Lumumba: "Aos jovens do Congo"

10/05/2018

 

Hoje estou me dirigindo aos jovens, aos jovens da República do Congo.

 

Ao falar com eles, estou endereçando estas palavras para as gerações futuras, porque o futuro do nosso amado país pertence a elas.

 

Estamos lutando contra nossos inimigos para preparar uma vida melhor e mais feliz para nossa juventude.

 

Se tivéssemos sido egoístas, se tivéssemos pensado apenas em nós mesmos, não teríamos feito os inumeráveis ​​sacrifícios que estamos fazendo.

 

Estou ciente de que nosso país pode se libertar completamente das correntes do colonialismo político, econômico e espiritual apenas ao preço de uma luta implacável e às vezes perigosa. Juntamente com a juventude do país, travamos essa luta contra o domínio estrangeiro, contra a exploração mercantil, contra a injustiça e a pressão.

 

Os jovens que estão inativos e explorados há muito tempo já se conscientizaram de seu papel de porta-estandarte da revolução pacífica.

 

Os jovens do Congo lutaram ao nosso lado em cidades, aldeias e nas selvas. Muitos de nossos jovens foram atingidos pelas balas dos colonialistas. Muitos deles deixaram seus pais e amigos para lutar heroicamente pela causa da liberdade. A resistência que os jovens ofereceram aos agressores em Leopoldville em 4 de janeiro e em Stanleyville a 30 de outubro de 1959 merecem todos os elogios.

 

Com profunda emoção me curvo em memória desses corajosos patriotas, desses lutadores pela liberdade africana.

 

O tempo não está muito distante quando um grande número de homens e mulheres jovens foram expulsos das escolas por seus professores e instrutores brancos, sob a suspeita de ter ideias nacionalistas. Muitos jovens brilhantemente talentosos recusaram a oportunidade de receber uma educação superior pela simples razão de que não desejavam mais ser doutrinados pelos colonialistas, que queriam transformar nossos jovens homens e mulheres em servos eternos do regime colonial.

 

Durante a heróica luta dos nacionalistas congoleses, os jovens, mesmo aqueles que ainda estavam sentados nas mesas escolares, se opuseram resolutamente a todas as novas formas de colonialismo, sejam elas políticas, sociais, espirituais ou religiosas.

 

Seu único sonho era a libertação nacional. Seu único objetivo era a independência imediata. Sua única resolução era empreender uma luta implacável contra os fantoches e emissários dos colonialistas.

 

Graças à mobilização geral de toda a juventude democrática do Congo, os nacionalistas congoleses conquistaram a independência da nação. Recebemos essa independência ao preço de uma luta sinistra, ao preço de todo tipo de privações, ao preço de lágrimas e sangue.

 

Depois que a independência foi solenemente proclamada em 30 de junho de 1960, os colonialistas e seus emissários negros iniciaram uma guerra bárbara na jovem República do Congo. Eles começaram essa agressão pérfida porque o governo nacionalista agora no poder não queria que eles continuassem a explorar o nosso país como era antes de 30 de junho, o dia histórico em que o povo de nosso país disse adeus aos colonialistas belgas.

 

Não tendo qualquer apoio, particularmente entre a classe operária, que chegaram no limite da exploração colonial, os colonialistas e seus capangas agora querem forçar certas seções da juventude a servi-los para poder propagar o renascimento do colonialismo. É por isso que certa parte da juventude, felizmente não muito numerosa, mergulhou no derrotismo nacional.

 

Felizmente, a grande maioria dos jovens viu através desta última tentativa dos imperialistas, que estão se aproveitando  da insatisfação de alguns descontentes, daqueles que falharam nas eleições porque não tinham a confiança do povo.

 

Esta juventude nacionalista realizou recentemente manifestações em várias cidades da República para mostrar sua absoluta e total oposição às intrigas imperialistas.

 

Jovens, saúdo-os e felicito-os pelo seu espírito cívico e patriótico. Jovens, especialmente para vocês, criei um Ministério para Assuntos da Juventude e Esportes sob o Governo Central. É o seu ministério. Está à sua disposição. Muitos de vocês, sem qualquer discriminação, serão chamados para dirigir este Ministério, seus diferentes serviços e atividades.

 

Hoje, no Congo livre e independente, não devemos ter um Bangala, um Partido da Unidade Nacional, uma Associação dos Jovens de Bakongo, Mukongo, Batetela ou Lokele, mas uma juventude unida, congolesa, nacionalista e democrática. Esta juventude servirá a revolução social e econômica do nosso grande e amado país.

 

Vocês, jovens, devem combater energicamente o tribalismo, que é um veneno, um flagelo social que é a desgraça do país hoje. Vocês devem combater todas as manobras separatistas, que alguns dos defensores da política de divisão estão tentando transmitir para pessoas jovens e inexperientes sob o nome de federalismo, federação ou confederação.

 

Na realidade, jovens, tais nomes são apenas um novo vocabulário trazido pelos imperialistas para nos dividir, a fim de melhor e mais convenientemente explorar-nos. Todo o seu futuro será ameaçado se vocês não se opuserem a essas manobras, a esta nova colonização disfarçada.

 

Vocês devem se orgulhar de pertencer a uma grande nação, a um grande país, a um grande poder. Este poder, que os imperialistas invejam hoje, está incorporado na unidade nacional. Tal unidade deve ser a herança que vocês, por sua vez, devem deixar aos seus filhos.

 

O Governo enviará em breve 300 jovens para estudar nos EUA, 150 na União Soviética e 20 na Guiné, para não mencionar outros países.

 

O Congo não é mais uma reserva nacional, um parque nacional, um zoológico sem saídas. Amanhã vocês devem ir a todos os lugares para estudar, aprender uma especialidade e conhecer o mundo. Trabalhadores, o povo trabalhador terá participação igual nessas missões de estudo.

 

Vocês devem ir a todos os lugares, a todas as partes do mundo. Esses contatos com o mundo exterior, esse confronto direto com a realidade da vida farão de vocês pessoas experientes, das quais o Congo livre e independente necessita hoje.

 

Vocês não irão para lá como representantes da Associação de Bakongo, do Partido da Unidade Nacional, do Movimento Nacional do Congo ou da Juventude do Centro de Reagrupamento Africano. Vocês serão cidadãos congoleses, simplesmente congoleses. E pelo vosso comportamento, devoção, inteligência e maturidade política, vocês devem ser um crédito para a sua pátria congolesa.

 

Juventude, o Congo pertence a você. O governo nacional, o governo popular fará tudo o que estiver ao seu alcance para impedir que o Congo seja arrancado de você.

 

Viva a República do Congo!

 

Viva a juventude democrática do povo!

 

Agosto de 1960

 

Por Patrice Lumumba

 

Traduzido por I.G.D.

 

Please reload

Leia também...

"Para você, amado camarada"

19/11/2019

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube