inteligência na tentativa de converter Straubingers (trabalhadores imigrantes alemães que se inscreveram no “verdadeiro socialismo” e alguns para as teorias do anarquista francês Proudhon). Ele participou de todas as reuniões semanais, falou, debateu, denunciou e intimidou até que a maioria viesse ao seu lado. Ele transformou sua política de uma minoria de um para uma maioria que abrangeu todos, exceto dois ou três, sozinho. Sua luta na conversão desses trabalhadores “não educados” aperfeiçoou suas capacidades como popularizador, uma habilidade que ele aperfeiçoaria em seus últimos anos, quando propulsionou o marxismo a novos níveis de popularidade.

Velho Engels
Enquanto Engels apoiou financeiramente Marx em seu monumental esforço de economia política, O Capital, ele ainda trabalhou nos bastidores politicamente, lutando pelo domínio político na Primeira Internacional, publicando trabalhos mais curtos como o agora clássico A Origem da Família, da Privada Propriedade e do Estado, e editando e adicionando sugestões às obras de Marx. Engels foi o secretário correspondente da Primeira Internacional para a Bélgica, Itália, Espanha, Portugal e Dinamarca. Ele foi capaz de coordenar uma luta proletária multi-país de seu estudo em Manchester. Todos os artigos e documentos relativos ao movimento dos trabalhadores foram entregues pessoalmente à sua casa, e ele se debruçou sobre cada um com meticulosidade. Ele rastreou disputas faccionais e eventos práticos similares em todo o movimento continental dos trabalhadores. Ele também fez traduções e correspondência com representantes trabalhistas em várias línguas e foi encarregado de editar e aprovar todos os rascunhos finais e traduções do trabalho marxista antes da publicação.

No entanto, apenas depois da morte de Marx em 1883 o marxismo como movimento emergiu, principalmente devido à popularização do marxismo e dos trabalhos de Marx por Engels. De fato, as principais figuras da Segunda Internacional creditam Engels, não Marx, com a sua conversão ao marxismo, citando especificamente as obras de Engels Anti-Dühring e Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico, como catalisador da explosão do marxismo no continente. August Bebel, Eduard Bernstein, Georgi Plekhanov e Karl Kautsky confessaram ser feitos marxistas pelo livro Anti-Dühring. Foi com esses dois panfletos que países como Inglaterra, Áustria, França, Alemanha e Itália finalmente tiveram sinopses compactas do marxismo pela primeira vez em uma forma facilmente digerível, destinada ao consumo popular pelas massas proletárias e seus intelectuais revolucionários.

Foi também durante esse tempo que Engels começou a olhar para as ciências naturais como uma prova adicional da validade do materialismo dialético e do materialismo histórico. O resultado de sua pesquisa foi vários artigos incompletos e notas sobre assuntos que vão desde matemática, química, biologia e evolução humana, que posteriormente foram coletados no livro Dialética da Natureza. Embora grande parte do livro esteja agora desacreditada com as descobertas recentes, e, de acordo com Albert Einstein, as seções sobre matemática foram totalmente confusas, o ensaio curto O papel do trabalho na transformação do macaco em homem foi aclamada por cientistas proeminentes como Stephen Jay Gould como o único texto do século 19 a antecipar o co-desenvolvimento do cérebro e mãos humanos no processo evolutivo. Este trabalho também condensou a dialética nas três principais leis da transformação da quantidade em qualidade, negação da negação e unidade e conflito de opostos, todos decorados com seus exemplos apropriados do mundo natural.

Longe de ser o açougueiro vulgar das ideias de Marx e do próprio marxismo, Engels foi fundamental, de fato, indispensável para a criação do marxismo. Ainda mais importante foi o papel de Engels como um popularizador de idéias marxistas, levando à fusão mundial histórica do movimento da classe trabalhadora com o marxismo. Não pode haver marxismo sem Engels, nem historicamente falando, nem politicamente. Engels foi o aríete para o marxismo, o tático bem-aventurado, o soldado disciplinado e militante do comunismo e do proletariado marchando com zelo revolucionário em todo o continente. Das favelas e moradias operárias de Manchester às reuniões dos trabalhadores em Paris, Engels era o propagador incansável de uma política à qual ele chegou mesmo antes de Marx. Engels era comunista em palavras e atos, além de um incrível organizador que provava que ele era muito mais do que o inferior a Marx, ou que ele de certo modo nem era marxista. Engels foi o primeiro marxista, aquele que colocou a base sobre a qual a torre do marxismo poderia ser construída. Sem o ardente e jovem soldado comunista de uma piedosa família burguesa, toda a estrutura do marxismo poderia ter sido apenas uma nota de rodapé na história mais ampla da política proletária em vez de seu tesouro e guia para mudar o mundo.

 

Do blog Necessity and Freedom

Tradução de Leonardo Lamarca

 

Please reload

Leia também...

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

13/11/2019

Lenin: "Sobre os Sindicatos, o momento atual e os erros de Trotsky"

13/11/2019

URC: "Sobre o Golpe de Estado imperialista na Bolívia"

12/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube