FPLP: "O massacre de Gaza mostra a verdadeira natureza do sionismo e do imperialismo"

18/05/2018

 

Após o massacre cometido em 14 de maio em Gaza pelo exército sionista, em que as forças de ocupação israelenses mataram 61 palestinos que participavam da Longa Marcha de Retorno para o seu direito de voltar a sua terra e o fim do estado de sítio, O camarada Khaled Barakat, um escritor palestino de esquerda, participou de um debate com o Comitê de Comunicação da FPLP.


"O que aconteceu em Gaza é uma revolta para se livrar da ocupação israelense e pôr fim ao estado de sítio que dura mais de 11 anos", disse Barakat. "As classes populares na Palestina estão recuperando seu papel e reivindicando a sua causa, como testemunha uma tentativa direta pelos Estados Unidos, Israel e os regimes reacionários árabes para eliminar os direitos nacionais do povo palestino".

"O povo palestino assumiu a responsabilidade em Gaza de acabar com o estado de sítio com suas próprias mãos", disse Barakat. "O papel da classe trabalhadora também tem sido representada pela ampla participação de jovens e mulheres no campo de batalha, criando um terreno fértil para o desenvolvimento de formas criativas de luta, de pipas que voam para atirar pedras para recuperar o espírito e as lições tantas intifadas, inclusive a grande Intifada que nasceu e se desenvolveu há 30 anos ".

"A imagem em Gaza, com tropas israelenses disparando munição real contra civis desarmados, foi simultaneamente acompanhado por uma celebração em Jerusalém para a abertura da embaixada dos EUA na capital palestina ocupado", disse Barakat. "Essa ação dos Estados Unidos e da administração Trump é vista pelos palestinos como um ataque direto aos seus direitos, em particular seus direitos em Jerusalém".

"Hoje, o triângulo de agressão enfrentado pelo povo palestino é o mesmo de sempre: o imperialismo, o sionismo e os regimes árabes reacionários", disse Barakat. "Isso é evidente hoje com a relação entre Trump, Netanyahu e Mohammed bin Salman, o verdadeiro “eixo do mal ". É neste contexto e contra estas forças que o nosso povo em Gaza estão indo para os últimos 45 dias, com seus esforços heróicos e corajosos sob a bandeira de retorno e acabar com o estado de sítio".

Barakat disse que "a participação popular massiva que ultrapassou em muito o número de 'facções militantes', destacou a imensa raiva e resistência popular contra o cerco contínuo e contra todas as suas partes e seus cúmplices, especialmente o papel sujo da Autoridade Palestina em Ramallah de mortificar nosso povo em Gaza, em uma tentativa de criar uma explosão interna em Gaza para dividir e desarmar a resistência”. “No entanto – declarou – as classes populares tornaram isso em uma onda insurrecional contra o inimigo real, elevando os princípios das próprias raízes da causa palestina: retorno e libertação".

"Esta ação reflete a sabedoria das massas, as classes populares, que constituem a base da resistência palestina armada e popular", declarou Barakat. "Se lembrarmos, o estado de sítio deveria ser levantado em 2009, 2012 e 2014, após os grandes sacrifícios e heroísmo das massas palestinas. No entanto, após cada agressão e cada guerra, o estado de sítio tornou-se mais tenso e brutal. As chamadas ‘garantias egípcias’ que acompanhavam o fim de cada guerra tornaram-se promessas vazias e Israel nunca honrou nenhuma delas”.

Barakat disse que "a nossa mensagem para o mundo de hoje é para mostrar o papel da chamada 'comunidade internacional', particularmente nos Estados Unidos e na Europa, as potências imperialistas responsáveis ​​pelo sionismo e colonialismo na região. Ressaltamos também a importância de não serem enganados por empresas e círculos oficiais no Ocidente, tentando transformar a luta em Jerusalém em uma questão de rivalidade religiosa e converter o abate de Gaza em ‘confrontos’. Além disso, é importante não para apresentar uma falsa perspectiva sobre a causa palestina para parecer mais aceitável ou atraente para esses mesmos meios de comunicação ocidentais, minimizando os princípios e demandas por dezenas de milhares de palestinos estão marchando e enfrentando fogo real e pelos palestinos lutaram por mais de 70 anos".

"Assim como há muitos sacrifícios, também vemos muita solidariedade e unidade social", disse Barakat. "Pode parecer que nosso povo em Gaza estava lutando sozinho durante esses dias, mas não é assim. Este é um sentimento geral contido hoje em todas as contingências populares palestinas, sejam eles palestinos no Líbano, na Síria, na Jordânia, no exílio e na diáspora de 48. No entanto, esta nova onda de resistência popular palestina está unindo os palestinos em uma unidade popular e não uma mera fachada de unidade oficial. A enorme unidade sentimental que os palestinos sentem deve ser transformada em uma unidade de ação material”.

"Nesta semana, por exemplo, temos visto pedidos conjuntos de ação em quase todas as comunidades palestinas. Vemos ações espontâneas em que todos os palestinos de diferentes tendências políticas estão participando. Portanto, o povo palestino não está dividido ou separado um do outro, apesar das fofocas sobre 'divisão'”, disse Barakat.

"O que está acontecendo em Gaza hoje é também uma clara crítica e censura a burguesia compradora palestina em Ramallah. É aqui que encontramos a essência das contradições internas palestinas. 99% dos palestinos estão em conflito com os 1% dos palestinos que tentam falar em nome dos 99%, eliminando e negociando com seus direitos em seu próprio interesse", disse ele.

"Os palestinos estão enfrentando grandes desafios hoje. Não é a primeira vez na história de sua luta que eles fazem isso, mas também faz parte do que o povo da região está experimentando; um ataque hegemônico e intensificado dos Estados Unidos, Israel e Arábia Saudita e uma tentativa de modificar o conflito de luta anticolonial entre o povo árabe e Israel para criar um conflito entre o povo árabe e o Irã", disse Barakat. "A retirada de Trump do acordo nuclear do Irã, o mais recente esforço para atacar o Irã, demonstra como os Estados Unidos não respeitam suas próprias palavras e estão felizes em eliminar os tratados em um momento de conveniência para os interesses de seus governantes. Trump não apenas ameaça o futuro do povo iraniano, mas também o povo – e não os interesses do capital – da Europa e dos Estados Unidos".

"Neste contexto e devido a estes fatos, é agora absolutamente necessário construir uma frente de resistência nacional unificada que inclua a resistência armada em particular, com uma estratégia nacional unificada alcançada através da participação popular. A livre participação do povo palestino na luta de libertação é tanto um dever quanto um direito", concluiu Barakat. "Hoje, pede-se a todos os palestinos que assumam suas responsabilidades, e o primeiro é exigir sua causa daqueles que buscam assinar acordos em nome do povo palestino. Para realizá-lo, devemos criar um espaço para a mais ampla participação palestina, bem como a participação mais ampla e as alianças árabes e internacionais".

 

Da Frente Popular pela Libertação da Palestina (FPLP)

 

 

Please reload

Leia também...

O Socialismo Científico de Marx e Engels e o combate às ideias antiproletárias

09/12/2019

"Conversa entre J.V. Stalin e Mao Tsé-tung"

29/11/2019

"Carta da Komintern ao Comitê Central do PCB em 1933"

28/11/2019

Gramsci: "Legalidade"

27/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube