Mao: "O momento decisivo da Segunda Guerra Mundial"

22/06/2018

 

A Batalha de Stalingrado tem sido comparada pela imprensa estadunidense e britânica à Batalha de Verdun, e a “Verdun Vermelha” agora é famosa em todo o mundo. A Batalha de Stalingrado é diferente em natureza da Batalha de Verdun na Primeira Guerra Mundial. Mas elas têm o seguinte em comum – agora, como antes, muitas pessoas são levadas ao engano pela ofensiva alemã ao pensar que a Alemanha ainda pode ganhar a guerra. Em 1916 as forças alemãs lançaram diversos ataques contra a fortaleza francesa de Verdun, dois anos antes de a Primeira Guerra Mundial terminar no inverno de 1918. O comandante em chefe em Verdun era o príncipe coroado alemão e as forças jogadas à batalha eram o melhor do exército alemão. A batalha foi de significância decisiva. Após os ferozes assaltos alemães falharem, todo o bloco austro-alemão-turco-búlgaro não tinha mais futuro, e a partir de então suas dificuldades se amontoaram, foi desertado pelos seus seguidores, desintegrou, e finalmente colapsou. Mas naquela época, o bloco anglo-estadunidense-francês não entendeu essa situação, acreditando que a Alemanha ainda era muito forte, e mal sabiam que estavam se aproximando da própria vitória. Historicamente, todas as forças reacionárias à beira da extinção conduziram invariavelmente uma última e desesperada luta contra as forças revolucionárias, e alguns revolucionários podem ser enganados por um momento por esse fenômeno de força externa, mas fraqueza interna, não conseguindo entender o fato essencial de que o inimigo está quase extinto enquanto eles estão se aproximando da vitória. O surgimento das forças do fascismo e a guerra de agressão que vêm conduzindo há alguns anos são precisamente a expressão de uma última luta desesperada; e nesta presente guerra o ataque a Stalingrado é a expressão da última luta desesperada do fascismo em si. Neste momento decisivo na história, também, muitas pessoas na frente do mundo antifascista foram enganadas pela feroz aparência do fascismo e não conseguiram discernir sua essência. Por quarenta e oito dias, uma batalha sem precedentes e amarga, sem paralelo na história da humanidade – de 23 de agosto, quando toda a força alemã atravessou a curva do rio Don e começou o ataque total em Stalingrado, até 15 de setembro, quando algumas unidades alemãs invadiram o distrito industrial na seção noroeste da cidade, e até 9 de outubro, quando o Departamento de Informação soviético anunciou que o Exército Vermelho havia violado a linha alemã de cerco nesse distrito. Em última análise, essa batalha foi conquistada pelas forças soviéticas. Durante esses quarenta e oito dias, a notícia de cada revés ou triunfo daquela cidade tomava os corações de inúmeros milhões de pessoas, agora trazendo ansiedade, agora as agitando em exaltação. Esta batalha não é apenas o momento decisivo da guerra soviético-alemã, nem mesmo da atual guerra mundial antifascista, é o ponto de viragem da história de toda a humanidade. Ao longo destes quarenta e oito dias, as pessoas do mundo assistiram Stalingrado com uma preocupação ainda maior do que assistiram Moscou em outubro passado. Até sua vitória na frente ocidental, Hitler parece ter sido cauteloso. Quando ele atacou a Polônia, quando atacou a Noruega, quando atacou a Holanda, a Bélgica e a França, e quando atacou os Balcãs, concentrou toda sua força em um objetivo por vez, sem ousar dispersar sua atenção. Após sua vitória na frente ocidental, ele ficou tonto de sucesso e tentou derrotar a União Soviética em três meses. Ele lançou uma ofensiva contra este enorme e poderoso país socialista ao longo de toda a frente que se estendeu de Murmansk no norte para a Criméia no sul e, ao mesmo tempo, dispersou suas forças. O fracasso de sua campanha de Moscou em outubro passado marcou o fim da primeira etapa da guerra soviético-alemã, e o primeiro plano estratégico de Hitler falhou. O Exército Vermelho parou a ofensiva alemã no ano passado e lançou uma contra-ofensiva em todas as frentes no inverno, o que constituiu a segunda fase da guerra soviético-alemã, com Hitler recuando e partindo para a defensiva. Neste período, depois de demitir Brauchitsch, seu comandante-em-chefe, e assumir o comando ele mesmo, ele decidiu abandonar o plano para uma ofensiva total, ele decidiu abandonar o plano de uma ofensiva total, vasculhou a Europa atrás de todas as forças disponíveis e preparou uma ofensiva final que, embora limitada à frente do sul, iria, ele imaginava, atacar os pontos vitais da União Soviética. Porque era sob a natureza de uma ofensiva final sobre a qual o destino do fascismo se pendurava, Hitler concentrou as maiores forças possíveis e até se mudou parte de seus aviões e tanques da frente de batalha norte-africana. Com o ataque alemão contra Kerch e Sevastopol em maio deste ano, a guerra entrou em sua terceira etapa. Juntando um exército de mais de 1.500.000 pessoas, que foi apoiado pela maior parte de sua força aérea e artilharia, Hitler lançou uma ofensiva de fúria sem precedentes em Stalingrado e no Cáucaso. Ele se esforçou para capturar esses dois objetivos a grande velocidade com o duplo propósito de cortar o Volga e tomar Baku, pretendendo posteriormente dirigir contra Moscou ao norte e atravessar o Golfo Pérsico no sul; ao mesmo tempo, ele direcionou os fascistas japoneses à reunir suas tropas na Manchúria em preparação para um ataque na Sibéria após a queda de Stalingrado. Hitler esperava em vão enfraquecer a União Soviética de tal forma que ele poderia libertar as principais forças do exército alemão do teatro de guerra soviético para lidar com um ataque anglo-americano na frente ocidental e aproveitar os recursos do Oriente Médio, e efetuando uma junção com os japoneses; Ao mesmo tempo, isso permitiria que as forças principais dos japoneses fossem liberadas do norte e, com a retaguarda segura, mover para o oeste contra a China e para o sul contra a Grã-Bretanha e os Estados Unidos.

 

Era assim que Hitler contava com a vitória do o campo fascista. Mas como as coisas aconteceram nesta fase? Hitler enfrentou as táticas soviéticas que selaram seu destino. A União Soviética adotou a política de primeiro atrair o inimigo à profundidade e, em seguida, apresentar uma resistência inflexível. Em cinco meses de luta, o exército alemão não conseguiu penetrar nos campos de petróleo caucasianos nem apoderar-se de Stalingrado, de modo que Hitler foi forçado a deter suas tropas antes das altas montanhas e fora de uma cidade inexpugnável, incapaz de avançar e incapaz de recuar, sofrendo imensas perdas e entrando em um impasse. Outubro já está aí e o inverno está se aproximando; Em breve, a terceira etapa da guerra terminará e a quarta etapa começará. Nenhum dos planos estratégicos de ataque de Hitler contra a União Soviética foi bem sucedido. Neste período, tendo em mente o fracasso no verão do ano passado, quando suas forças foram divididas, Hitler concentrou sua força na frente do sul. Mas, como ele ainda queria alcançar o duplo propósito de cortar o Volga no leste e tomar o Cáucaso no sul de um único golpe, ele novamente dividiu suas forças. Ele não reconheceu que sua força não combinava com suas ambições, e ele agora está condenado - "quando a padiola não está segura em ambos os lados, as cargas escorregam”. Quanto à União Soviética, quanto mais ela luta, mais forte ela fica. A brilhante direção estratégica de Stalin ganhou em completo a iniciativa e está atraindo Hitler para a destruição. A quarta etapa da guerra, a partir deste inverno, marcará a beira da destruição de Hitler.

 

Comparando a posição de Hitler na primeira e terceira etapa da guerra, podemos ver que ele está no limiar da derrota final. Tanto em Stalingrado quanto no Cáucaso, o Exército Vermelho já interrompeu de fato a ofensiva alemã; Hitler agora está perto da exaustão, tendo falhado em seus ataques contra Stalingrado e o Cáucaso. As forças que ele conseguiu montar ao longo do inverno, de dezembro passado a maio deste ano, já foram usadas. Em menos de um mês, o inverno chegará na frente soviético-alemã, e Hitler terá de mudar apressadamente para a defensiva. Todo o cinturão do oeste e do sul do Don é a sua área mais vulnerável, e o Exército Vermelho continuará até a contra-ofensiva lá. Neste inverno, estimulado pelo medo de sua destruição iminente, Hitler novamente reorganizará suas forças. Para enfrentar os perigos nas frentes oriental e ocidental, ele talvez possa juntar os restos de suas forças, equipá-los e transformá-los em algumas novas divisões e, além disso, vai buscar ajuda de seus três fascistas parceiros, Itália, Romênia e Hungria, e extorquir mais algumas buchas de canhão deles. No entanto, ele terá que enfrentar as enormes perdas de uma campanha de inverno no leste e estar pronto para lidar com a segunda frente no oeste, enquanto a Itália, a Romênia e a Hungria vão se tornando pessimistas à medida que vêem que tudo depende de Hitler, cada vez mais se afastarão dele. Em suma, depois de 9 de outubro, há apenas uma estrada aberta para Hitler, o caminho para a extinção. A defesa de Stalingrado pelo Exército Vermelho nestes quarenta e oito dias tem certa semelhança com a defesa de Moscou no ano passado. Ou seja, o plano de Hitler para este ano foi frustrado, assim como seu plano para o ano passado. A diferença, no entanto, é que, embora o povo soviético tenha seguido sua defesa de Moscou com uma contra-ofensiva de inverno, eles ainda não tiveram que enfrentar a ofensiva do verão do exército alemão este ano, em parte porque a Alemanha e seus cúmplices europeus ainda tinham algum espírito de luta e parcialmente porque a Grã-Bretanha e os Estados Unidos atrasaram a abertura da segunda frente. Mas agora, na sequência da batalha pela defesa de Stalingrado, a situação será totalmente diferente da do ano passado. Por um lado, a União Soviética lançará uma segunda contra-ofensiva de inverno em grande escala, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos não poderão mais adiar a abertura da segunda frente (embora a data exata ainda não possa ser anunciada) e os povos da Europa estarão pronto para sublevar em resposta. Por outro lado, a Alemanha e seus cúmplices europeus já não têm força para montar ofensivas em larga escala, e Hitler não terá outra alternativa senão mudar toda a sua linha política para a defensiva estratégica. Uma vez que Hitler é obrigado a partir para a defensiva estratégica, o destino do fascismo está mais do que selado. Desde o seu nascimento, um estado fascista como Hitler constrói a sua vida política e militar ao tomar a ofensiva, e uma vez que a sua ofensiva pára a sua própria vida também pára. A Batalha de Stalingrado vai parar a ofensiva do fascismo e, portanto, é uma batalha decisiva. É decisiva para toda a guerra mundial.

 

Há três inimigos poderosos que enfrentam Hitler, a União Soviética, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos, e o povo nos territórios ocupados pela Alemanha. Na frente oriental está o Exército Vermelho, firme como uma rocha, cujas contra-ofensas continuarão por todo o segundo inverno e mais; É essa força que decidirá o resultado de toda a guerra e o destino da humanidade. Na frente ocidental, mesmo que a Grã-Bretanha e os Estados Unidos continuem sua política de observar e estancar, a segunda frente acabará por ser aberta, quando chegar a hora de acreditar no tigre morto. Depois, há a frente interna contra Hitler, a grande insurreição do povo que se prepara na Alemanha, na França e em outras partes da Europa; eles responderão com uma terceira frente no momento em que a União Soviética lançar uma contra-ofensiva total e as armas soarem na segunda frente. Assim, um ataque de três frentes convergirá em Hitler – tal é o grande processo histórico que seguirá a Batalha de Stalingrado.

 

A vida política de Napoleão terminou em Waterloo, mas o ponto decisivo foi sua derrota em Moscou. Hitler hoje está caminhando na estrada de Napoleão, e é a Batalha de Stalingrado que selou seu destino.

 

Esses desenvolvimentos terão um impacto direto no Extremo Oriente. O próximo ano também não será propício para o fascismo japonês. À medida que o tempo passa, suas dores de cabeça crescerão, até que ele desça para o túmulo.

 

Todos aqueles que têm uma visão pessimista da situação mundial devem mudar seu ponto de vista.

 

Escrito por Mao Tsé-tung

 

Publicado pela primeira vez em 12 de outubro de 1942, no Diário da Libertação

 

Please reload

Leia também...

"A cruzada dos Estados Unidos contra a cooperação médica internacional de Cuba"

25/01/2020

Dimitrov: "Sobre a luta contra o fascismo e os Sindicatos Amarelos"

24/01/2020

"A discriminação racial é uma doença crônica do capitalismo"

23/01/2020

"O 29º Aniversário da Morte de V. I. Lenin"

21/01/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube