"Lutar contra o imperialismo francês!"

24/04/2018

 

Há quase um século, com o golpe de mão, o imperialismo francês empreendeu o roubo de nosso país.

 

Houve a conquista. Houve o massacre de mulheres e crianças, a queima de aldeias e colheitas, o roubo de riquezas por um exército ávido por saques e sangue.

 

De 15 anos para cá, saquearam dos nativos: 18 milhões de cordeiros, três milhões de bois, quase um milhão de dromedários e, durante a expedição na Cabília, 300 aldeias foram queimadas.

 

Relataremos aqui apenas alguns fatos dentre os milhares que ocorreram.

 

Mas é importante notar que enquanto os massacres são feitos, o trabalho do banditismo continua com a perversidade característica do imperialismo francês. Desde a conquista, 11 milhões de hectares das melhores terras foram roubados; deste modo, os nativos são escorraçados para o sul árido e, consequentemente, dizimados por fomes periódicas. Multas coletivas atingem aldeias inteiras, os sequestros completam a ruína do povo argelino, que está mergulhado na pobreza.

 

Em poucas palavras, estes são os resultados da conquista.

 

Para nos impedir de gritar “Ladrões! Assassinos!”, o imperialismo nos engasga com o Code de l'Indigénat, um vestígio da mais obscura barbárie. Em virtude deste código, toda a violência praticada pelos colonos é legitimada antecipadamente. Roubo, tortura e homicídio são encorajados, e os culpados são assegurados pela impunidade.

 

Sem direitos políticos, sem liberdade para argumentar ou para se reunir.

 

Embora 98 anos nos separem da conquista, permanecemos como reféns da guerra de 1830, e a liberdade de viajar nos é concedida de maneira comedida. Nem durante o regime feudal - que o imperialismo alega ter abolido - essa iniquidade não existia.

 

Tudo isso sob a máscara hipócrita da civilização.

 

O imperialismo força-nos ao alistamento em seu exército.

 

O imperialismo, a fim de sanar investidas fracassadas de alguns países europeus, não hesita em nos massacrar em lutas fratricidas; nós mesmos contribuímos inconscientemente para a escravização de nossos irmãos marroquinos e sírios e, do mesmo modo, reforçamos nossa própria opressão.

 

Em nossas próprias fileiras essa posição pró-escravidão encontra adeptos e propagadores entre os traidores e vendedores. O imperialismo francês, graças à corrupção, soube envolver em suas políticas os elementos pelos quais exerce sua influência e dominação. Através das bocas de Bentami e Chekiken, podemos esperar uma chamada “generosidade” de lobos para os cordeiros.

 

Muçulmanos! Nossa conduta é estabelecida para nós sob a jurisdição de um regime tão odioso.

 

Unam seus esforços para melhorar nosso destino. Pela supressão do Code de l'Indigénat, pela liberdade de imprensa e de reuniões, pela igualdade do serviço militar, pela liberdade de imigração, contra o envio de tropas nativas para terras estrangeiras, contra a guerra em Marrocos! Lutar contra o imperialismo francês e por isso:

 

ENTRAR EM MASSA NA ÉTOILE NORD-AFRICAINE!*

 

VIDA LONGA À INDEPENDÊNCIA DA ARGÉLIA!

 

1928

 

Messali Hadj

 

Nota:

* Estrela Norte-africana (ENA)

 

 

Please reload

Leia também...

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

13/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube