"'Minha vida não é seu pornô': mulheres sul-coreanas protestam contra assédio"

11/06/2018

 
 Na maior marcha pelos direitos das mulheres na história do país, milhares de ativistas invadiram as ruas de Seul, extravasando sua ira contra a “câmera escondida” da indústria da pornografia e contra a polícia por sua negligente investigação de crimes sexuais.

Cerca de 30 mil mulheres, muitas delas usando máscaras por medo de exposição, marcharam da Estação Hyehwa na capital sul-coreana, para protestar contra o que eles dizem é uma resposta à parca aplicação da lei aos homens espionando mulheres vítimas inocentes em banheiros públicos, em trens, ônibus e outros locais públicos com câmeras escondidas.

O gênero pornográfico bizarro, conhecido como “molka”, tornou-se cada vez mais popular entre a população que consome tecnologia na Coreia do Sul.

Os manifestantes estavam carregando cartazes dizendo “Minha vida não é seu pornô” exigindo punição àqueles que produzem e consomem o chamado “pornô espião”.

A manifestação de sábado é a segunda vez em dois meses que as mulheres saem às ruas para protestar contra a impunidade dos autores desses crimes, que são predominantemente do sexo masculino. Em 19 de maio, um comício similar atraiu pelo menos 12 mil mulheres. Assim como no sábado, os manifestantes estavam cobrindo seus rostos com máscaras e imprimiam imagens de câmeras.

Enquanto a questão não é nova, a atual onda de protestos foi provocada por um incidente no início de maio, quando uma mulher foi presa fazendo filmagens de um modelo masculino nu posando para uma aula de arte na Universidade de Hongik. A polícia agiu rapidamente e não apenas levou a suspeita à justiça, mas também a exibiu na frente da mídia, embora com o rosto coberto. O caso se tornou a gota d'água para muitas mulheres, que viam preconceitos de gênero na ação da polícia.

“Nenhum caso nunca recebeu tanta atenção da mídia como o incidente Universidade Hongik”, disse uma organizadora do protesto de 19 de maio que, como suas colegas manifestantes, preferiu ficar anônima por medo de vingança, conforme citado por Yonhap.

“Embora as mulheres sejam vitimadas por câmeras escondidas, mesmo em locais públicos, é difícil para nós ver notícias sobre os homens que filmam e vazam essas imagens sendo punidas”, acrescentou.

A polícia rejeitou as alegações de preconceito, insistindo que tratam todas as vítimas da mesma forma. Críticos do movimento de protesto argumentam que a mulher foi prontamente detida por nenhuma outra razão além de evidências claras apontando contra ela.

De acordo com as estatísticas policiais, os suspeitos de casos de 'molka' são em sua maioria esmagadora homens. Em 2017, cerca de 96% dos suspeitos capturados pela polícia em 5.437 casos foram do sexo masculino. Destes, 119 foram punidos. Dos 283 suspeitos apreendidos, nenhuma delas enfrentou acusações.

Em uma escala maior, apenas 2,6% dos suspeitos do sexo masculino foram presos entre 2012 e 2017, cerca de 540 pessoas em mais de 20.900 suspeitos deste tipo de assédio.

 

Da Russian Today (RT)

 

Please reload

Leia também...

"Para você, amado camarada"

19/11/2019

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube